Livre talento, triste exílio, doces brasileiros | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Umas Palavras: Diogo Mainardi
>>> Parei de fumar
>>> 7 de Setembro
>>> A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón
>>> Amor assassino
>>> Expressar é libertar
>>> Incoerente
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
Mais Recentes
>>> Express math: 6e année de Marie - Claude Babin pela Caractere (2019)
>>> Judas O Obscuro de Thomas Hardy pela Itatiaia (1969)
>>> A Esperança Morre Depois de A. Gefen pela Record (1977)
>>> Express math 1ere année de Claire Chabot pela Caractere (2019)
>>> O desaparecido de Percival C. Wren pela Minerva (1975)
>>> 15 Grandes Destinos de Diélette pela Editorial verbo (1980)
>>> História Concisa do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2011)
>>> Um Dom Especial - Clássicos Históricos de Jackie Manning pela Harlequin (2001)
>>> O analista de bagé de Luís Fernando Verissimo pela Circulo do livro (1981)
>>> Eu Mataria o Presidente de Adelaide Carraro pela L.oren (1970)
>>> A Obra de Olmar Guterres da Silveira de Horácio Rolim de Freitas pela Metáfora (1996)
>>> I Survived the California Wildfires, 2018 de Lauren Tarshis pela Scholastic Books (2020)
>>> Dicionário dos animais do Brasil de Rodolpho von Ihering pela Difel (2002)
>>> Primo Altamirando e elas de Stanislaw Ponte Preta pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Elvis O Rei de Las Vegas Essencial para fãs Vol 1 de Waldenir Cecon pela Elvis Presley´s World Fan Club (2005)
>>> Mulherzinhas de Louise May Alcott pela Companhia Nacional (1973)
>>> Marketing na Odontologia: Estratégias Para o Sucesso de Marcia Nana pela Medbook (2013)
>>> Pentimento de Lillian Hellman pela Francisco Alves (1981)
>>> Vicio E Corrupção No III Reich de Rouben Frank Lucke pela Grafipar (1979)
>>> O mistério do escudo de ouro de Odette de Barros Mott pela Brasiliense (1975)
>>> Desencana Que a Vida Engana de Laís Tapajós pela Globo (1995)
>>> Os rebeldes de Mary Canon pela Nova Cultural (1981)
>>> Diário das Solteiras (Quase) Felizes de Sandra Mazotti pela SVB Edição & Arte (2006)
>>> Atraídos pelo Destino de Millie Criswell pela Harlequin (2003)
>>> O Combate do Inverno de Jean Claude Mourlevat pela Rocco (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/8/2001
Livre talento, triste exílio, doces brasileiros
Arcano9

+ de 2700 Acessos

E pensar que, até uns anos atrás, eu nem sequer imaginava que iria viver em Londres. Não só eu, aliás. Acho que estou testemunhando um momento histórico - provavelmente desde a época da ditadura nunca se viu tantos brasileiros mandando a pátria amada amar outro (ame-o ou deixe-o, já diziam os generais). Há hoje quase dois milhões de nossos compatriotas vivendo longe do país, a maioria nos EUA, Paraguai e Japão. Tanto talento cruzando os oceanos, tanta saudade disfarçada. Lembro de muitas músicas que falam do estar tão longe. E também do voltar. Mas não sei se vou voltar tão cedo. O Brasil está tão triste visto de longe, meus amigos. Me digam, está triste mesmo? Vocês ainda tomam cerveja na praia e comem camarãozinho? Vocês ainda torcem para a seleção? Vocês ainda... (o que eu mais odeio disso tudo é que, daqui a pouco, vocês vão dizer que eu me pareço ao Ivan Lessa).

Londres tem muito brazuca, uns 15 mil. Escondidos, a maioria, outros nem tanto. Há uns dois ou três lugares que você logo descobre e é lá que a galera se encontra para falar dos absurdos do além-mar. Na Oxford Street tem um restaurante no fundo de um mercado, pão de queijo fresquinho. Nos domingos, um tchurma ligada a uma igreja joga vôlei no Kensington Gardens sem muita pregação. Na embaixada em Green Street, o burburinho diplomático sobre como será a festa de boas-vindas do novo manda-chuva, já que o Sérgio Amaral foi para Brasília. Será que o novo embaixador também gosta de charutos?

Mas vamos falar de alguns desses personagens um tanto escondidos, mas muito audíveis. A música brasileira - força hipnótica para todos os estrangeiros, seqüência de notas tão harmônicas desse nosso Brasil dissonante, dessa nossa língua portuguesa tão carinhosa - a música brasileira continua em alta por aqui, como sempre esteve. Você já ouviu falar de Mônica Vasconcelos?

A Mônica é uma paulista, mora em Londres há mais de oito anos. Ela lidera duas bandas, uma chamada Nóis (bem numerosa, com seus metais reluzentes) e a As Meninas (bem menor e mais intimista). Conheci a Mônica porque trabalho com ela e logo de cara falei que gostava de jazz, mas que não via tanta graça na MPB. Ela reagiu com grande agressividade, e só faltou me chamar de ignorante. Ainda que com resistência, Mônica decidiu (talvez por considerar que, se eu gostava de jazz, meu caso não estava totalmente perdido) me chamar para ver um show dela. Demorei, mas fui. Fui porque queria ver sua técnica vocal. Haviam se passado já muitos meses, mais de um ano quem sabe, desde que eu tinha chegado.

Sabe o que é? Acho (usando aquela expressão gasta prá caramba) que a gente só sabe como as coisas são boas quando se afasta delas. Foi o meu caso, em relação à MPB.

Mônica tem uma voz colocada, doce, linda. Acho que é porque ela passa algum tipo de segurança materna na voz, algo que só cantoras muito experientes sabem fazer. Pena que meus parâmetros sejam tão restritos... certamente não é parecido com Ella Fitzgerald ou Billie Holiday, é diferente. Ouça e veja se você concorda com isso. Comprei seu último CD para dar de presente ao meu irmão mais novo, quando estive de volta ao Brasil, em novembro. Ele na hora identificou uma certa semelhança de Mônica Vasconcelos com Marisa Monte e me perguntou: "ué, você não odiava a Marisa Monte?" Eis-me boquinha de siri.

Esse último CD se chama Bom Dia. Traz composições famosas - É Doce Morrer no Mar, do Caymmi, é uma delas. Mas também traz composições da própria Mônica. Se você encontrar por aí, ouça a faixa título do CD. Bom Dia é um hino ao sol matutino. Mas um sol matutino daqueles que começa bem fraquinho, no céu azul, e lá pelas 9h30 da manhã te exaure em borbotões de suor cascateando da testa, pelos braços, nas canelas, no chão de paralelepípedos de uma rua de Diamantina. Caso você opte por deixar esse CD prá lá, uma boa pedida é esperar até o ano que vem. Mônica anuncia a seus fãs brasileiros que entra em estúdio neste fim de ano para gravar um novo. Já era mais que tempo.

Mônica participa neste mês de agosto mais uma vez de um evento que já virou fixo no calendário da comunidade por aqui. Trata-se do festival de música Braziliance, no Jazz Café de Camdem Town. Mônica e o seu grupo menor As Meninas batem cartão no Jazz Café, além de uma outra banda de um estilo diferente, mas também brasileiríssima, a banda Auwê. Como Mônica, os integrantes da Auwê não ficam na fórmula fácil de fazer covers de Garota de Ipanema para a gringalhada. Liderada pela vocalista Gabriela Geluda, a Auwê combina influências orientais com elementos de rock, folk, balada, bossa nova e xote. Geluda tem um timbre diferente de Mônica e é outra que deve constar de sua lista de novos talentos a serem descobertos. Procure o novo CD que a Auwê está lançando, que conta com a produção experiente de Will Mowat (que já trabalhou com Daniela Mercury e Fernanda Abreu. Dado seu currículo, Will deve escolher muito bem suas companhias...)

Bom, saindo agora dessa praia conhecida da MPB/Rock/Pop brasileiro, vamos para outro canto da cidade, sentir outros ares. Lembre-se: Londres é uma cidade de contrastes. Saímos do Jazz Café, linha preta para o sul, linha vermelha para o leste, linha laranja para cima e você está em Shoreditch, no coração da Brick Lane, no coração de Belgal Town. Escondido entre ruas com aquelas letras bengalis enroladas, está o quartel-general do dueto mais bizarro, doido e esquisito que eu já ouvi. Um bom contraponto para a Mônica, talvez, pois o dueto não segue muito bem as trilhas artísticas que conhecemos. Não segue muito bem neste sentido: até caminha pelo samba, mas com harmonias tortas. Até fala português, mas também francês e espanhol. Até faz pura música, mas esse é apenas um detalhe.

Essa... confusão.... chama-se Tetine. "Tetinha" é formada por Eliete Mejorado e Bruno Werner. O outro dia encontrei com eles. Tinha a difícil missão de fazer um perfil desses malucos sem nunca ter ouvido falar do trabalho deles. Eliete tem cabelo vermelho, Bruno tem fala mole. Lançam dois CDs ainda neste ano, o primeiro agora em setembro.

O que o "Tetine" faz é mais ou menos música dadaísta, que se insere de modo intransferível nas outras atividades expressivas da dupla. Eliete e Bruno realizam performances, são elementos vivos de instalações multimídia, são humoristas. Seus shows são tão inesperados que você nota certamente a conexão entre eles e a tradição teatral libertária de José Celso. O negócio é despirocante. "Nosso negócio é mostrar o cunt power", disse Eliete, num aliás que me fez gargalhar secretamente. E é bom? Boa pergunta.

Eles já lançaram três CDs. Esse vindouro quarto, intitulado "Olha Ela de Novo", é um dos que mais se enveredam pelo pop e, por isso, mais aconselhável para malucos comuns como nós nos iniciarmos em Tetine. Eu tive a satisfação de ouvir duas faixas. Tomemos uma delas, Pig. Na música, uma mulher, com uma tremenda voz de puta, falando baixinho como se estivesse envolta numa atmosfera de cigarros fumegantes, começa a enumerar detalhadamente os motivos pelos quais o seu homem (o cafetão, talvez) é um pig. A música é toda baseada em sintetizador. Muito bom, adorei, por que tem essa essência baixa, barata, que raras vezes eu vi tão bem representada. Outra faixa que ouvi foi a faixa título do CD. Olha Ela de Novo traz Bruno encarnado um aparente malandro carioca. A interpretação é humorística, tá na cara que a ginga na voz dele é forçada para que as pessoas riam. Outra vez, o som eletrônico e etéreo (que, descobri depois, repete-se em boa parte dos trabalhos do grupo). Achei engraçada esta faixa, não mais que isso. O Tetine, aliás, é engraçado. Acho que não deveriam ser levados a sério, talvez nem eles se levem. Mas o que importa, amigo, é que eles estão fazendo o que gostam.

E estão por aqui.

Voltamos ao início - tantos brasileiros em Londres. Tanto talento. Porque eu sinto que o Brasil está tão triste, aqui à distância? Os artistas têm inúmeras impressões do que está acontecendo. Uma, porém, fica clara. Clara para mim, clara para todos. Em Londres, em Nova York, em Paris, as pessoas valorizam o fato de você estar fazendo o que gosta. Pode ser uma besteira sensacional, como o Tetine faz, mas mesmo que seja besteira, há alguém que vai parar para te perguntar o que você está fazendo e se interessar, sem ter idéias pré-concebidas. Tenho certeza que os brasileiros que vêm para cá aprendem a ver tudo de outra forma. Aprendem a enxergar diferentes realidades. Percebem o quanto o Brasil, infelizmente, é limitado em alguns aspectos, principalmente na sua poderosa indústria cultural. Será que a Mônica Vasconcelos seria ouvida e respeitada no Brasil como é por aqui? Ou seria apenas mais uma cantora num bar da Vila Madalena, ganhando uns trocados que não dão nem para uma cerveja? E o Tetine? Será que no Brasil a dupla não ficaria restrita apenas aos eventuais happenings no Videobrasil?

Quem sabe, quem sabe, alguma mudança já venha a galope.

Para ir além

Tetine

Mônica Vasconcelos e a banda Nóis

Informações sobre a banda Auwê

Jazz Café
5 Parkway, Camdem Town


Arcano9
Londres, 13/8/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
02. Cuba e O Direito de Amar (1) de Marilia Mota Silva
03. Quem é mesmo massa de manobra? de Cassionei Niches Petry
04. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2001
01. Duas formas de perder a virgindade no West End - 5/3/2001
02. O que realmente importa - 17/12/2001
03. Quando road movie encontra inocência adolescente - 19/3/2001
04. Ler ao acaso - 19/11/2001
05. Concurso de popstars mostra novo caminho na TV - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Human Condition Critical
Luc de Schepper
Publishing
(1993)



Atlas des Peuples Deurope Occidentale
Jean Sellier, André Sellier, Anne Le Fur
La Découverte
(2000)



A Hight Interest Rate Trap: the Making of the Brazilian Crisis
Carlos Fernando Lagrota R. Lopes
Bndes
(2003)



Cadê as Roupas do Papai Noel?
Martin Chatterton
Fundamento
(2015)



Nada a Perder 3 - do Coreto ao Tempo de Salomão: a Fé Que Transforma
Bispo Macedo
Planeta
(2014)



The Best Womens Stage Monologues of 1991
Jocelyn A. Beard
A Smith and Kraus Book
(1992)



La Argentine - Deuxiéme Edition
Odina Sturzenegger Benoist
Karthala
(2006)



Um Novo Olhar Sobre Teixeira e Sousa
Rose Fernandes
Foco
(2018)



Processo Judicial Tributário
Paulo Cesar Conrado
Gen; Método
(2014)



Rita Você-é-um-doce
Telma Guimaraes M. de Castro Andrade
Atual
(1991)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês