Uma janela aberta para o belo | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/11/2004
Uma janela aberta para o belo
Adriana Baggio

+ de 3600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Os caminhos pelos quais a gente passa todos os dias, a pé, de carro ou de ônibus, parecem sempre os mesmos. A rotina faz com que não prestemos atenção neles. Não existem casas, prédios, pessoas, praças, e sim manchas de casas, manchas de prédios, manchas de pessoas e de praças. Elementos percebidos só no conjunto e não na sua singularidade.

No entanto, algumas circunstâncias podem nos fazer prestar atenção naquilo que antes passava batido. Um exemplo são os engarrafamentos, o paradoxo de um mundo cada vez mais apressado. Nunca temos tempo de parar, observar o que está em volta, admirar a natureza e as belezas que conseguem sobreviver ao caos da cidade. Mas quando o trânsito pára, não tem jeito: só nos resta a distração dos carros, pessoas, casas, prédios e de todos os representantes da urbanidade que nos cerca. Reparamos nas pessoas, nos riscos que machucam as latarias dos seus carros, nas roupas dos pedestres, os únicos que conseguem evoluir nesse fluxo estancado. Escaldados, reparamos também nos potenciais assaltantes que podem vir a nos abordar. Mas não há prudência que sobreviva a alguns minutos de trânsito parado, e logo esquecemos dos pedintes e dos trombadinhas e passamos a nos concentrar totalmente nos estímulos que a rua entupida e parada nos oferece.

Curitiba tem uma rua que, no final de tarde, materializa a descrição acima. Os carros chegam de uma grande avenida, de fluxo tão rápido quanto os radares permitem. Depois de um viaduto, a ampla avenida transforma-se na rua 13 de Maio. De repente, sem aviso, o que parecia o paraíso do crepúsculo - uma avenida onde os carros andam - torna-se um festival de freadas e quase batidas nos que já foram pegos pelo engarrafamento. Bem-vindo à 13 de Maio!

Apesar disso, a rua é simpática. Meio safada mas com um olhar inocente, como as moças de vida fácil da pudica Curitiba de antigamente. Ainda restam alguns prédios históricos ladeando o asfalto, que dividem espaço com teatros, livrarias, brexós, lojas de móveis usados. Ela termina no Teatro Guaíra, um ótimo fim para uma rua como essa. Mas até chegar lá, muitos minutos são gastos para percorrer o pouco mais de um quilômetro do seu comprimento.

De tanto pegar esse engarrafamento da 13 de Maio, já me distraí muito com os cartazes das peças, as placas do comércio e as pessoas que andam pelas suas calçadas. Quando o nível do horizonte já não me apresentava novidades, passei a olhar mais para cima. Depois de alguns metros de prédios baixos, forma-se uma espécie de portal com dois edifícios altos, um em cada lado do cruzamento da rua com a movimentada avenida que vem do Palácio Iguaçu. Consigo ver esses edifícios de longe, já que alcançar esse cruzamento é um processo muito, muito lento.

Nunca havia reparado nessa construção. Deve ser da década de 1970. Lembra um grande caixote de cor indefinida, onde moram muitas pessoas. A fachada não parece muito limpa. É o tipo de lugar que talvez abrigue pessoas velhas, que foram morar ali quando a região era bonita, segura e valorizada. Hoje, quem quer morar no centro? Só ficaram os que não tiveram outra opção.

Os apartamentos têm janelas de velhas esquadrias de ferro e varandas com grades idem. Nenhum detalhe arquitetônico, nada que torne esse prédio um pouquinho mais encantador. No entanto, se observarmos bem, o que só é possível se você está preso ou presa em um engarrafamento, parece existir um oásis naquele edifício tão deprimente.

Um dos moradores decidiu que não precisaria ser como os outros. Por outro lado, não poderia destoar totalmente do conjunto. Conseguiu superar esse desafio pintando a parede externa do seu apartamento com uma cor tão indefinida quanto a do prédio, só que mais nova. Deve ser uma mistura de marrom com verde-oliva, uma cor que exige boa capacidade de abstração para ser imaginada a partir de uma descrição assim. Além de pintar a parede, o morador trocou as velhas esquadrias de ferro por modelos de alumínio. E as grades da varanda, que também são de ferro nos outros apartamentos, foram trocadas por uma estrutura de alumínio e vidro temperado.

Falo a todo momento em "morador", no masculino, não pela generalização permitida pela língua portuguesa, mas porque eu realmente acho que é um homem que mora lá. As cores e os materiais escolhidos para a reforma que ele fez no apartamento são modernos, sóbrios e elegantes. Pelo senso estético e de adequação, talvez seja arquiteto ou designer.

Aquele apartamento com pintura nova e esquadrias de alumínio destoa da falta de cuidado que caracteriza o prédio em geral. Observando isso, lembrei de uma dessas frases edificantes que fala sobre mudarmos o que está ao nosso alcance, já que não podemos mudar tudo. A sensação de impotência muitas vezes faz com que a gente se acomode e mantenha um padrão de atitude que não é o que gostaríamos de ter. Mas já que todos se comportam mal, de que adianta ser diferente?

Só que essa idéia de que cada um pode mudar o seu entorno se mudar pequenas coisas vai muito além do espectro da auto-ajuda. Na verdade, é o mesmo princípio do programa Tolerância Zero, na prefeitura de Nova York, para diminuir a incidência de crimes na cidade. Combater com efetividade pequenos delitos, como furtos de carteira, vandalismo, vagabundagem e prostituição, acaba por inibir crimes mais graves. Esse programa, por sua vez, tem base em uma teoria descrita no livro O ponto de desequilíbrio, de Malcom Gladwell, cujo tema já serviu de inspiração para uma coluna minha aqui no Digestivo.

Ao melhorar o aspecto externo do seu apartamento, o morador do edifício pode não conseguir mudar o prédio todo. Mas isso não o impediu de fazer as mudanças que achava necessárias para sentir-se melhor com sua casa. Já pensou se cada morador tivesse a mesma atitude? Tornaria muito mais agradável para nós, motoristas, suportar os engarrafamentos de final de tarde da rua 13 de Maio. E a fachada do velho edifício combinaria mais com a bela vista da cidade que aquelas amplas janelas proporcionam aos seus moradores.


Adriana Baggio
Curitiba, 25/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando de Elisa Andrade Buzzo
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
04. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo
05. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2004
20h10min
Cara Adriana, Sou um carioca que mora em São Paulo, mas que costuma ir com frequência a Curitiba. Sua cidade é de fato diferente e ainda permite que as pessoas possam observar os detalhes que a diferenciam de outras grandes cidades, já descaracterizadas pelo crescimento desordenado. Curitiba ainda mantém aquele jeitão meio provinciano que faz com que seja possível despertar nossa atenção para verdadeiros "lapsos de poesia", que vem a ser aquelas cenas da paisagem urbana que despertam o poeta que cada um de nós carrega dentro de si. Curitiba é humana e bonita. Uma quase mulher que ainda guarda a marca indefectível da donzela, bela e desafiadora. Grande abraço deste carioca-paulistano amante dessa quase mulher chamada Curitiba. José Diney Matos.
[Leia outros Comentários de José Diney Matos]
29/11/2004
18h02min
Não sei de você, Adriana. Mas se eu não estiver numa situação bem específica (bêbado, por exemplo), não tem chance de ficar observando a paisagem urbana durante um engarrafamento. É mais fácil eu, que odeio matemática, gastar meu tempo calculando uma velocidade de atropelamento segura com a qual eu mataria o prefeito ou o governador, caso eles tivessem o azar de (tentar) atravessar a rua naquele justo momento. Se não for isso, estou xingando a turma que, por ser roda-dura, consegue priorar ainda mais a situação. Adoro a minha cidade, mas não dá pra negar que em Belo Horizonte tem carro demais. Simplesmente, tem carro demais.
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
1/12/2004
21h04min
Caros Víktor e José, como as cidades despertam visões e emoções diferentes na gente... Mas podem ter certeza: a Curitiba que o José descreve caminha a passos largos para o caos. Assim como o Víktor, também já está dando vontade de atropelar os responsáveis. Pena que eles não estão na rua na hora do rush. Abraços e obrigada pelos comentários.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERTURBAÇÕES SONORAS NAS EDIFICAÇÕES URBANAS
WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 30,00



GUIA HISTÓRICO DO ESPIRITISMO: O CENTENÁRIO DE CHICO XAVIER
EDITORA SAMPA
SAMPA
R$ 20,00



WOLVERINE Nº 97 - MARÇO / 2000 - O RESGATE DO PROFESSOR XAVIER
MARVEL COMICS
ABRIL
(2000)
R$ 7,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 5 LISBO OLP
DIVERSOS AUTORES
EDIÇÕES ZAIROL
(1999)
R$ 45,00



APRENDA A INVESTIR COM SUCESSO EM AÇÕES
GIL ARI DESCHATRE E ARNALDO MAJER
CIÊNCIA MODERNA
(2006)
R$ 39,00



CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS
JOÃO PASSARELLI; EUNIR DE AMORIM BOMFIM
IOB
(2008)
R$ 25,00



PARANÓIA A SÍNDROME DO MEDO
STELLA CARR
FTD
(1993)
R$ 7,11



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ATICA
(1982)
R$ 10,00



ESTILO DE ÉPOCA NA LITERATURA
DOMÍCIO PROENÇA FILHO
LICEU
(1973)
R$ 10,00



ÁTILA, VOCÊ É BÁRBARO
JAGUAR
SESI
(2014)
R$ 12,99





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês