Isso é arte? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O samba de Donga na Festa da Penha
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
Mais Recentes
>>> Quando Nietzsche chorou de Irvin D. Yalom pela Ediouro (2005)
>>> História das Sociedades Americanas de Rubim Santos Leão de Aquino, Nivaldo Jesus Freitas de Lemos, Oscar Guilherme Pahl Campos Lopes pela Record (2004)
>>> O Clima em Transe - Vulnerabilidade e Adaptação da Agricultura Familiar de Marcel Bursztyn - Saulo Rodrigues Filho (Orgs.) pela Garamond (2016)
>>> Cidadania no Brasil - O Longo Caminho 13ªed. de José Murilo de Carvalho pela Civilização Brasileira (2010)
>>> El Trabajo del Actor Sobre Si Mismo de Konstantin Stanislavski pela Alba Editorial (2010)
>>> A Ciência da Informação de Yves-François Le Coadic pela Briquet de Lemos (2004)
>>> Curso Teorico Para Operadores de Usinas Hidrelétricas de Departamento Municipal de Eletricidade pela Dme
>>> Circuitos Elétricos 2E de Aline Palhares(Editora) pela Instituto Monitor (2004)
>>> Conforto Espiritual de Dora Incontri pela Mente Aberta (2012)
>>> Progressos na Cirurgia de Jamel Bruno de Mello, Irany Novah Moraes, Pedro Nahas, Rubens de Arruda e Nelson Abrão(Editores) pela Hospital jaraguá farmion (1979)
>>> Você Pode fazer os Seus Milagres de Napoleon Hill pela Record (1971)
>>> Aurora da Minha Vida de Alvaro Basile Portughesi pela Clareon (2006)
>>> Feridas da Alma de Pe. Reginaldo Manzotti pela Agir (2013)
>>> Um Milagre de Natal de Paul Gallico pela Nova Época (1975)
>>> Os Insondáveis Caminhos da Vida de Jorge Andréa pela Societo Lorenz (2003)
>>> O Homem Que Ouvia Estrelas de Adeilson Salles pela Ceac (2013)
>>> Compreender Lévinas de B.C. Hutchens pela Vozes (2009)
>>> Fantasma Edição Histórica Nº22 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Saber (1996)
>>> Fantasma Especial Nº31 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1989)
>>> O segredo de Helena de Lucinda Riley pela Arqueiro (2018)
>>> Fantasma Nº20 de Lee Falk e Ray Moore pela Saber (1995)
>>> Fantasma Nº29 de Lee Falk e Wilson McCoy pela Globo (1991)
>>> A casa das orquídeas de Lucinda Riley pela Novo conceito (2012)
>>> Espiritismo Para Jovens: A história de Jesus e o livro dos espíritos para iniciantes da doutrina espírita de Eliseu Rigonatti pela Pensamento (2018)
>>> A Mente Educada de Kieran Egan pela Bertrand Brasil (2002)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/9/2005
Isso é arte?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 15200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Pós-tudo, ex-tudo, nada"
Augusto de Campos

Uma artista inglesa expôs e vendeu a uma galeria, por 350 mil dólares, a cama onde ela passou a noite trepando e onde havia várias camisinhas usadas. Isso é arte?

O artista belga Win Delvoye enviou para a Bienal de Veneza uma lata contendo seu cocô. A obra foi denominada "Merda do artista". No ano seguinte, ele industrializou o processo, criando, com um projeto de 200 mil dólares, uma engenhoca que fabrica merda, vendendo cada latinha dessa merda por 1.000 dólares. Em 2002 uma dessas latinhas foi comprada pela Tate Galery por quase um milhão de libras. Isso é cocô, quer dizer, isso é arte?

Vito Aconti, ex-marido de Marina Abramovic montou numa galeria uma instalação chamada Seedbed, que consistia em que ele ficasse sobre um estrado se masturbando durante oito horas por dia, durante duas semanas, dizendo em voz alta todas as fantasias que os assistentes lhe despertavam. Arte?

Haggens descobriu um método de plastificar os cadáveres e realizou algumas exposições com esses seres mortos que passaram por esse processo (pós-moderno) de mumificação. Aí havia gente com o ventre aberto, fetos, animais pela metade, enfim, aquilo que se chama de "museu de horrores".

Na Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Paris, em 1975, a performance de Herman Nitsch, patrocinada pela galeria Rodolf Stadler, consistia numa série de missas negras. Resultado: no dia seguinte ainda havia 2 cm de sangue sobre os 250 metros da galeria.

Marina Abramovic, em 1972, apresentou a obra Ritmo 0, que consistiu em ficar parada junto a uma mesa sobre a qual havia alguns objetos: uma arma, um machado, mel, tinta, perfume, batom, azeite, etc. Ela ficava ali exposta e à disposição dos expectadores que tinham num cartaz orientação de como atuar naquela obra de arte: "há 72 objetos sobre a mesa que podem ser usados em mim conforme desejado. Eu sou o objeto". Como noticiou a imprensa, "seis horas depois suas roupas haviam sido rasgadas e a arma tinha sido apontada para sua cabeça". Assim ela apenas radicalizou outra performance quando, certa feita, passou 12 dias na Sean Kelly Galery totalmente exposta à curiosidade do público enquanto passantes, bêbados, operários curiosos viam todas as suas intimidades.

Esses são apenas alguns dos exemplos das dezenas de obras de "arte contemporânea" que têm seu estatuto de valor estético questionado por Affonso Romano de Sant'Anna no seu ousado livro Desconstruir Duchamp: arte na hora da revisão. A partir da grande receptividade de um artigo publicado no jornal O Globo, no ano de 2001, denominado "Arte ― um equívoco alarmante", Sant'Anna acabou escrevendo mais 50 artigos. Eles são saborosos de se ler, instigantes na suas argumentações e ousados em suas proposições sobre os rumos da arte atual.

O livro dá o diagnóstico: a arte meteu-se num grande imbróglio. Os culpados: Duchamp e uma legião de curadores, leiloeiros, marchands e galeristas que decidem o que é arte e o que tem valor enquanto tal. Pouco resta aos críticos, ensaístas e historiadores da arte, condenados ao silêncio e ao temor da contestação à ordem artística vigente.

E ao artista resta alguma decisão? Quantos artistas não estão traumatizados, paralisados, congelados de medo diante do desejo de pintar figuras, como se os talibãs os fossem pegar em flagrante?, questiona Sant'Anna.

Mas, diz o autor, é preciso começar a contestar os próprios contestadores que, de um momento para outro, se petrificaram, se academizaram, se midiatizaram. Segundo seu diagnóstico, Duchamp deu um xeque-mate na arte há quase 100 anos e, desde então, ela ficou paralisada, prisioneira de sua própria revolução. E é Duchamp, pai da arte conceitual, e seus correligionários, os alvos principais dos ataques de Sant'Anna.

Afinal, não foi o próprio abusado Duchamp que dizia que seus seguidores haviam se tornaram vítimas de sua própria artimanha? "Joguei o urinol na cara deles como desafio e agora eles o admiram como um objeto de arte por sua beleza estética".

"Embora o urinol tivesse desaparecido daquela exposição em Nova York, para onde Duchamp o enviou, ele começou a produzir cópias de seu urinol, a assiná-las para diversos museus para inseri-las no sistema artístico que condenara. Só em 1964 autenticou oito outras peças semelhantes, caindo na repetição que tantas vezes condenou. O anti-artista virou artista, a anti-arte, arte. O feitiço virou contra o feiticeiro. O contestador sucumbiu à cultura do mercado. E, no final da década de 90, a Tate Gallery de Londres comprou uma das cópias por quase um milhão de libras", diz Sant'Anna.

Pensar Duchamp através de suas próprias problematizações é desconstruir o desconstrutor. O livro se encarrega dessa tarefa blasfema com muita propriedade.

O urinol nos revelou que todos podemos ser artistas, basta termos a atitude de escolher um objeto qualquer e denominá-lo arte. O trabalho braçal teve dessa forma seus dias contados (técnica para quê?). O que interessa é a receita, não o bolo. Interessa o conceito, não o fazer. Dessa forma tudo pode ser arte... se assim o quisermos.

Se tudo é arte, nada é arte. Se uma gosma espermática ou um bule velho de café podem ser arte, qualquer leigo, sem o mínimo talento para a arte, poderia se perguntar: por que não eu também? Calma lá, tudo bem que democratizamos o "talento", mas nem todos podem ser chamados de "artistas". Apenas os que o sistema artístico, composto por leiloeiros, curadores, galeristas e divulgadores (não críticos de arte), amparados numa estratégia de marketing que renderá milhares dólares, decidir chamar de artista será artista. Estes produzirão o que veremos nas Bienais distribuídas pelo mundo afora.

Interrogações: quem nunca sentiu uma enorme insatisfação, um tremendo vazio, diante de uma coleção de obras "contemporâneas" expostas nas mais famosas galerias e bienais de arte do mundo? Quem nunca sentiu que ali não havia grande coisa para se apreciar ou que desse o que pensar? Quem é que após estar diante da presença arrebatadora da pintura de um Edward Munch, de um Francis Bacon (participantes anos atrás da Bienal de São Paulo na seção "histórica"), quem é que num momento desse não percorreu a Bienal com tremendo desgosto pelo que era ali exposto como o melhor da criação "contemporânea" (arte é contemporânea? Goya e Rembrandt são apenas o passado, ou o presente e o futuro também?). Não seria, pensamos, uma covardia expor esses gigantes diante das míseras expressões artísticas contemporâneas? Aliás, a curadora da próxima Bienal de São Paulo já se encarregou de desfazer essa humilhação, retirando o "núcleo histórico" da próxima exposição.

Segundo Sant'Anna "a melhor homenagem que podemos fazer aos mestres contestadores de ontem é contestá-los hoje. Não para que a arte volte ao passado, mas para que ela se possibilite um futuro".

Por isso, "é preciso estar maduro para o passado", vaticina Sant'Anna. Se não... que futuro teremos?

Para ir além


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/9/2005


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2005
20h06min
Parabéns, Jardel Dias Cavalcanti, temos que mostrar o que é realmente arte, fazermos exposições abertas onde todos tenham um lugar e serão questionados por professores de arte. Abraço, Cleusa
[Leia outros Comentários de Cleusa Arantes]
20/9/2005
08h22min
Cleusa, obrigado pela leitura e pelo comentário. cada época produz sua revolução e tenta ao mesmo tento petrificá-la. divirta-se como digestivocultural, um prazer enriquecedor. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
5/10/2005
12h49min
Contestação sem fundamento pode até ser rebelião, mas não necessariamente resulta em arte. Quando aceitamos que mijo é arte pela primeira vez, cometemos a insanidade que permitiu os donos do mundinho da arte determinar "quem é quem" à revelia do talento. Acho que a máxima "90% suor, 10% talento" vale para o caso. Pois se não houve nem 1% de suor, qual o mérito desta idéia? Chocar não é simplesmente propor algo grotesco. Para ver mijo não vou a uma galeria. Vou à rua ver cachorro, ou vou ao jogo do Flamengo... Ou ao banheiro. Bom, acho que há uma deificação também destes "performáticos". No Brasil, vários deles são citados com alarde em jornais e revistas, por suas performances "geniais", por serem "revolucionários". De qualquer forma, este pos-pos-pos-modernismo de fim de século é também resultado da mentalidade que "todo ser humano deve ser igual". Tudo que um faz o outro deve ser capaz de fazer. Já ouvi isso de um colega apreciador de mijo: "ele faz o que eu queria e posso fazer, mas não tenho a 'cara-de-pau'". Quando aceitarmos que talento é talento, e acomplishment não vem meramente de talento, mas sim de esmero, ai' quem sabe se abram os tais novos caminhos.
[Leia outros Comentários de Ram]
11/10/2005
21h06min
Vi recentemente um monte de coisa em frente 'a uma sala de faculdade de arte, coisas que tempos antes teve o conceito de arte. Me espantei que naquela montoeira tinha um cartaz com a seguinte frase "Jogar no lixo", imaginei que é para onde vai toda a arte contemporänea, se nao houver uma revisao urgente! Parabéns pela resenha e pela visao de jogo.
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
12/3/2009
11h19min
Ou mato, ou morro! (Ou corro pro mato, ou corro pro morro). Estamos parados enquanto resolvemos. "Quantos artistas não estão traumatizados, paralisados, congelados de medo..." O difícil é caminhar por essa cordinha estreita sem pender nem para um lado nem para o outro. Arte é uma questão de bom senso. Parabéns pela matéria!
[Leia outros Comentários de Cidmar Esteves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Deuses do Olimpo, Os: da Antiguidade aos Dias de Hoje
Barbara Graziosi
Cultrix
(2016)



A Tarântula e Outros Contos
Eloá França
Independente
(2017)



Natal de Ouro Nº 17
Walt Disney
Abril
(1995)



Açúcar Amargo
Luiz Puntel
Atica
(2000)



Historia do Mundo sem as Partes Chatas - 1ª Edição
Dave Rear
Cultrix
(2013)



O Caminho de Volta
Rose Tremain
Rocco
(2010)



A dieta de Beverly Hills
Judy Mazel
Record
(1983)



Negima volume 26
Ken Akamatsu
Jbc
(2005)



Os Subterrâneos do Vaticano
Andre Gide
Abril Cultural
(1971)



A Serpente Emplumada
Albert Beuttenmuller
Ground
(1999)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês