Mabsa e seu jardim de estátuas | Verônica Mambrini | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> A Imitação de Cristo - e a Centralização da Cruz na Luta ... de Thomas à Kempis pela Vida Nova (2001)
>>> Viciado no Perigo de Jim Wickwire pela Manole (2000)
>>> Na Margem do Rio Piedra Eu Sentei e Chorei de Paulo Coelho pela Rocco (1994)
>>> Direito Societario - Desafio Atuais de Leandro Santos de Aragao pela Quartier Latin (2008)
>>> Administração Financeira de Antonio Zoratto Sanvicente pela Atlas (2007)
>>> Sem Filtro de Marcela Tavares pela Novas Paginas (2016)
>>> Manual de Obstetrícia Diagnóstico e Tratamento de Kenneth R. Niswander pela Medsi (1985)
>>> De Asas, Espelhos e Princesas de Maria Glória Barbosa pela Do Autor
>>> Centros de Mesa de Josep M. Minguet pela Decorando Con Flores (2003)
>>> Mobilização para Qualidade de Roberto Flávio de Carvalho e Silva pela Qualymark (1992)
>>> Um Coração Que Seja Puro de José Fernandes de Oliveira pela Paulus (1982)
>>> O Menino Narigudo - Sebo Tradição de Walcyr Carrasco pela Moderna (2007)
>>> Inculta & Bela de Pasquale Cipro pela Publifolha
>>> Teoria da Comunicaçao Muito Ou Poucas de Luiz C. Martino pela Atelie Editorial (2007)
>>> Os Miseráveis de Victor Hugo Adap Walcyr Carrasco pela Moderna (2012)
>>> Atherton a Casa do Poder de Patrick Carman pela Galera (2009)
>>> Telaris Biologia Caderno de Atividades 9° Ano de Sergio Linhares Fernando Gewandsznajder pela Atica
>>> Remarkably Uncommon de The Leading Hotels pela The Leading Hotels
>>> Declarnado - Se Culpado de Scott Turow pela Record (1993)
>>> Sookie Stackhouse, V. 7 - All Together Dead de Charlaine Harris pela Berkley Publishing (2008)
>>> Grammar Games de Mario Rinvolucri pela Cambridge do Brasil (1985)
>>> Alienação: Lidando Com o Problema Básico do Homem de Carrol Thompson pela Graça (1998)
>>> Papos de Anjo - 6ª de Sylvia Orthof pela Galera Junior (2014)
>>> Vento Sobre Terra Vermelha de Caio Ritter pela 8 Inverso (2012)
>>> Outros Quinhentos de Bizerril Marcelo pela Saraiva (2009)
COLUNAS

Segunda-feira, 13/11/2006
Mabsa e seu jardim de estátuas
Verônica Mambrini

+ de 6100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Às vezes a bênção vem travestida de desgraça. Há cerca de 20 anos, depois de ver quatro filhos crescidos e criados, Maria Amélia Botelho de Souza Aranha se tornou viúva. Em pouco tempo, a artista contida na mulher veio ao mundo. Não que Mabsa, como é conhecida, antes não lidasse com arte; desde a juventude estudou pintura e outras técnicas, como a iluminura - mas a mudança de estilo consolidada nas últimas duas décadas em sua obra é radical, urgente, libertadora.

Ela diz que sua arte não é mais que "os sonhos de uma criança". Na infância, brincando no zoológico que era da tradicional família de Maria Amélia, onde hoje fica o Parque da Aclimação, guardou na imaginação um estoque de imagens de animais retocados pela fantasia, capaz de alimentar ainda seu trabalho. A visita ao atelier a céu aberto da artista aconteceu a propósito da Bienal. O tema "viver junto" foi o mote para as (muitas) mostras paralelas que acontecem em São Paulo durante esse megaevento das artes visuais. Crueldade da indústria cultural, que se alimenta desses "ganchos": eventos, produtos - com interesse imediato que prenda(m) a atenção do leitor/ ouvinte/ telespectador. Triste precisar de uma Bienal para pôr em evidência o trabalho de uma artista como Mabsa. Essa mostra paralela abre ao público e a curadores o espaço de trabalho de sete artistas plásticas brasileiras, representadas internacionalmente pela crítica residente em Paris, Risoleta Cordula (as outras seis são Carmen Gebaile, Thaís Gomes, Paula Salusse, Gersony Silva, Lúcia Py e Sônia Talarico). As artistas gostaram tanto da resposta inicial do público que devem repetir a proposta ano que vem. Nessa temporada, os ateliers podem ser visitados até 30 de novembro.

Pedras Aladas
O Estúdio Pedras Aladas, em Indaiatuba, é residência e atelier de Maria Amélia. As esculturas se espalham pelo jardim e se integram às árvores e à piscina diante de um salão repleto de pinturas da artista. Com obras em museus mundo afora, é na Chácara Casa Verde Helvetia que Maria Amélia mantém a coleção pessoal. Na harmonia entre grandes espaços abertos e peças da área externa, dá para imaginar que ela recriou o jardim zoológico da infância com imagens afetivas e livres nos vôos da imaginação. No centro de um salão em que uma profusão de telas e painéis cobre as paredes, há um auto-retrato da artista, moça. A jovem bela e altiva é a única figura humana bidimensional pintada com técnica acadêmica. Em outros trabalhos, principalmente nas telas menores, as linhas humanas são castigadas e sofridas, reificadas como Picasso fazia com as "têtes de femme" pintadas em série.

Curiosamente, na escultura, a artista dá outro tratamento às formas humanas, entre as quais predominam as femininas. Jovens mulheres cheias de movimento integram conjuntos com animais ou estruturas geométricas. A seminudez e as vestes drapeadas como se cada estátua estivesse ao vento divinizam as formas. O masculino, como o homem-pássaro de uma das esculturas, aparece em formas antropozoomórficas, muitas vezes assustadoras - uma reação velada ao poder patriarcal?

Mas os animais são o assunto mais freqüente no atelier de Mabsa. Desde histórias como as de tamanduás que atacariam os desprevenidos que entrassem no mato, contadas pelo avô da artista, aos leões que existiam no zoológico do Jardim da Aclimação na época, as criações são marcadas por cores fortes e formas delicadas. Chama a atenção o conjunto de obras ao redor da piscina, com quatro peixes de pouco mais de meio metro de altura e enormes olhos saltados, lembrando criaturas abissais. Garças com o vente iluminado e leões de pedra convivem com outras formas indefiníveis, lembrando sapos e répteis.

É delicioso se perder em interpretações abertas dos possíveis significados das estátuas. Fora uma ou outra mais direta - como a pantera que ameaça subiu uma árvore, identificada por placa com uma mensagem sobre o poder -, quase todas as esculturas sugerem mais do que dizem. Há espaço para o lúdico nos macaquinhos pendurados pelas árvores, para o introspectivo e insólito de tartarugas posicionadas em lugares inesperados, para o sagrados nas cruzes e estátuas nuas. O conjunto das Pedras Aladas deixa ler uma história cheia de inferências arquetípicas. No dicionário, a palavra "imaginário" é também sinônimo de escultor, de fazedor de estátuas, além de significar o que não é real. E o trabalho de Maria Amélia, por aproximações possíveis com o surrealismo, se estabelece numa linguagem artística consolidada e mesmo datada, mas é outra abordagem lúdica, com a sutileza do olhar de criança, menos centrado nas pesadas referências sexuais cuspidas pelo inconsciente. Em vez delas, surgem com delicadeza menções ao árido e difícil mundo da opressão simbólica e das clausuras sociais, nas grades e traves presentes em várias de suas peças, e sempre com a contrapartida da cor: a cor que se sente, mais do que a cor que se vê.

Vale se deter no salão em que se concentram as pinturas. Mabsa é também uma grande colorista, e a intensidade e intenção com que escolhe sua paleta é emocionalmente próxima dos fauvistas. É ali também onde fica mais contrastante a dicotomia entre a forma humana torturada e o reino animal luminoso e exuberante. A organização das telas obedece outros critérios (muito mais decorativos e quiçá afetivos) do que uma exposição, e acaba se tornando interessante o jogo de isolar um trabalho entre tantos e depois novamente mergulhar na informação visual transbordante, confundindo os sentidos.

Para ir além
É preciso agendar as visitas por e-mail ou telefone: (11) 3031-3851. (Av. Wineson Parque, nº 135 - Chácara Casa Verde Helvétia - Indaiatuba/SP.) Até 30 de novembro.


Verônica Mambrini
São Paulo, 13/11/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A bíblia do marketing digital de Adriana Baggio
02. A descida aos subterrâneos do humano de Guilherme Conte
03. Destaques da Mostra Internacional de Cinema de Tatiana Cavalcanti
04. Fetiches de segunda mão de Rafael Lima
05. Concurso de popstars mostra novo caminho na TV de Arcano9


Mais Verônica Mambrini
Mais Acessadas de Verônica Mambrini
01. Por onde andam os homens bonitos? - 17/12/2007
02. 453 – São Paulo para gregos e troianos - 29/1/2007
03. Boas histórias — e de verdade - 28/1/2008
04. A Letras, como ela é? - 19/3/2007
05. Religião prêt-à-porter - 10/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/12/2006
22h45min
parabéns pelo seu mundo, criado, sentido e vivido ao extremo de mabsa!
[Leia outros Comentários de gabriel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Friuli Venezia Giulia - Città, Borghi, Paesi
Gianni Daffara e Licio Damiani
Magnus
(1998)



Defensores Indefensáveis 23
Keith Giffen e Outros
Panini Comics
(2015)



Essential Idioms in English
Robert James Dixson
Disal
(2007)



Teoria e Realidade - 1ª Edição - 2ª Reimpressão
Mario Bunge
Perspectiva
(2013)



Manual de Direito Processual Civil
Renato Montans de As
Saraiva
(2016)



David Coperfield
Charles Dickens
Longmans
(1961)



Machado de Assis: crônicas
Eugênio Gomes
Agir
(1963)



Humor em Pílulas
Aziz Lasmar e José Seligman
Revinter
(2001)



Dom Quixote - Livro Primeiro - Edição de Bolso
Miguel de Cervantes
L&pm Pocket
(2005)



O Último dos Moicanos
James F. Cooper
Gênios
(2005)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês