As Meditações de Marcus Aurelius | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> PS, Eu te amo de Cecelia Ahern pela Novo Conceito
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafon pela Objetiva
>>> Os Milionarios de Brad Meltzer pela Record
>>> O Jogo de Brad Meltzer pela Record
>>> Leviatã de Boris Akinin pela Objetiva
>>> Moquecas de Marido de Betty Mindlin pela Paz & Terra
>>> O Arqueiro de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Condenado de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Ultimo Reino de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Tigre de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> O Triunfo de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> Sharpe em Trafalgar de Bernand Cornell pela Record
>>> Os Fuzileiros de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> A Pedra da Bencao de Barbara Wood pela Best Seller
>>> A vizinha de Barbara Delinssky pela Bertrans Brasil
>>> Desejos - Trilogia da Esperanca - Vol.3 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Encantos - Trilogia da Esperanca - Vol.2 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Sonhos - Trilogia da Esperanca - Vol.1 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> O Homem de Montana de Barbara Delinsky pela Harlequin
>>> A felicidade mora ao lado de Barbara Delinsky pela Bertrans Brasil
>>> O Mundo dos Vampiros de Arieni Dissenha Daniel Portes pela Novo Seculo
>>> Os Incas - A Luz de Machu Picchu - Vol.3 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - O Ouro de Cuzco - Vol.2 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - A Princesa do Sol - Vol.1 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Sangue e Ouro de Anne Rici pela Rocco
COLUNAS

Quinta-feira, 17/6/2004
As Meditações de Marcus Aurelius
Ricardo de Mattos

+ de 10100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Que homens são aqueles que se procura agradar? E com que objetivo e por que meios? Bem cedo o tempo cobrirá todas essas coisas e quantas ele já cobriu!"

"Breve terás esquecido a todos e breve ter-te-ão esquecido a ti"

O imperador Marcus Aurelius nasceu no ano de 121 da Era Cristã. Assumiu o trono em 161, mantendo-o até 180 ao morrer em campanha. Filho de Marcus Anius Verus e Domitia Lucila, com a morte paterna foi criado e educado pelo avô Marcus Anius Verus (sic). Juntamente com Lucius Verus (130/169) foi adoptado pelo imperador Antoninus Pius. Eis aqui uma tradição iniciada por Augustus, de adopção e preparo do herdeiro do trono. Por conta da paternidade adoptiva, encontrei grande disparidade de nomes do imperador filósofo. Os mais estáveis foram Marcus Aelius (diz-se "Élius") Aurelius Verus por nascimento e Marcus Aelius Aurelius Antoninus pela filiação legal. Como conseqüência da perfilhação tornou-se um dos "Antoninos", dinastia imperial reinante de 96 a 192, formada, além d'ele, pelos imperadores Nerva, Trajanus, Adrianus, Antoninus, Verus e Commodus.

Voltemos duas dinastias. No governo de Augustus teve início o controvertido período da "Paz Romana". Basta descobrir quais os governantes que o seguiram, para entender-se o motivo da reserva quanto à denominação. Augustus foi sucedido pela dinastia Julio-claudiana, composta por Tiberius, Caligula e Nerus. Com a morte d'este último em 68, Roma foi o cenário de ridícula sucessão de fantoches. Durante o ano 68 e grande parte de 69, três arremedos de imperadores ocuparam o trono romano: Galba, Ottus e Vitelius, cada um durante alguns meses. Quando o último foi deposto e assassinado, Vespasianus inaugurou a dinastia Flávia - composta também por seu filho Titus e por Domicianus - e conseguiu controlar as políticas interna e externa. Não sem uso da força, como o prova a actuação de Titus durante a revolta dos judeus. Domicianus quase arriscou todo um trabalho de pacificação em andamento mas foi assassinado e substituído por Nerva.

O senador Nerva, sucessor de Domicianus e inaugurador da dinastia Antonina em 96, quiçá sob o efeito tranqüilizador da idade e de tudo que testemunhou, logrou estabelecer certa ordem que foi mantida pelos seguintes. Se não foi obtida a paz absoluta, a gravidade das revoltas e a crise na ocupação do trono cessaram ou foram satisfatoriamente abafadas. Daí dizer-se que o século dos Antoninos foi o ápice de poder, prosperidade econômica e extensão territorial do Império Romano.

A paz era para os romanos. As perseguições religiosas continuaram. No período em que viveu Marcus Aurelius, todos os papas católicos foram martirizados, dois deles em seu reinado: Pio I (158/167) e Aniceto (167/175). Do papa Sotero (175/182) encarregou-se Commodus. Estamos no período inicial da patrística, escola formada pelos primeiros filósofos cristãos, muitos dos quais empenhados em tornar as Escrituras inteligíveis para os pensadores de formação clássica. Já vivia Irineu, depois bispo de Lião, autor de uma interessantíssima obra Contra os Hereges - Adversus haereses. Um dos mais importantes filósofos da patrística - nascido séculos mais tarde - foi Santo Agostinho, cujo alvo era a conciliação do platonismo com o cristianismo. É Chesterton quem atenta para a subtileza da ordem, ao tratar do aristotelismo em São Tomás de Aquino: as escolas clássicas é que foram adequadas ao cristianismo, não este àquelas.

É de se reparar, portanto, que na época de Marcus Aurelius, entre as diversas escolas filosóficas de feitio helênico que vigoravam, o pensamento cristão dava seus primeiros passos. Contudo, era o estoicismo a escola principal e a qual se filiou o próprio imperador, um dos principais representantes ao lado do escravo Epictetus e de Seneca.

Se o estoicismo grego caracterizava-se pela preocupação com a vida prática, subordinando a lógica e a física à moral, o latino acentuou esta preferência ao preocupar-se com o problema da conduta do homem diante do Universo. Conforme os estóicos, a suma moralidade seria viver segundo a Razão. Se de todos os animais o homem foi o único dotado com ela - ou dotado de forma privilegiada em relação aos demais - seria obedecer à Natureza viver racionalmente, cabendo à Filosofia orientá-lo e auxiliá-lo a discernir entre as questões relevantes ou não para a existência. A versão latina do estoicismo desenvolveu-se na terceira e última das fases em que se costuma dividir a história da educação romana, a fase helenista-imperial.

Duas são as obras principais de Marcus Aurelius, as Cartas e as Meditações. As Cartas, que mostram a evolução do seu pensamento, foram dirigidas a Frontão, seu preceptor de latim. As Meditações foram escritas - ou mesmo reunidas - pelo imperador em campanha, nas batalhas que caracterizaram a última década de seu reinado. São doze livros que hoje formam doze capítulos de um só, escritos no grego aprendido com seu outro preceptor, Herodes Aticus, expressando a doutrina estóica ensinada por Apolônio da Calcedônia. Na visão geral, tratam-se de cadernos de notas pessoais, para sua lembrança. O tratamento é sempre na segunda pessoa do singular.

No "Livro I" Marcus Aurelius inicia o conhecimento de si avançando pela periferia. Primeiro, tenta identificar as características herdadas ou as implantadas pela influência para depois estudar aquilo que lhe individualiza. A sua calma, atribui-a à hereditariedade, pois lembra-a em seu avô. O seu desprezo à futilidade teria sido adquirido por influência do pintor e erudito Diôgneto, provavelmente um amigo mais velho ou professor. Este livro o imperador escreveu-o quando acampado à margem do rio Grano, um dos afluentes do Danúbio, em campanha militar contra os Quados. Encerra-se com o agradecimento aos deuses pelas lições aprendidas, pelas virtudes encontradas, pelas experiências e inclusive pelas coisas evitadas - "não ter feito a Rústico, em momentos de mau humor, nada de que depois pudesse arrepender-me".

O carpe diem de Horatius, esta expressão mil vezes repetida, foi aprofundada por Marcus Aurelius. É mesmo um dos temas permanentes, pois o imperador considera o presente como único património verdadeiro do homem: o passado não voltará e o futuro é incerto. Se não os possui, não os perde. O que se tiver a fazer, dizer e pensar deve ser feito, dito e pensado hoje, sem adiamentos, pois não se sabe se haverá outra oportunidade. O que se tiver a fazer, deverá sê-lo do melhor modo que as próprias força e ciência permitirem. O que se tiver a dizer, que o seja com sinceridade e justeza. No que demandar nossa reflexão, que esta siga a Reta Razão, sem interferência das paixões. Sobre o ponto das paixões, recomendo primeiro a leitura de Ação e Reação, de Jean Starobinski, seguida d'As Paixões da Alma, de Descartes. Marcus Aurelius acredita que o homem atento ao presente e seguidor fiel da razão tem maiores chances de ser feliz do que um vinculado à felicidade ou ao infortúnio passado, ou ainda, do que outro imerso em planos. Há quem planeje seus atos futuros com tais minúcias que começa a afligir-se temendo não os realizar. Em verdade, o homem do presente tira de um ombro a carga do passado e do outro a carga do futuro e, contente com o quinhão concedido pela divindade - por Deus, para os cristãos -, locomove-se com maior agilidade.

São pensamentos que todos conhecemos, mas esquecemos que sabemos. O valor do estoicismo, além da robustez de espírito, encontra-se no efectivo poder de distinção conferido ao seu partidário. O espírito tornado são pela serenidade e pelo olhar sempre objectivo distingue o prazer real do falso, distingue o sofrimento verdadeiro do falso. Ajuda a eliminar ou reduzir a indecisão, muitas vezes pior que uma angústia em si. Diferencia entre as acções prazerosas e aquelas que podem levar a algum sofrimento ou submissão. Descoberto o verdadeiro gozo, usufrui-o com melhor proveito e medida que o avaro ou o pródigo. Se depara-se com algo comumente tido como sofrimento, verifica se realmente o é e, concluindo pela afirmativa, o ponto de interferência d'este mal sobre si, se ele foi provocado - portanto poderia ser evitado - ou se é mera conseqüência natural de alguma coisa. Se provocou esta conseqüência, evitará a repetição do acto que a gerou e aprenderá. Sendo efeito natural, cala-se e aceita, pois poucas coisas superam o ridículo d'aquele a blasfemar contra trovões. "Suprime a opinião e a queixa 'fizeram-me mal' estará suprimida. Suprime a queixa 'fizeram-me mal' e o malefício estará suprimido". Embora fatalista, o estoicismo não é um escudo para fracos nem um meio de fuga para medrosos, e sim o fortalecimento e preparo da alma para ler proveitosamente cada página da Vida. A Dor que caracteriza o mundo sofre sério revés quando o indivíduo alcança a lucidez que o excita a sair da posição de paciente e buscar a de expectador. "Sê livre e olha as coisas como um varão, como uma criatura humana, como um cidadão, como um ser mortal".

O homem deve cuidar de si conforme sua necessidade e proveito. O estoicismo não aconselha a mediocridade, mas lembra ser vão esforçar-se no acúmulo de fortuna a qual se dará pouca ou nenhuma utilização. Por outro lado, esta saudável filosofia recrimina a ociosidade, apontando-a como injusta para com a Divindade que nos concedeu talentos e criou-nos aptos a obtenção da felicidade através do labor, seja ele qual for. A pecúnia deve ser presente, pela segurança que a acompanha, mas não é a ela que o homem sábio apegar-se-á. N'este caso, inclusive, se o espírito não se encontrar forte o suficiente, a insegurança infiltra-se e os esforços acabam destinados a afastá-la. O mesmo serve para os prazeres. Para que embotar ou anular os sentidos, renegando ou abusando de prazeres, se é a moderação que os torna apreciáveis? Como se vê, aconselha-se um meio áureo. Sócrates quem afirmou ser a fome o melhor tempero. O prazer da busca é coroado pelo da obtenção, conforme afirmou Hume no ensaio O Estóico, inicialmente uma crítica ao naturalismo do qual Rousseau foi um dos adeptos, seguida da apologia da escola de Marcus Aurelius e Epictetus. Aconselhando o abandono da indolência e da ociosidade, encontra-se no ensaio uma sentença notável pela concisão: "Terás então consciência de quais são os objectos que merecem teu esforço".

O estoicismo foi criticado por reduzir a metafísica à física. A preocupação do filósofo deveria ater-se ao que ele pode ver. Resulta d'este materialismo a união da divindade com o mundo - panteísmo -, tudo formando um conjunto de substâncias diversas apenas pela subtileza. O Universo seria composto, em suma, de pó e sombra. Por isso várias e várias as referências no filme Gladiador a "pó e ar", a "sombra e poeira". A alma seria um sopro habitando temporariamente um invólucro que o Tempo acabaria transformando em cinzas, assim como estas cinzas foram transformadas em corpo. "Foste feito como uma parte. Desaparecerás no que te produziu, ou melhor, serás recebido de volta, por transmutação, por tua razão seminal". Talvez este materialismo fosse a solução encontrada por aqueles mais preocupados com questões de conduta que de cosmogonia. De qualquer forma, aquilata-se o transtorno causado com o advento da doutrina cristã a separar o mundo n'um plano terreno (material) e n'outro espiritual (Céu), pregando a Fé e a crença no que se não pode ver.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 17/6/2004


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2004
01. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
02. Equador, de Miguel Sousa Tavares - 29/7/2004
03. O Livro das Cortesãs, de Susan Griffin - 4/3/2004
04. História e Lenda dos Templários - 1/4/2004
05. Mínimos, Múltiplos, Comuns, de João Gilberto Noll - 1/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/6/2004
18h09min
Hoje descubro o Ricardo por aqui, com o inusitado especial em seus artigos... Temos tanto o que aprender com os Mestres que ele tão bem apresenta em seus textos. Volto para reler, claro. Um abraço daqui do DF.
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ze Ninguem Tito na Rua
Alberto Serrano Tito
Janeiro
(2015)



Bar Doce Lar
J. R. Moehringer
Nova Fronteira
(2006)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Do Autor



Oratória para Advogados e Estudantes de Direito - Lacrado
Reinaldo Polito
Benvira
(2012)



A Voz dos Meninos - Projeto Educação Com Arte: Oficinas Culturais
Ana Maria Cavalcanti Lefevre (org.)
Cenpec
(2014)



Numerologia Cármica: Conhecendo Sua Missao de Vida - 1ª Edição
Sueli Lucchi Di Leo
Nova Senda
(2016)



A culpa é das estrelas
John Green
Intriseca
(2012)



Leituras Complementares de Direito Constitucional
Marcelo Novelino
Podivm
(2008)



Psicologia da Reconciliação
Mario Pereyra
Cedisau
(1990)



Psicologia Escolar
M. Helena Novaes
Vozes
(1972)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês