Baiano bom de prosa | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 8/8/2001
Baiano bom de prosa
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2500 Acessos

Estou meio abobado. Sento no computador para escrever esta coluna pensando em outra coisa quando escuto na TV que o Jorge Amado morreu. Sinto-me na obrigação para com meus leitores de escrever sobre o escritor baiano. Portanto, minhas considerações sobre o homem na Lua e sobre a Seleção ficam para as outras semanas, assim como a narrativa da minha estada em Paris, conforme solicitado no protocolo 7837-B, do Livro 12298, página 23, seção 9, prédio 11 desta minha cabeça atulhada de coisas inúteis.

Jorge Amado era ateu e comunista. Duas coisas que, se não me desagradam no todo, tampouco me fazem admirá-lo mais. Sua trajetória é invejável dentro da nossa literatura. Jorge Amado conseguiu vender proporcionalmente a mesma coisa que Paulo Coelho vende hoje, só que falando de coisas pretensamente sérias. Sim, sim, sei que muito da fama do escritor se deve à ajuda publicitária do Partidão. Falarei sobre isso mais tarde. Por ora, vale à pena nos atermos aos livros dele. Afinal, sou contra isso do autor ser venerado mais por sua biografia do que por sua bibliografia. E coerência é meu lema - nem sempre seguido à risca, é bom que se diga.

O primeiro livro que li de Jorge Amado foi Capitães de Areia. Todo mundo me falava deste livro como se fosse a coisa mais maravilhosa do mundo. Li-o quando tinha uns quinze anos e confesso que a parte que mais gostei foi a de sexo - não lembro de quem com quem. É basicamente isso o que passa na cabeça de um menino de quinze anos, por mais que ele já tenha pretensões literárias: sexo.

Capitães de Areia tem, sim, aquela criticazinha social que tanto encanta resenhistas. Não sei por quê. Pobres, meninos ou não, sempre pontuaram a literatura brasileira. Melhor e com mais intensidade retrataram as camadas miseráveis Lima Barreto e Aluísio de Azevedo. Aqui começa-se a ver o dedão do Partido, dando aquele abraço no velho Jorge. A gente releva, contudo, e pensa na cena de sexo do livro, que é para descontrair.

Confesso que já tive minha fase vermelha. Motivado por um professor da faculdade, eu cria que o Comunismo era a solução para o planeta. Sei lá, eu estava sem emprego, sem namorada, sem perspectiva. Era, portanto, o comunista perfeito: sem nada e querendo repartir este nada com todo mundo. Nivelar as coisas por baixo. Por esta época meu ídolo era ninguém mais ninguém menos que Luís Carlos Prestes. O Cavaleiro da Esperança, como foi alcunhado pelo correligionário Jorge Amado. Li a biografia de Prestes como quem lê uma Bíblia e até hoje ninguém me tira esta impressão. O livro é quase um livrinho vermelho de Mao para brasileiros. Ele tenta criar uma figura heróica, quase mítica. Depois de ler este livro, cheguei à conclusão de que o Brasil só não virou um país comunista porque Prestes não morreu. Morto, era mito; vivo, apenas um político com idéias subversivas.

Este livro, lançado na Argentina em 1942, é o auge da fase comunista de Jorge Amado. Ele foi largamente alardeado no exterior, com o apoio, obviamente, da União Soviética. Quando se fala que Jorge Amado vendeu milhões e milhões de livros, tem-se que pensar que este fenômeno de venda se deu menos por sua capacidade narrativa do que pela extensa campanha de marketing do Partidão, que não hesitava em publicar em tcheco uma obra de Jorge Amado a um, por exemplo, George Orwell. E seriam loucos?

Não há como negar, contudo, que havia certa lucidez naquela penumbra ideológica. Em 1958 Jorge Amado daria uma guinada em sua carreira - para melhor. Abandonaria todos os clichês à la Stálin e se concentraria nos costumes do brasileiro. Mais especificamente o baiano, negro, caliente, vivendo aquele sincretismo religioso que tanto agrada aos gringos e comendo comidas exóticas que nos dão diarréias homéricas. O livro que marca esta fase é Gabriela, Cravo e Canela. Com a receita comida-e-sexo, Jorge Amado não perdeu seus leitores estrangeiros e até ganhou a simpatia cá em terras brasileiras. Exceto por um ou outro que via como perniciosa a manutenção de um estereótipo brasileiro (mulato gostoso à procura). Certa vez me sentei com um baiano e ele me disse que Jorge Amado favorecia a prostituição infantil no Nordeste. Alguém aí tem opinião sobre o assunto?

Desta fase, li apenas Dona Flor e Seus Dois Maridos. De uma sentada só. Livro adorável. Sexual (e não sensual). Com cheiro de dendê. Sincrético. Aquela coisa toda. Não tive, contudo, ganas de ir para a Bahia praticar turismo sexual por conta do livro. Tampouco me senti menos brasileiro (sou branco e descendente de russos - olha a ironia), fora do protótipo, se é que há um. Enfim, o livro não me acresceu nada. A não ser, claro, umas boas risadas.

Quando eu penso em Jorge Amado hoje lembro um tempo que não vivi: um tempo em que se lia muito mais do que hoje. Calma, calma. Sei que "naquele tempo" havia muito mais analfabetos. Só que a classe média lia, proporcionalmente, mais e melhor que nestes dias. Com todas as reservas que se pode ter do baiano velho comunista que no fim da vida foi o mais rico de nossos escritores e que era admirador de Antônio Carlos Magalhães, ainda assim ele é melhor, infinitamente melhor que um Paulo Coelho. Prefiro seus negros estereotipados, cheios de volúpia e só volúpia, aos demônios do vigarista-mor de nossa escassa literatura.

Com Jorge Amado vai-se esta época. Apesar das discordâncias políticas de hoje, não posso deixar de admirar um homem que acreditou naquilo que escreveu e que soube cair fora na época certa (Jorge Amado deixou o Partidão após saber das atrocidades cometidas por Stálin, coisa que o Stédile não fez até hoje, para se ter uma idéia do que significa honestidade intelectual. Deixa para lá.). Além disso, Jorge Amado soube ter humildade, coisa tão rara em nossos "intelequituais" (adoro quando o Millôr escreve assim), e aceitar o fato de que, para ser admirado pelas massas (para usar um jargão de comunista), tinha de se curvar à tão difamada televisão.

Que descanse em paz, olhando o mar da Bahia por toda a eternidade.



Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 8/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. A melhor Flip de Marta Barcellos


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LUA AZUL - SÉRIE OS IMORTAIS - VOLUME 2
ALYSON NOËL
INTRINSECA
(2010)
R$ 12,80



NOVOS RUMOS DO TEATRO
ALBERTO MIRALLES
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 10,00



COLETÂNEA DE MENSAGENS DE JOSÉ - VOL. 3
HÉLCIO EUGÊNIO DE LIMA E SILVA (MÉDIUM)
ARTHUR FERREIRA DA COSTA (RJ)
(1980)
R$ 8,00



INCLUSÃO DIGITAL: COM A PALAVRA, A SOCIEDADE
LIA RIBEIRO DIAS
PLANO DE NEGÓCIOS
(2007)
R$ 14,00



PSICOLOGIA EDUCACIONAL
LANNOY DORIN
DO BRASIL
R$ 4,00



O DILEMA DE EINSTEIN
JEREMY STANGROOM
MARCO ZERO
(2012)
R$ 33,00



CADERNOS NEGROS: VOLUME 40 - CONTOS AFRO-BRASILEIROS
VÁRIOS
QUILOMBHOJE
(2017)
R$ 45,00



EVOLUCIONÁRIOS - 1ª EDIÇÃO
CARTER PHIPPS
CULTRIX
(2014)
R$ 49,95



HISTÓRIA DO BOI . AUTOGRAFADA
AFRANIO CORREA
PONGETTI
(1952)
R$ 26,28



MADAME BOVARY
GUSTAVE FLAUBERT
CÍRCULO DO LIVRO
(1976)
R$ 22,00





busca | avançada
45185 visitas/dia
1,2 milhão/mês