Editar bem, com Matinas Suzuki Jr. | Tais Laporta | Digestivo Cultural

busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Coleção Por que ler, da Editora Globo
>>> Realismo histérico
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> 6 de Novembro #digestivo10anos
>>> Relendo clássicos
>>> O Presépio e o Artesanato Figureiro de Taubaté
>>> Era Meu Esse Rosto
>>> Do Comércio Com Os Livros
>>> E-mails a um jovem resenhista
>>> O Conflito do Oriente Médio
Mais Recentes
>>> El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
>>> Os Bichos Que eu Faço - coleção girassol 1ª edição. de Telma Guimarães Andrade pela Moderna (1991)
>>> Enfermagem Médico-Cirúrgica em Unidade de Terapia Intensiva de Eliza Kaori Uenishi pela Senac (2008)
>>> Primeiras Linhas de Direito Processual Civil - Volume 1 de Moacyr Amaral Santos pela Saraiva (2002)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Estadão
>>> Um Certo Suicídio de Patricia Highsmith pela Best Seller
>>> Domine Seu Sistema Nervoso Pelo Treinamento Autógeno de Karl Robert Rosa pela Ediouro
>>> Introdução à Literatura no Brasil de Afrânio Coutinho pela Distribuidora de Livros Escolares (1975)
>>> Pedro Vira Porco-Espinho de Janaina Tokitaka pela Jujuba (2017)
>>> O Grande Livro dos Contrários. Das Formas e das Cores de Frederic Kessler pela Cortez (2018)
>>> A Perigosa Idéia de Darwin de Daniel C. Dennett pela Rocco (1998)
>>> Dicionário de Saúde de Carlos Roberto Lyra da Silva pela Difusão (2006)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queiroz pela Folha de S.Paulo (1997)
>>> Fodor's Arizona 2001: Completely Updated Every Year de Fodor's pela Fodor's (2000)
>>> Herobrine - A Lenda (livro 1) de Mikhael Línnyker F Rodrigues pela Geracao Editorial (2020)
>>> Um Ano Inesquecivel de Paula Pimenta; Babi Dewet pela Gutemberg (2015)
>>> Aspectos Polêmicos da Atividade do Entretenimento de Vários Autores pela Apm (2004)
>>> Delta de Vênus de Naïs Nin pela Círculo do Livro (1989)
>>> O Processo de Franz Kafka pela Folha de S.Paulo (2003)
>>> Os Viajores - Agentes dos Guardiões de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2019)
>>> Sonic The Hedgehog Vol. 3 - A Batalha por Angel Island de Sega pela Geektopia (2021)
>>> Os Turistas de Disney Especial pela Abril
>>> Joe Biden - A Vida As Ideias E Os Desafios Do Presidente Da Nacao Mais Poderosa Do Mundo de Evan Osnos pela Agir (2021)
COLUNAS

Sexta-feira, 18/1/2008
Editar bem, com Matinas Suzuki Jr.
Tais Laporta
+ de 9100 Acessos

Visão de conjunto, liderança e equilíbrio emocional. São três qualidades que todo editor precisa ter para gerir seu veículo com competência, seja ele qual for. Matinas Suzuki Jr., que carrega nas costas mais de 30 anos em edição jornalística, acrescenta a esta lista uma série de requisitos indispensáveis ao bom editor: habilidade de negociação; visão de longo prazo; reciclagem; criatividade; aprofundamento etc. Todos estes tópicos foram amplamente examinados pelo jornalista no curso "Jornalismo: O Editor", na Casa do Saber.

Matinas veio do interior de São Paulo, ainda bem jovem, para deslanchar uma carreira ascendente em importantes veículos brasileiros. Permaneceu por 16 anos na Folha de S. Paulo, período em que passou por diversas editorias, sua grande oficina profissional. Na TV Cultura, apresentou durante três anos e meio o programa de entrevistas Roda Viva. Também foi diretor editorial na Editora Abril e co-presidente do IG, desde seu surgimento. Nos últimos dois anos, participou da implantação e direção da rede de jornais Bom Dia, do grupo Traffic, que circula em cidades paulistas como Bauru, Sorocaba, Jundiaí e São José do Rio Preto.

Para Matinas, o jornalismo brasileiro sofre uma forte deficiência quanto à formação específica de seus editores. Não existem treinamentos, fora dos próprios veículos de trabalho, para aqueles que desejam entender melhor o processo de edição. Faltam critérios, segundo ele, para determinar a seleção e hierarquização de notícias nos meios impressos e eletrônicos, ao contrário da imprensa nos EUA, cuja maturidade editorial está, neste sentido, bem mais à frente de nós, como o próprio profissional observou quando esteve por lá.

"O jornalismo norte-americano é melhor que no resto do mundo porque eles criam fórmula para tudo", comenta Matinas. Os melhores manuais de redação e estilo, segundo o jornalista, são de veículos de língua inglesa, como o da The Economist. "Os americanos têm a tradição de esquematizar o fazer jornalístico. Criam roteiros com critérios para entrevistas, apuração e edição ensinados em qualquer escola de jornalismo, ao contrário dos brasileiros, que carecem deste material", lamenta. Seria o equivalente a dizer que trabalhamos num projeto às escuras, sem um esboço para nos orientar.

Matinas cita exemplos de grandes editores que fizeram a história da imprensa norte-americana no século XX, entre eles Stanley Walker, do New York Herald Tribune, William Shawn, da New Yorker e David Astor, do Observer. Por meio de seu pioneirismo, tornaram-se modelo a ser exportado para a imprensa mundial. "Qualquer aprendiz que queira entender o bom jornalismo deve conhecer a história destes grandes editores (ou publishers, como eram conhecidos os fundadores dos jornais) e também dos veículos que ajudaram a construir", aconselha.

O The New York Times, que agora abriu seu conteúdo integral pela internet, é, na visão do jornalista, um dos melhores exemplos de qualidade editorial raramente encontrada no jornalismo. Surpreendentemente, uma das seções que deveria ser das menos interessantes no jornal, é uma das preferidas de Matinas. "Os obtuaristas do NYT fazem um trabalho fantástico. Os melhores jornalistas do veículo estiveram e estão nos obituários. Eles descobrem histórias surpreendentes de famosos e anônimos, apuradas com muito cuidado, sem aquele sentimentalismo ou frieza das notas convencionais", conta, e aconselha os interessados a darem uma espiada na seção.

Os americanos não só trazem histórias surpreendentes das ruas para as redações, como também preservam a cultura do bom texto, uma preocupação meio esquecida por aqui, na opinião de Matinas. "Hoje, infelizmente, a qualidade do texto não é um 'valor' na imprensa brasileira, diferente da norte-americana, que não deixa passar uma linha sem reescrevê-la", conta. Para ele, a geração atual que ainda valoriza o bom texto no Brasil pode ser contada nos dedos: Ruy Castro, Fernando Morais, Sérgio Augusto.

Outro problema que a imprensa brasileira ainda precisa superar, de acordo com o jornalista, é a mentalidade de que o editor não passa de um jornalista em posição hierárquica superior. Na verdade, o sucesso do veículo depende, e muito, da capacidade do editor em gerir equipes, de relacionar-se com pessoas difíceis e de pensar como um verdadeiro administrador. Só assim, conhecendo a economia da empresa, vulnerável a altos e baixos, o editor pode fazer o veículo durar por mais tempo. "Não são os mais inteligentes ou mais capacitados que fazem as melhores coisas, mas os que têm equilíbrio", acredita.

Matinas lembra que o bom editor deve não apenas posicionar seu veículo, mas garantir que ele tenha personalidade. "A pior coisa para um veículo é não ter 'cara'. Toda grande publicação tem suas manias", conta Matinas. Também é do editor a responsabilidade em preservar os valores da publicação, cuidar para que a seriedade jamais seja questionada, garantir que ele tenha histórias humanas além da parte utilitária e não deixar perder a exclusividade na cobertura de certos assuntos. "Um bom editor faz a diferença no veículo", resume.

Não poderiam ficar de fora da discussão os dilemas éticos enfrentados por todo editor quando a questão financeira passa a interferir diretamente no conteúdo. Matinas reconhece a quase utopia dos veículos com independência financeira, mas defende que uma publicação deva sempre preservar seu bem maior: a credibilidade. "A maior busca por lucro pode significar menos qualidade ou independência. Por isso, o veículo deve lidar com este paradoxo de forma equilibrada", afirma.

Aos que sonham um dia tornar-se editores, Matinas alerta logo de início: "Se você quer ficar rico, talvez o jornalismo não seja o melhor caminho". E completa: "Editar é uma opção de vida, de paixão. Não é uma profissão fácil, porque deve-se tomar as piores decisões nos piores momentos. Não existe 'meio' compromisso no jornalismo. Mas se você for decente como profissional, e conseguir dizer 'não' ao dinheiro e a outras propostas quando necessário, conseguirá ter uma vida também decente", aconselha o jornalista.


Tais Laporta
São Paulo, 18/1/2008

Mais Tais Laporta
Mais Acessadas de Tais Laporta
01. 10 livros de jornalismo - 20/6/2007
02. O engano do homem que matou Lennon - 16/11/2007
03. Guimarães Rosa no Museu da Língua Portuguesa - 1/11/2006
04. Qual é O Segredo? - 18/7/2007
05. O que aprender com Ian McEwan - 4/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Igreja
Pierre Pierrard
Paulus
(2002)



Our Last Best Chance
King Abdullah II
Penguin
(2010)



Chasing the Dime
Michael Connelly
Warner Vision
(2003)



Como Saí Do Buraco
Fly
Inspira
(2023)



Simples Assim
Janise Martins
Scortecci
(2009)



Plt123 Gestão de Projetos: uma Abordagem Global
Ralph Keeling
Saraiva
(2012)



Organização e Métodos. Uma Visão Holística
Antonio Cury
Atlas
(2005)



Volume 2: Proncípios de Auditoria 1ª edição.
R K Mautz
Atlas
(1976)



Metal sem Húmus
Dércio Braúna
7 Letras
(2006)



Livro Virginia and Maryland
Fodor's
Fodor's
(2011)





busca | avançada
77164 visitas/dia
2,0 milhão/mês