Isso é arte? | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
>>> BATA ANTES DE ENTRAR
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
>>> Parei de fumar
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O batom
>>> Como num filme
>>> Only time will tell
>>> Política - da filosofia à neurociência.
>>> Ideologia: você quer uma pra viver? Eu, não
>>> The Flickrization of Yahoo!
>>> TechCrunch Disrupt
>>> O humor é como as marés, ora sobe ora desce
>>> Guimarães Rosa em Buenos Aires
>>> Festival de Curitiba 2010
Mais Recentes
>>> Livro de Bolso - Histórias Extraordinárias de Poe pela Abril Cultural (1978)
>>> Dos Ritmos aos Caos de Pierre Berge e Outros pela Unesp
>>> Livro - Sabedoria para Viver Bem- Meditações para Lidar Com a vida com alegria e otimismo de Louise L. Hay/ Ana Raquel Maia pela Sextante (2009)
>>> Assassinatos na Academia Brasileira de Letras de Jô Soares pela Companhia das Letras (2005)
>>> Livro de Bolso - O Retrato de Dorian Gray de Oscar Wilde pela Abril Cultural (1980)
>>> Livro - Suíte Francesa de Irène Némirovsky pela Companhia das Letras (2006)
>>> Área de Corte de Jandira Zanchi pela Patuá (2016)
>>> Livro de Bolso - O Vermelho e o Negro de Stendhal pela Abril Cultural (2022)
>>> Catecismo da Igreja Católica de Típica Vaticana pela Loyola (2000)
>>> Robert Kennedy de James W. Hilty pela Temple University Pr (1997)
>>> Livro - Harry Potter e o Cálice de Fogo de J. K. Rowling; Lia Wyler pela Rocco (2001)
>>> Livro de Bolso - Mulheres Apaixonadas de D. H. Lawrence pela Abril Cultural (1979)
>>> Processo Sancionador e Mercado de Capitais de Daniel Kalansky; Eli Loria pela Quartier Latin (2016)
>>> Uma Arte de Amar Para os Nossos Tempos de Jean-Yves Leloup pela Vozes (2002)
>>> Manual Prático de Ginecologia e Obstetrícia de Gian Carlo Di Renzo pela Elsevier
>>> Livro - A Escriba - Inspirado Em Fatos Históricos de Antonio Garrido pela Suma de Letras (2009)
>>> Livro de Bolso - A Idade da Razão de Sarte pela Abril Cultural (1979)
>>> Um Sorriso Ou Dois de Frederico Elboni pela Benvira (2014)
>>> Livro de Bolso - O Sol Também Se Levanta de Ernest Hemingway pela Abril Cultural (1980)
>>> Livro - Fernando Pessoa, o Menino da Sua Mãe de Amélia Pinto Pais pela Companhia das Letras (2009)
>>> Beyond Students Book Premium Pack-a2 de Rebbeca Robb Benne; Rob Metcalf; Robert Campbell pela Macmillan Education (2015)
>>> Livro de Bolso - O Leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1979)
>>> Livro o Ateneu de Raul Pompéia pela Atica (1996)
>>> Livro - Nós Estamos Grávidos de Maria Tereza Maldonado pela Integrare (2010)
>>> Minidicionário Aurélio da Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de Holanda Ferreira pela Nova Fronteira (1993)
COLUNAS

Quinta-feira, 15/9/2005
Isso é arte?
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 15500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

"Pós-tudo, ex-tudo, nada"
Augusto de Campos

Uma artista inglesa expôs e vendeu a uma galeria, por 350 mil dólares, a cama onde ela passou a noite trepando e onde havia várias camisinhas usadas. Isso é arte?

O artista belga Win Delvoye enviou para a Bienal de Veneza uma lata contendo seu cocô. A obra foi denominada "Merda do artista". No ano seguinte, ele industrializou o processo, criando, com um projeto de 200 mil dólares, uma engenhoca que fabrica merda, vendendo cada latinha dessa merda por 1.000 dólares. Em 2002 uma dessas latinhas foi comprada pela Tate Galery por quase um milhão de libras. Isso é cocô, quer dizer, isso é arte?

Vito Aconti, ex-marido de Marina Abramovic montou numa galeria uma instalação chamada Seedbed, que consistia em que ele ficasse sobre um estrado se masturbando durante oito horas por dia, durante duas semanas, dizendo em voz alta todas as fantasias que os assistentes lhe despertavam. Arte?

Haggens descobriu um método de plastificar os cadáveres e realizou algumas exposições com esses seres mortos que passaram por esse processo (pós-moderno) de mumificação. Aí havia gente com o ventre aberto, fetos, animais pela metade, enfim, aquilo que se chama de "museu de horrores".

Na Feira Internacional de Arte Contemporânea, em Paris, em 1975, a performance de Herman Nitsch, patrocinada pela galeria Rodolf Stadler, consistia numa série de missas negras. Resultado: no dia seguinte ainda havia 2 cm de sangue sobre os 250 metros da galeria.

Marina Abramovic, em 1972, apresentou a obra Ritmo 0, que consistiu em ficar parada junto a uma mesa sobre a qual havia alguns objetos: uma arma, um machado, mel, tinta, perfume, batom, azeite, etc. Ela ficava ali exposta e à disposição dos expectadores que tinham num cartaz orientação de como atuar naquela obra de arte: "há 72 objetos sobre a mesa que podem ser usados em mim conforme desejado. Eu sou o objeto". Como noticiou a imprensa, "seis horas depois suas roupas haviam sido rasgadas e a arma tinha sido apontada para sua cabeça". Assim ela apenas radicalizou outra performance quando, certa feita, passou 12 dias na Sean Kelly Galery totalmente exposta à curiosidade do público enquanto passantes, bêbados, operários curiosos viam todas as suas intimidades.

Esses são apenas alguns dos exemplos das dezenas de obras de "arte contemporânea" que têm seu estatuto de valor estético questionado por Affonso Romano de Sant'Anna no seu ousado livro Desconstruir Duchamp: arte na hora da revisão. A partir da grande receptividade de um artigo publicado no jornal O Globo, no ano de 2001, denominado "Arte ― um equívoco alarmante", Sant'Anna acabou escrevendo mais 50 artigos. Eles são saborosos de se ler, instigantes na suas argumentações e ousados em suas proposições sobre os rumos da arte atual.

O livro dá o diagnóstico: a arte meteu-se num grande imbróglio. Os culpados: Duchamp e uma legião de curadores, leiloeiros, marchands e galeristas que decidem o que é arte e o que tem valor enquanto tal. Pouco resta aos críticos, ensaístas e historiadores da arte, condenados ao silêncio e ao temor da contestação à ordem artística vigente.

E ao artista resta alguma decisão? Quantos artistas não estão traumatizados, paralisados, congelados de medo diante do desejo de pintar figuras, como se os talibãs os fossem pegar em flagrante?, questiona Sant'Anna.

Mas, diz o autor, é preciso começar a contestar os próprios contestadores que, de um momento para outro, se petrificaram, se academizaram, se midiatizaram. Segundo seu diagnóstico, Duchamp deu um xeque-mate na arte há quase 100 anos e, desde então, ela ficou paralisada, prisioneira de sua própria revolução. E é Duchamp, pai da arte conceitual, e seus correligionários, os alvos principais dos ataques de Sant'Anna.

Afinal, não foi o próprio abusado Duchamp que dizia que seus seguidores haviam se tornaram vítimas de sua própria artimanha? "Joguei o urinol na cara deles como desafio e agora eles o admiram como um objeto de arte por sua beleza estética".

"Embora o urinol tivesse desaparecido daquela exposição em Nova York, para onde Duchamp o enviou, ele começou a produzir cópias de seu urinol, a assiná-las para diversos museus para inseri-las no sistema artístico que condenara. Só em 1964 autenticou oito outras peças semelhantes, caindo na repetição que tantas vezes condenou. O anti-artista virou artista, a anti-arte, arte. O feitiço virou contra o feiticeiro. O contestador sucumbiu à cultura do mercado. E, no final da década de 90, a Tate Gallery de Londres comprou uma das cópias por quase um milhão de libras", diz Sant'Anna.

Pensar Duchamp através de suas próprias problematizações é desconstruir o desconstrutor. O livro se encarrega dessa tarefa blasfema com muita propriedade.

O urinol nos revelou que todos podemos ser artistas, basta termos a atitude de escolher um objeto qualquer e denominá-lo arte. O trabalho braçal teve dessa forma seus dias contados (técnica para quê?). O que interessa é a receita, não o bolo. Interessa o conceito, não o fazer. Dessa forma tudo pode ser arte... se assim o quisermos.

Se tudo é arte, nada é arte. Se uma gosma espermática ou um bule velho de café podem ser arte, qualquer leigo, sem o mínimo talento para a arte, poderia se perguntar: por que não eu também? Calma lá, tudo bem que democratizamos o "talento", mas nem todos podem ser chamados de "artistas". Apenas os que o sistema artístico, composto por leiloeiros, curadores, galeristas e divulgadores (não críticos de arte), amparados numa estratégia de marketing que renderá milhares dólares, decidir chamar de artista será artista. Estes produzirão o que veremos nas Bienais distribuídas pelo mundo afora.

Interrogações: quem nunca sentiu uma enorme insatisfação, um tremendo vazio, diante de uma coleção de obras "contemporâneas" expostas nas mais famosas galerias e bienais de arte do mundo? Quem nunca sentiu que ali não havia grande coisa para se apreciar ou que desse o que pensar? Quem é que após estar diante da presença arrebatadora da pintura de um Edward Munch, de um Francis Bacon (participantes anos atrás da Bienal de São Paulo na seção "histórica"), quem é que num momento desse não percorreu a Bienal com tremendo desgosto pelo que era ali exposto como o melhor da criação "contemporânea" (arte é contemporânea? Goya e Rembrandt são apenas o passado, ou o presente e o futuro também?). Não seria, pensamos, uma covardia expor esses gigantes diante das míseras expressões artísticas contemporâneas? Aliás, a curadora da próxima Bienal de São Paulo já se encarregou de desfazer essa humilhação, retirando o "núcleo histórico" da próxima exposição.

Segundo Sant'Anna "a melhor homenagem que podemos fazer aos mestres contestadores de ontem é contestá-los hoje. Não para que a arte volte ao passado, mas para que ela se possibilite um futuro".

Por isso, "é preciso estar maduro para o passado", vaticina Sant'Anna. Se não... que futuro teremos?

Para ir além


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 15/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Mulher-Flamingo de Marilia Mota Silva
03. Suicídio de Marta Barcellos
04. Meu carcereiro predileto de Ana Elisa Ribeiro
05. Um gadget de veludo de Vicente Escudero


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
03. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
04. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
05. Vanguarda e Ditadura Militar - 14/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/9/2005
20h06min
Parabéns, Jardel Dias Cavalcanti, temos que mostrar o que é realmente arte, fazermos exposições abertas onde todos tenham um lugar e serão questionados por professores de arte. Abraço, Cleusa
[Leia outros Comentários de Cleusa Arantes]
20/9/2005
08h22min
Cleusa, obrigado pela leitura e pelo comentário. cada época produz sua revolução e tenta ao mesmo tento petrificá-la. divirta-se como digestivocultural, um prazer enriquecedor. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
5/10/2005
12h49min
Contestação sem fundamento pode até ser rebelião, mas não necessariamente resulta em arte. Quando aceitamos que mijo é arte pela primeira vez, cometemos a insanidade que permitiu os donos do mundinho da arte determinar "quem é quem" à revelia do talento. Acho que a máxima "90% suor, 10% talento" vale para o caso. Pois se não houve nem 1% de suor, qual o mérito desta idéia? Chocar não é simplesmente propor algo grotesco. Para ver mijo não vou a uma galeria. Vou à rua ver cachorro, ou vou ao jogo do Flamengo... Ou ao banheiro. Bom, acho que há uma deificação também destes "performáticos". No Brasil, vários deles são citados com alarde em jornais e revistas, por suas performances "geniais", por serem "revolucionários". De qualquer forma, este pos-pos-pos-modernismo de fim de século é também resultado da mentalidade que "todo ser humano deve ser igual". Tudo que um faz o outro deve ser capaz de fazer. Já ouvi isso de um colega apreciador de mijo: "ele faz o que eu queria e posso fazer, mas não tenho a 'cara-de-pau'". Quando aceitarmos que talento é talento, e acomplishment não vem meramente de talento, mas sim de esmero, ai' quem sabe se abram os tais novos caminhos.
[Leia outros Comentários de Ram]
11/10/2005
21h06min
Vi recentemente um monte de coisa em frente 'a uma sala de faculdade de arte, coisas que tempos antes teve o conceito de arte. Me espantei que naquela montoeira tinha um cartaz com a seguinte frase "Jogar no lixo", imaginei que é para onde vai toda a arte contemporänea, se nao houver uma revisao urgente! Parabéns pela resenha e pela visao de jogo.
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
12/3/2009
11h19min
Ou mato, ou morro! (Ou corro pro mato, ou corro pro morro). Estamos parados enquanto resolvemos. "Quantos artistas não estão traumatizados, paralisados, congelados de medo..." O difícil é caminhar por essa cordinha estreita sem pender nem para um lado nem para o outro. Arte é uma questão de bom senso. Parabéns pela matéria!
[Leia outros Comentários de Cidmar Esteves]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Samuel Klein e Casas Bahia: uma Trajetória de Sucesso
Elias Awad
Novo Seculo
(2005)



Domando o Dragão
Jack Perkowski
Landscape
(2008)



O naturalista da evolução das espécies
André Campos Mesquita
Escala
(2011)



Matematica - Volume Unico -sebo Tradição
Gelson Iezzi; Osvaldo Dolce; David Degenszajn
Atual Didáticos
(2015)



Memórias de um Sargento de Milícias - Série Bom Livro
Manuel Antônio de Almeida
Ática
(1992)



On stage volume 1 M.P. + CD
Amadeu Marques
Ática
(2011)



Chã
Enoo Miranda
Cepe
(2018)



White Hot
Carla Neggers
Pocket Books
(1998)



Como Conseguir um Emprego no Brasil do Século XXI
Thomas A. Case
Catho
(2004)



Schlage Die Trommel Und Furchte Dich Nicht
Malzan
Publisher Not Specified
(1991)





busca | avançada
64351 visitas/dia
1,8 milhão/mês