Blogues: uma (não tão) breve história (I) | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
>>> Does God Exist? de A.E. Taylor pela The Macmillan Company (1947)
>>> Administração Básica de Adelphino Teixeira da Silva pela Atlas (2011)
>>> Como Resolver Conflitos no Trabalho de Jerry Wisinski pela Campus (1994)
>>> Administração de Investimentos de Peter L. Bernstein pela Bookman (2000)
>>> Sistemas Organização e Métodos de Tadeu Cruz pela Atlas (1998)
>>> Os 100 melhores livros de negócios de todos os Tempos de Todd Sattersten Jack Covert pela Campus (2010)
>>> Propaganda de Plínio Cabral pela Atlas (1980)
>>> Empresa Como Organizar e Dirigir de Antônio Carlos Ferreira pela Ouro
>>> Marketing Cultural ao Vivo de Vários pela Francisco Alves (1992)
>>> A Dose Certa de John C. Bogle pela Campus (2009)
>>> Já tenho idade para saber de Michael W. Smith pela BomPastor
>>> Sobreviver não é o Bastante de Seth Godin pela Campus (2002)
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu de Mark W. Baker pela Sextante
>>> Aspectos Legais da Documentação em Meios Micrográficos Magnéticos e Ópticos de Ademar Stringher pela Cenadem (1996)
>>> Go Pro de Eric Worre pela Rumo (2019)
>>> Avaliação da aprendizagem - Componente do ato pedagógico de Cipriano Carlos Luckesi pela Cortez (2011)
>>> Pílulas do Bem-Estar de Daniel Martins de Barros pela Sextante (2019)
>>> Trilha de Diversos pela EuBlack
>>> Apostila de Vestibular Semi FGV 2 de Não Informado pela Cpv (2003)
>>> Documentos Maranhenses Pantheon Maranhense 2 Volumes de Antônio Henrique Leal pela Alhambra (1987)
>>> Economia de João Paulo de Almeida magalhães pela Não sei (2019)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/8/2005
Blogues: uma (não tão) breve história (I)
Ram Rajagopal

+ de 6100 Acessos
+ 4 Comentário(s)

"A computer lets you make more mistakes faster than any invention in human history with the possible exceptions of handguns and tequila."
Mitch Ratliffe para Technology Review

Se você está lendo este ensaio provavelmente já visitou, pretende visitar ou visitará um blog. Um site popular de buscas semânticas da internet cataloga para cada definição para jornal, três definições para blog. Um blog pode ser de um simples diário, um espaço para apresentação de idéias mal acabadas ou uma coleção de links comentados. Minha definição preferida foi dada por um blogueiro conhecido, Alexandre Inagaki em "Blogo, logo existo". O abrasileiramento da palavra blog que aparece aqui e ali é blogue; na verdade, trata-se da tradução oficial da palavra blog do francês.

Os blogues hoje são motivo de polêmica, pois se oferecem como alternativas a mídias tradicionais de comunicação como um jornal, uma revista ou até um livro. Discussões ferozes sobre os méritos dos blogues e seus autores, os blogueiros, suscitam longos artigos que delineam os conflitos entre esta nova mídia e as existentes. Mas será que o blogue se contrapõe a mídias tradicionais ou é somente uma evolução das mesmas? Qual o futuro dos blogues? Será que blogues são financeiramente viáveis? Respostas para estas perguntas residem em parte em saber de onde vêm os blogues. O que se encontra no DNA de um blogue? Entender um pouco do DNA da tecnologia blog, dos movimentos de bits e bytes que levaram a sua origem, sugere também quais os caminhos que os blogues podem seguir e para onde o seu DNA pode evoluir.

A evolução de espécies que resultou no surgimento dos blogues aconteceu em ritmo acelerado. Um blogue tem um pouco de tudo que aconteceu no mundo da informação e ciência nos últimos 40 anos. Os blogues têm a ver com coisas tão disparatadas quanto física de partículas, aluguel de apartamentos e comprar um livro com um clique do mouse. E, ao mesmo tempo, os blogues têm muito a ver com a minha geração de pessoas. Crescemos juntos. Sou provavelmente da primeira geração que já nasceu num mundo onde existiam computadores pessoais, que cresceu com a internet, e que começou a ver o teclado e o mouse como sendo tão naturais quanto uma caneta e um pedaço de papel. Uma geração que sempre viu viajar com a maior naturalidade, e que aprendeu até a fazer amigos através de seqüências de zeros e uns. E trocou o diário com capa de couro, e os fanzines amadores, por um blogue. E ainda coloca uma catraca eletrônica para descobrir quantos incautos leram o diário... Talvez por tudo isso, sejamos também a primeira geração que irá encontrar e enfrentar os mesmos conflitos que os blogues encontram e enfrentam.

O blogue não é somente uma tecnologia. Pode ter começado como uma, mas criou novas maneiras de comunicar e dividir idéias e informações. O blogue está sendo também um agente transformador da linguagem, e, aos poucos, da cultura popular. Da mesma maneira, o DNA do blogue é composto por idéias que encontraram sua manifestação no universo da tecnologia, das ferramentas. O homem evolui esteticamente e intelectualmente incorporando e criando novas ferramentas para sua busca por conhecimento. Muitas vezes, a própria ferramenta se torna o agente da forma de pensar e criar. É importante, então, descobrir quais as teias de idéias que levaram ao surgimento da ferramenta. Quais conceitos, imagens e necessidades resultaram no agente transformador. É com esta premissa que escrevi este ensaio.

Mas onde começa a história dos blogues?

Andréa Trompzyncski diz que os homens das cavernas já blogavam com seus desenhos em tinta vermelha. Daniela Sandler cita os journaux, os diários publicados, como exemplo de blogue do Século XVIII. Eu acrescento que os seguidores de Jesus já blogavam e com comentários, gravando e compartilhando suas experiências com o Filho de Deus, e os filósofos indianos escreviam em folhas de palmeira pequenos sonetos sobre eventos observados no dia aos quais atribuíam profundo significado espiritual. Não seriam os cantores de cordel nordestinos blogueiros em potencial? Mas, em todos estes casos, um componente essencial do blogue não está presente: o acesso ao público no pressionar de um botão. Por isso, minha história dos blogues começa em um outro lugar....

O provável primeiro blogue elétrico e a rede humana

O ano é 1848, e um pequeno grupo de pessoas representando jornais de Nova York que competiam intensamente entre si discutem a criação de uma cooperativa para unir esforços para conseguir as últimas notícias da Europa. Estava criada a Associated Press. Dois anos depois, na Inglaterra, uma organização com a missão de distribuir notícias dentro da Europa o mais rápido possível era fundada, a Reuters.

As tecnologias usadas na época para angariar notícias eram eficientes pombos correios - só a Reuters tinha 200 escritórios espalhados pelos continentes. As notícias transcontinentais chegavam por navio, e réporteres da Reuters e da Associated Press utilizavam a rede humana-elétrica para enviar as informações para os diferentes escritórios atingindo as várias regiões dos continentes.

O provável primeiro blogue elétrico surge um século mais tarde, quando em 1951 a AP lança o primeiro circuito de teletipos operado por uma agência de notícias. "A cópia das notícias eram editadas no escritório da AP, e posteriormente perfuradas em fitas de papel para serem lidas pelas máquinas de teletipo. A máquina de teletipo enviava as histórias a uma taxa de 53 palavras por minuto, para as plantas dos jornais. O tipo era automaticamente preparado e a notícia estava pronta para ser impressa e distribuída".

A existência de agências de notícias capazes de enviar informações rapidamente começa a ter sua influência na linguagem escrita. Frases mais curtas, objetivas e menos calculadas, escritas para satisfazer a necessidade de se enviar a informação o mais rápido possível. Os leitores começam a ser incutidos com a mentalidade de ter a informação o mais rápido possível, já que, no mercado financeiro e na política, a informação representava dinheiro e poder.

"Information is the resolution of uncertainty."
Claude Shannon

O desenvolvimento de comunicações e agenciamento de notícias induz a uma dúvida natural: o que é informação? Saber o que é informação e como representá-la é o primeiro passo para comunicar informações eficientemente. Em 1948, para modelar a transmissão de linguagem através do telégrafo, Claude Shannon criou e definiu o conceito de bit. O bit foi uma revolução na maneira como pensamos sobre informação. Foi a primeira vez que a idéia de informação pôde ser quantificada.

Em seu trabalho revolucionário, Shannon apresenta o conceito de complexidade de informação; a idéia de compressão de informação e linguagem; uma forma de quantificar a complexidade e redundância de um texto; sugere uma análise sistemática de formas eficientes de comunicação e a perda de confiabilidade que acontece quando nos comunicamos. As idéias de Shannon vieram a formar as peças centrais para o desenvolvimento de vídeo em tempo real pela internet e da telefonia celular e por satélite. Ao mesmo tempo, praticamente criaram a área de análise quantitativa de linguagem e estilos literários. Ou seja, o bit revolucionou não só a tecnologia, como também a estética e a linguagem.

Nesta viagem de pouco mais de um século, de 1848 a 1952, o primeiro blogue aparece; e, ao mesmo tempo, começam a surgir as primeiras noções formais da idéia de informação, conteúdo e comunicação. Estas idéias formam hoje a base central do que entendemos por internet. É incrível como idéias tecnológicas aparentemente inofensivas, como o telégrafo, que nada mais é que uma versão elétrica da brincadeira do telefone de fio, podem fundamentar toda uma revolução em como comunicamos e pensamos.

Mas uma segunda revolução, a ser trazida pelos computadores e suas redes, vai mudar ainda mais a maneira como nos relacionamos com informação e linguagem. Outra vez uma tecnologia, construída para tornar mais eficiente e confortável como se vivia, irá mudar a nossa maneira de ser, pensar e viver. E é sobre os primeiros passos desta revolução e como ela afetou o universo dos blogues que eu tratarei na seqüência...

Nota do Autor
Esta série é dedicada a todo o pessoal do Digestivo Cultural (e em especial ao Julio Daio Borges, Editor do site) que está definitivamente ajudando a mudar o status quo do jornalismo cultural no Brasil.

Nota do Editor
Ram Rajagopal, engenheiro de sistemas e doutorando em engenharia eletrônica na Universidade da Califórnia, Berkeley, escreve também no blog Cataplum.


Ram Rajagopal
Nova York, 25/8/2005


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2005
01. Blogues: uma (não tão) breve história (I) - 25/8/2005
02. Os dez mais e os cinco menos da internet - 2/11/2005
03. Lula e o Mensalão Cultural - 7/9/2005
04. A internet também cria vândalos e ladrões - 5/7/2005
05. Blogues: uma (não tão) breve história (II) - 5/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/8/2005
08h44min
As diversas definições de blogs que tenho encontrado na rede são apresentadas a partir de dois princípios: 1. Do uso comum da ferramenta. As definidas desta forma descrevem Blogs como Diários, Agregadores de Links, etc. Ou seja, de como as pessoas estão utilizando a ferramenta. 2. As funcionalidades da ferramenta. A sobre o que está por trás dos Blogs, o diferindo de outras formas de publicação de conteúdo - entradas, dinâmica de publicação, classificação de conteúdo. Quando pessoas interessadas em publicação na Internet compreendem as duas abordagens, elas podem tanto se interessar pela criação de blogs como utilizar a ferramenta por trás dos blogs, para desenvolver outras funcionalidades de publicação além dos diários e coleção de links.
[Leia outros Comentários de Fabiano Caruso]
27/8/2005
22h12min
Muito me enriqueceu o seu artigo, era o link que estava faltando no meu blog. Aliás, acesse-o se puder. Ficarei honrada com sua visita.
[Leia outros Comentários de elaine pauvolid]
17/10/2005
09h00min
Amei seu artigo!!! Aprendi muito sobre Blogs. Você escreve muito bem! Mil Beijos.
[Leia outros Comentários de Lakshmi Rajagopal]
1/12/2005
05h38min
Gostei muito do seu artigo. Talvez pq seja eu mesma uma blogueira. Afinal, quem tem algo a dizer, gosta de escrever, quer ser lido, só pode mesmo ter um blog. Mas fazer um simples diário de coisas corriqueiras deixa o blog muito aquém do que se espera que seja. E fotinhas dos bebês da família são um porre. O bom é se perceber que existe vida inteligente por trás de cada blog...
[Leia outros Comentários de Dalila Flag]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AJUDA-TE PELA NOVA AUTO-HIPNOSE
PAUL ADAMS
IBRASA
(1978)
R$ 20,00



ADULTOS SEM FILTRO E OUTRAS CRONICAS
THALITA REBOUCAS
ROCCO
(2012)
R$ 21,87



POR QUE OS HOMENS MENTEM E AS MULHERES CHORAM?
ALLAN E BARBARA PEASE
SEXTANTE
(2003)
R$ 6,00



JUAZEIRO DO PADRE CÍCERO
M. B. LOURENÇO FILHO

R$ 44,00



VAMPIROS EM DALLAS
CHARLAINE HARRIS
ARX
(2010)
R$ 10,00



A MÁSCARA DA MORTE VERMELHA
EDGAR ALLAN POE
MELHORAMENTOS
(2013)
R$ 8,00



O JOVEM FUTEBOLISTA
GARY LINEKER
CIVILIZAÇÃO
(1994)
R$ 11,70



DEVOCIONÁRIO NOSSA SENHORA DA PAZ
MARIA DAS NEVES
SANTA MARIA
(1999)
R$ 3,00



PASSADO E FUTURO DA ERA DA INFORMAÇÃO
RICARDO RANGEL
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,60



PARADOXO GLOBAL
JOHN NAISBITT
CAMPUS
(1998)
R$ 7,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês