Meus Toms | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS >>> Especial Tom Jobim 80

Quarta-feira, 7/2/2007
Meus Toms
Rafael Fernandes

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Como a maioria dos brasileiros, conheci Tom Jobim pelo senso comum de canções como "Garota de Ipanema", "Dindi", "Águas de Março", etc. (mesmo que não sejam nada comuns). Nos últimos anos, tenho procurado conhecer seu cancioneiro mais a fundo, mas aos poucos, sem pressa, sorvendo cada gole musical com imenso prazer. Acho comparações entre compositores sem sentido e infrutíferas, mas se me perguntarem "Chico ou Caetano" respondo logo "Jobim". Admiro sua capacidade não apenas de ter criado músicas riquíssimas no ritmo, harmonia e melodia (como nenhum outro) que soem "fáceis" aos ouvidos, mas também o fato de ter colocado adornamentos que as enriquece, como interlúdios, passagens instrumentais, sutilezas: cada pedaço das canções é vital em sua obra, longe de ser mero detalhe sem importância. Ao contrário. Como bem descreve João Marcos Coelho, num dos bons textos sobre Jobim presentes no caderno "Cultura", do Estadão em 21 de janeiro de 2007, citando Lorenzo Mammi (autor do livro Três Canções de Jobim): "O essencial está nos detalhes". Em uma de suas obras-primas, "Luiza", por exemplo, não vejo sua beleza completa sem a introdução, o tema final ou suas contínuas e delicadas mudanças rítmicas da melodia, para ficar no óbvio. Ainda no mesmo texto, o autor define bem o que ocorre quando esse universo de minúcias é desrespeitado por outros intérpretes: "(...) os detalhes que fazem a originalidade de seu universo musical se perdem em execuções canhestras, que simplificam sua harmonia e enquadram o ritmo numa batida de muzak irritante".

Mas não vou fazer deste texto um manual jobiniano - nem tenho tal pretensão, aliás. Muito já foi falado sobre Jobim e mesmo havendo muito mais a ser dito vou deixar de lado qualquer abordagem mais ampla de sua obra para tentar entendê-la numa ótica particular, quase egoísta mesmo, de como está sendo minha imersão nesse mar jobiniano, em quatro discos, pela minha ordem cronológica: Passarim, Antônio Brasileiro, Urubu e Matita Perê.

Meu disco-chave de Tom Jobim é Passarim (1987), que me atingiu em duas fases distintas: tenho uma memória afetiva forte dele, tocou muito em minha casa no comecinho dos anos 90 e o redescobri há algum tempo; o impacto continuou forte, mas - claro - de uma maneira diferente. Tem músicas fantásticas, arranjos certeiros, a banda está afiada e cortante e gosto muito das vocalizações presentes; estas, aliás, uma das características da "Nova Banda" que acompanhou Jobim de 1984 até o fima da vida. Se por vezes esses vocais soam enjoados em outras enriquecem a música, como o final de "Bebel", um dos meus momentos favoritos. Adoro "Passarim" e "Borzeguim" e seus climas melancólico (a primeira), alegre (a segunta) e ambas "natureza-total"; "Anos Dourados" é uma beleza! E o que dizer de "Luiza"? Uma música extremamente complexa, em todos os sentidos, mas tão fácil de ouvir, com sua melancólica melodia; difícil encontrar palavras para defini-la - melhor ouvir. Outro grande destaque do disco é "Gabriela", em sua versão completa, e acho que assim atinge seu ápice - como uma história, contada com brilho, esmero e estilo. Gosto de sua variação de climas, ritmos, como ondas que vêm e vão, ora impactantes, ora discretas. Sua parte lenta é de arrepiar, um diálogo amoroso harmonica e melodicamente primoroso, estonteante, desembocando numa festa rítmica deslumbrante. Quebra Pedra!

Antônio Brasileiro (1994) foi minha segunda incursão no universo de Tom Jobim. Tive essa obra inicialmente em fita cassete (tremei, iPods!), uma versão com menos músicas que a editada em relação ao CD. Várias de suas músicas estão entre as minhas preferidas como "Meu amigo Radamés" e "Radamés y Pelé", temas instrumentais com tintas eruditas fortes e influência, claro, de Radamés Gnatalli. Gosto da versão de "Só danço samba", que une discrição, sofisticação, suingue e humor, de ruborizar os "neo-bosseiros" por aí. A famosa "Insensatez" aparece como "How insensitive", com participação do Sting; por algum motivo que não sei explicar prefiro a música na língua do Tio Sam - a melodia me soa melhor assim. A bela "Querida" foi tema de abertura da novela O dono do mundo, ilustrando musicalmente trechos do filme O Grande Ditador, de Charles Chaplin - combinou bem; uma de suas frases define bem a carreira dos grandes artistas: "Longa é a arte, tão breve a vida". "Pato preto" também está entre minhas preferidas; cita "Gabriela" e apresenta volúpia rítmica, com arranjo consistente. Já "Samba de Maria Luiza" é uma música pela qual nutro muita simpatia. Feita em homenagem à filha (que aparece criança cantando com ele, e agora - crescida - está na trilha de abertura da novela Páginas da vida) certamente não está no panteão das obras de arte do compositor, mas acho que é um belo rascunho da expressão do gênio nas pequenas coisas: é uma música simples, sem grandes pretensões, mas ainda assim com bela melodia e arranjo esperto. Outra das minhas preferidas é "Chora coração", linda, também com belo arranjo, com letra mais longa que a versão que aparece no disco Matita Perê, mas ainda acho a versão de 1973 melhor que a desse Antônio Brasileiro.

Em Urubu voltam os arranjos de Claus Ogerman, como Matita Perê de três anos antes e por causa disso voltam também os tons mais soturnos, resultando numa sonoridade agridoce. O disco abre com "Bôto", que traz temas que comporiam "Gabriela", sete anos mais tarde. Depois de um solitário berimbau, eis que surge a canção, com arranjo denso e enigmático e duo vocal com Miúcha. "Lígia" certamente entra no meu "Top 10 - Jobim"; um personagem meio mau-humorado (não gosta de nada!) e louco de amor por sua musa serve de pano de fundo para mais uma pérola do cancioneiro mundial. Me encanta como os complementos melódicos instrumentais entre as partes cantadas fazem, para mim, tão parte da música quanto a melodia principal. "Correnteza" teve boa versão de Djavan em seu disco Malásia, mas a original é melhor, mostrando mais força e consistência. "Ângela" faz jus às outras mulheres de Tom. Talvez não tão notória, é um pequeno tesouro escondido à espera de um reconhecimento à altura de sua qualidade. As quatro músicas finais são instrumentais. "Saudades do Brasil" merece o título, com sua cadência tristonha e dramática, remetendo a Villa-Lobos, e contém em sua estrutura um belíssimo coro. "Valse" é uma das minhas canções favoritas, mas curiosamente não é de Tom Jobim, e sim de seu filho Paulo. Apareceu anos depois, em 1978, no lendário disco Clube da esquina 2 com o título de "Olho d'água" e letra de Ronaldo Bastos. "Arquitetura de morar" e "O Homem" são músicas de cores fortes que encerram um dos grandes discos de Jobim, com quatro canções fantásticas e quatro temas instrumentais pungentes, cinematográficos, climáticos, que misturam doçura e vigor. Uma aula de composição e outra de arranjo.

Três anos antes de Urubu veio Matita Perê que inaugurou o trabalho de Jobim com Claus Ogerman e têm muitas características parecidas com seu sucessor. Na minha cronologia é meu companheiro mais recente; começa com um clássico - "Águas de Março", numa versão menos conhecida do que a com Elis Regina, de outro clássico disco, do ano seguinte, Elis & Tom. Considero esta uma das canções que mais perfeitamente casaram melodia, harmonia, ritmo e letra de forma tão consistente. Primorosa. Indispensável. Segue com uma Luiza menos conhecida, "Ana Luiza", não tão forte quanto a famosa, mas nem por isso deixa de ser bela. A faixa-título vem em seguida, como símbolo de uma fase de Jobim focada em temáticas da natureza e bem brasileira, principalmente nas letras. Em "Matita Perê", a música, há homenagem (explícita, colocada na contracapa do disco) a Guimarães Rosa, Carlos Drummond de Andrade e Mário Palmerio. Tenho este disco ainda em LP (não por puritanismo, apenas pelas circunstâncias) e acho que o "conceito" de dois lados faz sentido nesse caso; o Lado B é bem mais denso, melancólico, intimista que o A, com predominância de temas instrumentais. Também interessante como a arte tem mais corpo no vinil, com seu encarte em que o lado de fora é escuro e, ao abri-lo, temos uma explosão de cores. Isso tudo faz com que a experiência de audição tenha um diferencial, mas são pormenores: o que vale é a música, e é sensacional. O Lado B contém uma das minhas preferidas de Tom Jobim: "Chora coração", lindíssima com arranjo de Claus Ogerman - repito que acho essa versão muito superior à que aparece no disco Antônio Brasileiro; é a segunda parte da "suíte" "Crônica da casa assassinada", trilha sonora do filme homônimo de Paulo César Sarraceni, de 1971. Ela é a única "canção", as restantes ("Trem para Cordisburgo", "O jardim abandonado" e "Milagres e palhaços") são instrumentais, cheias de referências melódicas de "Chora coração" e com perceptível sabor de Villa-Lobos, uma das grandes influências de Jobim. Já "Rancho da nuvens" e "Nuvens douradas" me trazem um clima de saudade e melancolia, com sabor agridoce - que me agrada muito.

Como disse no início do texto, a música de Tom Jobim não é apenas de uma melodia sobre uma harmonia - ou uma harmonia sob uma melodia - acompanhada de letra e ritmo. Todos esses elementos se unem de forma sólida e homogênea num resultado consistente e colorido. Tais elementos fazem parte de uma mesma história, que é contada pela conexão indissociável deles, que respiram juntos, seus corações batem na mesma pulsação. As melodias são complexas, mas seguem uma forma tão densa que dão a impressão de serem óbvias - e não são. E há os acordes, que não são nada sem suas sutilezas melódicas e vice-versa e as sacadas e surpresas rítmicas. Como bem disse sobre Jobim outro representante único da música, Dom Salvador: "Todos devemos muito a ele. Um agradecimento eterno". E ponto final.


Rafael Fernandes
São Paulo, 7/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Suicídio, parte 2 de Marta Barcellos
02. Uma vida para James Joyce de Daniel Lopes
03. Gênio bom é gênio morto de Marta Barcellos
04. Reflexão para eleitores de Ram Rajagopal
05. Um presidente relutante de Lisandro Gaertner


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2007
01. Guinga e sua Casa de Villa - 1/8/2007
02. White Stripes, Icky Thump e a unanimidade burra - 26/12/2007
03. Scott Henderson, guitarrista fora-de-série - 21/3/2007
04. Ofício x Formato - 15/8/2007
05. Vale ouvir - 23/5/2007


Mais Especial Tom Jobim 80
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
12h49min
Cara, os detalhes de sua análise sobre a produção musical de Tom foram muito precisos. Adorei! Li outros textos sobre o Tom, no DC, que abordaram também outros aspectos, bastante interessantes. Engraçado, cada um "pega" por um lado. Parabéns! Adriana PS: URUBU é maravilhoso!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês