Escrever ou ser mulher | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Exposição sobre direito das mulheres à cidade ocupa o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica
>>> A Quatro Vozes canta o Clube da Esquina em Guararema pela Caravana Sotaques do Brasil
>>> Série para TV retrata o trabalho da Pecuária brasileira
>>> Na’amat promove espetáculo musical beneficente baseado em ‘Aladdin’
>>> Concertos gratuitos levam obras de Mozart e Schumann para a população em outubro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Olimpíada de Matemática com a Catarina
>>> Mas sem só trapaças: sobre Sequências
>>> Insônia e lantanas na estreia de Rafael Martins
>>> Poesia sem oficina, O Guru, de André Luiz Pinto
>>> Ultratumba
>>> The Player at Paramount Pictures
>>> Do chão não passa
>>> Nasce uma grande pintora: Glória Nogueira
>>> A pintura admirável de Glória Nogueira
>>> Charges e bastidores do Roda Viva
Colunistas
Últimos Posts
>>> Graham Allison no All-In Summit (2023)
>>> Os mestres Alfredão e Sergião (2023)
>>> Como enriquecer, segundo @naval (2019)
>>> Walter Isaacson sobre Elon Musk (2023)
>>> Uma história da Salon, da Slate e da Wired (2014)
>>> Uma história do Stratechery (2022)
>>> Uma história da Nvidia (2023)
>>> Daniel Mazini, country manager da Amazon no Brasil
>>> Paulo Guedes fala pela primeira vez (2023)
>>> Eric Santos sobre Lean Startup (2011)
Últimos Posts
>>> CHUVA
>>> DECISÃO
>>> AMULETO
>>> Oppenheimer: política, dever e culpa
>>> Geraldo Boi
>>> Dê tempo ao tempo
>>> Olá, professor Lúcio Flávio Pinto
>>> Jazz: 10 músicas para começar II
>>> Não esqueci de nada
>>> Júlia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Jon Udell’s Interviews With Innovators
>>> Sim-me-drogo-sou-fútil-rica-e-escrevo-blogs
>>> Literatura de entretenimento e leitura no Brasil
>>> Querem proibir as palavras
>>> Blogo, logo existo
>>> O cinema de Weerasethakul
>>> A política brasileira perdeu a agenda
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> História (não só) de livraria
>>> Vias da dialética em Platão
Mais Recentes
>>> Noite de natal de Cassiano Nunes pela Saraiva (1954)
>>> O Foco Narrativo 531 de Ligia Chiappini Moraes Leite pela Ática (2002)
>>> Raízes do Brasil + Formação do Brasil Contemporâneo de Sérgio Buarque de Holanda; Caio Prado Jr. pela Companhia das Letras; Brasiliense (2005)
>>> Para Viver um Grande Amor - Crônicas e Poemas de Vinicius de Moraes pela Folha de são paulo (2008)
>>> Crisis económicas en España de Francisco Comin e Mauro Hernandez pela Alianza (2013)
>>> Livro Capa Dura Filosofia Tratado Sobre a Tolerância de Voltaire pela Folha de São Paulo (2015)
>>> Educação e psicanálise 531 de Rinaldo Voltolini pela Zahar (2011)
>>> Xenotransplante - Ética e Teologia de Mário Marcelo Coelho pela Loyola (2004)
>>> Histórias Que Elevam a Alma de Guilherme Victor M. Cordeiro pela Dpl (2002)
>>> Auto da Compadecida de Ariano Suassuna pela Folha de são paulo (2008)
>>> Garimpos do Mato Grosso de Hermano Ribeiro da Silva pela Saraiva (1954)
>>> Bescherelle Poche 531 de Bescherelle Poche pela Hatier (1999)
>>> Morte e Vida Severina e Outros Poemas de João Cabral de Melo Neto pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Que é semiótica 531 de Lúcia Santaella pela Brasiliense (2007)
>>> A Vaca e o Hipogrifo de Mario Quintana pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Desenvolvimento Econômico Brasileiro + História Econômica do Brasil de Agemiro J. Brum; Caio Prado Jr. pela Vozes; Brasiliense (1982)
>>> Livro Desenhando Joias Com Rhinoceros de Eliania Rosetti pela Leon (2011)
>>> Operações espirituais de Urbano Pereira pela Ide (1974)
>>> Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Folha de são paulo (2008)
>>> O Direito ao Avesso de Izá Tilde pela Massao Ohno (1989)
>>> Dom Santiago: Vida e Obra do Senhor Santiago Bovisio de Fabiana Mastrangelo pela Ece (2006)
>>> MÉDICI: A Verdadeira História de Agnaldo Del Nero Augusto pela Inconfidência (2012)
>>> Primeiras Estórias de João Guimarães Rosa pela Folha de são paulo (2008)
>>> Aparência do Rio de janeiro de Vivaldo Coaracy pela José Olympio (1965)
>>> Os Cem Melhores Poemas Brasileiros do Século de Seleção de Italo Moriconi pela Objetiva (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 17/11/2004
Escrever ou ser mulher
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4600 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Só escreveria se o senhor meu marido permitisse. Muito provavelmente, ele mesmo seria o dono do jornaleco em que uma mulher poderia publicar textos. E caso fosse um jornal um tanto mais distinto, com muita vênia ele me permitiria compor um belo pseudônimo, sob o qual eu publicaria quase qualquer coisa. Ah, importante lembrar que esse codinome seria masculino. No lugar de Ana, um masculiníssimo Eduardo ou um singelo José João. Talvez um nome bíblico ou uma homenagem grega.

Assim é que as mulheres entregavam seus textos ao público até meados do século XX. Sabendo disso, é possível imaginar por que turbulências deve ter passado Rachel de Queiroz. Até mesmo a mitológica Clarice Lispector. E qualquer outra mocinha de boa família que se metesse a escrever e a publicar.

Há o caso das meninas que escreveram em situações-limite, Anne Frank talvez seja a mais emblemática. A pseudônima Helena Morley escreveu o famoso diário de uma moça em Diamantina, entranhas auríferas das Minas Gerais. Mas os diários, até pouco tempo atrás, eram secretos. Em geral, os adolescentes faziam deles seu repositório terapêutico e, passados alguns anos, o caderninho ou virava lixo ou motivo de riso.

Atualmente é que a moda dos diários digitais pegou e adolescentes e adultos embrionários deram as caras espinhentas a tapa nos blogs. Muita água passou embaixo da ponte e os blogs passaram a ser empregados para outros tantos fins, mais ou menos sigilosos.

Mas o que interessa é que as meninas aparecem. Por uma série imensa de fatores, têm uma "pegada" singular nos textos e fazem sucesso em meio à mesmice testosterônica. No entanto, também acontece de elas acharem que para ocupar o espaço conquistado precisam virar homens. Eis o pecado. Ficam testosteronizadas, no lugar das siliconadas de má proveniência.

Foram tantos séculos de silêncio e há tão pouco as mordaças foram arrancadas... que é preciso fazer questão de ser muito mulher pra escrever.

Das tantas mulheres que pipocam em livros e especialmente em antologias recentes pinço Ivana Arruda Leite, autora de livros de literatura para jovens e para adultos, entre os quais Falo de Mulher, que de fálico só tem o nome, propositadamente ambíguo.

Ivana inventa umas personas delicadas e irônicas, em narrativas em sua maioria curtas. Jamais me esquecerei da "puta seletiva", personagem que me surpreendeu à época da leitura.

Lendo mulheres como Ivana é que eu me certifico: tem que ter muito peito pra escrever com essa mão leve.

Surubas letradas de final de ano
Quem nos dera fosse sempre assim. Disse Fernando Pessoa que não consta que Cristo tivesse biblioteca. Mas diz Rodrigo Costa, um dos meus designers preferidos, que Jesus lia, e muito. Sabia de cor muitos textos e citava o Velho Testamento de cabeça. E quem não podia ou não sabia ler, ficava de cócoras ouvindo boquiaberto.

No interior de Minas existe um conselho assim: "Quem é coxo sai mais cedo". Pois é. Então os não-leitores (sempre leitores em potencial) que dêem jeitos de arrumar as trouxas para viajar. Se não puderem ir ao Seminário sobre o Livro e a História Editorial, mencionado nesta coluna há duas semanas, ainda dá tempo de ir aos Encontros de Interrogação, no Itaú Cultural, em 22 e 23 de novembro, o dia inteiro.

O evento rola por inspiração de Claudiney Ferreira (aquele, do Jogo de Idéias) e com curadoria de Nelson de Oliveira, Marcelino Freire, Frederico Barbosa e Cláudio Daniel. Depois da abertura, as salas do Itaú serão espaço privilegiado de discussões sobre prosa e poesia, mídias, papel e pixel, literatura e literatice, diagnósticos e prognósticos.

Serão dadas algumas oficinas e apresentadas várias mesas-redondas, quase sempre interessantíssimas. Entre os convidados, os mineiros (da resistência) Ricardo Aleixo, Carlos Ávila e eu. Vários nomes de muitas paragens me vêem à lembrança: Ronaldo Bressane, Joca Reiners Terron, Ivana Arruda Leite, João Paulo Cuenca, Cecília Gianetti, Greta Benitez, Tião Nunes... ha, mas não dá pra ficar citando a turma toda que se encontrará para interrogar sobre os rumos do que se escreve no país. Só mesmo indo até lá.

Destaque especial para a mesa que questiona sobre onde estão a nova Clarice e o novo Rosa. Bobagem questionar? Não sei. Só sei que quem vai falar sobre o assunto espinhoso será Marçal Aquino, mediador de uma mesa de prosadores.

Estarei na mesa "A nova literatura vem da Internet?", com mediação de Élson Fróes. Estamos todos convidados. E alguém me ajude a responder, por favor.

Literatura da boa
Visitem o www.patife.art.br, site reativado recentemente pelos escritores Jorge Rocha, George Cardoso e por mim, que fico só dando pitaco. Mas a revista está interessante. No ar o especial "Estranhos em terra estranha".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 17/11/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa de menino de Ana Elisa Ribeiro
02. Kurosawa de Maurício Dias
03. Como não ser publicado de Lisandro Gaertner


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2004
01. Ler muito e as posições do Kama Sutra - 2/6/2004
02. Autor não é narrador, poeta não é eu lírico - 24/3/2004
03. Para gostar de ler - 11/8/2004
04. Em defesa dos cursos de Letras - 6/10/2004
05. Mulheres de cérebro leve - 13/2/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/11/2004
17h39min
Cara Ana, há pouco tempo, li um texto que criticava justamente o fato de a literatura feminina ter muito das mulheres. Era a palavra de um homem. Na época, me questionei como alguém conseguiria escrever sem deixar marcas do seu gênero (e porque deixar marcas deveria ser ruim). Até porque esse texto não deixava muito espaço para as mulheres fazerem literatura de valor. Era ruim se deixassem o seu sexo aparecer. Também seria ruim escrever com um estilo mais "pop", colocado como típico masculino pelo autor. Por outro lado, deixar aparecer marcas do sexo masculino não estava sendo considerado ruim. Por isso, quando li seu texto, fiquei super feliz em ver que você acredita que a literatura feminina pode e deve deixar suas marcas. Por mais que digam que a gente não deve basear nossos conceitos pelos dos outros, confesso que senti alívio ao ver minha opinião, tão insegura, refletida na sua coluna. Sucesso na sua participação no evento do Itaú Cultural!
[Leia outros Comentários de Adriana Baggio]
18/11/2004
15h08min
Olá, Ana Elisa. Não posso falar muito. Neste momento estou rascunhando algumas das 318 perguntas cabeludas que te farei no Encontro de Interrogações...
[Leia outros Comentários de Vitor Menezes]
21/11/2004
23h24min
Oi, Ana Elisa, mandou bem nesse texto; é um tema que sempre me intriga: o sexo da escrita. Eu me lembro de um pensamento de Balzac, de uma crueldade desconcertante: "A mulher que escreve aumenta o número de livros e diminui o de mulheres"; e Baudelaire completou: "gostar de mulher inteligente é prazer de pederasta." Na verdade, tudo que a mulher gera alimenta-se dela mesma e quando sai à luz, vêm envolto em sangue: é uma escrita vital, umbilical. beijins procê
[Leia outros Comentários de Sandra Regina]
14/12/2004
06h01min
Interessante esse questionamento (entre tantos do seu texto) sobre onde estão o novo Guimarães Rosa e a nova Clarice (justo dois VIPS em ficção brasileira pra mim). E esse outro: escrever como mulher; escrever sendo mulher. Escrita tem sexo? Virginia Woolf achava que sim. Muitos críticos (homens) concordam, e descem a lenha, condescendem, porque são eles quem escrevem sobre "o-que-é-relevante" (quem disse? Ah, sim, foram eles mesmos...); é assunto vasto e polêmico. Feministas criticam Cecília Meirelles porque entendiam na poetisa o esforço por ser "não-sexual", unissex, talvez... E então, fica-se "obrigada" a ter um sexo no que se escreve? Ah, as patrulhinhas ideológicas... Enfim: assunto vasto, como disse; e complexo...
[Leia outros Comentários de Carla]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Morte da Porta-estandarte e Tati, a Garota e Outras Histórias
Aníbal Machado
José Olympio
(1974)



Irmã Vera Cruz
Francisco Cândido Xavier e Elias Barbosa
I. D. E
(1980)



Tex Edição Especial Arizona em Chamas
Bonelli Comics
Mythos
(1995)



Deméter, a Senhora dos Trigais
José Arrabal
Ftd
(2000)



Manual de Dedicação
Erli Mansk
Ieclb
(2011)



De Colombo a Kubitschek - Historias do Brasil
Eduardo Almeida Reis
Circulo do Livro
(1983)



Farmacognosia - da Planta ao Medicamento
Claudia Maria Oliveira Simões e Outros...
Ufrgs
(1999)



Minha Vida na Horizontal - Aventuras Sexuais de uma Noite Só
Chelsea Handler
Bertrand Brasil
(2009)



Banquetes e Catering
Andrea Quagliarella
Senac SP
(2015)



Bad Blood
Sue Leather
Cengage Learning
(2011)





busca | avançada
46027 visitas/dia
1,7 milhão/mês