Todo o tempo do mundo | Vitor Nuzzi | Digestivo Cultural

busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia. Palhadiaço comemora 10 anos com circulação de Espetáculo Espetacular na ZL
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Eu Maior, o filme de Fernando, Paulo e Marco Schultz e Andre Melman
>>> Uma década no rastro de Paulo Francis
>>> Roteiro de um ano
>>> Copa 2010: transmissão ao vivo
>>> Rita de Cássia Oliveira
>>> Bel Ami, da obra de Maupassant
>>> Os filmes de Frederico Füllgraf
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
Mais Recentes
>>> O Que é Poder de Gerard Lebrun pela Brasiliense (1981)
>>> Empreendedorismo : trsformando ideia em negocio de Jose dornelas pela Ltc (2016)
>>> Olhos Nos Olhos: O Caso Blackstone - Vol 3 de Raine Miller pela Suma De Letras (2014)
>>> A Ilha (um Repórter Brasileiro no País de Fidel Castro) de Fernando Morais pela Alfa-omega (1980)
>>> Estudar Também Se Aprende de Marina Celeste Magro pela Epu (1979)
>>> Ajuda-te e o Céu Te Ajudará de Carlos Antonio Baccelli pela Leepp (2013)
>>> Comportamento do Consumidor de Roberto Meireles Pinheiro e Outros pela Fgv (2006)
>>> Entrega Total: O Caso Blackstone - Vol. 2 de Raine Miller pela Suma De Letras (2014)
>>> Empreendedorismo : trsformando ideia em negocio de Jose dornelas pela Ltc (2016)
>>> A Mulher Nua de Desmond Morris pela Globo (2005)
>>> Separados, Divorciados, uma Esperança Possível de Paul Salaün pela Santuário (1997)
>>> Entrega Total: O Caso Blackstone - Vol. 2 de Raine Miller pela Suma De Letras (2014)
>>> Paixão Em Vender- 5 Segredos do Vencedor de Silva Bez pela Íthala (2016)
>>> Tipos 2ªedição de Aldemar A. Pereira pela Quartet (2007)
>>> Nua - O Caso Blackstone de Raine Miller pela Suma De Letras (2014)
>>> Literatura: Leitores & Leitura de Marisa Lajolo pela Moderna (2001)
>>> Nua - O Caso Blackstone de Raine Miller pela Suma De Letras (2014)
>>> Amsterdã - Lonely Planet de Karla Zimmerman e Sarah Chandler pela Globo Livros
>>> Livro Logística Internacional. Um Enfoque Em Comercio Exterior de Ludovico Nelson pela Saraiva (2012)
>>> Conceito de Direito Administrativo de Adelino Brandão pela Julex (1985)
>>> Bases da Parasitologia Médica de Luis Reis pela Guanabara
>>> Santa Teresinha: Ser Missionário sem Sair de Casa de Frei Patricio Sciadini pela Angelus (2023)
>>> O Oportunista de Piers Paul Read pela Abril (1983)
>>> Feng Shui Diário 2000 o Ano do Dragão de Maria Forbes Scheepinaker pela Aquariana (1999)
>>> Dias Tranquilos Em Clichy de Henry Miller pela Livros do Brasil (1992)
COLUNAS >>> Especial 20 anos do Dois

Quarta-feira, 9/8/2006
Todo o tempo do mundo
Vitor Nuzzi
+ de 4100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O Bom Demais era um bar na Asa Norte, em Brasília. Eram os anos 80. Morei lá muitos anos depois - queria ter conhecido esse lugar, onde cantaram, entre outros, Cássia Eller, Zélia Cristina (que depois viraria Duncan), os ainda meninos Raimundos. E até Renato Russo, que um dia, já meio alto, arrebatou o microfone e cantou músicas dos Beatles (o relato está no bom livro de Ana Claudia Landi e Eduardo Belo sobre Cássia Eller, Apenas uma Garotinha). Renato adorava o álbum Let it Bleed, dos Stones, ouviu muito rock progressivo e tomou seu primeiro porre quando Sid Vicious, o vocalista do Sex Pistols, morreu. Nem imagino como ele, Dado Villa-Lobos, Renato Rocha e Marcelo Bonfá se conheceram, mas com aquele encontro o rock nacional ganharia um toque de qualidade e vigor além do pop tão típico da época.

Pausa para um fim de tarde qualquer em 1986, avenida 23 de Maio, São Paulo. No rádio do carro - parado em um típico trânsito infernal - toca uma balada contando a história de um casal, ela mais velha, com jeitão intelectual, e ele meio bobão. Pergunto ao motorista quem estava cantando. Era Legião Urbana, do qual até aquele momento, confesso, nunca tinha ouvido falar. O bobão, na verdade, era eu.

No dia seguinte, vou atrás do LP. E fico sabendo que a banda nem era tão nova assim. "Aquele gosto amargo do teu corpo/ Fico na minha boca por mais tempo" eram os primeiros versos do disco. Não era rock puro, mas também não era pop, muito menos MPB. As letras tinham angústias adolescentes e conflitos adultos. E um olho na realidade brasileira. Não era a frivolidade da Blitz, nem a energia do Ultraje a Rigor, duas bandas que eu gostava (e ainda gosto) de ouvir. Lírico e crítico ao mesmo tempo. Arranjos aparentemente simples, batida seca de bateria. Letras mais elaboradas. E na quarta faixa, aquela música que eu ouvira no carro. Com a dúvida que não foi resolvida até hoje: existe ou não razão nas coisas feitas pelo coração?

Setembro de 2004. Dezoito anos depois, morando na capital do país, entro no Parque da Cidade pela primeira vez. A história de Eduardo e Mônica me vem à cabeça. Foi ali que eles se encontraram pela primeira vez, ela de moto e ele de bicicleta, ou camelo. Crio um canto imaginário e faço de conta que foi ali que o garoto encostou a bike e, olhar meio tímido, lançou um "oi" para a moça que tinha tinta no cabelo - e já estava lá, à espera. Uma dúvida eu não tinha: depois que eles trocaram telefone na festa estranha, com gente esquisita, foi Mônica quem ligou propondo um encontro. Eduardo não teria coragem de ligar pra ela.

Agosto de 1990. Noite agradável de sábado, Parque Antártica, São Paulo. Entro no estádio do Palmeiras - nessas horas, as paixões clubísticas ficam de lado. Ou melhor, tento entrar. A fila dá voltas, por causa da descoberta de ingressos falsos. Lá dentro, o Legião Urbana, que havia lançado As Quatro Estações, se prepara para entrar no palco. Ainda há uma multidão do lado de fora quando se escutam os primeiros acordes. Começa a correria, a segurança desiste de controlar os ingressos, entram todos, por todos os lados. Com entrada para a arquibancada, consigo ir para o gramado, enquanto a banda toca "Feedback Song for a Dying Friend". Ali estava eu, apreciador assumido de MPB, ouvindo e curtindo aquele cara incomum (que tinha acabado de sair de um relacionamento) se contorcendo no palco. E uma banda sem nenhum exibicionismo. Estádio cheio. O repertório de sempre: referência a drogas, exaltação da amizade, problemas com os pais, amores imperfeitos ou ridículos, como são todos os amores, ou não seriam amores. Mas também uma menção mais explícita ao homossexualismo. Citações da Bíblia e de Camões, de Buda. Mais agitado que Dois. "Não achávamos que o Quatro Estações fosse estourar, porque é um disco bem difícil, mas todo mundo gostou. As letras são complicadíssimas e não é tão pra cima quanto acham", disse Renato em entrevista de 1994 publicada pela Folha de S. Paulo em 2001.

Mas o que diferencia Legião de outras bandas é a quantidade de faixas expressivas, músicas de que a gente lembra até hoje. "Eu quero trabalho honesto/ Em vez de escravidão" são versos de 1986 que soam atuais. E o que dizer de "Mas nos deram espelhos/ E vimos um mundo doente"? E era incrível a ligação de Renato, principalmente, com o público. Ligação que muitas vezes descambava para o exagero, com shows tumultuados. O de 1990 não foi.

Em 1996, dez anos depois de Dois, eu ajudava a editar um suplemento voltado para o público jovem, quando saiu o disco A Tempestade. Ouvi e comentei com um colega: acho que Renato está morrendo mesmo. Era a despedida. "Não quero mais ser quem eu sou/ Mas não me diga isso/ Não me dê atenção/ E obrigado por pensar em mim". Era a febre que não passava e um anjo triste que não saía de perto dele.

Como toda banda, Legião deixou fãs, admiradores e gente que não curtia aquele som. Como vários grupos e cantores, pareceu ter virado moda - descobri isso bem depois, talvez por não gostar de modas. Para mim, era uma banda que, além de fazer boa música, deixava mensagens às vezes inquietantes, como "celebrar a estupidez humana". Mas moda é coisa que passa, e Legião se escuta até hoje, e muito. Um som para ficar. Nada de "messianismo" ou "Vandré da nova geração", bobagens que chegaram a ser ditas. Renato não era um herói, era poeta. Dependente químico, também não foi anti-herói. Pense na música que se fazia naqueles aparentemente distantes anos 80 e 90. Será que Legião não merece um lugarzinho de destaque nessa discoteca do tempo, no nosso coração musical? Pense logo. Não temos tempo a perder. Pense devagar. Temos todo o tempo do mundo.


Vitor Nuzzi
Rio de Janeiro, 9/8/2006

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
02. O poeta, a pedra e o caminho de Wellington Machado
03. O tempo de Arturo Pérez-Reverte de Celso A. Uequed Pitol
04. Só uma descrição de Eugenia Zerbini
05. Claraboia, o jovem Saramago de Marcelo Spalding


Mais Vitor Nuzzi
Mais Acessadas de Vitor Nuzzi em 2006
01. Boa nova: o semi-inédito CD de Chico - 2/5/2006
02. Um imenso Big Brother - 6/2/2006
03. Os 40 anos de A Banda versus Disparada - 30/10/2006
04. Outra palavra, da cidade Coração - 11/4/2006
05. Democracia envelhecida - 20/10/2006


Mais Especial 20 anos do Dois
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/8/2006
02h03min
Merece, sim. Eu já fui conquistado. Tenho todos os discos, embora, como tu, eu tenha demorado a engrenar, e foi justamente nas Quatro Estações. Depois das Quatro Estações adquiri todos os discos posteriores, e também os anteriores. E se não tomei um porre quando o Renato morreu, garanto que deu uma imensa vontade.
[Leia outros Comentários de Jose]
31/8/2006
20h58min
O texto tá muito bom. Prova mais uma vez que as pessoas realmente se identificavam com as letras da Legião e, mais ainda, o quanto Renato Russo faz falta... Sou fã e presto minha homenagem todos os anos fazendo um Tributo à Legião, aqui em minha cidade. A festa é realizada no Clube dos Fumicultores em Arapiraca/AL. Exibo num telaão vários documentários e entrevistas com Renato Russo e depois a festa fica por conta da Banda Sra Rita em seguida a Banda Zero Oito Dois e finalizamos com uma super boite, com um DJ da região, Nando Quintella. Vocês estão convidados. A próxima festa será no dia 6 de setembro!
[Leia outros Comentários de Paulo Francisco]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Karamabloch
Arnold Bloch
Companhia das Letras
(2008)



Manoel Bomfim: combate ao racismo, educação popular e democracia radical
Aluizio Alves Filho.
Expressão Popular
(2013)



Manual Básico De Estudo - Pedagogia
L. Ron Hunnard
Bridge
(2010)



A Musica Popular no Romance Brasileiro - Volume II Século xx
José Ramos Tinhorão
34
(2000)



Sao Paulo Nos Primeiros Anos - 1554-1601
Afonso de Escragnolle
Paz E Terra
(2003)



Livro Literatura Brasileira O Cortiço - Ler é Aprender 16
Aluísio Azevedo
Estadão / Klick
(1997)



Sebastiana Quebra o Galho do Homem Solteiro, Divorciado Etc...
Nenzinha Machado Salles
Record
(2000)



Camino a la estabilidad: Cómo derrotar a la inflación para avanzar hacia el desarrollo económico
Domingo F. Cavallo
Sudamericana
(2014)



O Cliente
John Grisham
Rocco
(1994)



O Lacaio e a Meretriz
Nina Berberova
Nova Fronteira
(1989)





busca | avançada
61479 visitas/dia
2,0 milhão/mês