A internet também cria vândalos e ladrões | Ram Rajagopal | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os enciclopedistas franceses rolam nos túmulos
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
Mais Recentes
>>> Simplesmente Irresistível de Rachel Gibson; Leila Kommers pela Jardim dos Livros (2013)
>>> Anotações Sobre um Escândalo - Romance - Autografado de Zoë Heller pela Record (2007)
>>> A Região do Maduro de Jaime Leitão Rodrigues pela Amrc (1986)
>>> Mundo sem Hemisférios de Octavio Costa pela Record
>>> Revelada - uma Odisséia Feminina de Eliana de Freitas pela Conecta Brasil (2012)
>>> Crítica Teatral - Obras Completas de Machado de Assis de Machado de Assis pela W. M. Jackson Inc.
>>> Marcas da Iatrogenia no Discurso de Profissionais Em Hospital-dia de Luís Gustavo Vechi pela Casa do Psicólogo (2003)
>>> As Duas Vidas de Adonis de Mustafa Yazbek pela Ftd (1991)
>>> Gail 200 Anos de Sucesso Industrial - 200 Years of Industrial Success de Hilde Herbold - Texto pela Dba (2012)
>>> O Olhar de Lanceta - Ensaios Críticos Sobre Literatura e Sociedade de Elói Alves pela Apmc (2015)
>>> Reima de Dau Bastos pela Record (2009)
>>> Revista Arte e Cultura da América Latina - Vol. VII - Nº 1 de Adonay Ariza/rosane Borges e Outros pela Terceira Margem (2000)
>>> O Projeto Lottie de Jacqueline Wilson pela Sm (2005)
>>> São Jorge dos Ilhéus de Jorge Amado pela Martins (1968)
>>> Não Há Silêncio Que Não Termine de Ingrid Betancourt; Rosa Freire Daguiar pela Companhia das Letras (2010)
>>> Fluxus de Cristiane Grando pela Gato de Papel (2005)
>>> O Vau da Vida de Ariosto Augusto de Oliveira pela Nankin (2004)
>>> Uma Questão de Vida e Sexo de Oscar Moore pela José Olympio (2006)
>>> Subtexto - Revista de Teatro do Galpão Cine Horto - Nº 3 de Chico Pelúcio/beto Franco/kil Abreu/e Outros pela Não Identificada (2006)
>>> Une Vie Maupassant - Analyse Critique de Jean et Veronique Ehrsam pela Hatier (1986)
>>> The Last of the Giants de George Otis pela Chosen Books (1991)
>>> Dados - Revista de Ciências Sociais - Volume 51 -1 de Charles Pessanha - Edit. pela Iuperj (2008)
>>> Madame Casanova de Gaby Von Schonthan pela Nova Fronteira (1974)
>>> Um Reizinho Entre Nós de Yasmin Garrido Bruno pela Best Seller (2003)
>>> A Sintese Organica do Itinerarium Aetheriae de Enio Aloisio Fonda pela Ffcla (1966)
COLUNAS

Terça-feira, 5/7/2005
A internet também cria vândalos e ladrões
Ram Rajagopal

+ de 4000 Acessos


fonte: webtech.on.ca

"Unfortunately, we have had to remove this feature, at least temporarily, because a few readers were flooding the site with inappropriate material. Thanks and apologies to the thousands of people who logged on in the right spirit."

Los Angeles Times sobre o ex-novo editorial colaborativo Wiki.

Quem já foi criança, deve ter tido uma reação típica ao se deparar pela primeira vez com uma folha de papel em branco e uma coleção de lápis de cor: fazer rabiscos e desenhos desordenados explorando alegremente uma nova maneira de se expressar. Esta mesma reação se repete cada vez que nos deparamos com uma nova mídia, um novo meio para expressão e troca de idéias. Na nossa época de criança, se o lápis e o papel fossem muito caros, não teriamos tido a oportunidade de rabiscar tanto. Basta lembrar que raramente nossos pais se sentem confortáveis com rabiscos nas paredes de casa, e mesmo os rabiscos de adultos, o grafite, são considerados um escândalo. O custo de utilizar uma nova mídia regula a nossa capacidade de explorar e descobrir. De certa forma, o custo controla a liberdade. E por sua vez, a transgressão.

O desenvolvimento tecnológico está intimamente relacionado com o mesmo binômio custos-exploração que nos permitu fazer rabiscos na infância. A exploração livre leva a criação de novas mídias e ferramentas. Quanto menores os custos, um número maior de pessoas está disposta a adotar a tecnologia, a ferramenta proposta. Por sua vez, se for uma ferramenta efetiva, como por exemplo, a capacidade de se comunicar em redes usando computadores, a adoção generalizada leva a geração de uma economia e um mercado. E estes ilustres senhores passam a ditar as regras do jogo. O que começou como uma brincadeira de criança, vira assunto sério de adultos. De uma hora para outra, o que era liberdade para explorar pode ter se tornado transgressão. E a transgressão pode se tornar crime. Se os pioneiros do crime eram apenas crianças transgressoras, os novos criminosos não deixam dúvidas sobre sua índole. Então se criam leis, códices e regras, e as possibilidades de uso da ferramenta começam a se delimitar. Neste momento, a exploração que era a norma, se torna uma exceção.

A revolução comercial da internet que começou no início da década de 90, e em meados de 1995 se consolidou, foi justamente o momento em que a nova mídia gerou uma economia e um mercado. Até então a internet e a web tinham sido um grande parque de exploração, criado e mantido por coleções de cientistas separados da realidade cotidiana. Até então quem estava ligado a internet, em especial aos diversos recursos de comunicação como chats, newsgroups e a manutenção e uso de repositórios para FTP era praticamente um hacker.

A palavra hacker tem sua origem numa atividade muito mais prosaica do que invadir sites alheios ou criar e espalhar minhocas que tragam abaixo sistemas de computação da rede. A palavra hacker vem da expressão "to hack the code". Quem já programou em qualquer linguagem provavelmente já hackeou um código. Hackear é simplesmente escrever o programa, ou uma modificação do programa, da maneira mais curta possível, intencionalmente evitando os códigos estilísticos que ditam o uso da linguagem. Se por um lado o hack torna o programa mais difícil de ser lido, por outro é considerado uma arte. Um connaisseur da linguagem deve ser capaz de fazer hacks elegantes e engenhosos. O livro Ulysses está recheada de hacks elegantes escritos por Joyce numa das linguagens mais populares do mundo: o inglês.

Justamente a capacidade de explorar e conhecer bem uma linguagem permitiram o desenvolvimento rápido de quase toda tecnologia que permitiu que você pudesse comprar no Submarino com relativa segurança usando o cartão de crédito. Na época dos primeiros protocolos de rede, em que alguns excêntricos escreviam os programas que formaram as engrenagens da internet, a capacidade de descobrir um erro no programa do outro ou de manipular o sistema para conseguir um crash era extremamente valiosa. O que era uma atividade de desenvolvimento, se tornou uma subcultura com programadores e cientistas tentando encontrar vulnerabilidades e bugs nos protocolos e sistemas que iam sendo propostos. A própria diretriz da internet era para ser uma rede capaz de sobreviver a ataques. E a única maneira de saber se isto é verdade, era atacando. Na época, era exploração. A era dos Hackers Before Comercialization (BC).

Na era AC, After Comercialization, os hackers se tornaram transgressores, por não respeitarem o código de controle implícito imposto pela transformação da internet em mercado. Como em todo mercado, alguns transgressores querem benefícios econômicos rápidos de suas atividades transgressoras. Na arte temos os falsificadores, na literatura os plagiaristas e na web, os hackers. Mas nem todo hacker é igual. Operam hoje na rede ao menos quatro ou cinco tipos diferentes de transgressores. Entre eles, o invasor que invade sites para demonstrar sua proficiência técnica com a linguagem e raramente deixa algum rastro, o prankster, que invade e altera as páginas do site numa espécie de grafite virtual, os criadores de worms e vírus e os profiters que roubam e traficam informações para ganhar dinheiro no mercado. Ainda existem os hackers de código usando sua arte da programação para criar os miolos de muitas das novidades que você usa, desde um iPod até o Linux.

A atividade transgressiva se comercializou também, gerando uma indústria de proteção e segurança, com empresas que fabricam equipamentos para proteger as informações de um site, casas de software que escrevem programas antivírus e consultores especialistas em segurança de rede, e até em rastrear os transgressores. Os hackers que aparecem em noticiário hoje são somente aqueles que causam danos econômicos.

A questão é: será que a transgressão é razão suficiente para implementarmos mecanismos de controle para o uso da web? Vale a pena lembrar uma situação bem parecida, que marcou para sempre a década de 80: a história do grafite. A arte de rabiscar propriedade alheia que se caracterizou como liberdade na década de 60, se tornou transgressão já na década de 80. O que começou como uma demonstração cultural, se tornou rapidamente uma forma de vandalismo, com grafiteiros mal intencionados rabiscando monumentos históricos e fachadas de prédios. Num primeiro momento, a polícia atuou prendendo indiscriminadamente os grafiteiros, inclusive aqueles que faziam pinturas para recuperar fachadas decrépitas de seus bairros. Este estado sitiado debelou a arte do grafite... Hoje, muitas cidades que suprimiram o grafite estão atrás de indivíduos que façam trabalhos parecidos, para revitalizar a baixo custo várias paredes abandondas em seus espaços urbanos.

O VHS é mais um exemplo onde uma mídia, a fita de video, com possibilidades transgressivas concretizadas acabou se tornando um dos maiores motores econômicos dos mesmos conglomerados de entretenimento que atacaram a tecnologia. Como benefício extra, o VHS permitiu o florescimento da produção cinematográfica, abrindo a possibilidade de produtores e cineastas menores, menos tarimbados, lançarem seus projetos ao mercado. Um canal de distribuição se abriu. O mercado cresceu.

Definir o que é transgredir na internet pode não parecer muito complicado. Mas onde termina a liberdade e se inicia a transgressão? O que é transgredir? Indexar uma página da web? Enviar mensagens spam? Copiar uma referência para uma página disponível on-line, sem autorização prévia do dono? Levantar estatísticas sobre usuários e vendê-las? Permitir que usuários postem conteúdo sem haver possibilidade efetiva de monitorar? Infelizmente, a internet não se presta aos mesmos controles que existiam antes. Mudou a mídia, mudaram os métodos e o principal, devemos considerar a possibilidade de que aos poucos estamos mudando o que queremos definir como sendo propriedade. Seja ela propriedade intelectual, seja ela propriedade de informação.

Cotidianamente, nos blogues, já somos transgressores, copiando e referenciando artigos de outros sem permissão prévia. Usamos ferramentas que são fruto de um tipo de desenvolvimento de projeto que é considerado altamente transgressivo pelos monopólios econômicos. Mesmo as várias empresas usam capital intelectual de uma maneira transgressiva, desde se valer do poder de uma patente para bloquear idéias, a montar idéias novas baseadas em modificações das idéias de outro. Pode não ser tão na cara quanto descobrir uma forma de burlar sistemas de informação, mas é parecido.

A melhor maneira de se proteger de transgressores, e permitir a evolução econômica e social ainda maior deste mercado de informação, não é a restrição dos meios de distribuição da web. Já existem propostas que buscam regulamentar as formas de acesso a informação e a controlar a distribuição, uso e acesso a determinados tipos de informação. A capacidade de se controlar a informação na internet, tarefa aparentemente impossível, é possível, como mostra a atuação dos conglomerados industriais no caso do bloqueio de sites e blogues na China. Até que ponto devemos sacrificar as possibilidades deste novo meio, a web, devido a ação de uns poucos transgressores e a opinião dos monopólios econômicos e intelectuais que se sentem ameaçados da posição de controle que ocuparam por muitas décadas?

A melhor maneira de se proteger de transgressores é prevenir. Prevenção é comprar equipamentos que permitam que as informações do seu site sejam criptografadas em tempo real. Prevenção é educar os usuários do sistema sobre como escolher e manter senhas e informação em seus diretórios. Prevenir é aceitar a insegurança inerente de um sistema de informação, assim como sempre existe a possibilidade do garçom copiar seu número de cartão ou um funcionário vender a receita mágica da sua empresa. Segurança não é confinamento. Seja na vida urbana, onde não impedimos as pessoas de caminhar por aí porque podem ser grafiteiras, seja no universo da informação. Será que você sacrificaria a existência de um James Joyce porque ele transgride os conceitos usuais da linguagem? Será que você criaria uma nova regra de futebol porque o Mané Garrincha descobriu um drible indefensável? Então porque você tem que aceitar a imposição de controles na rede, sem uma profunda discussão e reflexão por parte de nós, usuários, só porque você quer usar o controle remoto para comprar na Amazon?


Ram Rajagopal
Rio de Janeiro, 5/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 20 contos sobre a pandemia de 2020 de Luís Fernando Amâncio
02. A situação atual da poesia e seu possível futuro de Luis Dolhnikoff
03. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
04. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges
05. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ram Rajagopal
Mais Acessadas de Ram Rajagopal em 2005
01. Blogues: uma (não tão) breve história (I) - 25/8/2005
02. Blogues: uma (não tão) breve história (II) - 5/10/2005
03. Lula e o Mensalão Cultural - 7/9/2005
04. Os dez mais e os cinco menos da internet - 2/11/2005
05. A internet também cria vândalos e ladrões - 5/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Entre o Amor e a Paixão
Lesley Pearse
Novo Conceito
(2013)



Ponte Estaiada
Luciana Cotrim
Estaçao das Letras
(2014)



Manual Prático da Autoridade Policial Militar
Sergio Moreira dos Santos
Suprema Cultura
(2007)



Entrada para o Paraíso
Junji Miyaura
Seicho-no-ie
(2012)



Observatório de Geog. 8 Ano Fronteiras e Nações -8ano
Regina Araujo- Angela Cortes da Silva Raul Borges
Moderna
(2010)



Coleção Info no 13 - Windows Xp
Carlos Machado (editor)
Abril
(2004)



The Keys of Hell
Jack Higgins
Harper Collins



Os Males do Tabaco e Outras Peças Em um Ato
Tchékhov, Homero Freitas de Andrade
Ateliê Editorial
(2003)



Projeto Radix Ciências 8º Ano
Leonel /karina / Elisangela
Scipione
(2013)



Curso de Processo Penal [CAPA DURA]
Eugênio Pacelli de Oliveira
Del Rey
(2007)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês