Sambas da Joyce | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 10/6/2004
Sambas da Joyce
Adriana Baggio

+ de 5100 Acessos

Certa vez, em Dublin, Joyce passava pela frente de um teatro quando viu o cartaz anunciando o espetáculo Songs of Joyce. A primeira reação de Joyce, a cantora, foi pensar: "ué, eu não estou com nenhum show em Dublin". A segunda, menos egocêntrica, foi aproveitar a coincidência para compor uma das músicas de Banda Maluca (Biscoito Fino, 2004), lançado com sucesso na Europa, Japão e, assim como o melhor da música internacional, só agora no Brasil.

O Samba do Joyce, inspirado nessa anedota irlandesa, diz muito da Joyce. Primeiro, pela incongruência de um samba surgir da fria, cinzenta e conservadora Dublin. Mas quando se conhece a trajetória de Joyce isso é fácil de entender. Quase uma zé-ninguém no Brasil, apesar de ter começado a carreira em 1968 e de ter músicas gravadas por nomes famosos da MPB, como Milton Nascimento, no exterior a carioca do Posto 6 é musa cool da cena jazz. As músicas de Joyce agradam corpos tatuados e penas críticas da Europa, Japão e Estados Unidos; animam as festas de jovens de piercing e cabelos verdes, que não param de dançar ao som das misturas de samba e jazz. No Brasil, provavelmente provocariam bocejos. É uma das cantoras mais festejadas pelo mundo afora - menos no seu país de origem. Sem falsa modéstia, a explicação da própria Joyce para não fazer sucesso no Brasil é a péssima qualidade da música brasileira. Um verso de Samba do Joyce alfineta: "Samba, samba, o século vinte é só muamba". E quem vai dizer que ela está errada?

Uma outra qualidade da compositora, também presente em Samba do Joyce, é o talento com o verbo. Uma riminha bem interessante, "nega" com "Degas", dá pistas de uma afinidade da Joyce com o escritor irlandês homônimo. Enquanto foi fazer jornalismo porque a família não gostava muito da idéia dela cantora, ele foi incentivado a largar a literatura e tornar-se cantor - dizem que cantava muito bem. Quem sabe o que daria? O bom é que a afinidade acabou dando samba.

Banda Maluca é o retrato da experiência musical de Joyce. A vida em contato com diferentes culturas está refletida na "maluquice" da banda, que recebeu esse adjetivo por acolher paulista, carioca, baiano e até norueguês. As músicas também mostram uma Joyce que, em vez de se dividir entre o seu país e o estrangeiro, soube aproveitar o melhor de dois mundos. O repertório mistura samba, jazz, música francesa, um xote e até uma versão de "A hard day's night", de que eu não gostei, talvez pela rudeza do meu ouvido não perceber traços da canção original.

O interessante é que a versão da música dos Beatles é fruto dos momentos em que a cantora se diz mais inspirada e produtiva: nas passagens de som com sua banda, antes dos shows. No relax de tocar sem platéia e sem compromisso, só para que a técnica afine o que precisa ser afinado, surgem muitas surpresas. Já ouvi dizer que os Paralamas tocavam Led Zeppelin e que o Roupa Nova passava som tocando Deep Purple. Não dá pra imaginar...

Apesar de fazer sucesso com uma música sofisticada e elitista como o jazz, de ser cria assumida da bossa-nova, não se pode acusar Joyce de não dialogar com o popular, com a cultura brasileira. Um dos pontos que mais me chamou a atenção no repertório de Banda Maluca é que, ao lado da influência européia de músicas como "Pause, bitte", "L'etang" e "Mal em Paris", há espaço para temas e ritmos tipicamente nossos. O xote "Chuvisco", por exemplo, é uma gracinha! Começa doce, alegre, como um chuvisco à tarde para acompanhar um cochilo ou um café com bolinhos, mas termina tenso e pesado como a chuva caudalosa e traiçoeira, que carrega o que está pela frente. A letra acompanha o ritmo e a gente percebe que os temas bucólicos disfarçam um trabalho requintado de forma e conteúdo.

Não se espera encontrar essa temática singela, pé-no-chão, depois de se saber do sucesso e da credibilidade que a música de Joyce tem no cenário mundial. Mas é muito gratificante saber que um artista brasileiro faz sucesso no exterior com uma música que não é "étnica", como muitas das manifestações nacionais que despertam o interesse dos estrangeiros. O trabalho da cantora é admirado pelos críticos; ela toca com músicos de jazz conceituadíssimos; compõe em inglês; tem discos lançados no exterior que fazem o maior sucesso e que, provavelmente, nunca vão chegar aos ouvidos dos brasileiros - só se forem importados. No entanto, ela fala de coisas muito brasileiras em suas músicas. Apesar de longe de casa, sua temática é do berço, da terra onde nasceu. Um paradoxo para o qual a cantora tem uma explicação: quando você olha o país de longe, vê sempre um Brasil ideal.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 10/6/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia que nada prometia de Luís Fernando Amâncio
02. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
03. Introdução à lógica do talento literário de Ana Elisa Ribeiro
04. Em defesa da Crítica de Andréa Trompczynski
05. Os benefícios da dúvida de Daniela Sandler


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês