Sombras Persas (IX) | Arcano9 | Digestivo Cultural

busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 30/6/2006
Sombras Persas (IX)
Arcano9

+ de 3000 Acessos


Isfahan e seu anoitecer dourado na Ponte Khaju

Isfahan, 7 e 8/11

O ônibus atravessa o deserto. Dos dois lados, até perder de vista, só se vê uma planície ocre, com terra arenosa e arbustos secos. Arbustos como estampas num tecido de calor e luz, pontinhos distribuídos a intervalos regulares. No horizonte, há montanhas altas, às vezes apenas presentes pela silhueta cinza, outras vezes, por estarem numa melhor posição em relação ao sol, com mais detalhes visíveis de suas rochas. Tudo é inóspito. Meus olhos doem, pedem liberdade para se abrirem sem ter que se proteger de tanto amarelo. Gotículas se suor surgem na minha testa. Olho de novo; vejo uma pessoa perdida andando no nada. Um nômade, ou talvez não. Pisco, olho de novo e ele não está mais lá.

A desolação do trajeto evoca o semi-árido do Nordeste brasileiro, mas há esses detalhes que me trazem de volta à Ásia, detalhes que se repetem, se repetem e se repetem com velocidade na janela empoeirada. De repente, numa cidadezinha, de casas todas feitas de lama seca, uma fortaleza, completa com torres e muralha, tudo também feito dessa massa ocre. Surge, acena, se vai com velocidade. Quem construiu isso? Não está no guia. No Brasil, uma fortaleza assim seria um importante ponto turístico. Aqui, é apenas uma miragem apressada.

Mesquitas. Madrassas. Uma grande cúpula em formato de cebola, acompanhada por altos minaretes. A cúpula sem detalhes suntuosos. Lugar desconhecido, ignorado. E ainda assim, magnífico. Depois da pessoa-miragem, não vejo mais nenhuma, ninguém, nem uma alma. Só nos outdoors. Na estrada, nas bifurcações, nas rotatórias nas entradas das vilas, os cartazes me mostram os atores da demorada peça que usa como palco este país inteiro. Os outdoors com o aiatolá Khomeini e o aiatolá Khamenei. Khomeini está morto mas muito vivo, movido a essa energia solar. Khamenei, um Sancho Pança, fiel escudeiro continuísta dos ideais que transformaram este país em algo único no mundo. Só duvido muito que a tal revolução tenha mudado em algo a vida de quem quer que seja que viva nesse sertão iraniano. Os outdoors causam sombra na estrada. Khomeini e sua sombra. Xerxes e sua sombra em Persépolis, o Imã Hussein e sua sombra nas mesquitas, Hafez e Sa'adi e suas sombras em Shiraz. No sol implacável, a antiga Pérsia busca consolo em suas sombras. As sombras, manto inconsútil, passado e presente, Pérsia e Irã. As sombras prosseguem até o anoitecer. Ninguém sabe quando o sol vai se pôr.

Conheço no ônibus um casal de espanhóis dando a volta ao mundo. Vinham do Vietnã e do Camboja, atravessaram Índia e Paquistão, tudo de ônibus. Começamos a conversar sobre o Irã e sobre as coisas que só vimos neste país. As gravatas, por exemplo. Pergunto a eles. "Isso eu já sabia", diz o jovem, "eles consideram a gravata um símbolo da dominação cultural do Ocidente." Não há empresário, político ou homem nenhum neste país que use gravata. O presidente Ahmadinejad nunca usa; o ministro do Exterior, em suas coletivas à imprensa estrangeira, aparece com sua camisa social abotoada até o pescoço, mas não o detalhe que estamos tão acostumados a ver.

E os cachorros? Isso, meus amigos espanhóis não sabiam. Por aqui, nada de latidos. Os cachorros não existem. São considerados impuros pelos muçulmanos. Eu os vi no Uzbequistão, país islâmico sunita, mas aqui jamais. Dizem até que há Lulus e Fidos no norte de Teerã, na região onde vivem os mais ricos. São usados para proteger as casas. Estranho não ver cachorros magros zanzando nos vilarejos perdidos que o ônibus atravessa. Estranho não ouvir auauaus eventuais. Começo a lembrar como gosto de cães e acho que, em toda a minha viagem, não encontrei um momento em que tenha ficado mais chocado com a diferença entre a minha cultura e a cultura local. Os cachorros sempre me deram alegria, sempre tive um em casa. Aqui, essa fonte de alegria não existe.

* * *

Uma noite fria à beira do Rio Zayandeh. Em um intervalo entre uma garoa e outra, dezenas de pessoas se juntam em uma área coberta entre as arcadas debaixo da Ponte Khaju, cujos arcos estão todos iluminados por holofotes de luz laranja. O grupo de homens, alguns com esposas e namoradas, faz sua versão dos programas de TV como American Idol, tão populares na América e na Europa. Um sujeito toma o centro roda e começa a cantar. Começa tímido, mas embala e, dois minutos depois, empresta toda a força de sua garganta a uma canção que parece ser conhecida por todos, menos por mim. A platéia acompanha, uns só mexendo a cabeça, outros cantando junto. O artista continua e continua, canta uns dez minutos até que ninguém mais aguenta ouvir ele, e finalmente pára. Um minuto de silêncio e, espontaneamente, um garoto de uns 16 anos, no canto da sala, começa a cantar.

Não longe dali, na Ponte Si-o-Seh, encontro uma linda área com mesinhas ao ar livre, onde as pessoas se reúnem para tomar chá e fumar narguilé. Sento numa delas. A noite continua bem fria, finalmente percebo que é inverno, parece que estou em Campos do Jordão. O rio passa rápido por uns degraus submersos logo abaixo da ponte, entre seus desenas de arcos lindos. Depois de passar pelos degraus, a água acalma, e tão pacífico fica o rio que se alugam pedalinhos por ali no verão. O rio não é muito sujo e há quem, mesmo à noite, arrisque uma pescaria. O narguilé chega e passo a próxima hora e meia contemplando um dos pontos mais bonitos da cidade que é considerada a jóia mais valiosa da coroa iraniana. A cada baforada do cachimbo, a cada gole de chá, homenageio velhos amigos, meus irmãos, meus pais, antigas e maravilhosas namoradas, professoras do primário, cidades perdidas no interior da Bahia, o centro de São Paulo, outros planetas. Isfahan é uma cidade perfeita para isso.

Isfahan. Não há cidade mais evocativa do imaginário associado à antiga Pérsia. Lembro da primeira vez que ouvi falar dela. Foi em um livro de ficção, numa descrição de como a cidade teria sido no século XII:

"Era um lugar voluptuoso, cheio de hemisférios e curvas, com grandes prédios com cúpulas reluzindo na luz do sol, mesquitas com minaretes como lanças, verdes áreas abertas e ciprestes (...) As ruas eram cheias de homens com turbantes, mas não mulheres. Ele passou por uma imensa praça aberta; e, então, talvez uma milha além, outra. (...) E, por alguma razão, ele achou certo cavalgar devagar através desta cidade na margem norte do Rio da Vida."
Noah Gordon em O Físico

Como ocorreu quando visitei as uzbeques Samarkand e Bukhara, Isfahan se mostra não exatamente como eu esperava, mas não me decepciona. Seu rio, seus palácios e mesquitas fazem um conjunto harmonioso que torna seu centro diferente, menos caótico, do que o de outras cidades iranianas. Na verdade, daqui, tomando chá e fazendo evaporar a fumaça com gosto de laranja, Isfahan me parece muito européia. No magnífico complexo da Praça Imã Khomeini, onde estão talvez as duas mesquitas mais lindas do planeta, Isfahan me parece persa, nobremente persa, mais persa do que nunca. Não é à toa que dizem que esta cidade, sozinha, é metade do mundo.

A cidade tem uma história antiga, mas só no século XVI, com a dinastia safavida, que a cidade começou a construir a sua fama. Os safavidas - que, juntamente com os arquemenidas e os sassanidas, formam as três grandes dinastias da antiga Pérsia - sucederam Tamerlão e invasores turcos e turcomanos, estabelecendo a capital em Isfahan pela primeira vez. O maior dos reis safavidas, Shah Abbas I, foi o responsável pela construção das grandes mesquitas que hoje ocupam a Praça Iman Khomeini, e também por algumas das pontes monumentais, depois reformadas e reconstruídas. Mas o esplendor de Isfahan como capital não duraria muito, pouco mais de um século. Invasores afegãos conquistaram a cidade, matando milhares, ecoando o massacre de 70 mil moradores e Isfahan por Tamerlão no início do século XV. Isfahan deixaria de ser capital no século XVIII, abrindo caminho para Shiraz e, posteriormente, Teerã.

Um elemento da cidade que certamente antecede em muito tempo os safavidas é o imenso bazar. Ele existe há mais de mil anos, e pode ser comparado com o Teerã, ainda que não em importância, mas em tamanho. Fugindo da chuva à tarde, me perdi lá dentro por pelo menos uma hora, dividindo as estreitas ruelas com as motos e os cheiros da especiarias. O bazar, com suas voltas e voltas infinitas, se estende em uma área entre a Praça Khomeini e a Mesquita Jameh. Foi nessas andanças que comecei a ficar com fome e encontrei um grupo de pessoas fazendo algazarra dentro e fora de um pequeno restaurante, espremido entre as lojas de roupas e especiarias do escuro bazar. Fiquei curioso - o lugar realmente estava sendo disputado pelos locais e contava com uma decoração um tanto quanto surreal: azulejos brancos nas paredes, como em um banheiro, e carcassas de animais mortos (creio que carneiros) penduradas em um grande freezer, outras ao ar livre, ao lado das mesas, gotejando sangue no chão. Logo na entrada, um grande forno estava sendo usado para aquecer fofos pães nun, enquanto, ao lado do forno, uma grelha aquecia o que pareciam ser hambúrgueres. Uma fumaça às vezes grossa saía da grelha, com cheiro de carvão e gordura. O nome do prato que todos estavam pedindo era beriani: um grande pedaço de pão, dentro dele um desses hambúrgueres e também um pouco da "massa" usada para fazer esses hambúrgueres. A "massa" não parecia ser carne moída, era mais fina. Sentei-me lá dentro em meio às conversas e me trouxeram primeiro um prato com um ramo de hortelã, metade de um limão e meia cebola crua. Depois, veio o beriani. A massa tinha um gosto de canela, com algo mais que eu nem soube identificar. Fiquei com nojo por um momento, imaginando todo o tipo de coisa que eu poderia estar colocando para dentro de meu estômago, mas depois me abstraí. Todos ao meu redor comiam alegremente, lubrificando a goela com uma bebida de iogurte salgado. De vez em quando, as pessoas notavam a minha presença e sorriam para mim. A minha retribuição automática: morder meu beriani e sorrir de volta, agradecendo o almoço. Depois, só muito depois, me falariam que a massa tinha canela, curry e outras especiarias. Mas a exata receita da iguaria permanece um mistério para mim.

* * *

O beriani sendo preparado Deixo o restaurante e encontro um senhor de uns 60 anos que começa a puxar papo comigo em bom inglês. Se dizia professor da língua em uma universidade local e nos tornaríamos bons amigos em meu curto período em Isfahan. Lhe disse que minha viagem era econômica, mas mesmo assim ele insistiu para que fosse com ele visitar a loja onde trabalhava seu filho, um dos encarregados de continuar uma das tradições mais queridas do Irã, a das miniaturas. As iranianas não são esculturas, minibonecos ou casinhas como imaginamos ao ouvir a palavra miniatura. No Irã, miniatura é como se designam pequenos objetos decorativos com pinturas feitas com grandes detalhes e dimensões mínimas, com grande paciência por artesãos que desenvolveram e aprimoraram uma técnica própria. A tradição, como em tudo na cidade, também é antiga - teria sido iniciada no século XV. Isfahan é uma das capitais das miniaturas no Irã e o bazar da cidade talvez seja o melhor lugar no país para comprar esses objetos - caixinhas, porta-jóias, porta-alfinetes e até marca-páginas decorados com os minidesenhos.

O filho do insistente senhor me recebeu com alegria em uma sala entupida de miniaturas nos intestinos do mercado. Suas caixinhas, ele me mostrou, eram feitas com palitos do tamanho de palitos de fósforo, colados um a um e moldados com calor para formar as arestas e superfícies do objeto. Os materiais usados variam: podem ser madeira, ossos de camelo. Com diversas cores, eles formam um mosaico, e em uma das superfícies da caixa é feito o minidesenho, o detalhe de mais difícil execução. O vendedor me explicou que há grandes mestres que passam as técnicas a seus aprendizes. Os aprendizes começam fazendo desenhos com detalhes menos visíveis, o que desvaloriza o preço final do objeto. Os pintores usam grandes lupas e pincéis com a espessura de pouco mais do que um fio de cabelo para fazer suas obras. Os temas variam, mas quase sempre há referências à própria história de Isfahan: o xá jogando polo na Praça Khomeini, ou em caçadas com seus amigos. "Isfahan é, antes de tudo, uma cidade das artes", me diz o senhor idoso, tentando me convencer a levar uma lembrança. "Miniaturas, tapetes, até nossos doces. É triste que você não aproveite isso". Lhe respondo que voltaria depois a procurá-lo para comprar uma lembrança, mas que por ora agradeceria se ele me mostrasse onde comprar bons doces. Vou precisar de energia para ver tudo o que preciso ver nesta cidade.


Os cheiros do Irã no bazar de Isfahan

(Continua...)


Arcano9
Londres, 30/6/2006


Mais Arcano9
Mais Acessadas de Arcano9 em 2006
01. Sombras Persas (VII) - 1/6/2006
02. Sombras Persas (V) - 4/5/2006
03. Sombras Persas (I) - 1/3/2006
04. Sombras Persas (IV) - 14/4/2006
05. Sombras Persas (X) - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




REPENSANDO O SOCIALISMO
JOSÉ GENOINO (2ª EDIÇÃO)
BRASILIENSE
(1991)
R$ 23,00



MONSEHOR QUIXOTE 4ªED.
GRAHAM GRENE
RECORD
(1982)
R$ 17,00
+ frete grátis



TEORIAS DA PERSONALIDADE
C. S. HALL E G. LINDZEY
E. P. U.
(1973)
R$ 10,00



POESIA-II 1930-1933
ANTONIO QUADROS
IB437
R$ 20,00



POLÍTICAS PÚBLICAS EM SÃO BERNARDO DO CAMPO 1945-1964
LUIZ EDUARDO SIMÕES DE SOUZA
LCTE
(2011)
R$ 22,28



A SÉTIMA PROFECIA
ORIZA MARTINS PINTO
RAZÃO CULTURAL
(2003)
R$ 7,50



THE LAST PLANTAGENETS
THOMAS B COSTAIN (CAPA DURA)
DOUBLEDAY E COMPANY (NEW YORK)
(1962)
R$ 25,82



RITOS E MISTÉRIOS SECRETOS DO WICCA - O ESTUDO ESOTÉRICO DO WICCA
GILBERTO DE LASCARIZ
MADRAS
(2017)
R$ 84,90



LEITE DERRAMADO
CHICO BUARQUE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2009)
R$ 10,00



ENSAIO ESPECULATIVO SOBRE O TESTAMENTO DE UM ASTRÔNOMO
LUIZ C. MARASCO
DO AUTOR
(2012)
R$ 35,90





busca | avançada
37104 visitas/dia
1,3 milhão/mês