Uma derrota moral | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
68942 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Baiano bom de prosa
>>> Lost: Mistérios sem Solução
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Meu 16 de Agosto
>>> André Mehmari, um perfil
>>> O profeta da aldeia global
>>> Ecos Musicais
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
>>> E cá já moiro por vós
>>> Cultura do livro digital?
Mais Recentes
>>> Refúgio dos Sonhos - Superomance de Robyn Anzelon pela Nova Cultural (1985)
>>> Utopia e Disciplina de André Villas Boas pela 2Ab (1998)
>>> Como contactar os seus guias espirituais ( Ler descrição ) de Ted Andrews pela Estampa (1993)
>>> Essays on Actions & Events de Donald Davidson pela Oxford (1980)
>>> Cálculo Tensorial Volume 2 de Emil Sánchz pela Interciência (2011)
>>> Como contactar os seus guias espirituais de Ted Andrews pela Estampa (1993)
>>> Einstein e o Brasil de Ildeu de Castro Moreira, Antonio Augusto Passos Videira pela Ufrj (1995)
>>> As Portas da Transfiguração de Jean-Yves Leloup pela Vozes (2019)
>>> Filosofia del derecho y fenomenologia existencial de José M vilanova pela Cooperadora de derecho y ciencias sociales (1973)
>>> Os segredos da mente milionária de T Harv Eker pela Sextante (2020)
>>> Os Evangelhos: Um Guia para a Leitura de Carlo Broccardo pela Vozes (2019)
>>> Introdução à ciência do direito 1º ano de Goffredo da silva telles pela Cátedra (1957)
>>> Discurso 17 de Bento Prado Jr. e Outros pela Polis (1988)
>>> Psicogênese da língua escrita de Emilia Ferreiro e Ana Teberosky pela Artes médicas (1985)
>>> Metodologia do Trabalho Científico de Antônio Joaquim Severino pela Cortez (2008)
>>> Educação: Modernização ou dependência? de Pedro Benjamim Garcia pela Francisco Alves (1977)
>>> Minha Mãe Aparecida de Pe. José Eduardo de Oliveira e Silva pela Ecclesiae (2017)
>>> Hospitalidade: Saberes e Fazeres Culturais em Diferentes Espaços Sociais de Darci Kops pela Educs (2014)
>>> Filosofia do direito de Paulo dourado de gusmão pela Forense (1985)
>>> comentários ao código penal Comentários ao código penal vol 3 art 75 a 101 de Nelson Hungria pela Forense (1956)
>>> Ordenação Pastoral: Perspectiva Histórica, Ecumênica e de Gênero de Carlos Jeremias Klein pela Fonte Editorial (2017)
>>> Free Will de Gary Watson pela Oxford Readings in Philosophy (1982)
>>> Comentários ao código penal vol 1 Art 1 a 10 de Nélson Hungria pela Forense (1955)
>>> Inteligência emocional e a arte de educar nossos filhos de Daniel Goleman, Ph. D pela Objetiva (1997)
>>> Catolicismo: Uma Viagem ao Coração da Fé de Robert Barron pela Quadrante (2019)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/11/2004
Uma derrota moral
Daniela Sandler

+ de 3600 Acessos
+ 2 Comentário(s)

A reeleição de Bush para a presidência norte-americana coroou a campanha mais acirrada das últimas duas décadas. Tanto Republicanos quanto Democratas - assim como boa parte dos comentaristas nos Estados Unidos e no Brasil - têm proclamado o triunfo do conservadorismo. Por trás dos discursos de vitória, ou dos agouros alarmistas, há a premissa de que teríamos sido menos conservadores, ou mais "liberais" (como se diz nos Estados Unidos) até há pouco. O fato é que os Estados Unidos, assim como o Brasil, sempre foram conservadores. Lula não foi eleito porque o eleitorado moveu-se à esquerda, mas porque o PT se mexeu para o centro. Da mesma forma, os Estados Unidos sempre foram fortemente reacionários em política, religião, cultura, economia - e, se há alguma mudança nos últimos quarenta anos, não é a guinada à direita, mas a liberalização. Basta pensar no movimento pelos direitos civis dos negros, que ganhou corpo nos anos sessenta, quando alguns Estados ainda segregavam negros e brancos em partes diferentes dos ônibus. A mídia faz farol sobre a oposição ao casamento homossexual, mas o fato é que em algumas partes do país casais gays têm direito à união civil, e, mesmo quando não têm, muitas instituições e companhias oferecem os mesmos benefícios de casais heterossexuais (como seguro-saúde).

Melhor dizendo, então, os Estados Unidos ainda são conservadores. A atual polarização entre os partidos Republicano (direita) e Democrata (esquerda) é recente. Até os anos sessenta, ambas agremiações incluíam conservadores e liberais - e, no século dezenove, o partido Republicano era o mais avançado. Até há quarenta anos, o partido Democrata contava com uma imensa e poderosa ala nos ultraconservadores estados do Sul - uma ala de políticos segregacionistas, de direita e antiliberais. Portanto, o alcance do partido Democrata em meados do século não deve ser entendido com uma nação mais liberal, mas como um partido mais conservador.

Valores morais

A questão mais inquietante dessa eleição não é a vitória conservadora, mas o tipo de conservadorismo que se afirma. Quando o conservadorismo corresponde a uma inclinação política - por exemplo, neoliberalismo econômico, ou a corrente libertária (extrema direita norte-americana, que defende a não-interferência do governo em assuntos particulares - de impostos a posse de armas - com liberade individual máxima) - é possível ao menos estabelecer um debate. Na arena política, ou na esfera pública, não é necessário, nem desejável, que todos concordem ou partilhem a mesma exata opinião (o que seria totalitarismo, no mínimo). O ideal é um diálogo constante entre grupos de orientação diversa, de modo que a pluralidade seja respeitada sem exclusões ou imposições, a não ser aquelas que beneficiem o bem comum. Pois bem, quando o conservadorismo se restringe a um programa político-econômico, é ao menos possível estabelecer discussões e formular críticas. O problema com o atual conservadorismo norte-americano é o seu fundamentalismo. Apoiar Bush, votar nos Republicanos, ser conservador - tudo é uma questão de fé. Não é necessário argumentar, não há dever de explicar. Confortável para quem vota, perfeito para quem governa.

Muito se fala nos 22% dos eleitores que dizem ter votado em Bush primeiramente por "valores morais". O que quer que sejam esses "valores morais" não foi definido na pesquisa de opinião, mas eleitores entrevistados e representates do partido Republicano oferecem explicações. "Valores morais" têm a ver com religião, mais especificamente cristã, e mais especificamente ainda evangélica/protestante. "Valor moral" é a oposição ao casamento gay, ao direito ao aborto, e à pesquisa científica com células-tronco. O argumento é que aborto ofende o direito à vida do feto; o casamento gay ofende a "sacrossanta instituição do casamento"; e a pesquisa com célula-tronco envolve o assassinato de embriões congelados.

A ofensa diante desses assuntos não se desdobra em argumentação, mas se esgota em ultraje "moral" (como se ultraje fosse auto-explicativo) e intolerância. Afinal, seria talvez inconveniente para os defensores dos valores morais admitir suas próprias contradições. Os mesmos cristãos republicanos que atacam o aborto defendem a pena de morte e o direito ao porte de armas (não apenas para caçar raposas), impávidos diante da destruição de vidas que uma e outro implicam. O "assassinato" de embriões congelados é mais espantoso: o destino original desses embriões, já existentes em laboratórios, seria a destruição ou congelamento eterno. Nunca se transformariam em fetos incubados em útero, muito menos em pessoas. A pesquisa com células-tronco utiliza partes desses embriões para desenvolver técnicas que, no futuro, poderão reparar lesões da espinha ou outros nervos, ajudar a tratar doenças como o mal de Parkinson, ou a reparar órgãos comprometidos - córneas, fígado, dentes... Em suma, essas células descongeladas poderiam melhorar, multiplicar e salvar a vida de muitas pessoas - fato solenemente ignorado pelos defensores dos picolés embrionários.

Absolutismo democrático?

É um tanto assombroso que o direito à vida conviva tão próximo da promoção da morte numa mesma ideologia, e que essa proximidade não seja reconhecida. Mas talvez a questão mais preocupante se revele no casamento gay. É compreensível que uma pessoa extremamente religiosa veja como ofensa à sua idéia de casamento cristão a união entre dois homossexuais. Entretanto, definir a instituição do casamento em geral como "sacrossanta" é ignorar que nem todas as pessoas partilham a mesma religião, nem todas as religiões partilham a mesma idéia do que é e como é um casamento, e que casamento não é sempre ou necessariamente um ato religioso. É também uma instituição civil, e não à toa, permitindo que as pessoas usufruam dos benefícios de uma união oficial sem ter de se submeter a um credo ou procedimento religioso. Mas o próprio Bush definiu várias vezes, em debates e palanques de campanha, o casamento como instituição sacrossanta. O presidente apagou não apenas a distinção entre uma instituição civil e uma religiosa, mas entre Estado e Igreja. Nós, que suspiramos aliviados em aulas de história ao descobrir que a Revolução Francesa finalmente separou o poder político do poder divino em 1789, acabando com a tirania do absolutismo monárquico, talvez tenhamos sido um pouco apressados, pelo menos no que toca aos Estados Unidos.

É irônico, claro, que o primeiro país a aplicar os ideais iluministas na sua liberação política e na criação de um governo democrático tenha sido os Estados Unidos, em 1776, na sua independência - depois que Thomas Jefferson passou uma temporada na França. Mas o país dos pioneiros europeus nunca deixou a religiosidade de lado. 42% dos eleitores de Bush vai à igreja pelo menos uma vez por semana. Religião foi tema nos três debates, com Bush, que é protestante, afirmando sua fé em Deus, e Kerry, que é católico, repetindo que foi coroinha.

Essa união ilícita entre Igreja e Estado, religião e governo, se manifesta em diversos aspectos políticos e sociais. Várias escolas públicas norte-americanas usam livros em que a evolução das espécies descrita por Darwin é considerada apenas uma "teoria", tão válida quanto a criação divina ou a geração espontânea da vida. Mas a integração entre a esfera política e a religiosa vai além de leis, direitos e proibições, vai além de itens individuais. Boa parte do eleitorado americano está encarando o governo e o presidente da mesma forma que encara a igreja e o padre ou pastor. É uma questão de modus operandi: Bush faz sucesso não só porque é um presidente religioso, mas porque o seu papel é visto pelo eleitorado como o de um líder no sentido religioso. Um líder do rebanho, não da nação democrática. Por isso, as muitas falhas do primeiro mandato - desemprego, economia em recessão, guerra no Iraque - são perdoadas com um simples: "Eu tenho fé em Bush".

Vacas no presépio

O modo de falar de Bush é revelador. Ao contrário dos argumentos elaborados, baseados em provas concretas e explicações conceituais de John Kerry, Bush emite apenas afirmações categóricas, sem provar ou explicar nada. São asserções sem evidência, teses sem argumento. Mas Bush as pronuncia com tanta certeza, tanta veemência - e, dependo do assunto, a medida de emoção certa, seja raiva do terrorismo ou comoção pelo casamento - que a afirmação ganha vida própria, poder de convencimento, e aceitação. O público aplaude, ou assente, ou repete, ou completa: sim, é isso mesmo. Sem questionar, como na missa. E, como na missa, as afirmações de Bush têm extraordinário poder emocional, pegando fundo no coração ou nas entranhas de seus espectadores. Suas declarações são no mais das vezes opiniões, posições políticas, pontos-de-vista. Mas, graças a essa "religiosidade estrutural", as opiniões parecem fatos, e a posição subjetiva de Bush ou do Partido Republicano se torna a realidade pseudo-objetiva de seus seguidores.

Obviamente, esse não é o caso com todos os eleitores de Bush ou todos os Republicanos. Há muitos conservadores racionais, e há também aqueles tão radicais que acham Bush um esquerdista. Mas o apelo religioso de Bush ajuda a entender o seu sucesso tremendo entre certa parcela da população norte-americana - o "eleitor médio" do Sul ou do Meio-Oeste, das cidades pequenas e muitas vezes pobres, dos recantos "atrasados". Ou, melhor dizendo, a massa enorme de eleitores que não apenas renovou o mandato de Bush, como também faz da maioria dos Estados norte-americanos redutos do Partido Republicano.

Entre tantos motivos para inquietação, talvez o maior seja mesmo a questão dos "valores morais". Fora a contradição interna explicada acima, há outra contradição na defesa desses tais valores. Pessoas que se dizem muito preocupadas com a vida e com os princípios cristãos consideram que educação e saúde são assuntos secundários. Bush e os Republicanos defendem cortar verbas nas duas áreas, além de seguro-desemprego, aposentadorias, e outros programas sociais. Defendem também cortar impostos, o que significa reduzir o caixa público e, conseqüentemente, os recursos para serviços como escolas e hospitais. Se contarmos os aumentos sucessivos com os gastos em defesa militar e armamento, a verba social fica ainda menor. O partido Democrata, que defende o direito a serviços de saúde gratuitos e investimentos em educação, foi criticado duramente por essa posição, considerada como intervencionismo estatal. A reversão de juízo é tamanha que educação e saúde, ou o direito a elas, não contam mais como "valores morais". Estão a um passo da imoralidade.

Mesmo tomando princípios religiosos, o mundo de Bush está longe dos ideais cristãos. Afinal, o Cristianismo afirma o dever de ajudar os pobres, de fazer o bem, de reconhecer a igualdade de todos diante de Deus. Nesse sentido, um governo com "valores morais" deveria minorar desigualdades sociais, diminuir a pobreza, compensar injustiças de classe, e garantir a todos igualmente o acesso ao mínimo necessário e digno em saúde, educação, emprego, moradia, alimentação e informação. Que isso não seja sequer mencionado pelos mesmos políticos e eleitores fervorosos que afirmam sua fé em Bush é triste não só para "liberais", mas para cristãos, judeus, budistas, muçulmanos... Pois o fundamentalismo, seja político, seja religioso (ou os dois de mãos dadas, o que é mais freqüente), corrompe os próprios princípios em que se baseia, sejam quais forem. O resultado, como o demonstram a guerra no Iraque, o terrorismo e o muro de Israel, acaba dando na mesma: violência, exclusão e destruição.


Daniela Sandler
Riverside, 10/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A educação atual de nossas crianças de Marcelo Maroldi
02. A boa e a média em 2005 de Ana Elisa Ribeiro
03. O show do Pearl Jam e a Pedreira de Adriana Baggio
04. História dos espaços habitados de Ana Elisa Ribeiro
05. Quando a verdade não importa de Adriana Baggio


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2004
01. Olá, Lênin! - 10/3/2004
02. Brasil em alemão - 7/7/2004
03. Muros em Berlim, quinze anos depois - 24/11/2004
04. Dia D, lembrança e esquecimento - 9/6/2004
05. Fritas acompanham? - 18/8/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/11/2004
11h58min
não, lula não foi eleito porque o pt se mexeu para o centro. o pt só foi para o centro, acabando na extrema direita, depois que lula venceu as eleições. venceu com discurso de esquerda e governa (governa?) com o oposto. daí a perda de referência da esquerda no país. talvez o psol, daqueles traídos pelo governo por defenderem as idéias dele próprio antes da eleições. o pt acabou se tornando, tal qual o crack para a cocaína, ele para os pmdb/psdb/pfl/assemelhados da vida. quanto ao bush, o simão falou tudo. errar é humano. errar duas vezes é americano.
[Leia outros Comentários de carl]
12/11/2004
00h33min
Daniela, um complemento importante para a sua soberba analise sobre o compartamento do eleitor medio americano foi o poder da midia conservadora que apoia o presidente Bush sem critica-lo de forma alguma. A rede de televidao a cabo Fox e' praticamente uma extensao da atual administracao em materia de manipular seus telespectadores. Como voce colocou muito bem, o meio oeste americano tambem conhecido aqui como "bibble belt" e "red neck states", devido 'a maioria esmagadora de populacao branca e altamente religiosa, abominam qualquer tipo de influencia externa e sao capazes de pegar em armas para defender o status quo (o fundamentalismo religioso e altamente palpavel nesta regiao do pais...). Parabens por mais uma brilhante coluna acerca da cultura americana contemporanea. Um abraco, Edson Cadette
[Leia outros Comentários de edson cadette]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Familia um Poder Em Crise
Hélio Casatle da Conceição
Jenner



Meu Século / 2ª Ed
Gunter Grass
Record
(2002)



O Infante de Parma
Elisabeth Badinter
zahar
(2009)



Alma de Minha Alma
J W Rochester
Idf
(2000)



Educação, Estado e Poder
Fábio Konder Comparato
brasiliense
(1987)



Samurai - Nº 1
J. Shimamoto
Em



A Inteligência Emocional na Construção do Novo Eu
Celso Antunes
vozes
(1997)



Prova de Fogo
Pedro Bandeira - Sebo Tradição
Atica
(2011)



A Sociedade Informática
Adam Schaff
brasiliense
(1995)



Deus me ama - Aprendendo a viver no amor do pai
Wayne Jacobsen
Sextante
(2010)





busca | avançada
68942 visitas/dia
1,6 milhão/mês