Uma janela aberta para o belo | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Mais Recentes
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Guia de Interpretação de Diego Grando pela Leitura XXI (2015)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Demolidor o Homem sem Medo Nº18 - Confronto Com a Yakuza de Marvel pela Panini (2005)
>>> Cidadania Pequena: Série Polêmicas do Nosso Tempo de Pedro Demo pela : Autores Associados (2001)
>>> Senhor, Faça de Minha Vida um Milagre! de Raymond C. Ortlund pela Mundo Cristão (1986)
>>> Prosperidade Profissional de Luiz Antonio Gasparetto pela Vida e Consciência (1996)
>>> Os Muçulmanos na Península Ibérica de Ruy Andrade Filho pela Contexto (1994)
>>> Monstro do Pântano Especial: a Morte Ronda o Homem-morcego de Bissette / Broderick / Randall / Barreto pela Vertigo/dc. Comics (1999)
>>> Microbiologia Clínica de Roberto A. de Almeida Moura pela Mc Will (1986)
>>> Diferencial Competitivo - o Segredo para Alcançar Nelhores Resultados. de John L. Nesheim pela : Best Seller (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> Conhecendo Erval Velho - Dinâmicas e Perspectivas de Maurício A. dos Santos - Org. pela Modelo (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index - Basi (1997)
>>> Paixão por Cabelos: Instruções Passo a Passo para Criar 82 Penteados de Christina Butcher pela Sextante (2015)
>>> Conceitos Sobre Advocacia, Magistratura, Justiça e Direito de B. Calheiros Bomfim pela Oab (2006)
>>> Ouvidos Dominantes Vozes Silenciadas de Noeli Gemelli Reali pela Argos (2001)
>>> O Petróleo é Nosso - 1948/1953 - a Campanha no Paraná de Carlos Alfredo Gomes pela Cefuria (2005)
>>> Glossário de Oceanografia de Argeo Magliocca pela Nova Stella (1987)
>>> A Estratégia da Teia de Aranha de Amit S Mukherjee pela Campus (2009)
>>> Descomplicando a Vida de Christoph Schalk pela Esperança (2005)
>>> Ouvindo os Passos da Memória de Álvaro de Carvalho pela Do Autor
>>> Educar é Apontar Caminhos - Reflexões para o Desenvolvimento de José Zinder pela Autor (2000)
>>> Hipnotismo e Auto-hipnotismo de Indução Rápida de Ana Cristina Massa pela Biruta (2009)
>>> Caminhando para o Cárcere da Liberdade e Outros Escritos de Alexsandro Grola pela Literatura Brasileira (2013)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/11/2004
Uma janela aberta para o belo
Adriana Baggio

+ de 3500 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Os caminhos pelos quais a gente passa todos os dias, a pé, de carro ou de ônibus, parecem sempre os mesmos. A rotina faz com que não prestemos atenção neles. Não existem casas, prédios, pessoas, praças, e sim manchas de casas, manchas de prédios, manchas de pessoas e de praças. Elementos percebidos só no conjunto e não na sua singularidade.

No entanto, algumas circunstâncias podem nos fazer prestar atenção naquilo que antes passava batido. Um exemplo são os engarrafamentos, o paradoxo de um mundo cada vez mais apressado. Nunca temos tempo de parar, observar o que está em volta, admirar a natureza e as belezas que conseguem sobreviver ao caos da cidade. Mas quando o trânsito pára, não tem jeito: só nos resta a distração dos carros, pessoas, casas, prédios e de todos os representantes da urbanidade que nos cerca. Reparamos nas pessoas, nos riscos que machucam as latarias dos seus carros, nas roupas dos pedestres, os únicos que conseguem evoluir nesse fluxo estancado. Escaldados, reparamos também nos potenciais assaltantes que podem vir a nos abordar. Mas não há prudência que sobreviva a alguns minutos de trânsito parado, e logo esquecemos dos pedintes e dos trombadinhas e passamos a nos concentrar totalmente nos estímulos que a rua entupida e parada nos oferece.

Curitiba tem uma rua que, no final de tarde, materializa a descrição acima. Os carros chegam de uma grande avenida, de fluxo tão rápido quanto os radares permitem. Depois de um viaduto, a ampla avenida transforma-se na rua 13 de Maio. De repente, sem aviso, o que parecia o paraíso do crepúsculo - uma avenida onde os carros andam - torna-se um festival de freadas e quase batidas nos que já foram pegos pelo engarrafamento. Bem-vindo à 13 de Maio!

Apesar disso, a rua é simpática. Meio safada mas com um olhar inocente, como as moças de vida fácil da pudica Curitiba de antigamente. Ainda restam alguns prédios históricos ladeando o asfalto, que dividem espaço com teatros, livrarias, brexós, lojas de móveis usados. Ela termina no Teatro Guaíra, um ótimo fim para uma rua como essa. Mas até chegar lá, muitos minutos são gastos para percorrer o pouco mais de um quilômetro do seu comprimento.

De tanto pegar esse engarrafamento da 13 de Maio, já me distraí muito com os cartazes das peças, as placas do comércio e as pessoas que andam pelas suas calçadas. Quando o nível do horizonte já não me apresentava novidades, passei a olhar mais para cima. Depois de alguns metros de prédios baixos, forma-se uma espécie de portal com dois edifícios altos, um em cada lado do cruzamento da rua com a movimentada avenida que vem do Palácio Iguaçu. Consigo ver esses edifícios de longe, já que alcançar esse cruzamento é um processo muito, muito lento.

Nunca havia reparado nessa construção. Deve ser da década de 1970. Lembra um grande caixote de cor indefinida, onde moram muitas pessoas. A fachada não parece muito limpa. É o tipo de lugar que talvez abrigue pessoas velhas, que foram morar ali quando a região era bonita, segura e valorizada. Hoje, quem quer morar no centro? Só ficaram os que não tiveram outra opção.

Os apartamentos têm janelas de velhas esquadrias de ferro e varandas com grades idem. Nenhum detalhe arquitetônico, nada que torne esse prédio um pouquinho mais encantador. No entanto, se observarmos bem, o que só é possível se você está preso ou presa em um engarrafamento, parece existir um oásis naquele edifício tão deprimente.

Um dos moradores decidiu que não precisaria ser como os outros. Por outro lado, não poderia destoar totalmente do conjunto. Conseguiu superar esse desafio pintando a parede externa do seu apartamento com uma cor tão indefinida quanto a do prédio, só que mais nova. Deve ser uma mistura de marrom com verde-oliva, uma cor que exige boa capacidade de abstração para ser imaginada a partir de uma descrição assim. Além de pintar a parede, o morador trocou as velhas esquadrias de ferro por modelos de alumínio. E as grades da varanda, que também são de ferro nos outros apartamentos, foram trocadas por uma estrutura de alumínio e vidro temperado.

Falo a todo momento em "morador", no masculino, não pela generalização permitida pela língua portuguesa, mas porque eu realmente acho que é um homem que mora lá. As cores e os materiais escolhidos para a reforma que ele fez no apartamento são modernos, sóbrios e elegantes. Pelo senso estético e de adequação, talvez seja arquiteto ou designer.

Aquele apartamento com pintura nova e esquadrias de alumínio destoa da falta de cuidado que caracteriza o prédio em geral. Observando isso, lembrei de uma dessas frases edificantes que fala sobre mudarmos o que está ao nosso alcance, já que não podemos mudar tudo. A sensação de impotência muitas vezes faz com que a gente se acomode e mantenha um padrão de atitude que não é o que gostaríamos de ter. Mas já que todos se comportam mal, de que adianta ser diferente?

Só que essa idéia de que cada um pode mudar o seu entorno se mudar pequenas coisas vai muito além do espectro da auto-ajuda. Na verdade, é o mesmo princípio do programa Tolerância Zero, na prefeitura de Nova York, para diminuir a incidência de crimes na cidade. Combater com efetividade pequenos delitos, como furtos de carteira, vandalismo, vagabundagem e prostituição, acaba por inibir crimes mais graves. Esse programa, por sua vez, tem base em uma teoria descrita no livro O ponto de desequilíbrio, de Malcom Gladwell, cujo tema já serviu de inspiração para uma coluna minha aqui no Digestivo.

Ao melhorar o aspecto externo do seu apartamento, o morador do edifício pode não conseguir mudar o prédio todo. Mas isso não o impediu de fazer as mudanças que achava necessárias para sentir-se melhor com sua casa. Já pensou se cada morador tivesse a mesma atitude? Tornaria muito mais agradável para nós, motoristas, suportar os engarrafamentos de final de tarde da rua 13 de Maio. E a fachada do velho edifício combinaria mais com a bela vista da cidade que aquelas amplas janelas proporcionam aos seus moradores.


Adriana Baggio
Curitiba, 25/11/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
02. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. Precisamos falar sobre Kevin de Renato Alessandro dos Santos
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
05. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2004
01. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
02. Do que as mulheres não gostam - 14/10/2004
03. O pagode das cervejas - 18/3/2004
04. Publicidade gay: razão ou sensibilidade? - 19/8/2004
05. ¡Qué mala es la gente! - 27/5/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/11/2004
20h10min
Cara Adriana, Sou um carioca que mora em São Paulo, mas que costuma ir com frequência a Curitiba. Sua cidade é de fato diferente e ainda permite que as pessoas possam observar os detalhes que a diferenciam de outras grandes cidades, já descaracterizadas pelo crescimento desordenado. Curitiba ainda mantém aquele jeitão meio provinciano que faz com que seja possível despertar nossa atenção para verdadeiros "lapsos de poesia", que vem a ser aquelas cenas da paisagem urbana que despertam o poeta que cada um de nós carrega dentro de si. Curitiba é humana e bonita. Uma quase mulher que ainda guarda a marca indefectível da donzela, bela e desafiadora. Grande abraço deste carioca-paulistano amante dessa quase mulher chamada Curitiba. José Diney Matos.
[Leia outros Comentários de José Diney Matos]
29/11/2004
18h02min
Não sei de você, Adriana. Mas se eu não estiver numa situação bem específica (bêbado, por exemplo), não tem chance de ficar observando a paisagem urbana durante um engarrafamento. É mais fácil eu, que odeio matemática, gastar meu tempo calculando uma velocidade de atropelamento segura com a qual eu mataria o prefeito ou o governador, caso eles tivessem o azar de (tentar) atravessar a rua naquele justo momento. Se não for isso, estou xingando a turma que, por ser roda-dura, consegue priorar ainda mais a situação. Adoro a minha cidade, mas não dá pra negar que em Belo Horizonte tem carro demais. Simplesmente, tem carro demais.
[Leia outros Comentários de Víktor Waewell]
1/12/2004
21h04min
Caros Víktor e José, como as cidades despertam visões e emoções diferentes na gente... Mas podem ter certeza: a Curitiba que o José descreve caminha a passos largos para o caos. Assim como o Víktor, também já está dando vontade de atropelar os responsáveis. Pena que eles não estão na rua na hora do rush. Abraços e obrigada pelos comentários.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROGRAMAS DE SAÚDE
AYRTON CESAR MARCONDES
ATUAL
(1993)
R$ 5,00



SONHOS DE ARREPIAR
FERNANDO PORTELA
FTD
(1992)
R$ 8,00



COFFIN HILL - VOLUME 1
CAITLIN KITTREDGE - INAKI MIRANDA
VERTIGO
(2014)
R$ 30,00



THE PRACTICE AND THEORY OF BOLSHEVISM
BERTRAND RUSSELL (SECOND EDITION)
GEORGE ALLEN AND UNWIN
(1954)
R$ 41,28



ÉROS VOLUBILE
D. JIMÉNEZ - J. C. ABRAMOVICH
DESJONQUÈ
(2000)
R$ 160,00



CAMINHADA JÁ !
MARCOS PAULO REIS
ABRIL
(2012)
R$ 6,50



ESTUDOS E PARECERES DE DIREITO COMERCIAL
ARNOLDO WALD
RT
(1972)
R$ 29,00



PASSAGEIROS DA ESTRELA
SÉRGIO FONTA
JO
(1988)
R$ 4,17



ILIADA
HOMERO/ ODORICO MENDES
UNICAMP
(2010)
R$ 195,00
+ frete grátis



CHICLETE COM BANANA ANTOLOGIA Nº 1
ANGELI
ED. O CIRCO
R$ 13,00





busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês