HQ: Estórias Gerais | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Bibliotecas públicas, escolares e particulares
>>> O Vendedor de Passados
>>> Entre a crise e o espectro do humor a favor
>>> Dicas para a criação de personagens na ficção
>>> Tiros, Pedras e Ocupação na USP
>>> Oficina de conto na AIC
>>> Crônica em sustenido
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus
Mais Recentes
>>> A comunicação com além de Rubens B. Figueiredo pela Fase (1982)
>>> Darkness at Noon de Arthur Koestler pela The Macmillan Company (1946)
>>> Cartas Esotericas de Vandeto pela Pensamento
>>> Le Langage Secret des Symboles de David Fontana pela Solar (1993)
>>> From Bethlehem to Calvary de Alice A. Bailey pela Lucis Publishing (1937)
>>> Methodologies of Hypnosis de Peter W. Sheehan pela Lea (1976)
>>> La vida Interna de C.W. Leadbeater pela Glem (1958)
>>> Madru o filho das Estrelas de Frederik Hetmann pela Circulo do Livro (1984)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> História das Religiões de Charles Francis Potter pela Universitária (1944)
>>> Faca sem Ponta, Galinha sem Pé de Ruth Rocha pela Nova Fronteira (1983)
>>> Diccionario de Astrologia de Nicolás de Vore pela Argos S.A. (1951)
>>> Ramsés - o Filho da Luz de Christian Jacq pela Berttrand Brasil (1999)
>>> O Reino dos Deuses de Geoffrey Hoddson pela Feeu (1967)
>>> Introdução ao Estudo do Novo Testamento Grego de William Carey Taylor pela Juerp (1966)
>>> São José de Anchieta de Gabriel Romeiro e Guilherme Cunha Pinto pela Círculo do Livro S.A. (1978)
>>> Na terra da Grande Imagem de Mauricio Collis pela Civilização - Porto (1944)
>>> Oito Syntheses Doutrinarias de Vários pela Roland Rohe (1929)
>>> O Livro do Juízo Final de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1976)
>>> Vietnam a Guerrilha Vista por Dentro de Wilfred G. Burchett pela Record (1968)
>>> O Papa e o Concílio de Janus pela Elos
>>> Cristianismo Rosacruz ( Em 02 volumes) de Max Heindel pela Kier (1913)
>>> A Grande pirâmide revela seu segredo de Roselis Von Sass pela Ordem do Graal na Terra (1972)
>>> Obras Interpretação Sintética do Apocalipse de Cairbar Schutel pela O Clarim (1943)
>>> Poesias Completas de Mário de Andrade pela Martins (1974)
>>> As Cruzadas - Livro 1 - a Caminho de Jerusalém de Jan Guillou pela Berttrand Brasil (2006)
>>> O Romance da Astrologia ( Em 03 volumes) de Omar Cardoso pela Iracema
>>> A Grande Caçada de Robert Jordan pela Intrinseca (2014)
>>> Livro Vermelho dos Pensamentos de Millôr de Millôr Fernandes pela Nordica (1974)
>>> Outra Você de Newton Tornaghi pela Rio de Janeiro (1977)
>>> Emagreça Comendo de Dr. Lair Ribeiro pela Objetiva (1993)
>>> Rosa e Lotus Invocações Espirituais de Molinero Yogakrisnanda pela Mandala
>>> Fim dos Tempos de Omar Cardoso pela Artenova (1975)
>>> magia y Sacrificio en la historia de las Religiones de H. Hubert y M. Mauss pela Lautaro (1946)
>>> Apenas uma Sombra de Mulher de Fernando do Ó pela Federação Espírita Brasileira (1950)
>>> Quando tudo falha de Rodolpho Belz pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> O Capataz de Salema / Antônio Conselheiro / Marechal, Boi de Carro de Joaquim Cardozo pela Agir/MEC (1975)
>>> La Isla Magia de W.B. Seabrook pela Cenit S.A. (1930)
>>> Un Nuevo Modelo Del Universo de Pedro Ouspensky pela Sol (1950)
>>> La Puerta ( Egipto) de Vários pela Obelisco (1990)
>>> Arpas Eternas (Em 03 volumes) de Hilarion de Monte Nebo pela Fraternidad Cristiana (1952)
>>> Muitas vidas muitos Mestres de Brian L. Weiss M.D. pela Salamandra (1991)
>>> O Sentido da Vida de Valfredo Tepe pela Mensageiro da Fé Ltda (1971)
>>> A aurora cósmica de Eric Chaisson pela Francisco Alves (1984)
>>> Deus Fala a seus Filhos de Elenore Beck pela Verbo Divino (1993)
>>> Encontro com a Alma Gêmea de Paulo Kronemberger pela Novo Milênio (1993)
>>> The Reincarnation Workbook de J.H. Brennan pela The Aquarian Press (1989)
>>> A Granja do Silêncio de Paul Bodier pela Federação Espírita Brasileira
>>> Os Astros Governam nossa Vida de Perpétuo Horário pela Pensamento
>>> La vida de Buda de A. Ferdinand Herold pela Lautaro (1944)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/2/2008
HQ: Estórias Gerais
Guga Schultze

+ de 5300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Flavio Colin (1930-2002) foi um desenhista brasileiro que entra tranqüilamente para o rol dos grandes mestres do quadrinho mundial. Sem ufanismo, ou coisa parecida, ele desenhava quadrinhos como poucos no mundo.

A arte do desenho, nos quadrinhos, obedece, em primeiro lugar, a uma função narrativa, e é por aí que deve ser apreciada. No quadrinho o desenhista está, basicamente, tentando contar uma história, e é sempre desejável que consiga criar um estilo gráfico, uma "assinatura" que permita manter coeso o universo que ele cria, muitas vezes do nada.

Há uma diferença entre a gente apreciar um único desenho, isolado numa ilustração ou numa moldura na parede e apreciar uma seqüência de desenhos ordenados, cujo objetivo é contar uma história qualquer. Um bom quadrinista sabe disso e usa seu talento em função de uma clareza narrativa, de estabelecer o "clima" gráfico da história em que está trabalhando. Nada impede, entretanto, de que existam ali vários quadros dignos de uma parede nas galerias de arte.

Colin simplifica seu desenho como um artista zen. Consegue um máximo de expressividade com poucas linhas. Usa, geralmente, traços grossos e, apesar de criar personagens deliciosamente monstruosos ou "grosseiros" com bastante freqüência e sem preciosismos, seu traço é fluido, sofisticado e altamente elaborado. Para qualquer um que tenha um mínimo de talento artístico, é um desenho relativamente fácil de "copiar", mas é também inimitável.

Colin tem o controle absoluto do que pretende transmitir: desde uma cena de ação extremamente vívida a um clima de desolada calma e solidão. Quem já tentou desenhar essas coisas sabe a dificuldade que isso representa. É onde um mestre se revela; e Colin é um mestre do pincel, do claro-escuro, beirando a caricatura e a estilização que só uma inteligência gráfica, um poder de observação acurado, conseguem compor.

Pertence à mesma "família" dos grandes mestres do preto-e-branco como Milton Canniff (influência admitida por Colin), Jack Kirby, Mike Mignola, Will Eisner, Hugo Pratt, Jesse Marsh e alguns outros mas, como todos estes, desenvolveu sua própria "assinatura", tão pessoal que é imediatamente reconhecido à primeira vista.

Colin foi também profundamente "brasileiro", num sentido que me espanta, por não possuir os clássicos sintomas de um ufanismo besta, o qual a gente aprendeu, à duras penas, descartar. O Brasil de Colin é belo, profundo, popular e culturalmente rico e ― não sei que outra palavra poderia usar aqui ― genuíno. O Brasil, nos traços de Colin, tem aquela identidade admirável que a gente gostaria de carregar ― por que não? ― com certo orgulho.

A história em quadrinhos está intimamente relacionada com o cinema e, como este, também se baseia num bom roteiro para funcionar. Um roteiro é praticamente o cerne de uma boa HQ. É o que a justifica e, na maior parte das vezes, o que a origina.

No final dos anos noventa, Wellington Srbek, um jovem editor, escritor, ensaísta, roteirista e desenhista mineiro de quadrinhos, estava finalizando seu roteiro, Estórias Gerais (Conrad, 2007, 152 págs.), uma saga sertaneja, um western nacional, nos moldes de Grande Sertão: Veredas.

Wellington descobriu a riqueza cultural do sertão brasileiro e escreveu sua própria versão, com todos aqueles elementos que já estavam lá e que Guimarães Rosa trouxe à tona no seu épico. Contratou Flavio Colin para desenhá-la.

Eu conhecia o Wellington das minhas andanças pelos quadrinhos e acompanhei um pouco o trabalho admirável que ele teve com Estórias Gerais. Tornou-se amigo de Flavio Colin, além de ter pago religiosamente cada desenho enviado, dando ao velho mestre uma satisfação rara, conforme este revelou depois. Colin, inclusive, escreveu ao amigo, agradecendo a pontualidade, o que lhe permitiu trabalhar na história, sem tropeços.

O roteiro de Srbek se encaixou à perfeição com a arte de Colin, ou vice-versa. Wellington já possuia a experiência necessária como produtor de quadrinhos para intuir certeiramente que seu roteiro necessitava ninguém menos que Flavio Colin para desenhá-lo. O álbum, Estórias Gerais, foi finalizado em 1998, teve sua primeira edição três anos depois e foi posteriormente relançado em 2007.

Transcrevo a seguir a carta que escrevi pro Wellington, uma apreciação minha, daquela época, e da qual ele, gentilmente, me enviou uma cópia, já que eu havia perdido a original:

Caro amigo Srbek,

fiquei meio com medo de escrever qualquer coisa sobre ESTÓRIAS GERAIS porque podia dar errado... o álbum é bom demais, a gente se atrapalha nos elogios e pode ficar o dito pelo não dito. Mas aí me veio uma solução prática: sua HQ despertou os meus sentimentos pátrios (sic) e, resumindo, é disso que eu trato. Bão. Aí vai...

Em princípio, o nome Brasil, com seu pau (êpa) oculto e extinto, me recorda o país irreal da escola e dos livros delirantes de Educação Moral & Cívica, onde o Brasil é um país continental, seus filhos o amam incontinentes e promovem incontáveis demonstrações espontâneas de um afeto que se encerra em peitos juvenis. A cor do céu era, oficialmente, azul anil. Havia hinos, que eram belos, e havia crianças enfileiradas no pátio das escolas primárias, que cantavam em coro e saudavam a bandeira nas cerimônias diárias que antecediam a entrada nas salas de aula.

"Salve lindo pendão da esperança" ― alguns meninos, incorrendo numa espécie de pecado cuidadosamente compartilhado, cantavam "peidão", provocando risadas. Outros, tocados talvez pela beleza da música, não apreciavam tanto a brincadeira.

Esse Brasil, com seu sentimento pátrio pairando nos pátios de milhares de grupos escolares foi, merecidamente, esquecido. Na ocasião, crianças ainda, já sentíamos o disfarçado ridículo de um ufanismo que não nos pertencia, e os anos seguintes vieram consolidar o vazio ― se é que isso é possível ― na medida em que "pátria" virou uma coisa de militar. Parti, eu e toda uma geração, para paragens mais amenas, "psicodélicas", onde a brisa era música constante, quase sempre em inglês, os campos prometiam a eternidade em morangos (mas só se achava cogumelos) e, frente à dureza geral, repetia-se o mantra "paz e amor" que em português corrente significava "me deixa em paz".

No entanto, uma outra memória persiste. Esquivando-se de análise ou consciência, permanece numa espécie de limbo e de lá envia, de vez em quando, sinais de vida. É quando o nome Brasil ganha outro significado. Vem da época em que se ouvia no rádio as aventuras de Jerônimo, o herói do sertão e do Moleque Saci. Da época em que se lia, pela primeira vez, as Reinações de Narizinho, Caçadas de Pedrinho, O Saci, Memórias da Emília. Ou lia-se, em quadrinhos, as aventuras d'O Anjo, Pererê, Negrim. Esse era um Brasil bem grande, misterioso, em cuja extensão cabiam seus verdadeiros milhões de quilômetros quadrados e seu povo heróico, de brado retumbante.

Ele está de novo presente nas páginas dessas ESTÓRIAS GERAIS (Wellington Srbek & Flavio Colin), um épico sertanejo (uma saga mesmo, não uma palhaçada tipo Marvel), que, além do inspirado roteiro e excelência gráfica, dá continuidade a essa corrente mnemônica que, em suma, alimenta nosso amor por esse país.


Sim, porque uma HQ como Estórias Gerais, além de ser um dos últimos trabalhos de Flavio Colin (provavelmente seu último trabalho mais extenso) e de ser uma excelente história, é também um caso de amor por este país.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 27/2/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
02. Livros, brinquedos, bichos de estimação e imagens de Marcelo Spalding
03. Ninguém segura Lady Macbeth de Tais Laporta
04. Ler ao acaso de Arcano9
05. Pense no que vai engolir de Vera Moreira


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2008
10h20min
Muito sensível e bem fundamentado seu texto sobre Flávio Colin, o qual não conhecia. Foi a primeira vez que senti em suas palavras, Guga, um amor genuíno pelo Brasil, uma nostalgia de um tempo que perdemos por aí. Sua carta a Wellington nos leva a pensar e a tentar entender uma certa época, um certo Brasil. Sinceramente, deu vontade de conhecer o trabalho desse cara e suas estórias gerais. BJ.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
4/3/2008
12h34min
Sempre me delicio com a maneira pela qual o Guga nos apresenta busca um aspecto tradicionalmente mais marginal da cultura (como os quadrinhos) e o recoloca no centro da apreciação artística. Foi o que fez com o Pequeno Príncipe, numa das colunas aqui no DC. Às vezes ele faz o contrário, marginaliza o que normalmente está bem centrado no coração da concepção cotidiana de cultura. Foi o que fez com o Dom Quixote. Obrigado, Guga, por nos fazer ver as coisas de modos diferentes!
[Leia outros Comentários de Luisa Linhares]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIÇÕES DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL-VOL. 3
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMENJURIS
(2002)
R$ 41,31
+ frete grátis



CANÇÃO PARA DÉBORA
LUCI GUIMARÃES WATANABE
FTD
(1990)
R$ 8,00



A CALDEIRA DO DIABO
GRACE METALIOUS
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 4,10



DISCURSO DO MÉTODO - SÉRIE L&PM CLÁSSICOS
DESCARTES
L&PM
(2013)
R$ 18,82



LUZIA HOMEM
DOMINGOS OLIMPIO
ATICA
(1978)
R$ 6,00



NAS PROFUNDEZAS DO MAR SEM FIM
JACQUELYN MITCHARD
ROCCO
(1998)
R$ 9,90



CONSENSO E CONFLITO: EDUCAÇÃO FÍSICA BRASILEIRA 2ª EDIÇÃO
VITOR MARINHO
SHAPE (RJ)
(2005)
R$ 28,82



ENQUANTO A CHUVA CAÍA
CHRISTINE M (M)
NOVO CONCEITO
(2014)
R$ 17,00



A HOLANDA NO TEMPO DE REMBRANDT
PAUL ZUMTHOR
COMPANHIA DAS LETRAS
(1989)
R$ 15,00



PROJETO ÁPIS : LÍNGUA PORTUGUESA 5
VARIOS
ATICA
(2017)
R$ 154,00





busca | avançada
41731 visitas/dia
1,1 milhão/mês