De Passagem e o olhar contemplativo pela periferia | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Local, Global de Heloisa Buarque de Almeida pela Berlendis & Vertecch (2013)
>>> A Ordem Negra de James Rollins pela Ediouro (2007)
>>> Geometria Analítica Plana de Steinbruch Basso pela Makron Books (1991)
>>> Plano de Negócios de Egoy Walter Wildauer pela Intersaberes (2012)
>>> A Rendeira Borralheira de Socorro Acioli; Alexandre Camanho pela Positivo Livros (2009)
>>> How to Launch a Brazilian Depositary Receipts (bdrs) Program de Vários Autores pela Pwc
>>> Amanhã é outro dia de J.m. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> Tempo Bom, Tempo Ruim de Jean Wyllys pela Paralela (2014)
>>> O Fantasma de Canterville de Oscar Wide pela Scpione (2006)
>>> não vi enão gastei - O fenômeno do Prenconceito de Renato da Siva Queiroz pela Moderna (1997)
>>> O Evangelho Segundo o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2016)
>>> Giocondo Dias - a Vida de Revolucionario de João Falçãqo pela Agir (1993)
>>> Passenger to Frankfurt de Agatha Christie pela Harpercollins Uk (2017)
>>> Por Que Sonhei Com Isso? de Evelyn Kay Massaro; Lauri Quinn Lowenberg pela Best Seller (2017)
>>> Born Montoneros - 9 Meses En las Entranãs de Montoneros de María Odonnell pela Sudamericana (2015)
>>> Mesa para Dois de Nora Roberts pela Harlequin Books Br (2007)
>>> Controle o Estresse de Augusto Cury pela Gold
>>> Schwert, Das de Daniel Easterman pela Aufbau Tb (2009)
>>> English in Formation 3rd Edition 8 Teacher Book de Wilson Liberato pela Standfor (2016)
>>> Metade de uma Rosa de Jonas Ribeiro pela Do Brasil (2007)
>>> Alarde Poético de Vários pela Não consta (2006)
>>> Perfume Derramado de Denise Seixas pela Bolabooks (2016)
>>> Evangelho Eterno e Orações Prodigiosas de Osvaldo Polidoro pela Do Autor (2009)
>>> Nao Pergunte Se Ele Estudou de Renato Alves pela Humano (2011)
>>> Habermas e a Dialética de David Igram pela Edunb (1993)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/5/2004
De Passagem e o olhar contemplativo pela periferia
Lucas Rodrigues Pires

+ de 7100 Acessos

De Passagem, filme de Ricardo Elias, poderia ser apresentado como a versão paulista e atual de Rio 40 Graus, o clássico de Nelson Pereira dos Santos. O filme é o reencontro de dois amigos negros, um envolvido com o tráfico de drogas e o outro cadete da escola militar carioca, num ambiente conhecido nacional - a periferia paulistana. Apesar de se voltar a esse cenário tão visitado ultimamente e em moda no cinema brasileiro, Elias realizou um filme que é o oposto do que se vê quando esses marginais sociais são retratados. De Passagem não mostra violência, não tem trilha sonora de rap ou hip hop, não exibe armas, tiros ou drogas e não apresenta um antagonista físico. Pelo contrário, é um filme reflexivo, contemplativo, intimista, que retrata um retorno à infância dos protagonistas com delicadeza e sutileza, o que o transforma num belo exemplar de filme que retrata uma realidade dura (a vida na periferia) de forma amena e sentimental.

O filme começa com um fim de tarde, quando vemos a silhueta de dois garotos jogando bola e um terceiro a cantar. A câmera é fixa, o garoto cantor está parado e só vemos os outros dois a correr atrás da bola. A cena se alonga até o fim da canção, de forma que já de início temos uma característica do que se verá adiante - planos longos, contemplativos, que nos abrem para refletir e questionar sobre a história. Pois bem, aí temos a apresentação dos personagens - Washington, Kennedy e Jefferson. Logo saberemos que aquela cena é o passado, quando eram crianças, e que o tempo da narrativa se passa aproximadamente dez anos depois, quando Jefferson volta para casa após receber a notícia de que o irmão Washington havia sido assassinado. Temos a ambientação da família e descobrimos que o morto estava envolvido com o tráfico de drogas e que Kennedy continuara seu amigo desde o tempo dos campinhos.

De Passagem se passa durante esse dia, quando os dois amigos, que não têm mais a cumplicidade de outrora, saem de casa numa peregrinação para encontrar e reconhecer o corpo do amigo e irmão. É durante a viagem que atravessa toda São Paulo, de uma periferia a outra, que esses dois seres, amigos e ao mesmo tempo desconhecidos, irão conviver, exteriorizar lembranças da infância (numa narrativa paralela que segue o mesmo trajeto da presente) que, na verdade, servirá como um rito de passagem para a vida adulta. O tema do rito de passagem é clássico no cinema e De Passagem explora essa passagem de várias formas. Jefferson e Kennedy irão pegar ônibus, trem e metrô em busca do irmão, convivendo e reconhecendo aquela realidade de forma melancólica (afinal, o irmão havia morrido e ele era, de certa forma, o elo de ligação entre ambos), mas também de amadurecimento. A imagem do trem em movimento, constante no filme, traz à tona essa idéia de movimento, passagem, transitoriedade, transformação. Antes e depois serão momentos distintos na vida desses dois jovens, e a viagem de trem marcará pela exorcização de um fantasma que rondava os jovens desde a infância.

Como já dito anteriormente, a câmera de Ricardo Elias, um jovem de 35 anos estreante no longa-metragem, é generosa, contemplativa, abre espaço para o interior dos personagens sem se apoiar em efeitos, dramaticidade gratuita ou trilha sonora comovente. Essa opção por uma forma considerada lenta comparada a outros filmes similares possibilitou belos planos-seqüências, seja dentro do ônibus, da periferia ou da emoção dos personagens. Um deles é tocante ao extremo: após ver o corpo do irmão, Jefferson espera que o amigo faça o reconhecimento. Elias prende-se em seu rosto em close, como se ali tivesse esquecido a câmera. À medida que o tempo passa (são longos segundos) vemos a expressão de Jefferson se humanizar, seus olhos se umedecerem. Essa cena é emblemática não apenas pela beleza do seu conteúdo imagético, mas também por nos levar a se emocionar junto a ele sem o artifício do som (trilha). É o momento de transformação interna do personagem, pois até aquele instante ele exibia uma postura rígida, um tanto insensível, digna de sua educação militar. Consciente ou não, Elias definiu claramente essa mudança, a catarse interna do protagonista, que se mostrava fechado às investidas do amigo por crer que este ainda estava envolvido com o tráfico.

No tocante à estrutura, De Passagem apresenta dois tempos distintos que se misturam. Um episódio da infância envolvendo os três garotos - uma entrega de um traficante vizinho - delimita a personalidade de cada um. Essa narrativa com as crianças invoca os meninos de Rio 40 Graus, de Nelson Pereira dos Santos, que descem do morro para o centro da cidade para vender amendoim e se envolvem em pequenas tramas. Em De Passagem, tal ação é narrada paralelamente ao tempo presente, ou seja, quando os dois jovens partem em busca do cadáver do terceiro para poder fazer o enterro. Mas, se olharmos bem, veremos que passado e presente estão fundidos num tempo só. Jefferson e Kennedy carregam em si aquele tempo de infância - um pelo fantasma que o episódio lhe gerou, outro por ter sido um tempo feliz que não volta mais, "o melhor de minha vida", nas palavras de Kennedy - e o revivem como uma forma de resgatar aquela inocência, recuperar algo perdido. Unindo tempo e espaço, Elias não só fez os personagens reviverem aquele episódio da infância no espaço, como também na mente. Essa interação possibilitou a fusão de tempos e de imagens, o que transformou ambas as experiências em uma única e, para os protagonistas, foi uma segunda chance de redenção.

A periferia surge como cenário de saída e chegada. É dela que saem Jefferson e Kennedy em busca do corpo de Washington e é nela que eles terminam. É na periferia que De Passagem começa - os garotos jogam bola e um está a cantar - e é nela que o filme termina. A periferia como espaço de crimes sim, mas também como o espaço onde as amizades florescem e permanecem, desde a infância até o anoitecer.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 10/5/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. Encontre seu motivo para blogar de Adriana Baggio
03. Agora eu era cronista de Marcelo Spalding
04. Aprender ficção de Marília Almeida
05. Ler em voz alta de Ana Elisa Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esboços de Sermões
Luis Roberto Silvado
A. D Santos
(2012)



Outras do Analista de Bagé
Luis Fernando Veríssimo
L pm
(2022)



Boas Maneiras e Sucesso nos Negócios
Celia Ribeiro
L&pm
(1993)



O Perito
Robert Finn
Publicações Europa-américa
(2009)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 155
Pini
Pini



O Estudante
Adelaide Carraro
Global
(2001)



Comunicacao Modernizacao e Difusao de Inovacoes no Brasil
Jose Marques de Melo
Vozes
(1978)



Inteligência - Perspectivas Teóricas
Leandro S. Almeida, Aristides Ferreira
Almedina
(2009)



Wireless Java With J2me - Sams Teach Yourself - in 21 Days.
Michael Morrison
Sams



Historias da Vo Cotinha Vivencias e Virtudes
Lucia Nobrega
Rideel
(2010)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês