TV, cinema e quadrinhos em 2004 | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2004

Quarta-feira, 5/1/2005
TV, cinema e quadrinhos em 2004
Gian Danton

+ de 3000 Acessos

Escolher os melhores do ano pode parecer uma tarefa impossível para alguém que mora em Macapá (portanto, longe demais das capitais, como diriam os Engenheiros), não tem TV a cabo e, para piorar, passou quatro meses em uma cama, adoentado. Mas talvez meu ponto de vista expresse justamente a opinião de quem está menos antenado, ou distante demais dos centros culturais.

Em minha época de doença, um referencial inevitável era a televisão. Vasculhei todas as emissoras, em todos os horários possíveis, inclusive de madrugada, quando os sintomas me impediam de dormir. E a conclusão é: ainda bem que essa não é a lista dos piores, ou o texto seria apenas sobre os piores a TV, e seria imenso. No meio da grande mediocridade, uma emissora se destacou e parece que vai continuar se destacando: A Rede 21.

Com a programação centrada essencialmente em seriados antigos, a Rede 21 se tornou a única alternativa não agressiva aos neurônios em determinados horários. Para os que criticam também os seriados enlatados, resta-me pedir que comparem Ratinho com Seifield ou Te Vi na TV com Jornada nas Estrelas.

Outra boa opção na TV foram as produções saídas no núcleo Guel Arraes, na Globo. Sexo Frágil e os mais recentes Aspones salvaram as noites de sexta, que pareciam ter sido definitivamente perdidas depois do cancelamento de Os Normais.

A doença me impediu de assistir alguns filmes que talvez constassem em uma lista dos melhores do ano (A Vila me vem à memória como único exemplar digno de concorrer, e mesmo assim muito mais pela expectativa que pelo resultado).

Assim, sobra o DVD de Dogville, um filme que não chegou às salas de cinema da maioria do país. Dogville, dirigido pelo dinarmaquês Lars Von Trier, é um daqueles pontos limite de uma arte, por demonstrar até onde pode ir uma linguagem. É difícil dizer o que é mais impressionante no filme: a história muito bem construída e chocante, a total ausência de cenários, o fato de todos atores atuarem durante todos os minutos do filme...

Costumo considerar a importância de uma película pelo tempo que ela passa em minha mente. E até hoje posso me lembrar com perfeição do rosto angelical de Nicole Kidman captado pela câmera nervosa. Para quem não assistiu, Dogville conta a história de uma jovem (Kidman) que, fugindo de gangsters, vai parar em uma pequena vila, onde passa a ser protegida pelos habitantes em troca de pequenos favores. Mas, à medida em o cerco dos bandidos aumenta, os habitantes da vila começam a exigir mais e mais. É uma aterradora metáfora sobre o que as pessoas podem fazer quando sabem que têm poder sobre outras e sobre como pequenas transgressões aos direitos podem se transformar em escravidão. O diretor diz que o filme é uma metáfora do imperialismo norte-americano, o que não deixa de fazer sentido.

Nos quadrinhos uma revista se destacou por publicar histórias voltadas para o público mais adulto e exigente. Falo da Marvel Max. O título começou titubeante, com uma viúva negra que parecia querer impressionar pela exposição gratuita do sadomasoquismo e não pelo roteiro, mas teve, desde o primeiro número, grandes expoentes, como a série Alias (de Brian Michael Bendis e Michael Gaydos) e chegou a um mix perfeito quando passou a publicar Poder Supremo (de J. Michael Straczynski e Gary Frank). Alias é sobre uma super-heroina que se aposentou, tornando-se detetive particular. O forte da série são os diálogos realistas de Bendis, assim como as situações inusitadas em que a personagem principal se envolve (como investigar a morte de uma jovem mutante provavelmente vítima de racismo). Poder Supremo resgata com competência a moda anos 80 de mostrar super-heróis de maneira realista. Como uma releitura do Super-homem, a revista tem como protagonista um super-herói alienígena criado pelos militares norte-americanos para se tornar uma arma de guerra.

Outra boa surpresa foi a publicação por aqui da série 1602, de Neil Gaiman e Andy Kubert. A história, uma daquelas HQs alternativas em que super-heróis famosos são mostrados no passado, foi escrita por Gaiman para custear as custas de seu processo contra Todd McFarlane (Spaw) pelos direitos do personagem Miracleman, mas foi muito além disso. Na história, os personagens da Marvel são mostrados em plena Renascença, na Inglaterra da Rainha Elizabeth.

O mais interessante nos primeiros números é descobrir quem é quem. Logo percebemos que Nick Fury é o espião-chefe, que o Doutor Estranho é o mágico da Rainha e assim em diante. Se alguns são óbvios logo no primeiro número, outros, como o Capitão América e o Quarteto Fantástico, só são identificados pelos mais perspicazes. Essa espécie de jogo de esconde-esconde é uma atração da mini-série, mas não é a única. Se fosse, não mereceria uma menção aqui.

O melhor da edição é o texto incomparável de Gaiman. No final da década de 80 e início dos 90, esse autor revolucionou o meio ao mostrar que a narrativa quadrinística não era limitada aos jargões super-heroiescos. Ao aproximar os gibis da poesia, Neil Gaiman (juntamente com Alan Moore) definiram as características dessa mídia. Nessa série, Gaiman usa e abusa das páginas de ambientação, que ele inventou nos anos 80. Há uma convenção nos quadrinhos de que o leitor deve ser ambientado na história antes de começar a ler. Isso é bastante útil para um mercado em que as histórias às vezes se arrastam por dezenas de números. Antigamente isso era feito com textos do tipo: "Local: Nova York. Hora: de manhã. Personagens: O Homem-aranha e o Lebre Saltitante" ou: "No número anterior, o Lebre Saltitante saltou diversas vezes sobre o aracnídeo até deixá-lo desacordado e agora vai tirar sua máscara. Ele conseguirá perpetuar seu ardiloso plano?". O texto de ambientação, inventado por Gaiman, é muito mais sutil, como no exemplo abaixo, retirado do segundo número de 1602: "Estou observando eventos. Há grandes eventos e eventos menores. Eu observo todos. Fenômenos climáticos incomuns disseminados causam formações de tensão e reações. Singularidades efêmeras produzem chuvas de partículas que eu julgara apenas hipotéticas (...) ao lado desses eventos, todos os demais são pequenos. Ainda assim, eu observo como faço com os grandes. Eu observo quando o conselheiro da Rainha envia um cego para trazer o maior tesouro dos templários para a Inglaterra. (...) Eu observo os padrões. Observo os eventos. Não posso interferir. Eu apenas observo".

O único senão da série é o final, que deixa diversas pontas soltas (não sabemos, por exemplo, o que aconteceu ao Capitão América), mas isso não apaga o brilho do restante.

Um ano que teve obras como Marvel Max e 1602 não pode ter sido de todo um ano ruim. Mas seria bem melhor se eu pudesse incluir nessa relação dos melhores alguns quadrinhos nacionais...

Nota do Editor
Gian Danton ou Ivan Carlo assina hoje o blog que leva seu nome.


Gian Danton
Macapá, 5/1/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
02. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
03. A pós-modernidade de Michel Maffesoli de Guilherme Carvalhal
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
05. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


Mais Especial Melhores de 2004
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MIRIAM MEHLER - SENSIBILIDADE E PAIXÃO
VILMAR LEDESMA
IMPRENSA OFICIAL
(2005)
R$ 6,90



GRÉCIA UM OLHAR AMOROSO
JACQUES LACARRIÈRE
EDIOURO
(2003)
R$ 30,00



O EDUCADOR: VIDA E MORTE
CARLOS R. BRANDÃO E OUTROS ORGANIZADORES
GRAAL
(1984)
R$ 12,00



DESPERTAR PARA O OUTRO, O
COSTA, CLARICE MOURA
SUMMUS EDITORIAL
R$ 34,68



COMA
ROBIN COOK
CIRCULO DO LIVRO
R$ 4,00



MENTES QUE LIDERAM
HOWARD GARDNER
ARTES MEDICAS
(1996)
R$ 75,00



SESAME STREET - UNPAVED
DAVID BORGENICHT
HYPERION
(1998)
R$ 65,00
+ frete grátis



MANUALE DI PSICOANATOMIA
SEM AUTOR
EDIZIONI ICARO
R$ 6,28



TEORIA DE SISTEMAS OPTICOS
B. N. BEGUNOV. - N. P. ZAKAZNOV
MIR MOSCOU
(1976)
R$ 70,00



HELENA
MACHADO DE ASSIS
SEDEGRA
R$ 18,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês