Uma janela aberta para o belo | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> A Ciência Médica de House de Andrew Holtz pela Best Seller (2008)
>>> Três Mistérios de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Cure Seu Corpo as Causas Mentais dos Males Físicos... de Louise L. Hay pela Best Seller (1988)
>>> Vinho Tinto para Leigos de Ed Maccarthy pela Mandarim (1998)
>>> Os Direitos Humanos na Sala de Aula - a Ética Como Tema Transversal de Ulisses F. Araújo e Júlio Groppa Aquino pela Moderna (2001)
>>> Radiologia Odontologica de Aguinaldo de Freitas e Outros pela Arte Medicas (1984)
>>> Infinity da Scorlatti de John Mcnally pela Irado (2014)
>>> Quero Viver de Fernando Carraro; Lima pela Ftd (2007)
>>> Vale a Pena Esperar de Tim Stafford pela Vida (1992)
>>> Além dos Marimbus de Herberto Sales pela Aché
>>> Conecte Matematica - 1 - Primeira Parte de Osvaldo Dolce; David Degenszajn; Nilze de Almeida pela Atual Didáticos (2014)
>>> Jack Sparrow - a Espada de Cortés Vol 4 de Rob Kidd pela Melhoramentos (2007)
>>> Mwninas e Meninos de Domingos Pellegrini pela Ática (2011)
>>> Out of This Century: Confessions of An Art Addict de Peggy Guggenheim pela Anchor Books (1980)
>>> Padre Germano- Memórias de Amalia Domingo Soler; Germano; Eudaldo Pages pela Instituto Lachatre (2011)
>>> Reflexoes politica-poeticas de Jose Olinto pela marx (2000)
>>> As Mil e uma Noites - as Paixões Viajantes de Rene Khawam pela Brasiliense (1991)
>>> Infância de Graciliano Ramos pela Folha de São Paulo (2008)
>>> Shanghai Girls de Lisa See pela Random House (2010)
>>> Larousse Ortografia de Reglas y 4ejercicios pela Larousse (1996)
>>> O Colecionador de Crespúsculos de Anna Maria cascudo Barreto pela Do Autor (2003)
>>> Law of Attraction de Allison Leotta pela Touchstone Books (2010)
>>> Truques, Trotes, Brincadeiras de Robert Nyberg; Lasse Rade pela Callis (1996)
>>> Sociedade dos Pais Mortos de Matt Haig pela Record (2011)
>>> Biologia para um Planeta Sustentável (em Portuguese do Brasil) de Armênio Uzunian pela Harbra (2016)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/11/2004
Uma janela aberta para o belo
Adriana Baggio

+ de 4000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Os caminhos pelos quais a gente passa todos os dias, a pé, de carro ou de ônibus, parecem sempre os mesmos. A rotina faz com que não prestemos atenção neles. Não existem casas, prédios, pessoas, praças, e sim manchas de casas, manchas de prédios, manchas de pessoas e de praças. Elementos percebidos só no conjunto e não na sua singularidade.

No entanto, algumas circunstâncias podem nos fazer prestar atenção naquilo que antes passava batido. Um exemplo são os engarrafamentos, o paradoxo de um mundo cada vez mais apressado. Nunca temos tempo de parar, observar o que está em volta, admirar a natureza e as belezas que conseguem sobreviver ao caos da cidade. Mas quando o trânsito pára, não tem jeito: só nos resta a distração dos carros, pessoas, casas, prédios e de todos os representantes da urbanidade que nos cerca. Reparamos nas pessoas, nos riscos que machucam as latarias dos seus carros, nas roupas dos pedestres, os únicos que conseguem evoluir nesse fluxo estancado. Escaldados, reparamos também nos potenciais assaltantes que podem vir a nos abordar. Mas não há prudência que sobreviva a alguns minutos de trânsito parado, e logo esquecemos dos pedintes e dos trombadinhas e passamos a nos concentrar totalmente nos estímulos que a rua entupida e parada nos oferece.

Curitiba tem uma rua que, no final de tarde, materializa a descrição acima. Os carros chegam de uma grande avenida, de fluxo tão rápido quanto os radares permitem. Depois de um viaduto, a ampla avenida transforma-se na rua 13 de Maio. De repente, sem aviso, o que parecia o paraíso do crepúsculo - uma avenida onde os carros andam - torna-se um festival de freadas e quase batidas nos que já foram pegos pelo engarrafamento. Bem-vindo à 13 de Maio!

Apesar disso, a rua é simpática. Meio safada mas com um olhar inocente, como as moças de vida fácil da pudica Curitiba de antigamente. Ainda restam alguns prédios históricos ladeando o asfalto, que dividem espaço com teatros, livrarias, brexós, lojas de móveis usados. Ela termina no Teatro Guaíra, um ótimo fim para uma rua como essa. Mas até chegar lá, muitos minutos são gastos para percorrer o pouco mais de um quilômetro do seu comprimento.

De tanto pegar esse engarrafamento da 13 de Maio, já me distraí muito com os cartazes das peças, as placas do comércio e as pessoas que andam pelas suas calçadas. Quando o nível do horizonte já não me apresentava novidades, passei a olhar mais para cima. Depois de alguns metros de prédios baixos, forma-se uma espécie de portal com dois edifícios altos, um em cada lado do cruzamento da rua com a movimentada avenida que vem do Palácio Iguaçu. Consigo ver esses edifícios de longe, já que alcançar esse cruzamento é um processo muito, muito lento.

Nunca havia reparado nessa construção. Deve ser da década de 1970. Lembra um grande caixote de cor indefinida, onde moram muitas pessoas. A fachada não parece muito limpa. É o tipo de lugar que talvez abrigue pessoas velhas, que foram morar ali quando a região era bonita, segura e valorizada. Hoje, quem quer morar no centro? Só ficaram os que não tiveram outra opção.

Os apartamentos têm janelas de velhas esquadrias de ferro e varandas com grades idem. Nenhum detalhe arquitetônico, nada que torne esse prédio um pouquinho mais encantador. No entanto, se observarmos bem, o que só é possível se você está preso ou presa em um engarrafamento, parece existir um oásis naquele edifício tão deprimente.

Um dos moradores decidiu que não precisaria ser como os outros. Por outro lado, não poderia destoar totalmente do conjunto. Conseguiu superar esse desafio pintando a parede externa do seu apartamento com uma cor tão indefinida quanto a do prédio, só que mais nova. Deve ser uma mistura de marrom com verde-oliva, uma cor que exige boa capacidade de abstração para ser imaginada a partir de uma descrição assim. Além de pintar a parede, o morador trocou as velhas esquadrias de ferro por modelos de alumínio. E as grades da varanda, que também são de ferro nos outros apartamentos, foram trocadas por uma estrutura de alumínio e vidro temperado.

Falo a todo momento em "morador", no masculino, não pela generalização permitida pela língua portuguesa, mas porque eu realmente acho que é um homem que mora lá. As cores e os materiais escolhidos para a reforma que ele fez no apartamento são modernos, sóbrios e elegantes. Pelo senso estético e de adequação, talvez seja arquiteto ou designer.

Aquele apartamento com pintura nova e esquadrias de alumínio destoa da falta de cuidado que caracteriza o prédio em geral. Observando isso, lembrei de uma dessas frases edificantes que fala sobre mudarmos o que está ao nosso alcance, já que não podemos mudar tudo. A sensação de impotência muitas vezes faz com que a gente se acomode e mantenha um padrão de atitude que não é o que gostaríamos de ter. Mas já que todos se comportam mal, de que adianta ser diferente?

Só que essa idéia de que cada um pode mudar o seu entorno se mudar pequenas coisas vai muito além do espectro da auto-ajuda. Na verdade, é o mesmo princípio do programa Tolerância Zero, na prefeitura de Nova York, para diminuir a incidência de crimes na cidade. Combater com efetividade pequenos delitos, como furtos de carteira, vandalismo, vagabundagem e prostituição, acaba por inibir crimes mais graves. Esse programa, por sua vez, tem base em uma teoria descrita no livro O ponto de desequilíbrio, de Malcom Gladwell, cujo tema já serviu de inspiração para uma coluna minha aqui no Digestivo.

Ao melhorar o aspecto externo do seu apartamento, o morador do edifício pode não conseguir mudar o prédio todo. Mas isso não o impediu de fazer as mudanças que achava necessárias para sentir-se melhor com sua casa. Já pensou se cada morador tivesse a mesma atitude? Tornaria muito mais agradável para nós, motoristas, suportar os engarrafamentos de final de tarde da rua 13 de Maio. E a fachada do velho edifício combinaria mais com a bela vista da cidade que aquelas amplas janelas proporcionam aos seus moradores.


Adriana Baggio
Curitiba, 25/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bonecas russas, de Eliana Cardoso de Eugenia Zerbini
02. A questão do fim do livro de Marcelo Spalding
03. A Menina do Presídio de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004
05. Detefon, almofada e trato - 29/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2004
20h10min
Cara Adriana, Sou um carioca que mora em São Paulo, mas que costuma ir com frequência a Curitiba. Sua cidade é de fato diferente e ainda permite que as pessoas possam observar os detalhes que a diferenciam de outras grandes cidades, já descaracterizadas pelo crescimento desordenado. Curitiba ainda mantém aquele jeitão meio provinciano que faz com que seja possível despertar nossa atenção para verdadeiros "lapsos de poesia", que vem a ser aquelas cenas da paisagem urbana que despertam o poeta que cada um de nós carrega dentro de si. Curitiba é humana e bonita. Uma quase mulher que ainda guarda a marca indefectível da donzela, bela e desafiadora. Grande abraço deste carioca-paulistano amante dessa quase mulher chamada Curitiba. José Diney Matos.
[Leia outros Comentários de José Diney Matos]
29/11/2004
18h02min
Não sei de você, Adriana. Mas se eu não estiver numa situação bem específica (bêbado, por exemplo), não tem chance de ficar observando a paisagem urbana durante um engarrafamento. É mais fácil eu, que odeio matemática, gastar meu tempo calculando uma velocidade de atropelamento segura com a qual eu mataria o prefeito ou o governador, caso eles tivessem o azar de (tentar) atravessar a rua naquele justo momento. Se não for isso, estou xingando a turma que, por ser roda-dura, consegue priorar ainda mais a situação. Adoro a minha cidade, mas não dá pra negar que em Belo Horizonte tem carro demais. Simplesmente, tem carro demais.
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
1/12/2004
21h04min
Caros Víktor e José, como as cidades despertam visões e emoções diferentes na gente... Mas podem ter certeza: a Curitiba que o José descreve caminha a passos largos para o caos. Assim como o Víktor, também já está dando vontade de atropelar os responsáveis. Pena que eles não estão na rua na hora do rush. Abraços e obrigada pelos comentários.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diário da Corte - Crônicas do Maior Polemista da Imprensa ...
Paulo Francis
Três Estrelas
(2012)



Pato Donald N 2143
Editora Abril
Abril



Como Se Preparar para o Exame de Ordem - 11 Ambiental
Fernanda Luiza e Marcelo Hugo
Método
(2015)



Au Arquitetura & Urbanismo Nº 214
Pini
Pini



Devaneios Sobre a Atualidade do Capital
Clóvis de Barros Filho, Gustavo F. Dainezi
Sanskrito
(2014)



O que é psicologia
Maria Luiza S. Teles
Brasiliense
(1994)



A Profecia Celestina
James Redfield
Fontanar
(2009)



Dicionário do Antiquariato
Codex
Codex
(1968)



O Sócio
John Grisham
Rocco
(1997)



O Que São Direitos Humanos
João Ricardo W. Dornelles
Brasiliense
(2013)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês