Conselhos Místicos Ao Jovem Escritor | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 28/7/2006
Conselhos Místicos Ao Jovem Escritor
Ricardo de Mattos

+ de 4300 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Semanas atrás acessei a caixa de entrada do correio eletrônico e deparei-me com a mensagem cujo título encabeça a presente coluna. Abri julgando-a encaminhada pelo corpo editorial do Digestivo Cultural. O remetente estava oculto e minha formação empírica não me permitiu descobrir algum dado quanto à origem do texto. Não havendo referência de retransmissão, os sistemas de proteção não acusando perigo, e tratando-se dum texto simples sem sequer um link, optei por lê-lo. Não consigo atinar com a fonte. Visitei inúmeros sites e cadastrei-me em vários, de forma que eu precisaria perquirir sobre anos de acesso para desvendar o mistério. Não afasto a hipótese de ter sido enviada por engano por algum membro daquela sociedade secreta que cultua como sacros os livros de Castaneda e que reagiu negativamente a uma antiga coluna. Obtenho esta inferência pelo fato do meu nome ter sido citado num contexto não muito favorável.

Houve tempo em que se perfumavam as cartas - mormente as trocadas entre enamorados - para que o cheiro revelasse a origem e despertasse sentires. Tal recurso deve ter sido útil para combater enganos, dês que duas namoradas não usassem a mesma essência. Sequer com este recurso pude contar. Tentei aplicar o princípio ao e-mail desconhecido e aproximei da tela a minha labradora Carmela, porém sua reação limitou-se à tentativa de roubo do mouse. Si publico o texto é com a intenção primeira de que o autor - ou autores - revele-se ao reivindicá-lo. Dadas a ausência de introdução e a numeração dos itens, suspeito que seja a conclusão de conversa desenrolada anteriormente. Eis o texto:

I - Apresentação Pessoal & Criação do Mito

1. Cometa de propósito um monte de extravagâncias e faça com que todos percebam. Elas poderão ser citadas numa futura biografia, então você ganhará uma aura de pitoresco e será mais lido. No preparo de uma personalidade "biografável", tente influenciar pessoas próximas para que, sem perceber, elas acabem ajudando a divulgar seus atos. Certamente elas serão procuradas para depoimentos. Eventualmente, procure um amigo durante a tarde e chore ao conversar sobre um problema pessoal. Ou apenas chore, sem falar nada. Pela noite, tente ser visto em plena alegria por este mesmo amigo. Se você fizer as coisas corretamente, ele comentará que sua alegria é uma forma de abrandar uma angústia interna que o consome aos poucos. Como resultado, seus textos adquirirão um sentido oculto e instaurar-se-ão debates diversos. Não duvide do breve surgimento das teses de mestrado.

2. Cultive hábitos estranhos como colecionar os pés direitos dos pares de calçados, esponjas de limpeza ou potes de talco. Frustrada a carreira literária, sempre aparecerá quem compre a tralha. Faça misturas absurdas de comida e quando questionado, responda com outra interrogação: "Por que tenho que ser igual a todo mundo?".

3. Saiba ser fotografado. Jamais tire uma foto de si mesmo com câmeras digitais, mas esteja atento quando aparecer um fotógrafo por perto, para que você possa assumir o tipo que escolheu para si. Não seja como estes escritores burgueses que se recusam a ser fotografados, com a desculpa de não querer desviar a atenção da obra para a vida pessoal. O que é a obra literária de alguém si desvinculada de sua vida pessoal? Nada! Metade do interesse por um livro perde-se quando não se sabe a preferência sexual do escritor, sua regularidade no pagamento de contas, suas relações familiares, os vícios que padeceu. Quem não releu
Dom Casmurro com outros olhos após saber que Machado de Assis era epilético?

4. Não tenha posicionamento espiritual, mas critique a Igreja Católica pelo tempo da Inquisição e por proibir o sexo antes do casamento. Principalmente pelo número de pessoas que deixam de fazer sexo acatando esta proibição.

5. Politicamente, seja sempre de esquerda, mesmo que não saiba direito o que é ser de esquerda, de centro, de direita, de cima, de baixo ou de diagonal. Aceita-se que um escritor seja de centro, mas ao iniciante é recomendável ser de esquerda. Se realmente mudar, alegue amadurecimento político e filosófico. Nunca se diga de direita, nem brincando. Escritores velhos, sim, podem fazer este tipo de graça, você não.

6. Esquive-se ao máximo das questões polêmicas. Si todavia questionado, comece sempre suas respostas com "nada contra" e termine com "entende?". Modelo: "Nada contra os adeptos da riparofilia, mas esta não seria a minha primeira opção de prazer, entende?". Outro: "Nada contra os riparófilos, mas acho que a sociedade deve ser mais aberta para as outras formas de prazer, entende?".

7. Cuidado com o nome. Si seus pais foram infelizes ao escolhê-lo, troque-o ou escolha outra atividade. "Hibisco ao Luar Albuquerque" não é, definitivamente, um nome pelo qual se tenha respeito. Não adianta elogiar, desculpar seus pais ou querer auto-afirmar-se alegando que gosta do nome: troque! Si for muito comprido, encurte-o. Si comum, não é proibido distinguí-lo, mas sem a vulgaridade norte-americana. José Ramos Tinhorão foi uma opção excelente. José "O Matador" da Silva não merece atenção.

II - Leitura

1. É o item mais trabalhoso. A rigor, nem deveria constar destes conselhos, pois são os outros quem devem ler o que você produz. Você é o criador. Contudo, é bom demonstrar certa humildade e atenção aos que vieram antes. Até seu aparecimento, eles foram famosos. Além disso, quando sua obra for adaptada pela Globo, valerá o esforço. Eis a minha sugestão:

A - Literatura Nacional da Antiguidade. Um título de Graciliano Ramos à sua escolha. Reveja suas sinopses do pré-vestibular - os "resumões" - sobre Machado de Assis, mas apenas o suficiente para opinar se Capitu traiu Bentinho ou não.

B - Literatura Nacional Contemporânea. Leia livros da sua geração, mas não muitos. Você deve conservar seu próprio modo de ver as coisas. Um livro de Clarah Averbuck, um de Marcelo Mirisola e um do Paulo Coelho, na base de um por semestre, preenchem ano e meio de leitura satisfatória e estimulante.

C - Literatura Estrangeira: dois livros de Kafka encerram qualquer discussão sobre a leitura e o bom gosto do jovem escritor. Si quiser caprichar muito, inclua algo de James Joyce. É muito importante, aliás importantíssimo, que se pesquise os nomes mais citados e busque-se dois ou três dados sobre eles. Lendo o nome "Dostoiévski", saiba que ele era russo, viveu no século XIX e escreveu vários livros.
O Idiota é um livro bem conhecido dele, grosso e com o título fácil de lembrar.

2. Jamais, atente bem, jamais diga que não leu um livro. Mesmo que seja citado um texto sagrado do Congo Medieval, recorra à expressão facial de quem tenta recordar-se de algo lido há anos. Teça comentários como: "Realmente, o cunhado do meu tio-bisavô possuía a obra, mas li há tanto tempo que os detalhes escapam-me". O simples fato de você ter lido a obra "há tanto tempo" conferir-lhe-á ares de erudito de longa jornada e ser-lhe-á perdoado certo
esquecimento.

3. Atente inclusive para a questão do gestuário. Quando comentarem alguma coisa sobre qualquer livro, de qualquer assunto, mantenha o olhar fixo num ponto e balance a cabeça vagarosamente. Depois comente: "Também percebi isso". Seu interlocutor ouvirá aquilo que quer e retribuirá elogiando sua inteligência.

4. Si tiver tempo e disposição, emporcalhe-se de teoria literária. Jorge Luis Borges, um argentino, disse que dava preferência aos textos originais e deixava de lado os livros de teoria. Mas ele podia se dar ao luxo porque não tinha muito o que fazer e também foi descoberto recentemente seu problema com a bebida. Como já foi escrita muita coisa, é melhor ir pela teoria e receber já mastigadas as informações necessárias sobre as obras dos outros.

III - Cultura

1. Veja um filme iraniano por ano. Eu mesmo já vi alguns e gostei. São histórias simples: o menino que vai a pé de casa até o centro da cidade; a menina que quer um peixe dourado mas a mãe não pode comprar; o rapaz que troca uma bicicleta por um par de sapatos para ir a uma festa... Não só ensinarão você a aproveitar em seus textos as coisas simples da vida, como conferir-lhe-ão uma aura instantânea de intelectual sério e profundo. O único problema é você precisar aumentar a quantidade do que escreve, pois intelectuais sérios e profundos escrevem mais. No mais, uma ida mensal ao cinema, novelas diariamente e algumas reprises de
Seção da Tarde. É um subterfúgio, sei disso, mas as pessoas capazes de compreender isso não têm nenhuma voz ativa. Um Ricardo de Mattos pode perceber o logro e atiçar a cachorrada contra você ou chicoteá-lo de cima do cavalo. Mas quem é Ricardo de Mattos?

2. Critique duramente a cultura popular. Não foi feito na Europa nem nos Estados Unidos, então não presta. Si alguém elogiar "A Majestade, o Sabiá" cantada por Jair Rodrigues, comentar favoravelmente a interpretação de "Boneca Cobiçada" por Pedro Bento e Zé da Estrada, ou ainda contar o quanto gostou da apresentação de um grupo de Moçambique, saia de perto sorrindo e comente entredentes: "Quem é este ridículo?".

IV - Escrita

1. Escreva sempre, ainda que sem vontade. Si o leitor perceber seu tédio, ele terá a oportunidade de acompanhar a evolução do seu raciocínio e uma hora acabará apreendendo a mensagem que você transmitiu mesmo sem perceber.

2. Escreva livros pequenos, com o máximo de cem páginas por vez. Você quer ser escritor num país de pouca leitura, então faz-se necessária a economia de palavras. Não queira inventar um calhamaço maior do que isso, pois as próprias editoras não publicarão um desconhecido verborrágico. O que vende mais, os livros de banca do tipo
Sabrina ou os do Diogo Mainardi?

3. Ao escrever, não invente demais. O leitor brasileiro tem a mente plana. Se for um romance, crie dois ou três contratempos para um casal, mas una-os ao final. Se não unir, a Maria Adelaide do Amaral une e o
trabalho dela que será considerado. Se for muito ousado, recorra a um casal homossexual, mas seu público diminuirá e, por conseqüência, a venda e sua porcentagem sobre o preço de capa. O importante é vender bastante logo no começo para que no futuro admita-se o risco de uma obra um pouco mais caprichada - com mais de cem páginas.

4. Escreva do jeito que lhe vier à cabeça, mas sem muito esmero. Aproxime-se ao máximo da linguagem utilizada na internet. No lugar de um pomposo "Você está aí?", recorra a algo inteligível como "vc tah aih?". O importante é passar o pensamento, a idéia, e enfeitar demais acaba atrapalhando a comunicação. Sendo simples, pode-se ocupar páginas e mais páginas com um parágrafo apenas, ou até mesmo com uma só frase, e não prejudicar a relação escritor/leitor. Ou, falando, você usa parágrafos, frases pontuadas, pronomes e outros incômodos? Monteiro Lobato e Mário de Andrade quebraram regras gramaticais e de ortografia. João Ubaldo Ribeiro escreveu
Sargento Getúlio dando a impressão de alguém falando e pensando. Em última análise, eles estavam abrindo caminho para você. Vivemos numa democracia: se eles puderam, você também pode.

5. Claro que si sua atenção for voltada à poesia, metade desta trabalheira toda pode ser desconsiderada. Publique um livro em que cada página traga apenas um título, mas sem o poema correspondente. Conclua filosoficamente que tudo se encerra no Nada e sua coroa de louros estará assegurada. Pessoas reunir-se-ão para fumar cigarrilhas de cravo e discutir o que você não escreveu.

V - Divulgação e Entrevistas

1. Caso queiram entrevistá-lo, nunca vá ao primeiro dia e horário combinados. Faça-se solicitar. Na primeira vez, desligue seu telefone celular durante o dia inteiro e ligue desmarcando em cima da hora. Adie para, no mínimo, uma semana. Não seja tonto de faltar também desta vez, porque o prejuízo será seu. Vá, mas chegue com duas horas de atraso, com os olhos inchados e não comente nada. Se um juiz de Direito pode atrasar duas horas e desmaiar durante a audiência, por que não você, que é o juiz da sociedade?

2. Esta regra tem uma exceção. Suplique uma entrevista ao Jô Soares. Envie
e-mails diariamente até receber uma resposta. Se negativa, envie dois por dia. Nessas horas o amor próprio não deve ser um obstáculo pequeno burguês. Envie junto uma sugestão de pauta, assinalando as perguntas imprescindíveis a fazer. Alegue que se você ficar famoso, ele será apontado como o primeiro a reconhecer seu talento. Peça para cumprimentar a banda.

3. Apresente-se sempre como escritor, mesmo flagrado em meio a uma passeata pela destituição do síndico do prédio fronteiro. Antes de autorizar eventual uso da imagem na televisão, confirme se é o termo "escritor" que aparecerá sob seu nome.

4. Envie exemplares de seus livros para o Daniel Piza, Julio Daio Borges e outros editores culturais dos grandes jornais. Tente conversar pessoalmente com eles. Espere-os nas portas dos prédios onde trabalham. Siga-lhes os carros. Aborde-os nos restaurantes, mas aguarde que façam o pedido e comecem a comer, pois assim não irão embora e ouvirão enquanto mastigam. Descubra os endereços residenciais e espere-os no portão. Envie-lhes
e-mails e insista em pedir resposta.

VI - Conclusão

São regras complexas, trabalhosas e minuciosas. Lembre-se, jovem escritor, de que o lugar do "Grande Romance Brasileiro" está vago. Quem o conquistar, poderá concorrer a outro, o de "Grande Romance Latino Americano". Ainda que se esgotem as finanças da família com a promessa de restituição, seu reconhecimento é futuro mas iminente, de forma que o estrago causado pela ociosidade logo será reparado. Todo esforço será pequeno ante a satisfação de se alcançar um grande objetivo. Agora, mexa-se e acesse seu
blog!


Ricardo de Mattos
Taubaté, 28/7/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Teatro sem Tamires de Elisa Andrade Buzzo
02. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
03. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
04. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Da Poesia Na Música de Vivaldi - 6/2/2003
03. A Sombra do Vento, de Carlos Ruiz Zafón - 9/9/2004
04. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008
05. Poesia, Crônica, Conto e Charge - 13/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2006
19h26min
Quando você descobrir quem é esse tal anônimo, que tal solicitar "Conselhos Místicos a uma Jovem Escritora"? Brincadeirinha (risos).
[Leia outros Comentários de Janethe Fontes]
26/7/2006
21h37min
Não sei se este comentário vai me ajudar ou não a dizer nada. Mas nem tudo está perdido, quando há algo a fazer. E começar do nada é uma simples questão de ser diferente, como... EU.
[Leia outros Comentários de Valdea Sianna]
27/7/2006
06h05min
O bom é deixar o escritor jovem voar, sempre vai encontrar um maluco pra apostar nele. Imagine se Nelson Rodrigues não tivesse ousado, não teria sido o mito que é, imagine outros tantos, os estilos são as marcas de cada autor. É preciso voar, voar e não se perder.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias]
29/7/2006
17h23min
Achei o texto muito divertido. Eu não usaria boa parte dessas dicas, mas, se observarmos bem, até que o conteúdo do texto tem lá sua utilidade. Tentei imaginar como seria se resolvesse utilizar alguma dessas dicas. Do jeito que sou desligada, iria me enrolar toda. Resumindo: Ou iria fazer o maior sucesso porque pagaria todos os micos, ou encerraria a minha carreira literária no início. Sds... Elaine Paiva
[Leia outros Comentários de Elaine Paiva]
30/7/2006
20h33min
Impressionante! Um manual para o sucesso! Ah, então é por isso que tantos frustrados conseguem "um lugar ao Sol"! É, acho que funciona!
[Leia outros Comentários de Joyce]
7/10/2012
23h59min
Oscar Wilde está entre nós... O texto possui os toques irônicos dele.
[Leia outros Comentários de Ananda Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ADORÁVEL HEROÍNA
MICHAEL HINGSON; SUSY FLORY; MAURICIO TAMBONI
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 15,00



SOBRE A CHINA
HENRY KISSINGER
OBJETIVA
(2011)
R$ 50,00



AS ORIGENS DA CANÇÃO URBANA
JOSÉ RAMOS TINHORÃO
34
(2011)
R$ 41,90



O HOLANDÊS
ANA BANDEIRA DE CARVALHO
DO AUTOR (RJ)
(2008)
R$ 16,82



METAL SEM HÚMUS
DÉRCIO BRAÚNA
7 LETRAS
(2006)
R$ 9,80



CINCO CONVERSAS COM ALVARO CUNHAL
ALVARO CUNHAL
CAMPO DAS LETRAS
(1999)
R$ 43,70



PSICOFÁRMACOS: CONSULTA RÁPIDA
ARISTIDES VOLPATO CORDIOLI
ARTES MEDICAS
(1997)
R$ 35,00



DETALLES GRÁFICOS PARA ARQUITECTOS
CARL KEMMERICH
GUSTAVO GILLI
(1997)
R$ 45,00



UPPS, DIREITOS E JUSTIÇA
FABIANA LUCI
FGV
(2012)
R$ 24,90



RETRATO DE FAMÍLIA
ADELINA CLARA HESS DE SOUZA
NOVA LETRA
(2010)
R$ 10,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês