Deus & Filhos Cia. Ltda. | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR I
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
Mais Recentes
>>> Walter Benjamin: os cacos da história de Gagnebin, Jeanne Marie pela Mercado Editorial (2018)
>>> O Enigma de Teotihuacán de P. Guirao pela Hemus (1984)
>>> O mito, o ritual e o oral de Jack Goody pela Vozes (2012)
>>> O Peregrino Ilustrado de John Bunyan pela Mundo Cristão (2007)
>>> Cancioneiro para Encontro Vocacionais e de Jovens de N/t pela Loyola (1983)
>>> Cristãos Hoje de N. Maccari pela Paulinas (1976)
>>> Salmos de Edgard Armond pela Aliança (1979)
>>> Lobas, Lobos e Afins - a Eterna Busca da Liberdade... de Solange Torino pela Virgo (2001)
>>> Vida, Morte e Destino de Maria Fernanda S. e Edson Olivari de Castro pela Cia Ilimitada (1992)
>>> Rezas, Orações e Preces de Varios Autores pela Rita Carneti (1992)
>>> Como Falar em Publico e Influenciar Pessoas no Munndo dos Negócios de Dale Carnegie pela Record (1962)
>>> Uma Jornada Interior de Sara Mariott pela Pensamento (1993)
>>> Jovens e Adultos Dominical Fidelidade de Varios Autores pela Betel
>>> O Manual da Felicidade de Pe. Alberto Luiz Gambarini pela Ágape (2008)
>>> Como Enfrentar o Stress de Marilda Novaes Lipp e Colaboradores pela Ícone (1990)
>>> Auxiliares Invisíveis de C. W. Leadbeater pela Pensamento (1997)
>>> Oito Passos para Você ter Saúde de Ana Maria Freitas pela N/a
>>> O Livro do Destino de Herman Kirchenhoffer pela Círculo do Livro (1978)
>>> Eles Voltaram de Francisco Cândido Xavier pela Instituto de Difusão Espírita (1982)
>>> Os Remédios Florais do Dr. Bach de Dr. Edward Bach pela Pensamento (2006)
>>> Encontros, Desencontros e Reencontros de Florangela M. Desidério pela Paulinas (1982)
>>> Cavaleiro da Concórdia de Manoel Jacintho Coelho pela Racional (1988)
>>> Fátima, Aurora do Terceiro Milênio de João S. Clá Diaz pela Associação Cultural Nossa Senhora de Fátima (2000)
>>> I Ching, O Livro das Mutações de Juan Echenique Pérsico pela Melhoramento (2012)
>>> O Encontro, os mais Belos Encontros de Cristo de João Mohana pela Agir (1979)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Quinta-feira, 6/3/2008
Deus & Filhos Cia. Ltda.
Adriana Baggio

+ de 3500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Minha família descende dos italianos que pediam a Deus uma terra sem fome nem frio para morar. O melhor que conseguiram foi vir para o Brasil em 1878. Deveriam ter ficado em Morretes, no litoral do Paraná, mas não se adaptaram ao calor. Subiram para Curitiba sem saber que, um século depois, seus tetranetos fariam o caminho contrário nos finais de semana, para comer barreado às margens do rio Nhundiaquara.

Acho que antes mesmo de construírem um abrigo para se proteger da geada, os italianos devem ter organizado um lugar que pudesse servir como igreja. Na parede de um restaurante de Santa Felicidade, o bairro que chegou em um navio, uma foto de 1908 mostra colonos posando em frente à imponente igreja em construção, com a nave pronta mas a torre ainda pela metade. 30 anos depois de chegarem aqui, provavelmente ainda não tinham lindas casas ou belas roupas, mas a igreja já tinha o porte de sua fé.

Portanto, é natural que eu acredite em Deus desde sempre e tenha certeza de que Ele está em algum lugar e pode fazer algumas coisas por mim. Nunca me importei que Ele fosse uma abstração. Meus pais me falaram que ele existia e não havia motivos para duvidar. Talvez tenha tido sorte em não passar por situações tão cruéis a ponto de questionar a existência Dele. Então, mesmo vendo na TV as atrocidades na África, as tragédias da natureza e as balas perdidas no Rio de Janeiro, continuo achando plausível que haja alguém acima de nós e a quem possamos recorrer depois que já fizemos muita merda e tudo está indo por água abaixo.

Deus sempre teve um papel claro para mim. Ele era alguém para quem eu deveria rezar todas as noites antes de dormir, além de ser o pai de Jesus. E por mais que as freiras tenham tentado me explicar a Santíssima Trindade, para mim cada um tem seu lugar, mais ou menos como uma grande empresa. Deus é o CEO. Mesmo que Jesus e o Espírito Santo possam ser muito, muito importantes, Ele ainda é o chefe. Posso rezar também para Jesus ou contar com o Espírito Santo, mas sempre sabendo que, na verdade, a decisão final é de Deus.

As igrejas católicas sempre tiveram muitas imagens porque era a forma mais fácil de educar o povo predominantemente analfabeto da Idade Média. Mas não existe imagem de Deus nas igrejas. Tem de Jesus, aquele moço de cabelos longos e barba, e do Espírito Santo, que é uma pomba. É um desafio falar com alguém que não tem rosto ou outro tipo de materialização. Mesmo as Panteras, quando falavam com o Charlie, podiam se dirigir ao rádio. Então, para visualizar Deus, apelamos para ícones construídos pela cultura de massa, como um senhor alto e forte, de barbas brancas e rosto meio severo, parecido com Zeus. Alanis Morissette, Morgan Freeman e Antonio Fagundes não conseguiram mudar essa imagem na minha cabeça.

Quando você não entende o que o padre fala, as figuras são mais interessantes de se prestar atenção. Mais tarde, você talvez passe a entender, e às a vezes a não concordar com as palavras do sermão. Mesmo assim, o ambiente da igreja é reconfortante. Repetir automaticamente as fórmulas da liturgia católica funciona como uma espécie de mantra. Só de estar ali, naquele ambiente, a pessoa já se sente melhor e mais próxima do que deseja - conseguir alguma coisa ou se livrar de uma cupla.

E mesmo aceditando em Deus e curtindo os rituais católicos, tenho me afastado da igreja. Não fossem os casamentos e missas de sétimo dia, já estaria totalmente desgarrada do rebanho. O fato é que a igreja, pelo menos a católica, coloca limites muito rígidos para alguns, mas afrouxa para outros. Padres pedófilos continuam sendo padres e exercendo seu sacramento. Homens e mulheres fiéis, bons e generosos, mas divorciados, não são bem-vindos na igreja.

Mesmo com todas as críticas que tenho sobre a igreja na qual fui educada, não posso culpá-la por não ir mais à missa todo domingo. Infelizmente, minha ausência tem mais a ver com preguiça e falta de hábito do que com revolta. Mas não é o hábito e o exemplo que incutem valores e educam as crianças e os adolescentes?

Minha mãe era professora no curso de catequese. Quando meus pais se separaram, a paróquia achou melhor que ela não continuasse com essa atividade. Para as crianças, ela seria um exemplo contrário ao que a religião ensina - mesmo que todas as suas outras ações na comunidade fossem exemplos positivos e muito mais poderosos para quem quisesse seguir.

A igreja teve razão na questão do exemplo. Minha mãe parou de ir à missa com a regularidade anterior e nunca mais nos obrigou a ir com ela. Perdemos o hábito, que já não é fácil de manter com tantos estímulos, programas e atividades que puxam a atenção dos adolescentes.

É por essas e outras que os católicos se afastam da igreja e, talvez, de Deus. Eu sei que Deus não tem nada a ver com os padres e as freiras, apesar de serem Seus representantes. Mas você continua indo na loja em que os vendedores te atendem mal só porque você sabe que o dono é bacana?

Apesar de tudo isso e das declarações temerárias do Papa, ainda acho que acreditar em Deus e seguir uma religião faz mais bem do que mal para as pessoas. (Por favor, não vamos levar em conta os fanatismos.) De uma forma geral, o que as religiões fazem? Divulgam um código de valores, cobram uma atitude correta dos seus fiéis, pregam a generosidade e a solidariedade, indicam alguém com quem todos podem contar.

O fato é que religião e igreja nem sempre têm a ver com Deus. Talvez Ele devesse construir novas sedes, mudar o formato do negócio, promover um curso de atualização para Sua equipe. Deus poderia iniciar um processo de revitalização de marca, eliminando as impressões negativas que foram surgindo com o passar dos anos. Depois, implantaria um programa de relacionamento com seus fiéis. Nada de mídia de massa, só comunicação dirigida, para evitar que os oportunistas se aproveitem da comoção de milhares de fiéis reunidos juntos.

Mas Ele é quem sabe. Mesmo com resultados que não parecem tão promissores, Deus, em todas as suas formas, ainda detém a maior parte do mercado. Fácil, já que para crença não há concorrência. Até quem não acredita Nele, acredita em alguma coisa. E depois que o cliente adquiriu o hábito do consumo, mudar de marca é só uma questão de tempo.


Adriana Baggio
Curitiba, 6/3/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu Sagarana de Renato Alessandro dos Santos
02. Meus livros, meus tablets e eu de Ana Elisa Ribeiro
03. Arte e liberdade de Diogo Salles
04. Aconselhamentos aos casais ― módulo II de Ana Elisa Ribeiro


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio
01. Apresentação - 31/5/1974
02. Maria Antonieta, a última rainha da França - 16/9/2004
03. Dicas para você aparecer no Google - 9/3/2006
04. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
05. E você, já disse 'não' hoje? - 19/10/2011


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/3/2008
15h09min
A idéia de Deus como fenômeno gerador e controlador do universo é bem interessante. Lembrando que é único e não tem começo nem fim, Deus é a explicação mais fácil, sintética, digestiva e assimilável que se pode oferecer para a pergunta: De onde viemos e para onde vamos? Desde muito tempo, uns sabidinhos perceberam a necessidade que o povão tinha em entender a origem das coisas e montaram sistemas e histórias para o convencimento de sua relação com o todo-poderoso. Era o bastante ler a mão, os astros, matar carneiros, ou fazer previsões óbvias, repetir louvores, entoar cânticos ou defumar crédulos. Logo, e em nome do maioral, começaram a cobrar dízimos, contribuições, ajudas, taxas, percentagens etc. Notaram que tinham habilidade para influenciar e controlar os fortes, os chefes ou soberanos. O resto foi fácil e até hoje está por aí. Nem sempre os métodos foram piedosos ou éticos, mesmo sendo em nome do Principal. Deu certo. Até hoje tem gente que acredita em Adão e Eva!
[Leia outros Comentários de R Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




História da Ll Guerra Mundial- 1939-1945
Edgard Mc Innis
Globo
(1956)



Iniciação a Administração de Recursos Humanos
Idalberto Chiavenato
Manole
(2014)



O crime do padre Amaro (15ª ed.)
Eça de Queirós
Ática
(2001)



Teatro Grego ( Ésquilo, Sófocles, Eurípedes, Aristófanes)
Osmar Perazzo Lannes (tradução e Adaptação)
Matos Peixoto (rj)
(1965)



Renato Russo: o Filho da Revoluçao
Carlos Marcelo
Agir
(2009)



Os Dispersos - Contos
Janette Fishenfeld
Do Autor
(1966)



Um Assassinato um Mistério um Casamento
Mark Twain
Rideel
(2007)



Como Fazer do Sucesso um Hábito
Mack R. Douglas
Pro Net
(1994)



Vamos para Casa: uma História de Amor
Maria do Carmo Lima de Rezende (dedicatória)
7letras
(2004)



Gregor Mendel - Vida e Obra
Newton Freire Maia
T a Queiroz
(1995)





busca | avançada
88011 visitas/dia
2,7 milhões/mês