HQ: Estórias Gerais | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/2/2008
HQ: Estórias Gerais
Guga Schultze

+ de 5400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Flavio Colin (1930-2002) foi um desenhista brasileiro que entra tranqüilamente para o rol dos grandes mestres do quadrinho mundial. Sem ufanismo, ou coisa parecida, ele desenhava quadrinhos como poucos no mundo.

A arte do desenho, nos quadrinhos, obedece, em primeiro lugar, a uma função narrativa, e é por aí que deve ser apreciada. No quadrinho o desenhista está, basicamente, tentando contar uma história, e é sempre desejável que consiga criar um estilo gráfico, uma "assinatura" que permita manter coeso o universo que ele cria, muitas vezes do nada.

Há uma diferença entre a gente apreciar um único desenho, isolado numa ilustração ou numa moldura na parede e apreciar uma seqüência de desenhos ordenados, cujo objetivo é contar uma história qualquer. Um bom quadrinista sabe disso e usa seu talento em função de uma clareza narrativa, de estabelecer o "clima" gráfico da história em que está trabalhando. Nada impede, entretanto, de que existam ali vários quadros dignos de uma parede nas galerias de arte.

Colin simplifica seu desenho como um artista zen. Consegue um máximo de expressividade com poucas linhas. Usa, geralmente, traços grossos e, apesar de criar personagens deliciosamente monstruosos ou "grosseiros" com bastante freqüência e sem preciosismos, seu traço é fluido, sofisticado e altamente elaborado. Para qualquer um que tenha um mínimo de talento artístico, é um desenho relativamente fácil de "copiar", mas é também inimitável.

Colin tem o controle absoluto do que pretende transmitir: desde uma cena de ação extremamente vívida a um clima de desolada calma e solidão. Quem já tentou desenhar essas coisas sabe a dificuldade que isso representa. É onde um mestre se revela; e Colin é um mestre do pincel, do claro-escuro, beirando a caricatura e a estilização que só uma inteligência gráfica, um poder de observação acurado, conseguem compor.

Pertence à mesma "família" dos grandes mestres do preto-e-branco como Milton Canniff (influência admitida por Colin), Jack Kirby, Mike Mignola, Will Eisner, Hugo Pratt, Jesse Marsh e alguns outros mas, como todos estes, desenvolveu sua própria "assinatura", tão pessoal que é imediatamente reconhecido à primeira vista.

Colin foi também profundamente "brasileiro", num sentido que me espanta, por não possuir os clássicos sintomas de um ufanismo besta, o qual a gente aprendeu, à duras penas, descartar. O Brasil de Colin é belo, profundo, popular e culturalmente rico e ― não sei que outra palavra poderia usar aqui ― genuíno. O Brasil, nos traços de Colin, tem aquela identidade admirável que a gente gostaria de carregar ― por que não? ― com certo orgulho.

A história em quadrinhos está intimamente relacionada com o cinema e, como este, também se baseia num bom roteiro para funcionar. Um roteiro é praticamente o cerne de uma boa HQ. É o que a justifica e, na maior parte das vezes, o que a origina.

No final dos anos noventa, Wellington Srbek, um jovem editor, escritor, ensaísta, roteirista e desenhista mineiro de quadrinhos, estava finalizando seu roteiro, Estórias Gerais (Conrad, 2007, 152 págs.), uma saga sertaneja, um western nacional, nos moldes de Grande Sertão: Veredas.

Wellington descobriu a riqueza cultural do sertão brasileiro e escreveu sua própria versão, com todos aqueles elementos que já estavam lá e que Guimarães Rosa trouxe à tona no seu épico. Contratou Flavio Colin para desenhá-la.

Eu conhecia o Wellington das minhas andanças pelos quadrinhos e acompanhei um pouco o trabalho admirável que ele teve com Estórias Gerais. Tornou-se amigo de Flavio Colin, além de ter pago religiosamente cada desenho enviado, dando ao velho mestre uma satisfação rara, conforme este revelou depois. Colin, inclusive, escreveu ao amigo, agradecendo a pontualidade, o que lhe permitiu trabalhar na história, sem tropeços.

O roteiro de Srbek se encaixou à perfeição com a arte de Colin, ou vice-versa. Wellington já possuia a experiência necessária como produtor de quadrinhos para intuir certeiramente que seu roteiro necessitava ninguém menos que Flavio Colin para desenhá-lo. O álbum, Estórias Gerais, foi finalizado em 1998, teve sua primeira edição três anos depois e foi posteriormente relançado em 2007.

Transcrevo a seguir a carta que escrevi pro Wellington, uma apreciação minha, daquela época, e da qual ele, gentilmente, me enviou uma cópia, já que eu havia perdido a original:

Caro amigo Srbek,

fiquei meio com medo de escrever qualquer coisa sobre ESTÓRIAS GERAIS porque podia dar errado... o álbum é bom demais, a gente se atrapalha nos elogios e pode ficar o dito pelo não dito. Mas aí me veio uma solução prática: sua HQ despertou os meus sentimentos pátrios (sic) e, resumindo, é disso que eu trato. Bão. Aí vai...

Em princípio, o nome Brasil, com seu pau (êpa) oculto e extinto, me recorda o país irreal da escola e dos livros delirantes de Educação Moral & Cívica, onde o Brasil é um país continental, seus filhos o amam incontinentes e promovem incontáveis demonstrações espontâneas de um afeto que se encerra em peitos juvenis. A cor do céu era, oficialmente, azul anil. Havia hinos, que eram belos, e havia crianças enfileiradas no pátio das escolas primárias, que cantavam em coro e saudavam a bandeira nas cerimônias diárias que antecediam a entrada nas salas de aula.

"Salve lindo pendão da esperança" ― alguns meninos, incorrendo numa espécie de pecado cuidadosamente compartilhado, cantavam "peidão", provocando risadas. Outros, tocados talvez pela beleza da música, não apreciavam tanto a brincadeira.

Esse Brasil, com seu sentimento pátrio pairando nos pátios de milhares de grupos escolares foi, merecidamente, esquecido. Na ocasião, crianças ainda, já sentíamos o disfarçado ridículo de um ufanismo que não nos pertencia, e os anos seguintes vieram consolidar o vazio ― se é que isso é possível ― na medida em que "pátria" virou uma coisa de militar. Parti, eu e toda uma geração, para paragens mais amenas, "psicodélicas", onde a brisa era música constante, quase sempre em inglês, os campos prometiam a eternidade em morangos (mas só se achava cogumelos) e, frente à dureza geral, repetia-se o mantra "paz e amor" que em português corrente significava "me deixa em paz".

No entanto, uma outra memória persiste. Esquivando-se de análise ou consciência, permanece numa espécie de limbo e de lá envia, de vez em quando, sinais de vida. É quando o nome Brasil ganha outro significado. Vem da época em que se ouvia no rádio as aventuras de Jerônimo, o herói do sertão e do Moleque Saci. Da época em que se lia, pela primeira vez, as Reinações de Narizinho, Caçadas de Pedrinho, O Saci, Memórias da Emília. Ou lia-se, em quadrinhos, as aventuras d'O Anjo, Pererê, Negrim. Esse era um Brasil bem grande, misterioso, em cuja extensão cabiam seus verdadeiros milhões de quilômetros quadrados e seu povo heróico, de brado retumbante.

Ele está de novo presente nas páginas dessas ESTÓRIAS GERAIS (Wellington Srbek & Flavio Colin), um épico sertanejo (uma saga mesmo, não uma palhaçada tipo Marvel), que, além do inspirado roteiro e excelência gráfica, dá continuidade a essa corrente mnemônica que, em suma, alimenta nosso amor por esse país.


Sim, porque uma HQ como Estórias Gerais, além de ser um dos últimos trabalhos de Flavio Colin (provavelmente seu último trabalho mais extenso) e de ser uma excelente história, é também um caso de amor por este país.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 27/2/2008


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2008
10h20min
Muito sensível e bem fundamentado seu texto sobre Flávio Colin, o qual não conhecia. Foi a primeira vez que senti em suas palavras, Guga, um amor genuíno pelo Brasil, uma nostalgia de um tempo que perdemos por aí. Sua carta a Wellington nos leva a pensar e a tentar entender uma certa época, um certo Brasil. Sinceramente, deu vontade de conhecer o trabalho desse cara e suas estórias gerais. BJ.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
4/3/2008
12h34min
Sempre me delicio com a maneira pela qual o Guga nos apresenta busca um aspecto tradicionalmente mais marginal da cultura (como os quadrinhos) e o recoloca no centro da apreciação artística. Foi o que fez com o Pequeno Príncipe, numa das colunas aqui no DC. Às vezes ele faz o contrário, marginaliza o que normalmente está bem centrado no coração da concepção cotidiana de cultura. Foi o que fez com o Dom Quixote. Obrigado, Guga, por nos fazer ver as coisas de modos diferentes!
[Leia outros Comentários de Luisa Linhares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUNDOS ALÉM DO HORIZONTE
JOACHIM G. LEITHAUSER
CIA. NACIONAL
(1959)
R$ 11,00



BOTTLE FACTORY OUTING
BERYL BAINBRIDGE
PENGUIN UK
(1995)
R$ 10,00



BRASIL SÍNTESE DA EVOLUÇÃO SOCIAL
ALUYSIO SAMPAIO
HUCITEC
(1974)
R$ 8,49



ESCRITOS DE GREGÓRIO DE MATOS
HIGINO BARROS (SELEÇÃO E NOTAS)
L&PM
(1986)
R$ 8,91



POMPOAR - A ARTE DE AMAR
STELLA ALVES
MADRAS
(2002)
R$ 12,00



VIAGEM PELA MENTE DE UM MUÇULMANO
HASSAN HATHOUT
AMERICAN TRUST PUBLICATIONS
(1997)
R$ 12,00



EL MITO DE LA GLOBALIZACION NEOLIBERAL: DESAFIOS Y RESPUESTAS
INICIATIVA AUTOGESTIONARIA
ACC CULTURAL CRISTIANA (MADRI)
(1999)
R$ 39,28



O ARQUITETO E AS LEIS MANUAL JURIDICO PARA ARQUITETOS
JORGE KONIGSBERGER E LIZIA MANHAES DE ALMEIDA
PINI
(2003)
R$ 69,00



CURSO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL
SERGIO SHIMURA/ANSELMO PRIETO ALVAREZ
MÉTODO
(2013)
R$ 33,76



DICIONÁRIO DE PERSONALIDADES PORTUENSES DO SÉCULO 20 CAPA PRATA
GERMANO SILVA E LUÍS MIGUEL DUARTE
PORTO
(2001)
R$ 327,00





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês