E Viva a Abolição – a peça | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alfredenses são receptivos, afirma turista
>>> Por um trânsito mais humano, artistas pintam os muros de escolas públicas em Embu das Artes
>>> PAULUS Editora lança a obra clássica 'A Revolução dos Bichos', de George Orwell
>>> Tik lança EP autoral que transita entre rock, jazz e indie
>>> CASA MUSEU EVA KLABIN RELEMBRA A SEMANA DE ARTE MODERNA DE 1922 EM FESTIVAL NO MÊS DE MAIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia e papo furado
>>> Saints and Sinners
>>> Memorial de Berlim
>>> Caçar em campo alheio ou como escrever crônicas
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma relação orgânica com a rede
>>> BBB e Narciso
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Apesar de vocês
>>> Bloom sobre Shakespeare
Mais Recentes
>>> Só Porque Criou o Mundo Pensa Que é Deus de Henrique Carneiro Szklo pela M&m (1998)
>>> Em poder de Barba-Azul de Luisa Maria Limares pela Ouro (1978)
>>> Jane Eyre de Charlotte Bronte pela Signature (2012)
>>> Coleção Harvard de Administração - N° 11 Sebo Tradição de Nova Cultural pela Nova Cultural (1976)
>>> Desafios na Comunicação Pessoal de José Manuel pela Paulinas
>>> Interchange Level 1 Students Book With Self-study de Jack C. Richards pela Cambridge (2005)
>>> A Mulher Torta de Paulo Netho pela Formato (2009)
>>> Alma Geme de Cristina Gebran pela Topbooks (2004)
>>> Dividida entre dois Amores de Adriana Tavares de Sá pela Ouro (1977)
>>> O Anjo dos Esquecidos de Heinz G. Konsalink pela Record (2010)
>>> Atlas Ilustrdo Do Universo - Capa Dura - Astronomia de Mark A. Garlick pela Seleçoes Reader s (2021)
>>> Fundamentos da Biologia Moderna - Vereda Digital Vol único Parte III de Amabis & Martho pela Moderna
>>> Cavaleiros do Zodíaco 15 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Cinco Minutos a Viuvinha - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1995)
>>> Jurássico de Disney pela Abril (2015)
>>> Negrinha de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1994)
>>> Pais Brilhantes Professores Fascinantes de Augusto Cury pela Sextante (2003)
>>> Lu Petersen - Militância, Favela e Urbanismo de Bianca Freire pela Faperj (2008)
>>> Cavaleiros do Zodíaco 7 de Masami Kurumada pela Conrad
>>> Limites exteriores da plataforma continental do Brasil conforme o direito do mar de Christiano Sávio Barros Figueirôa pela Fundação Alexandre de Gusmão (2022)
>>> O lider 360º de John C. Maxwell pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> Paris - Top 10 de Vários pela Publifolha (2003)
>>> Paixões no Deserto de Barbara Cartland pela Ouro (1978)
>>> Superpato 40 Anos de Walt Disney pela Abril Jovem (2009)
>>> Bíblia do Peregrino - Novo Testamento, Encadernada de Não Localizado pela Paulus (2000)
COLUNAS

Quinta-feira, 1/6/2006
E Viva a Abolição – a peça
Lisandro Gaertner

+ de 26100 Acessos

(Entram em cena dois senhores de bigode, ao som daquela musiquinha da Escrava Isaura. "Lele-lele-lelele". Cada um carrega uma placa no pescoço dizendo Vilão de Novela)

Leôncio: - Barão de Araruna! Que bom vê-lo por aqui!

Barão: - Olá, doutor Leôncio. Como vai a vida?

- Nada bem, Barão. Nada bem. Esses malditos abolicionistas e as suas idéias de libertar os escravos estão tirando o meu sono. Não sei como poderei manter os negócios se eles tiverem sucesso.

- Ora, doutor, relaxe. Quando a abolição vier, ela trará grandes vantagens para todos nós.

- Como, Barão? Vai dizer que o senhor agora comunga com esses ideais abolicionistas?

- De maneira alguma, doutor Leôncio. Mas, devo dizer: acho que a abolição será uma boa e lucrativa mudança. Preste atenção na minha linha de pensamento. Quanto lhe custa manter um escravo hoje em dia?

- Bom, vejamos. Tem a senzala, a alimentação, o feitor, o capitão do mato, as correntes, os chicotes. Hum, cada escravo deve me custar uns 10 contos por mês.

- 10 contos. Por outro lado, um colono lhe custaria, agora, uns 20 contos. Mas, futuramente, depois da abolição, acredite, meu caro, eles custarão bem menos.

- Como?

- Veja só. Digamos que agora tenhamos 100 colonos. Depois da abolição teremos esses mesmos 100 colonos mais 300 escravos libertos, todos eles competindo por uma vaga na lavoura. Isso sem contar com os imigrantes que estão aparecendo por aí.

- E daí, Barão?

- E daí que serão mais de 400 trabalhadores querendo um trabalho que pode ser muito bem feito por 40. Isso quer dizer que, como existem muitas pessoas interessadas na mesma vaga, poderemos pagar muito menos a um colono. É um simples de caso de oferta versus procura. Assim, ao invés dos 20 contos de hoje, ou dos 10 contos que gastamos com os escravos, pagaremos a cada colono algo por volta de 5 contos ao mês.

- Mas isso é genial! Como não pensei nisso antes? Vou lhe dizer: nunca imaginei que o fim da escravidão seria tão proveitoso.

- Você ainda não viu nada, meu caro Leôncio. Os nossos lucros não param por aí. Quando todos forem "livres", ainda precisarão de um lugar para morar. Como não teremos mais as senzalas, planejo oferecer às pessoas moradias um tanto parecidas com as casas dos escravos, mas menos seguras e limpas. Algo que chamarei de conjuntos habitacionais.

- De graça?!

- Claro que não, doutor. O senhor está me estranhando? Como somos donos de todas as terras, eles precisarão pagar a nós uma taxa pela moradia. Algo que eu penso em chamar de aluguel. Para isso eles precisarão nos dar algo por volta de 2 contos.

- Hum, pagaremos a eles 5 contos, ganharemos 2 do tal aluguel. Ainda estaremos lhes pagando 3 contos. Será possível baixar esse valor ainda mais?

- Claro. O senhor esqueceu de algo fundamental: a alimentação. Como qualquer pessoa livre, eles precisarão comprar a sua própria comida. E quem produz comida por aqui?

- Nós mesmos!

- Exatamente. Com a alimentação da família eles acabarão gastando mais 2 contos que irão direto para os nossos bolsos.

- Dois mais dois, quatro. Pagamos cinco, eles ainda terão 1 conto para guardar.

- Para guardar, não. Para gastar.

- Com o quê? Eles já têm moradia e alimentação!

- Eu sei, mas a liberdade vai enlouquecer as pessoas. Todos vão querer parecer melhores do que são. Ter mais coisas do que podem ter. Afinal, eles adoram se sentir ricos, mesmo sendo pobres. Por isso vamos passar a vender besteiras que pareçam conceder status a esses pobres de espírito. Esses produtos serão chamados de supérfluos e com eles, as pessoas gastarão mais 2 contos por mês.

- Espere um pouco. Há algo errado com essa conta. Eles ganham 5. Gastam 2 com aluguel, 2 com comida, 2 com supérfluos. Eles ficarão devendo 1 conto. De onde eles tirarão esse dinheiro?

- Nós lhes daremos esse dinheiro.

- A troco de quê?

- Para cobrar juros. Somos ou não somos os donos dos bancos da região?

- Meu Deus, se eu soubesse disso teria apoiado a abolição antes. Se antes nós gastávamos 10 contos com um escravo, agora ganharemos 1 conto pelo mesmo trabalho.

- 1 conto mais os juros, meu caro Leôncio. Antes nós gastávamos, agora eles pagarão e caro para trabalhar! E não serão apenas os negros. Os brancos, os asiáticos, homens de todas as raças e credos pagarão para trabalhar para nós. Abolir a escravidão será o mesmo que expandi-la. E o melhor de tudo é que, ao contrário desses escravos ingratos, eles pagarão para trabalhar e ainda se sentirão felizes.

- Como isso é possível?

Barão. Simples. Eles pensarão que são livres. E existe algo melhor que a liberdade? Então, meu caro amigo, você ainda acha que a abolição é um mau negócio?

- Pelo contrário, Barão. É um ótimo negócio. Mas algo me passou pela mente. Até agora só tratamos dos homens. Afinal as mulheres ficam em casa para cuidar dos afazeres domésticos. Será possível inclui-las nesse negócio? Os nossos lucros duplicariam.

- Calma, Leôncio. Uma coisa de cada vez. Depois da abolição, daremos um jeito de incluir as mulheres nesse esquema também.

- E como faremos isso?

- Com um novo movimento, meu caro amigo. Um novo movimento para libertar as mulheres. Algo que eu estou pensando em chamar de Feminismo.

Leôncio: - Barão, o senhor é um gênio.

Barão: - Obrigado pelo elogio, doutor Leôncio, mas não sou nenhum gênio. As pessoas é que são ingênuas demais.


Lisandro Gaertner
Belo Horizonte, 1/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Letras, como ela é? de Verônica Mambrini
02. Discurso de Amor em Fragmentos de Alessandro Garcia


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Deus Nasceu no Exílio
Vintila Horia
Flamboyant
(1961)



Em um Mar de Emoções
Andre Ariel Filho
Vida e Consciencia
(2015)



Estudos de Direito Constitucional
Vivian de Almeida Gregori Torres
Ielo
(2014)



Garotas da Pérsia
Nahid Rachlin
Rocco
(2007)



Newton Rezende por Ferreira Gullar
Ferreira Gullar e Outros.
Galeria Bonino Rj
(1980)



Geografia Espaço e Vivência - Ensino Médio Volume único
Levon Boligian / Andrea
Atual
(2008)



Contabilidade Publica
Bernardo Cherman
Ferreira
(2007)



Dama Valete Rei
Clara Carta
Civilização Brasileira
(1976)



A Casinha na Floresta
Irmãos Grimm
Kuarup
(1988)



Apontamentos Teoricos de Citologia, Histologia e Embriologia
Walcir José Fieri; Miriam Levada
Catalise





busca | avançada
60317 visitas/dia
1,8 milhão/mês