Wikipedia: fama e anonimato | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> FLIP 2006 IV
>>> Como você vê a internet?
>>> Inimigos da política
>>> God save the newspapers!
>>> O homem visto do alto
>>> O homem visto do alto
>>> A quinta temporada de Lost
>>> Os primeiros volumes da Penguin Companhia
>>> Uma História do Mercado Livre
Mais Recentes
>>> Manual de Direito Penal Parte Geral (Arts. 1º ao 120) - Volume Único de Rogério Sanches Cunha pela JusPODIVM (2017)
>>> Quatro-olhos e um Sorriso Metálico de Thomas Brezina pela Ática (2006)
>>> O Destino de Perseu - Série Aventuras Mitológicas de Luiz Galdino pela Ftd (1999)
>>> A Perseguição de Sidney Sheldon pela Record (1994)
>>> Muito Barulho por Nada - Série Reencontro de William Shakespeare Adap Leonardo Chianca pela Scipione (2006)
>>> The Picture of Dorian Gray - Level 4 de Oscar Wilde pela Penguin (2008)
>>> The Diary of a Young Girl - Level 4 de Anne Frank pela Penguin (2008)
>>> O Mundo de Crestomanci Vida Encantada de Diana Wynnejones pela Geração (2001)
>>> Três Mistérios: Série Clássicos Juvenis Três por Três de Lelis; Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual Didáticos (2009)
>>> Crepúsculo de Stephenie Meyer; Ryta Vinagre pela Intrinseca (2008)
>>> Cinquenta Tons de Cinza de E L James; Adalgisa Campos da Silva pela Intrinseca (2012)
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas - Texto Integral de Machado de Assis pela Ftd (2010)
>>> Healing Grief de James Van Praagh pela New American Library (2000)
>>> Enquanto o Papa Silenciava de Alexander Ramati pela Clube do Livro (1985)
>>> Onde Andara Dulce Veiga? de Caio Fernando Abreu pela Cia das Letras (1990)
>>> Arte e Manhas da Seducão de Marion V Penteado pela Saraiva (1993)
>>> Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos de Rubem Fonseca pela Cia das Letras (1988)
>>> A Revolução do Silêncio de Mario Benevides pela Design (2007)
>>> Persian Painting de Sheila R. Canby pela British Museum Press (2008)
>>> Edmund Dulac de Colin White pela Cassel & Collier Macmillian Publishers (1976)
>>> Dominando a Técnica do Esboço - Curso completo em 40 lições de Judy Martin pela Martin Fontes (2014)
>>> The Mysterious Affair At Styles (Poirot's First Case) c/CD de Agatha Christie pela Collins (2012)
>>> Marvellous to Behold: Miracles in Illuminated Manuscripts de Deirdre Jackson pela The British Library (2007)
>>> Muder in Mesopotamia (em inglês) de Agatha Christie pela Harper Collins (2016)
>>> The Fine Art of Chinese Brush Painting de Walter Chen pela Sterling Publishing (2006)
COLUNAS >>> Especial Wikipedia

Quinta-feira, 3/5/2007
Wikipedia: fama e anonimato
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5000 Acessos

Na edição do mês de abril, a revista Piauí trouxe em seu primeiro texto uma piada acerca do novo ministério do Governo Lula. Para resumir a piada, e mesmo porque eu acho que o artigo em questão é imperdível, o jornalista Marcos Sá Correa assinala: "a Wikipedia foi a melhor fonte de informações sobre o que não acontece no ministério do presidente Lula" - isso porque o texto na Enciclopédia Livre está carente de dados. O texto de Marcos Sá Correa apareceu num mês particularmente complicado para a Wikipedia. Se esta crônica fosse um texto de media criticism, arriscaria a seguinte análise: a grande imprensa, da Folha de S.Paulo à revista Carta Capital, passando pelo O Estado de S.Paulo, foi unânime em chancelar a mesma crítica à Enciclopédia Livre: faltaria, segundo os críticos, métodos que assegurassem que as informações veiculadas pela Wikipedia fossem confiáveis. E o caso ganhou novas dimensões quando descobriu-se que um dos editores não era um especialista em religião, como aclamava ser, mas, sim, um estudante, que participava do site como Teólogo - tendo, inclusive, escrito inúmeros textos sobre o referido tema. Com efeito, erros e imprecisões são, infelizmente, uma praga comum não só na internet, mas, também, nos jornais. Qual seria, então, o grande problema com a Wikipedia? Para tentar responder a questão a conteto, vou precisar de mais alguns parágrafos. Confira-os logo a seguir.

A princípio, é fundamental louvar os princípios fundadores da Wikipedia. Afinal de contas, é a prova maior do alcance e do poder da internet, uma vez que a página pode, com efeito, disseminar o conhecimento entre os internautas em geral, e para os seus freqüentadores, em específico. O leitor que quiser, por exemplo, conhecer mais acerca do escritor norte-americano John Cheever tem uma bela oportunidade com a Wikipedia. Assim como os interessados em descobrir a trajetória do jornalista inglês Cristopher Hitchens têm à sua disposição o referido verbete no site. Mas a Wikipedia não pára por aí. Com efeito, o leitor que se considerar apto para tanto também consegue, para além de conferir no texto de Hitchens e a bibliografia de Cheever, colaborar para com a enciclopédia. Daí, talvez, a origem de seu grande mote: a enciclopédia livre. Uma vez que você se considerar capaz, é possível ampliar os verbetes de seu interesse/área de atuação; portanto, cada leitor "é potencial colaborador do projeto". As aspas referem-se a um texto da própria Enciclopédia. É um princípio magnífico, pois sim. Entretanto, algumas de suas peculiaridades não têm sido contempladas e o que era para ser um projeto de divulgação do conhecimento tem se transformado em uma triste comédia de erros disponível em dez idiomas.

Por questões de espaço e, também, pela natureza deste texto - que não é de um enciclopedista, mas de um generalista como os editores da própria enciclopédia livre -, pode-se resumir em dois os elementos que descaracterizam o projeto original da Wikipedia. Fama e anonimato. Parece título de livro de jornalista norte-americano, mas, em verdade, essas duas palavras mágicas explicam e dão contundência à teoria desconstrucionista da Wikipedia - calma, calma, não é uma tese -, justamente porque elucidam um fenômeno bastante comum no que tange o livre-pensar e, mais do que isso, o andamento das idéias em terra brasilis. Pois, de um lado, vivemos em uma época que é mais fácil adotar as idéias prontas, ainda que elas sejam fora do lugar, a buscar originalidade em qualquer coisa que seja. Assim, num momento em que os intelectuais se silenciam, a choldra vê o BBB, e os escritores vão passear com dinheiro público, a regra é simples: copiar, colar. De outro lado, como sói ao pós-modernismo livre-cátedra, as referências já pertencem a um discurso mais ou menos comum. Paulo Francis escreveu, no início do Cabeça de Papel: "não reconhecemos mais Drummond". E é verdade. As pessoas não mais se recordam de suas referências. Nesse sentido, se o Saber está morto, tudo é permitido (essa você pode consultar lá, leitor)

Mas, afinal, onde é que está a relação entre fama e anonimato e a Wikipedia? Pois bem. Nada mais simples do que o seguinte teorema. Em busca da fama, estão os colaboradores, os escribas que, grosso modo, padecem da falta de superego e decidem, por que não?, escrever uma Enciclopédia! Tudo estaria OK se, e atenção para essa condição, outros tantos anônimos não levassem isso tão a sério. Como tão a sério? A ponto de copiar trechos inteiros de verbetes e reproduzi-los não só em posts de blogs e/ou artigos de jornais, mas, também, em trabalhos ditos científicos, monografias, dissertações e teses. Os bárbaros chegaram, enfim. Agora, além de não reconhecerem Drummond, não mais sabem distinguir o significado das coisas, porque consultam tão somente na Wikipedia. E acreditam que está tudo certo se pararem por ali. Uma lástima, portanto.

É certo que nem todos os colaboradores da Wikipedia são falsários, assim como nem todos os seus usuários fraudadores intelectuais. O problema da Wikipedia não está em seu princípio, mas, como acontece com o Google, do uso que se faz dela. E é sobre isso que deve existir uma reflexão. Por enquanto, aos mais exaltados, pede-se parcimônia e um pouco de coerência. Se é correto afirmar que a Wikipedia possui informações relevantes sobre os mais diversos conteúdos, sobretudo porque seus colaboradores são pessoas que têm informação atual e podem repelir aquilo que estiver errado, também é justo considerar algo muito simples: a checagem das informações/verbetes em outras fontes, outras enciclopédias (elas existem, pessoal!). Do contrário, sou levado a crer, de acordo com a leitura da Piauí, que, se não está na Wikipedia, não existe...


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 3/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poética e política no Pântano de Dolhnikoff de Jardel Dias Cavalcanti
02. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
03. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
04. Abdominal terceirizado - a fronteira de Marta Barcellos
05. Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte II) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Desonra, por J.M. Coetzee - 21/12/2004
03. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
04. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
05. Teoria da Conspiração - 10/2/2004


Mais Especial Wikipedia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Exército Iluminado
David Toscana (2ª Edição)
Casa da Palavra
(2012)



Los Panamericanos En Rojo!
Luis Scheker Ortiz
Punto Mágico (república Domin
(2003)



A Saga do Planejamento Familiar no Brasil
Helio Aguinaga
Top Books (rj)
(1994)



A Arte de Michelangelo
Nathaniel Harris
Ao Livro Técnico
(1994)



Artigo & Crase
Maria Aparecida Baccega
Atica
(1989)



Tensões Mundiais: Revista do Observatório das Nacionalidades
Observatório das Nacionalidades Vol 3e Nº 4
Observatório das Nacionalidade
(2007)



Casais Inteligentes Enriquecem Juntos: Finanças para Casais
Gustavo Cerbasi
Gente
(2004)



Memórias de um Assoviador
Eduardo Alves da Costa
Schmukler
(1994)



Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim...
Paulo Sergio Valle
Litteris
(2008)



The Basic Writings of C. G. Jung
Violet Staub de Laszlo (edição de 1959)
The Modern Library
(1959)





busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês