Poucas não tão boas | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 19/10/2001
Poucas não tão boas
Rafael Azevedo

+ de 1500 Acessos

Daniela Mountian

A ira que vem de Deus.
Bombas explodem na Caxemira, fazendo os indianos ameaçarem retaliar (retaliando). Malucos palestinos assassinam cruelmente um ministro imbecil e falastrão de Israel, o que põe por água abaixo qualquer possibilidade de paz na região pelos próximos dez anos. Pelo mundo inteiro, hordas queimam bonecos do Bush, bandeiras americanas, britânicas e israelenses, turbas enfurecidas brigam com as polícias de seus países pelo direito de arremessar coisas em cidadãos e embaixadas ocidentais. Imãs e mulás em todos os cantos do globo condenam os Estados Unidos em seus discursos semanais, e apregoam que os americanos apenas tiveram o que merecem, enchendo de ódio, intolerância e burrice seus fiéis, e relembram que Deus lhes ordenou, através de Maomé, defender a todos os muçulmanos como se defenderia um irmão. “Pois somos todos irmãos, e o mundo está contra nós. Sempre foi assim.”
Nossos amigos muçulmanos continuam aprontando das suas por aí. E o pior é que obviamente isso não é obra da totalidade da população islâmica. É coisa de uma minoria. Mas uma minoria muito, muito barulhenta.

The enemy within.
Toda essa série de ataques com anthrax nos EUA tem algo de muito estranho. Não sei não, mas não me parece ser obra de um bando de fundamentalistas perdidos no outro canto do mundo... há algo de que ainda não sabemos, a história ainda está por ser descoberta. Mas pode-se ver algo muito diferente, algo que pode ser percebido pelo conteúdo das cartas que foram enviadas à NBC e ao tal senador. Ironias, sarcasmo, - uma delas perguntava ao Tom Brokaw se ele vinha tomando seus antibióticos - coisas que não combinam com típicos terroristas muçulmanos, que não têm absolutamente NENHUM senso de humor, por pior que seja. Mas não ficaria surpreso de ver nessa história um dedo de algum maluco americano, seja um novo Unabomber agindo por conta própria em cima do terror pós-11 de setembro, ou algum novo McVeigh ajudando conscientemente os terroristas islâmicos a aterrorizar a América. Aliás, é algo que suspeitava desde o início – esses assassinos devem ter tido algum auxílio de dentro, para cometer semelhante ato. Devem ter sido ajudados, de alguma maneira, por uma dessas milícias de direita do imenso midwest.

Uma estrela se apagou.
Há alguns anos atrás tive a oportunidade única de ver Isaac Stern tocando, e, o que é melhor, sem ter de aguentar metade dos transtornos que costumam afligir quem se interessa por música clássica no Brasil. É que tive a abençoada chance de assisti-lo nos EUA. Sim, não tive que aguentar guardadores de carro, nem estacionar meu carro na calçada, ou muito menos ter que tolerar aqueles patéticos e mal-educados figurões do jet-set com seus sorrisos boçais e suas mulheres plastificadas que compõem grande parte do público de música por essas bandas – aquele tipo de pessoa que sai do espetáculo antes do bis para não pegar fila no estacionamento. Num lugar civilizadíssimo, tendo como companhia vários simpáticos aposentados judeus da Flórida, o sr. Stern nos brindou com uma noite memorável, onde ele compartilhou conosco, além de momentos sublimes com sua música, uma inesquecível simpatia em todos os momentos em que se dirigiu à platéia. Talvez ele conhecesse vários dos que ali estavam, e isso explique seu entusiasmo; o fato é que poucas vezes um concerto me deixou tão feliz, independentemente da qualidade do que fora executado. Ali estava um homem que gostava do que estava fazendo, e que o fazia com imenso prazer e orgulho, contagiando a todos ali com esse gosto pela música.
Já nem me lembro mais de tudo o que ele tocou. Minha memória, coitada, já falha, me prega peças quase todo dia – e esta é uma que dificilmente vou perdoar. Lembro-me do concerto pra violino de Bruch, que está longe de ser uma grande obra, e algo de Tchaikovsky – mas o fato é que naquela noite mágica tudo o que ele tocou soou sublime a meus ouvidos. As estranhas melodias que abrem essa obra de Bruch nunca fizeram tanto sentido para mim, e aquele virtuosismo que eu outrora achei exagerado parecia dosado na medida certa para mostrar o talento daquele senhor bonachão.
Agora Isaac Stern não está mais entre nós, e o mundo com certeza fica um pouco mais triste. É um golpe fortíssimo, um do qual não sei se a música erudita, nesses tempos de Nigels Kennedies e Pavarottis, irá se recuperar. Alav ha-shalom.

A lanterna que nos tem faltado.
Morreu também nesse último mês, como todos devem saber, Roberto Campos. Não entendo muito de economia, mais por falta absoluta de interesse que por qualquer outro motivo, e jamais me interessei muito em lê-la. Mas sei reconhecer uma grande inteligência quando a vejo, e, se havia uma pessoa, no entanto, que era capaz de fazer-me ler sobre o assunto, e com imenso gosto, era o sr. Campos. Seus artigos semanais, quando escrevia para a Folha, estavam entre as únicas coisas de valor a serem lidas cotidianamente, pérolas de extrema lucidez, altamente elucidativas sobre o que vivíamos; e seu livro, Lanterna na Popa, está muito além de qualquer rótulo, seja ele biografia, economia, ou o que quer que seja – é um grande depoimento de um grande homem, e que teve um enorme papel na história de nossa nação. Atraiu para si, como qualquer homem coerente nesse país, um imenso ódio dos esquerdóides, o que por si só já seria motivo de minha admiração; mas além disso foi um homem de extremo bom senso, de educação e fineza únicos, e dotado de uma rapidez de espírito impressionante, e que deixou sua marca, indelével e positiva, na história de nosso país. O período em que foi ministro do planejamento, durante o governo Castello Branco, acabou desencadeando imenso crescimento à economia do país. Claro que há a sombra da ditadura, que paira sobre seu nome e faz com que idiotas de todas as idades lhe recriminem; mas gostaria de ver tais críticos na mesma situação, o que fariam – se sacrificariam-se em nome de um idealismo, ou fariam o que ele fez, e aproveitariam-se da situação para tentar fazer o que sabem da melhor maneira possível. Antes tivéssemos alguém que aliasse com tanta intensidade integridade moral e envergadura intelectual no cenário contemporâneo.

Cordeiros de Deus.
Para quem ainda apregoa que o Islã é uma religião que “prega o respeito à vida, a tolerância, e a paz”, e que não têm a intenção de converter, ainda que à força, o resto da humanidade, aí vão uns lembretes... diretamente do Corão, “verdade absoluta” ditada por Deus a Maomé através do Anjo Gabriel.

3:12 Diz àqueles que rejeitam a Fé: “Logo sereis vencidos e congregados ao Inferno, - um leito terrível!”

3:20 E se eles discutirem contigo, diz-lhes: “Submeti-me inteiramente a Deus, assim como aqueles que me seguem!” E pergunta ao Povo do Livro (cristãos e judeus) e aos analfabetos: “Tornai-vos-ei (também) muçulmanos?” Se se tornarem, encaminhar-se-ão; mas se negarem, Tua obrigação é revelar a Palavra; e aos olhos de Deus são (todos) Seus servos.

3:21 Quanto àqueles que negam os Sinais de Deus, e desafiando o que é certo, assassinam os profetas e matam aqueles que ensinam como se lida justamente com os homens, anuncia-lhes que terão um funesto castigo.

3:22 São estes cujas obras não terão fruto, neste mundo e no outro, e tampouco terão quem lhes socorra.

3:56 Quanto aos que rejeitam a Fé, castigá-los-ei severamente com agonia terrível, neste mundo e no outro, e jamais terão protetores.

3:151 Logo infundiremos terror nos corações dos Incrédulos, por terem atribuído parceiros a Deus, sem que Ele lhes tivesse conferido autoridade alguma para isso; sua morada será o Fogo. E funesta é a morada dos iníquos!

3:178 Que os incrédulos não pensem que os toleramos, para o seu bem; ao contrário, toleramo-los para que suas faltas sejam ainda mais aumentadas. Mas eles terão um castigo vergonhoso.

3:195 Seu Senhor nos atendeu, dizendo: “Jamais desmerecerei a obra de qualquer um de vós, seja homem ou mulher, porque procedeis uns dos outros. Quanto àqueles que foram expulsos dos seus lares e migraram, e sofreram pela Minha Causa, ou combateram e foram mortos, absolvê-los-ei dos seus pecados e os introduzirei em jardins, abaixo dos quais correm os rios, como recompensa de Deus. Sabei que Deus possui a melhor das recompensas.”



Rafael Azevedo
São Paulo, 19/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. American Dream de Marilia Mota Silva


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2001
01. A TV é uma droga - 23/11/2001
02. Os males da TV - 6/7/2001
03. A primeira batalha do resto da guerra - 30/11/2001
04. Só existe um Deus, e Bach é seu único profeta - 2/11/2001
05. A Má Semente - 19/2/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O FANTASMA DA MASCARA - COL. ESCOLA EM CENA - TEATRO INFANTIL
VICTOR LOUIS STUTZ
FORMATO
(2009)
R$ 8,00



PODERES DE CURA - MISTÉRIOS DO DESCONHECIDO
VÁRIOS AUTORES
ABRIL LIVROS- TIME LIFE
(1993)
R$ 5,00



DEUSES E HERÓIS
MARY RENAULT
NOVA FRONTEIRA
(1984)
R$ 6,99



RETRATO NUM ESPELHO - 1948
CHARLES MORGAN
GLOBO
(1948)
R$ 8,00



QUERO ENTENDER TUDO SOBRE ÁLCOOL, CIGARRO E DROGAS
JAIRO BAUER
MELHORAMENTOS
(2006)
R$ 7,93



DESCOMPLICANDO A VIDA
MICHAEL J. ROADS
PENSAMENTO
(1995)
R$ 5,00



O AMOR ME TROUXE DE VOLTA
CAROL BOWMAN
SESTANTE
(2005)
R$ 5,00



OS ALICERCES DA FÍSICA - MECÂNICA 1
KAZUHITO, FUKE E CARLOS
SARAIVA
(2005)
R$ 20,00



O ATENEU
RAUL POMPÉIA
EDIOURO
(1995)
R$ 5,00



NOVELÁRIO DE DONGA NOVAIS
AUTRAN DOURADO
DIFEL
(1976)
R$ 5,00





busca | avançada
67475 visitas/dia
2,6 milhões/mês