Muito além do bang bang | Marcelo Miranda | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
>>> Retomada do crescimento
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
Mais Recentes
>>> Boas Ideias de Richard Simonetti pela Ceac (2011)
>>> Por uma Prece Ação de Kate Lúcia Portela pela Novo Ser (2012)
>>> Um motivo para Viver de Schellida pela Panorama (2001)
>>> Apocalipse sem Medo de Paiva Netto pela Elevação (2000)
>>> Os Ensodáveis Caminhos da Vida de Jorge Andréa pela Societo Lorenz (2001)
>>> Além do Infinito Azul de Antonio Demarchi pela Lúmen (1998)
>>> Jesús Puerta Hacia la Vida de Anselm Grün pela Verbo Divino (2004)
>>> Diga O Fraco 'Sou Forte'! de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Reflexões Sobre os Sentimentos de Caruso Samel pela Racionalismo Cristão (2005)
>>> Cagliostro ( Volume 1) de Ana Rímoli de Faria Dória F.R.C pela Rosacruz (1986)
>>> Amando uns aos Outros ( O Desafio das Relações Humanas) de Leo Buscaglia pela Record (1984)
>>> As grandes defesas do Cristianismo de Jefferson Magno Costa pela Casa Publicadora das Assembleias de Deus (1988)
>>> Ginseng A Erva Mágica do Oriente de Stephen Fulder pela O Hemus
>>> Introdução à Filosofia da Rosacruz Áurea de J. Van Rijckenborgh pela Rosacruz (1988)
>>> Bem Aventurados Aflitos de Richard Simonetti pela Ceac (2009)
>>> Três Almas e um Destino de Antonio Lúcio ( Espírito) pela Centro Espírita amor e caridade (2010)
>>> O Homem de Deus ( Somente Servo) de Delcyr de Souza Lima pela Associação Amor e Vida (2007)
>>> Mediunidade de J. Herculano Pires pela Paidéia Ltda (2002)
>>> Doutrina do Terceiro Milênio Teresa de Lisieux ( A Sonhadora ) de José Vicente Rodríguez pela Paulinas (2001)
>>> O Guardião do Tempo de Marislei Espíndula Brasileiro pela Boa Nova (2009)
>>> Adeus Solidão de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (2000)
>>> Onde está Deus de R.R. Soares pela Rio de Janeiro (2000)
>>> Transplante de Amor de Eurípedes Kühl pela Petit (2001)
>>> A Bíblia do Iniciado de Wilson Marcelino Filho pela Jm (1995)
>>> Marcados pelo passado de Lourdes Carolina Gagete pela Mundo maior (2010)
>>> Espíritos entre Nós de James Van Praagh pela Sextante (2009)
>>> Novamente em casa de Francisco Cândido Xavier Caio Ramacciotti Espíritos Diversos pela Geem (1984)
>>> OS Valores e o Tempo de Alceu Costa Filho pela Petit (2004)
>>> Sementes de vida Eterna de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> Tempo de Escolhas de Francisco Cajazeiras pela Novo Ser (2011)
>>> 7 Estados do Coração de Rodolfo Beuttenmüller pela Gospel (2008)
>>> Alguém bateu na minha Porta de Osvaldo Jorge Degrazia pela Novo Ser (2012)
>>> Prelúdio de Paz de Djalma Santos pela Novo Ser (2011)
>>> O Caráter Ecumênico do Espiritismo de Paulo Rzezinski pela Edição do Autor (1995)
>>> A verdadeira Alma Gêmea de Fausto Oliveira pela Seame (1998)
>>> Como tomar posse da Bênção de R.R. Soares pela Graça Arte (1987)
>>> A luz de um novo Dia de João Cuin pela Dpl (2001)
>>> A Última Grande lição ( O Sentido da vida) de Mitch Albom pela Sextante (1998)
>>> Historia de Cristo para as Crianças de Rafael A. Ranieri pela Lake (2003)
>>> Náufragos da vida ( Pelo Espírito Lenuz Aqoqo) de Luciana Cardoso pela Dpl (2000)
>>> Racionalismo Cristão Responde de Fernando Faria pela Diagrama (1998)
>>> O Poder do Jovem ( Você pode se acha que pode!) de Lauro Trvisan pela Mente (2010)
>>> O Que é o Espiritismo de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> Obra Póstumas de Allan Kardec pela Ide (2008)
>>> A Dança da paz de Giuliana Martirani pela Paulinas (2006)
>>> Suas verdades ( O Tempo não Apaga) de Américo Simões pela Barbara (2009)
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/10/2005
Muito além do bang bang
Marcelo Miranda

+ de 6600 Acessos

Estreou dia desses Bang Bang, novela das sete na Rede Globo. De cara, uma novidade que a torna diferente de tudo no ar: é uma telenovela brasileira ambientada no Velho Oeste americano do final do século XIX. Escrita por Mário Prata, tem enredo semelhante aos folhetins típicos, com referências ao gênero que homenageia (ou debocha, depende do ponto de vista) e proposta de inovar o jeitão já desgastado do melodrama de televisão. O diretor, Ricardo Waddington, chegou a dizer que, se existiu o faroeste-espaguete na Itália, no Brasil nós temos o faroeste-feijoada - defesa estranha, que denota certa falta de conhecimento no tema, já que a denominação spaghetti aos filmes italianos de western produzidos nos anos 60 foi criada na América com carga extremamente pejorativa, e não para caracterizar um estilo.

De qualquer forma, Bang Bang está no ar. Vê, gosta e aprova quem quer. Eu confesso ainda não ter assistido a um capítulo inteiro, mas a idéia de renovar qualquer coisa na TV muito me agrada. Ainda assim, as chamadas da novela não me conquistaram a ponto de parar para vê-la. Sinceramente, prefiro resgatar genuínos trabalhos de faroeste. E é aonde chego ao tema principal dessa coluna: enquanto na televisão temos o pastiche de um gênero, a Aurora DVD lança no mercado dois trabalhos de peso do faroeste que bebem em outras fontes além do próprio momento histórico. São, mais ainda, pedras fundamentais de dois nomes imprescindíveis ao desenvolvimento do cinema: Matei Jesse James, de Samuel Fuller, e Parceiros da Morte, de Sam Peckinpah.

Dois nomes distintamente marginalizados dentro da engrenagem do cinema americano. Fuller veio antes. Lutou na guerra, foi jornalista e se notabilizou pelos filmes altamente impactantes e ousados, sempre realizados com grandes dificuldades de orçamento e fora dos padrões industriais de Hollywood. Eram filmes B, se podemos dizer assim ao considerar a falta de nomes estelares no elenco e o valor gasto nas produções. Mas eram de nível A no que se referiam à qualidade narrativa e cinematográfica. Sem concessões e sem dever nada a ninguém, tematizando sempre o comportamento humano nas mais diversas situações-limite, Fuller virou o midas do cinema independente, mesmo sem prestígio dentro do próprio território - por dificuldades financeiras, precisou se mudar para a Europa, onde filmou na Alemanha durante sete anos. Reconhecimento artístico veio também apenas dos países europeus, em especial dos críticos da Cahiers du Cinema, mais importante revista sobre cinema do mundo. Ao voltar aos EUA, Fuller realizou o projeto de seus sonhos (Agonia e Glória, baseado em memórias de guerra), depois mais alguns de pouca relevância (com exceção de Cão Branco) para morrer em 1997.

Matei Jesse James (1949) marca o início da caminhada de Samuel Fuller. É um faroeste, mas não só isso. Flerta com o melodrama romântico e com o interior dos personagens. Aliás, é precursor dos chamados westerns psicológicos - filmes ambientados no Velho Oeste que não se prendem às tradicionais disputas entre mocinhos e bandidos, e sim aos conflitos pessoais dos protagonistas. Veio três anos antes de Matar ou Morrer, para muitos o marco dessa nova fase. No filme de Fuller, vemos o dilema de Bob Ford, membro da gangue do temível assaltante Jesse James. Disposto a se casar e andar pelas ruas com tranqüilidade, ele mata o parceiro pelas costas. Torna-se uma lenda, por ter derrotado o mais notório dos criminosos. Só que, ironicamente, matar Jesse acaba como o pior pesadelo possível para Ford. Não recebe a recompensa, a mulher o rejeita e passa a temê-lo, pistoleiros o perseguem na tentativa de se tornarem famosos. Ele é obrigado a se esconder e lutar pelo amor da ex-futura esposa - não sem, internamente, lutar contra o fantasma formado pelas lembranças de Jesse James, que insistem em atormentá-lo e fazê-lo lembrar do que fez.

Matei Jesse James

No fundo, o filme é sobre a morte como única forma de libertação. Utilizando elementos que o marcariam no futuro, Fuller nos apresenta os moralismos de personagens ambígüos, reais, firmes nas próprias convicções e dispostos a enfrentarem as barreiras impostas pelo caminho da vida. A ironia é peça-chave e permeia cada cena, desde a arma usada para o assassinato (presenteada a Ford por Jesse) até o embate final, quando a decisão ética do protagonista de não mais atacar pelas costas causa a derrocada e, conseqüentemente, a liberdade tão almejada. Há também lances de crueldade, como a música composta pelo violeiro que acusa Ford de ser um desalmado, por dar cabo do companheiro de maneira covarde e quase em frente à família, e a encenação teatral que relembra como, afinal, se deu o crime - momento este de extrema riqueza, não apenas pelo talento de Fuller em criar a cena, alternando tensão e angústia, mas por remeter às idéias do crítico francês André Bazin, que escreveu sobre a impossibilidade de se filmar repetidamente a morte (e Ford não consegue puxar novamente o gatilho, como se fosse mesmo impossível reconstituir o ato original).

Por sua vez, Parceiros da Morte marca a estréia de Sam Peckinpah num longa-metragem. Ele foi outro marginalizado no cinema americano. Surgiu na televisão e notabilizou-se pelo estilo despojado de levar a vida, regada a bebedeiras, drogas e confusões. De cara, ao lançar um longa na tela grande, aconteceu o que se repetiria por toda a carreira: teve o filme modificado pelos produtores. Isso se tornaria comum dali em diante, já que Peckinpah sempre impôs altas doses de violência às tramas filmadas. Suas marcas registradas como autor são as tomadas de morte em câmera lenta, o sangue em excesso, a inadaptação de homens veteranos a tempos recentes e a ultrapassagem de limites quando o ser humano comum se vê às voltas com uma situação além do controle. Pode-se dizer que era um cineasta reacionário, que acreditava na força bruta como forma de defesa. Ao mesmo tempo, o complexo estudo dos ciclos dessa mesma violência que ele tanto gostava de retratar dava uma riqueza muito maior aos trabalhos lançados - sendo o mais conhecido deles Meu Ódio Será Sua Herança, tendo outros de destaque, como Pat Garret & Billy The Kid e Sob o Domínio do Medo.

Seu longa inicial, Parceiros da Morte (1961), se assemelha ao de Fuller, Matei Jesse James. Como o título adianta, igualmente fala sobre a morte, mas desta vez a aborda não como libertação, e sim como propulsora da redenção: o pistoleiro Yellowlegs volta da guerra em busca do homem que o feriu. Num duelo, mata acidentalmente o filho pequeno de uma prostituta. Culpado e amargurado, decide acompanhar a moça até a longínqua cidade onde está enterrado o pai da criança e onde ela pretende sepultar o garoto morto. No caminho, a dupla vai enfrentar índios apaches e dois assaltantes de banco, sendo um deles exatamente o homem procurado por Yellowlegs. Novamente está em cena a psicologia dos personagens. De um lado, o homem vingativo que se vê numa situação delicada, algo que vai obrigá-lo a abrir mão de suas convicções para se sentir bem consigo mesmo. De outro, a mulher sofrida e marcada pelo preconceito quanto à vida escolhida. Ainda surge no meio o ex-guerrilheiro da Secessão, sonhador de, um dia, impor a república, a ser dominada por militares. São muitos dilemas, muitas dúvidas e atitudes nada convencionais ou previstas para se dizer que seja apenas outro faroeste.

Parceiros da Morte

Os caminhos que o filme toma o distanciam e o aproximam mais e mais do gênero. Mantém a aspereza e frieza do ambiente de western, mas imprime forte carga de melancolia e tristeza na jornada de Yellowlegs e da prostituta. Eles não estão apenas esperando chegar à tal cidade para o enterro. Querem se afastar do passado, esquecer os traumas (ele, o ferimento; ela, a perda do marido e, agora, do filho) e recomeçarem. Só que a utopia da paz não existe no universo de Peckinpah: apesar do final razoavelmente otimista (que cheira a imposição de investidores), o diretor não deixa de fazer o comentário sobre as condições impostas à nossa visão de mundo pelas circunstâncias violentas - idéias que seriam brilhantemente trabalhadas nos filmes posteriores, em especial num outro tipo de faroeste que Peckinpah ajudou a conceber, o chamado western crepuscular.

Em meio a essas duas riquezas recentemente disponíveis a quem quiser ver, fica difícil rir das brincadeiras de Bang Bang. Não é o caso de abrir mão da novela, muito menos recomendar não assisti-la. Só não se pode focar o olhar apenas no que Mário Prata acredita que seja o faroeste, por mais brincalhonas que sejam suas intenções. Senão, com a força da televisão no Brasil, periga de o "faroeste-feijoada" suplantar o brilho de obras tão importantes e seminais para o western como são as primeiras incursões cinematográficas de dois dos maiores marginais que o cinema já fez surgir.

Nota do Autor
Leia mais sobre westerns em O faroeste não morreu. Está hibernando.


Marcelo Miranda
Juiz de Fora, 10/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
02. A rede contra as raposas analógicas de Carla Ceres
03. Por uma arquitetura de verdade de Eduardo Carvalho
04. Por quem os sinos dobram em Paris? de Vicente Escudero
05. Na toca dos leões de Gian Danton


Mais Marcelo Miranda
Mais Acessadas de Marcelo Miranda em 2005
01. O enigma de Michael Jackson - 26/9/2005
02. 24 Horas: os medos e a fragilidade da América - 4/7/2005
03. Abbas Kiarostami: o cineasta do nada e do tudo - 10/1/2005
04. O faroeste não morreu. Está hibernando - 1/8/2005
05. Filmes maduros e filmes imaturos - 24/10/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTRELA DO MAR - AGOSTO
PE PAULO J. DE SOUZA
NÃO INFORMADA
(1958)
R$ 15,00



CENTELHAS DE AMOR
MARIA DA LUZ
TECCI
(2008)
R$ 13,39



LUMIÈRES SUR LA GAULE
HENRI-PAUL EYDOUX
LIBRAIRIE PLON
(1960)
R$ 15,00



COMEÇA O JULGAMENTO
ABRAM TERTZ
EDIÇÕES GRD
(1963)
R$ 8,50



L ORIGINE DELLE SPECIE
CHARLES DARWIN
TASCABILI
(1992)
R$ 5,48



UM DEUS PASSEANDO PELA BRISA DA TARDE
MÁRIO DE CARVALHO
CAMINHO
(1994)
R$ 47,79



EURECA! DESCOBERTAS CIENTÍFICAS QUE REVOLUCIONARAM O MUNDO
LESLIE ALAN HORVITZ
DIFEL
(2003)
R$ 25,00



INTRODUÇÃO À FILOSOFIA ANTIGA - PREMISSAS FILOLÓGICAS E OUTRAS FERRAMENTAS DE TRABALHO
LIVIO ROSSETTI
PAULUS
(2006)
R$ 36,00



OS ECONOMISTAS
THOMAS ROBERT MALTHUS E DAVID RICARDO
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 39,90
+ frete grátis



OS GRANDES EXPLORADORES - A SUA VIDA E AS SUAS REALIZAÇÕES
J. LESLIE MITCHEL
BOA LEITURA
(1963)
R$ 14,21





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês