Deus & Filhos Cia. Ltda. | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Quinta-feira, 6/3/2008
Deus & Filhos Cia. Ltda.
Adriana Baggio

+ de 7900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Minha família descende dos italianos que pediam a Deus uma terra sem fome nem frio para morar. O melhor que conseguiram foi vir para o Brasil em 1878. Deveriam ter ficado em Morretes, no litoral do Paraná, mas não se adaptaram ao calor. Subiram para Curitiba sem saber que, um século depois, seus tetranetos fariam o caminho contrário nos finais de semana, para comer barreado às margens do rio Nhundiaquara.

Acho que antes mesmo de construírem um abrigo para se proteger da geada, os italianos devem ter organizado um lugar que pudesse servir como igreja. Na parede de um restaurante de Santa Felicidade, o bairro que chegou em um navio, uma foto de 1908 mostra colonos posando em frente à imponente igreja em construção, com a nave pronta mas a torre ainda pela metade. 30 anos depois de chegarem aqui, provavelmente ainda não tinham lindas casas ou belas roupas, mas a igreja já tinha o porte de sua fé.

Portanto, é natural que eu acredite em Deus desde sempre e tenha certeza de que Ele está em algum lugar e pode fazer algumas coisas por mim. Nunca me importei que Ele fosse uma abstração. Meus pais me falaram que ele existia e não havia motivos para duvidar. Talvez tenha tido sorte em não passar por situações tão cruéis a ponto de questionar a existência Dele. Então, mesmo vendo na TV as atrocidades na África, as tragédias da natureza e as balas perdidas no Rio de Janeiro, continuo achando plausível que haja alguém acima de nós e a quem possamos recorrer depois que já fizemos muita merda e tudo está indo por água abaixo.

Deus sempre teve um papel claro para mim. Ele era alguém para quem eu deveria rezar todas as noites antes de dormir, além de ser o pai de Jesus. E por mais que as freiras tenham tentado me explicar a Santíssima Trindade, para mim cada um tem seu lugar, mais ou menos como uma grande empresa. Deus é o CEO. Mesmo que Jesus e o Espírito Santo possam ser muito, muito importantes, Ele ainda é o chefe. Posso rezar também para Jesus ou contar com o Espírito Santo, mas sempre sabendo que, na verdade, a decisão final é de Deus.

As igrejas católicas sempre tiveram muitas imagens porque era a forma mais fácil de educar o povo predominantemente analfabeto da Idade Média. Mas não existe imagem de Deus nas igrejas. Tem de Jesus, aquele moço de cabelos longos e barba, e do Espírito Santo, que é uma pomba. É um desafio falar com alguém que não tem rosto ou outro tipo de materialização. Mesmo as Panteras, quando falavam com o Charlie, podiam se dirigir ao rádio. Então, para visualizar Deus, apelamos para ícones construídos pela cultura de massa, como um senhor alto e forte, de barbas brancas e rosto meio severo, parecido com Zeus. Alanis Morissette, Morgan Freeman e Antonio Fagundes não conseguiram mudar essa imagem na minha cabeça.

Quando você não entende o que o padre fala, as figuras são mais interessantes de se prestar atenção. Mais tarde, você talvez passe a entender, e às a vezes a não concordar com as palavras do sermão. Mesmo assim, o ambiente da igreja é reconfortante. Repetir automaticamente as fórmulas da liturgia católica funciona como uma espécie de mantra. Só de estar ali, naquele ambiente, a pessoa já se sente melhor e mais próxima do que deseja - conseguir alguma coisa ou se livrar de uma cupla.

E mesmo aceditando em Deus e curtindo os rituais católicos, tenho me afastado da igreja. Não fossem os casamentos e missas de sétimo dia, já estaria totalmente desgarrada do rebanho. O fato é que a igreja, pelo menos a católica, coloca limites muito rígidos para alguns, mas afrouxa para outros. Padres pedófilos continuam sendo padres e exercendo seu sacramento. Homens e mulheres fiéis, bons e generosos, mas divorciados, não são bem-vindos na igreja.

Mesmo com todas as críticas que tenho sobre a igreja na qual fui educada, não posso culpá-la por não ir mais à missa todo domingo. Infelizmente, minha ausência tem mais a ver com preguiça e falta de hábito do que com revolta. Mas não é o hábito e o exemplo que incutem valores e educam as crianças e os adolescentes?

Minha mãe era professora no curso de catequese. Quando meus pais se separaram, a paróquia achou melhor que ela não continuasse com essa atividade. Para as crianças, ela seria um exemplo contrário ao que a religião ensina - mesmo que todas as suas outras ações na comunidade fossem exemplos positivos e muito mais poderosos para quem quisesse seguir.

A igreja teve razão na questão do exemplo. Minha mãe parou de ir à missa com a regularidade anterior e nunca mais nos obrigou a ir com ela. Perdemos o hábito, que já não é fácil de manter com tantos estímulos, programas e atividades que puxam a atenção dos adolescentes.

É por essas e outras que os católicos se afastam da igreja e, talvez, de Deus. Eu sei que Deus não tem nada a ver com os padres e as freiras, apesar de serem Seus representantes. Mas você continua indo na loja em que os vendedores te atendem mal só porque você sabe que o dono é bacana?

Apesar de tudo isso e das declarações temerárias do Papa, ainda acho que acreditar em Deus e seguir uma religião faz mais bem do que mal para as pessoas. (Por favor, não vamos levar em conta os fanatismos.) De uma forma geral, o que as religiões fazem? Divulgam um código de valores, cobram uma atitude correta dos seus fiéis, pregam a generosidade e a solidariedade, indicam alguém com quem todos podem contar.

O fato é que religião e igreja nem sempre têm a ver com Deus. Talvez Ele devesse construir novas sedes, mudar o formato do negócio, promover um curso de atualização para Sua equipe. Deus poderia iniciar um processo de revitalização de marca, eliminando as impressões negativas que foram surgindo com o passar dos anos. Depois, implantaria um programa de relacionamento com seus fiéis. Nada de mídia de massa, só comunicação dirigida, para evitar que os oportunistas se aproveitem da comoção de milhares de fiéis reunidos juntos.

Mas Ele é quem sabe. Mesmo com resultados que não parecem tão promissores, Deus, em todas as suas formas, ainda detém a maior parte do mercado. Fácil, já que para crença não há concorrência. Até quem não acredita Nele, acredita em alguma coisa. E depois que o cliente adquiriu o hábito do consumo, mudar de marca é só uma questão de tempo.


Adriana Baggio
Curitiba, 6/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
02. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s) de Julio Daio Borges
04. Educando as velhas gerações de Carla Ceres
05. Treze Teses sobre Cinema de Humberto Pereira da Silva


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2008
15h09min
A idéia de Deus como fenômeno gerador e controlador do universo é bem interessante. Lembrando que é único e não tem começo nem fim, Deus é a explicação mais fácil, sintética, digestiva e assimilável que se pode oferecer para a pergunta: De onde viemos e para onde vamos? Desde muito tempo, uns sabidinhos perceberam a necessidade que o povão tinha em entender a origem das coisas e montaram sistemas e histórias para o convencimento de sua relação com o todo-poderoso. Era o bastante ler a mão, os astros, matar carneiros, ou fazer previsões óbvias, repetir louvores, entoar cânticos ou defumar crédulos. Logo, e em nome do maioral, começaram a cobrar dízimos, contribuições, ajudas, taxas, percentagens etc. Notaram que tinham habilidade para influenciar e controlar os fortes, os chefes ou soberanos. O resto foi fácil e até hoje está por aí. Nem sempre os métodos foram piedosos ou éticos, mesmo sendo em nome do Principal. Deu certo. Até hoje tem gente que acredita em Adão e Eva!
[Leia outros Comentários de R Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Rio de Janeiro Verso e Reverso
José de Alencar
Serv Nac Teatro
(1972)



Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica
Kenneth L. Bontrager
Guanabara
(1999)



Não Há Silêncio Que Não Termine
Ingrid Betancourt
Companhia das Letras
(2010)



Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos Jc
(1996)



Brasil as Cidades da Copa
Mauricio Simonetti
Escrituras
(2014)



Ouro Olímpico a História do Marketing dos Aros
Marcus Vinicius Freire e Deborah Ribeiro
Casa da Palavra
(2006)



Diário de uma garota nada popular
Rachel Renée Russe
Verus
(2012)



Ínri Tité - 1ª Edição
Babalorisa Mauro Tosun
Pallas
(2014)



O Divino, o Santo e a Senhora
Carlos Rodrigues Brandão
Funarte
(1978)



Responsabilidade do Estado pela Não Duração Razoável do Processo
Danielle Annoni
Abdr
(2009)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês