De volta às férias I | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A síndrome da rejeição via internet
>>> Big Brother da Palmada
>>> Família
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
Mais Recentes
>>> Cura Natural de Mark Bricklin pela Círculo do Livro (1983)
>>> Feedback de Roland & Frances Bee pela Nobel (2002)
>>> Econometrics de Fumio Hayashi pela Princeton University Press (2000)
>>> Introdução à Estatística de Walter Spinelli; Maria Helena S. de Souza pela Ática (1997)
>>> Candomblés da Bahia de Edison Carneiro pela Ediouro
>>> Reiki para acura emocional de Tanmaya Honervogt pela Pensamento (2006)
>>> Condomínio Predial - Administração e Manutenção de Rubens Corrêa de Albuquerque pela Ediouro (1994)
>>> Bíblia Novo Testamento de L Garmus e Mateus Haepers e Outros pela Bloch (1982)
>>> Direito Privado de Luis Felipe Salomão pela Forense (2014)
>>> Dieta Nota 10 - Comer e Emagrecer é Mais Simples do Que Se Imagina de Dr. Guilherme de Azevedo Ribeiro pela Bertrand Brasil (2008)
>>> O Psiquiatra no Tribunal de Dr. Michel Landry pela Pioneira/edusp (1981)
>>> Geografia Geral e do Brasil ( Edição Refomulada) de João Carlos Moreira e Eustáquio de Sene pela Scipione (1995)
>>> Angola Janga de Marcelo D'Salete pela Veneta (2017)
>>> Fundamentos de Economia de Marco Antonio S. Vasconcellos e Manuel E. Garcia pela Saraiva (2000)
>>> Segundo tratado sobre o governocivil e outros escritos de John Locke pela Vozes (1994)
>>> The Appeal de John Grisham pela Dell Fiction (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> Hegemonia, Estado e Governabilidade de Gilberto Dupas pela Senac (2002)
>>> Poder política e partido de Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> O Livro da Ciência As Grandes Ideias de Todos os Tempos de Vários Autores pela Globo (2016)
>>> Palmares a guerra dos escravos de Décio Freitas pela Mercado Aberto (1984)
>>> Tempo história e evasão de José Carlos Reis pela Papirus (1994)
>>> Manual de Prática Trabalhista de Aristeu de Oliveira pela Atlas (1999)
>>> Do escambo à escravidão de Alexander Marchant pela Brasiliana (1980)
>>> 1822 Dimensões de Carlos Guilherme Mota pela Perspectiva (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/6/2005
De volta às férias I
Eduardo Carvalho

+ de 8100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Voltei de viagem com sete guias novos, de Budapeste a Paris, de estilos e com objetivos diferentes: uns para os melhores restaurantes, por exemplo, e outros para não me perder no metrô de uma cidade desconhecida. É bobagem dispensar guias, achando que é melhor descobrir tudo por acaso, ou que só a ajuda dos amigos basta para nos orientar em Varsóvia, digamos. Nem o Rough Guide nem o Navigator, da Wallpaper, condenam seu passeio às obviedades mais turísticas, e depende de você, sempre, escolher a galeria mais bacana para passar uma tarde em Londres ou o melhor esqui na Áustria. E guias podem até ser um antídoto às viagens convencionais - mesmo quando as recomenda. Assim, você pode evitar a visita ao castelo de Praga e, em vez disso, ir caçar javalis no subúrbio da cidade. Os roteiros para as mesmas cidades não precisam ser nem um pouco parecidos.

Eles se ajustam, na verdade, conforme a disposição e os interesses de quem viaja. Do final de dezembro ao começo de março, praticamente livre de obrigações - a não ser em janeiro, em Oxford -, passei uma semana na Bélgica, um mês na Inglaterra, uma semana entre Madrid e Barcelona, outra em Berlim, e na última, com problema em dois vôos e no ônibus de Munique para Budapeste, fiquei quase sempre administrando reservas de passagens para e hotéis em Libiuana e Zurique. Revi cidades, descobri hotéis, fiz esporte, li bastante. Montei um roteiro meio em cima da hora, com logística incompreensível, incluindo mais de 10 vôos - além dos trens, carros, ônibus, etc. Essa estruturação espontânea e solitária da viagem me ajudou a aproveitar e perceber vários interesses, que às vezes estão confusos, abafados, quando estamos presos a lugares ou idéias desinteressantes. Mas, apesar da flexibilidade do meu programa, também não foi nada tão solitário e espontâneo assim. Na verdade, foi como se fosse várias viagens dentro de uma só - e recebi e visitei amigos em quase todos os lugares por onde passei.

O primeiro foi a Bélgica: fiquei novamente em Knokke e visitei mais uma vez Bruxelas, Genth, Brugges. A Bélgica é um dos meus três paises favoritos na Europa. Passei o réveillon em Antuérpia, no veleiro do meu amigo que, em outra época, recebeu Thatcher e Gorbachev - e depois foi palco de um assassinato misterioso, envolvendo agentes secretos, charutos e multinacionais. Não conto essa história, nem outras que, mais engraçadas, aconteceram na noite do dia 31 de dezembro, enquanto procurávamos o melhor lugar para sair. É melhor preservar o silêncio sobre certos assuntos. A descrição desta viagem, na verdade, é o resumo dos seus melhores momentos - que foram muitos, e não cabem todos aqui. Preciso escrever com pressa para citar alguns, e mesmo assim superficialmente. Eu poderia escrever páginas sobre a sensação de visitar, em Brugges, uma fábrica de chocolates funcionando, sobre todas as variedades de bombons que experimentei em seu estoque, mas precisarei escrever simplesmente isto - e ponto. Vai ser mais importante o conjunto de experiências descritas com velocidade do que mergulhar em cada uma profundamente.

Sobre a Bélgica e Oxford, na verdade, já escrevi antes duas colunas. Mas faltaram algumas coisas: como a assustadora descrição que ouvi do Congo, um país que, desde 1998, está afundado na maior guerra do mundo - um desastre maior do que o Iraque e Tsunami juntos. E, mesmo assim, seus habitantes não se desgrudam do telefone celular, enquanto vendem bananas na rua. E, na Bélgica, onde velejar é o esporte preferido, foi bacana trocar idéias sobre a volta ao mundo solitária de veleiro, uma vontade que me persegue. E que me parece cada vez mais praticável. Gosto, aliás, das comparações entre a Bélgica e a Holanda, que são parecidos de longe mas, de perto, são tão diferentes como o Brasil e a Argentina: e nem preciso dizer que, em vários aspectos, na Bélgica - na região flamenga, pelo menos - se aproveita muito melhor a vida.

E de Knokke fui, no dia 4 de janeiro, para Paris, onde passei três dias antes de ir para Oxford. Minhas expectativas com relação a Oxford - a cidade e a universidade - eram enormes. E foram todas superadas. O ambiente de uma cidade pequena, com atmosfera cosmopolita, permite que você se retire da confusão para pensar, sozinho, sobre assuntos decisivos, numa época de transição. Era o que eu precisava. E tudo acontece, em Oxford, num nível bem mais alto, muito superior a outros lugares do mundo. E o exemplo mais evidente disso é o tipo de literatura que se consome na cidade. O estilo de gente que, em outras lugares, estaria restrita ao circuito academia-loja-balada, em Oxford está lendo e anotando Longfellow, sentada no café. E quem mora em São Paulo tem dificuldade de imaginar meninas tão lindas, tão elegantes, concentradas em Maupassant. As conversas, por isso, são estimulantes, e você não se sente um alienígena porque está lendo Evelyn Waugh. Num papo com amigos no bar do Oriel College - onde estudou, aliás, Sir Walter Raleigh -, os assuntos estavam tão variados e às vezes eruditos (Shakespeare, Segunda Guerra, Ruanda, aviões, etc.), que já imaginei alguém inconveniente quebrando o ritmo e dizendo: "Ai, gente, que papo chato! Vamos falar de coisas mais legais!" - como costuma acontecer em São Paulo, por exemplo.

E passei mais de um mês em Oxford numa rotina deliciosa. Neste período, fiz três descobertas literárias maravilhosas: Evelyn Waugh, Henry James e Samuel Johnson. Aprendi sobre a Inglaterra, suas tradições e excentricidades, com Waugh. Henry James me ajudou a entender melhor as mulheres - e a separar as que merecem das que não merecem ser entendidas. E Samuel Johnson explica o mundo e a vida com uma simplicidade, com tanta clareza, que fica bem mais fácil e agradável viver depois de ler os seus ensaios. Combinei essas leituras com meu interesse por novos negócios. Assisti aulas de finanças e contabilidade na Said Business School e fui a um seminário de angel e venture capitalists num centro de empreendedorismo em Oxfordshire. No meio tempo, freqüentei provavelmente todos os cafés da cidade, o parque, o cinema, os museus, as livrarias. E acabei fazendo várias comparações entre Oxford e Cambridge - que é mais calma, mais countryside -, onde estive, por dois meses, há uns oito anos.

E foi bom também visitar Londres nos finais de semana. É curioso como a London School of Economics, em vários aspectos, se parece com a Fundação Getulio Vargas, em São Paulo, onde estudei - mas na FGV fazem falta a quadra de squash e a biblioteca projetada por Norman Foster. Atravessando a rua, quase em frente à LSE fica o headquarter da BBC World, que presta serviço de notícias em mais de 30 línguas, e é onde trabalham Ivan Lessa e Rafael Gomes (ou Arcano9, para os leitores do Digestivo). Um tour pela BBC - por onde passaram, entre vários, George Orwell e Vinicius de Moraes - é praticamente uma volta ao mundo. Londres, aliás, é incomparável para comidas exóticas - como um suco tailandês gelado de feijão. E é fascinante para fine arts: é na National Galley que está exposto um dos meus quadros preferidos, que até usei para ilustrar uma coluna; e a coleção de tempestades de Thurner, na Tate Gallery, é sempre marcante.

Não sei direito se gosto ou não gosto de Londres. É uma sensação parecida com a que sinto por São Paulo. Acho que Londres também é uma cidade que varia entre extremos. Pode ser encantadora ou entediante, dependendo do tempo ou do bairro, da companhia ou do restaurante. Claro que isso acontece em todos os lugares, em Viena ou em Cairo, mas acho que essa diferença é mais forte, mais evidente em Londres - onde se encontra o melhor e o pior de tudo, mas escondido. A cidade mais óbvia, aberta aos turistas e iniciantes, é entediante. E a rua e o metro estão lotados do que, em bom português, a gente chama de white trash, um conceito que muitos brasileiros deveriam aprender antes de sair de casa. É patético ver estudantes brasileiros na Inglaterra imitando esse estilo. Aprendi bastante sobre o assunto, aliás, em Warwik, onde passei um fim de semana com outro Rafael, o Azevedo.

A Universidade de Warwick atrai vários alunos ingleses tipo FAAP, e é exemplo, hoje, de uma universidade inglesa bem administrada - atraindo vários alunos internacionais. A cidade ao lado, Coventry, onde moram a maioria dos alunos, foi um dia o pólo de produção da Jaguar e da Land Rover, mas agora é triste, decadente. Warwick mesmo, porém, compensa a visita: eu já tinha ido no castelo, mas aproveitei e visitei, à noite, o centro histórico, quando estava vazio - e fiquei com uma impressão de um ambiente tranqüilo, simpático, com um aspecto quase medieval. Foi bacana escolher entre os seus bares depois de assistir ao coral na catedral da cidade.

Meu circuito Oxford-Londres se encerrou no começo de fevereiro. Antes disso, fui a concertos de Mozart e Shostakovsky, no Barbican e no Festival Hall, como uma espécie de despedida da cidade. Para pegar o avião e, da Inglaterra, voar para Madri. Comecei na Espanha esta terceira fase da viagem - depois do réveillon entre França e Bélgica e, depois, a temporada em Oxford. Foi uma viagem acelerada. Mas bem diferente do espírito backpacker, que é o menos recomendável para se viajar na Europa. Escrevo sobre Madri, Barcelona, Berlim, Munique, Budapeste e Zurique, portanto, na próxima coluna.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 17/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dez pessoas para se seguir de Jardel Dias Cavalcanti
02. Estereótipos do Twitter (e do Foursquare) de Fernanda Prates
03. Dê-me liberdade e dê-me morte de Eduardo Mineo
04. Como era gostoso assistir à Sex and the City de Elisa Andrade Buzzo
05. Blogueiros versus Jornalistas, o falso embate de Alexandre Inagaki


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2005
01. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005
02. Minha formatura - 5/8/2005
03. Uma conversa íntima - 11/2/2005
04. A prática e a fotografia - 25/2/2005
05. Com pouco peso - 14/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2005
15h06min
Grande, Edu. Estava com saudades dos seus textos. Parabéns. Abraços, Felipe.
[Leia outros Comentários de Felipe Tavares]
22/6/2005
2. !
13h24min
Welcome back!
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroude]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu fico Loko
Christian figueiredo de Caldas
Novo Conceito
(2015)



Dicionário da Cultura Jurídica - 1ª Edição
Denis Alland & Stéphane Rials
Wmf Martins Fontes
(2011)



Mais Vida (1982)
Francisco C. Xavier e Euripedes Formiga
Ceu
(1982)



Plantão da noite
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1987)



Metodologia do Trabalho Científico - 18ª Edição
Antonio Joaquim Severino
Cortez
(1992)



O Contador de Histórias
Harold Robbins
Record
(1985)



Areia da Grossa Areia da Fina Areia Me Faça Ficar Pequenina
May Shuravel
Ftd
(1997)



Criança para Criança
Audrey Aarons-hugh Hawes-juliet Gayton
Mec
(1981)



Livros dos Espiritos
Allan Kardec
Filosofia Espiritualista



O Evangelho Segundo Jesus
John Macarthur
Fiel
(1999)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês