As letras da memória | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/7/2008
As letras da memória
Guga Schultze

+ de 2800 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Certa vez, conheci Hanz, um repórter alemão, de passagem pelo Brasil. Minha amiga J., também repórter, fotógrafa de um dos jornais mineiros, estava namorando o sujeito. Se encontraram numa festa de jornalistas, no apartamento de um deles e Hanz estava lá, em pé num canto e "muito lindo" (putz), como J. me contara, com seus "olhos azuis tristes e uma pele queimada de sol" (putz 2), olhando umas fotos de Belo Horizonte que J. havia tirado e que o dono do apartamento, amigo dela, havia emoldurado e pendurado na parede.

J. se aproximou e houve aquele lance entre os dois e coisa e tal. Hanz falava o espanhol e, apesar de ser a primeira vez que vinha ao interior do Brasil, era bastante viajado pela América do Sul, principalmente Chile e Argentina, onde ele mantinha um apartamento.

J. se encantou com o sujeito e, afinal, acabei por conhecê-lo. Foi um encontro rápido e casual numa lanchonete do centro. Eu caminhava por ali e vi J. dentro da lanchonete. Fui lá dizer "oi" e havia esse cara com ela. Estavam terminando um café no balcão.

Hanz era um cara até simpático, mas tinha aquela segurança calada de europeu muito viajado; o que, nos meus verdes anos, eu poderia confundir com uma discreta mas incisiva espécie de arrogância. E eu confundi, claro.

Estávamos nos anos setenta, o clima era politicamente incorreto e os jovens podiam ser beligerantes ― são minhas desculpas esfarrapadas e as únicas que eu tenho, ainda hoje ―, de forma que, calculando por alto a idade de Hanz, que era mais velho, perguntei à queima roupa onde ele estava e o que ele fazia na Alemanha, no final da Segunda Guerra.

Hanz sorriu calmamente, como se já tivesse respondido essa pergunta uma centena de vezes. Eu poderia dizer que seus olhos relaxaram naquela frieza azul, mas acho meio... deixa pra lá. Eu já estava arrependido, mas ele me passou, tranqüilamente, sua única memória da guerra.

Disse que estava em Berlim, quando a guerra terminara, e tinha três ou quatro anos de idade. Ele e sua mãe estavam em casa, quando os aliados entraram na cidade. Disse que estava abraçado com sua mãe, na sala de sua casa, ouvindo alguns estampidos ao longe, quando a porta se abriu e entrou por ela um grande homem negro.

Hanz disse que na sua memória o homem parecia gigantesco. Era um soldado americano. Carregava um fuzil e ficou parado na porta um momento, contra a luz que vinha de fora, antes de entrar. Hanz disse que se lembrava como o soldado sorriu para ele, podia ver os dentes muito brancos, destacados na face escura. E lembrava-se como o soldado foi em sua direção e desfez o seu terror inicial, agachando-se na sua frente, procurando algo nos bolsos de sua jaqueta militar, tirando de lá um pequeno pacote e colocando nas suas mãos uma barra de chocolate. O soldado disse ainda algumas palavras incompreensíveis, deu um tapinha amigável em sua cabeça e se foi. Hanz disse que isso era tudo que podia se lembrar da guerra.

O namoro com J. não foi pra frente ― parece que durou exatamente o tempo de permanência de Hanz na cidade ― e eu nunca mais vi o sujeito ou soube qualquer coisa a seu respeito (apenas J. me falou dele ainda, depois que terminaram, mas passou).

No entanto, trinta anos depois, recordo sua pequena história como se fosse minha. Mais até do que muitas histórias minhas, pessoais, recordo a história do menino alemão e do soldado americano, no final da Segunda Grande Guerra. Essa história, que está arquivada, na cabeça, juntamente com outras, recolhidas aqui e ali, formam o painel da minha memória pessoal.

O insólito da coisa é que esse meu arquivo mnemônico ― uma antologia tipo "contos escolhidos" ― é formado não só por minhas experiências pessoais, mas por histórias como essa, e todas têm um peso semelhante. Todas são memórias "literárias". Mesmo que a história de Hanz tenha sido contada verbalmente, ela está junto com outras que foram tiradas de livros, no geral.

Dessa forma, me lembro claramente, por exemplo, do encontro de Alice, de Lewis Carroll, com o rato, na piscina de lágrimas, em Alice no País das Maravilhas ("Ó Rato, você sabe como sair dessa lagoa? Estou cansada de nadar aqui, ó Rato!"), estabelecendo, pra todo mundo e para sempre, a forma correta de se dirigir a um rato (forma que Alice tirou das flexões do latim: "Rato. De um rato. Para um rato. Um rato. Ó rato"). Posso também ouvir Sherlock Holmes e seu violino, que fariam inveja a um Paganini, enquanto o doutor Watson se preocupava a respeito da relação dele, Holmes, com a morfina. Ou é como se eu estivesse na sala do apartamento do pai de Seymor Glass, enquanto os dois conversavam e ouvisse de Seymor a afirmação de que ele não sabia se alguma vez tinha descido daquela bicicleta prateada... (está no livro de Salinger: Seymor, uma apresentação).

Os exemplos são muitos. Seria possível escrever livros inteiros com eles. Meio de propósito, escolhi esses exemplos porque vieram da literatura considerada como menor, em relação à literatura de autores consagrados como canônicos. Mas, falando nisso, Sherlock Holmes não perde para Hamlet como presença, na memória, e é infinitamente melhor para se recordar do que Gregor Samsa.

Uma pergunta que já tentei responder em salas de aula, em provas ou redações, foi: para quê serve a literatura? Bem, se a gente vive coisas e deve necessariamente lembrar-se delas depois (para saber que está vivo, ou que viveu essas coisas ― porque só os mortos não têm memórias), é lógico pensar que acumular recordações é uma forma de expandir a vida. Que algumas dessas memórias venham de livros, de coisas que você nem viveu, é uma forma de atestar a maneira, quase mágica, com que as pessoas podem trocar pedaços de vida entre si. O problema, claro, são as péssimas escolhas nessas trocas. Sempre acontecem muito. Mas, tirando isso, o resto é lucro, líquido e certo.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 30/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
02. Notas confessionais de um angustiado (I) de Cassionei Niches Petry
03. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
04. Meio Sol Amarelo de Guilherme Carvalhal
05. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
04. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2008
09h08min
Guga, seu ensaio é fantástico! Realmente, ler um livro é vivê-lo sem ter vivido. Minha memória também está repleta de trechos de livros e também tento escrever a minha própria história pessoal como quem escreve um livro com final feliz.
[Leia outros Comentários de Alice Almaforte]
30/7/2008
10h34min
Lembro-me de um livro infantil, que li na 5ª série, sobre um grupo de estudantes que ficava preso em uma caverna no Pico do Jaraguá. Como eu podia ver a montanha de onde eu morava, aos poucos minha memória foi distorcendo a história, construindo situações de perigo em que eu participava, aterrorizado. Tive até pesadelos. Até hoje minha memória distorce o enredo, muda seu começo, seu final; o que era um passeio de estudantes se transformou em um passeio de bicicleta com amigos, entre tantos que fiz por lá... Qualquer dia desses, volto lá para ver o final que vou dar a essa história...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
30/7/2008
11h43min
Esse texto me fez pensar algo bem inquietante. Se nossa vida é o que nós lembramos dela, então não vivi realmente nem metade do que vivi fisicamente, pois a maior parte das coisas vividas perderam-se de minha memória. Ainda contando que boa parte da minha memória é composta dessas histórias ficcionais, não só da literatura como também de filmes e peças teatrais, de repente sou um ser mais fictício do que real. Melhor eu parar de pensar no assunto antes que eu comece a sumir como no "De volta para o futuro".
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
31/7/2008
10h29min
Guga, você faz parte da minha memória sempre. E ainda construo pedaços de suas histórias e vou juntando às minhas e vou tentando entender esse troço todo. O seu texto tá impecável e impagável. Muito bom, bom mesmo. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
31/7/2008
19h45min
E assim surgem as mentiras... (as melhores mentiras).
[Leia outros Comentários de Amábile]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ANALISANDO CINEMA: CRÍTICAS DE LUIZ GERALDO MIRANDA LEÃO
AURORA MIRANDA LEÃO - ORG.
IMPRENSA OFICIAL
(2006)
R$ 6,28



AVENTURA NO EGITO
ELISABETH LOIBL
MELHORAMENTOS
(1996)
R$ 21,87



PALESTINOS, OS NOVOS JUDEUS
HELENA SALEM
ELDORADO
(1977)
R$ 18,00



SOBREVIVER VALE A PENA
TÉRCIO GARCIA
FUNDO SOCIAL DE S V
R$ 8,00



EMERGÊNCIA VASCULAR
ANTHONY CHANT E AIRES DSA
DILIVROS
(2001)
R$ 50,00



CONTROLE DE ARMAS
LUCIANO BUENO
IBCCRIM
(2004)
R$ 7,90



O NOVIÇO
MARTINS PENA
PAULUS
R$ 4,00



PAISAGENS CRÍTICAS ARTE CIÊNCIA E INDÚSTRIA - 7284
NELSON BRISSAC PEIXOTO
SENAC
(2010)
R$ 20,00



CRISES FINANCEIRAS
PEDRO CARVALHO DE MELLO
SAINT PAUL
(2004)
R$ 5,00



ZIXV - AVENTURAS DE MICROCOLUS - 1ª ED.
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS / ZÉ BENTO
RADHU
(1991)
R$ 13,00





busca | avançada
34352 visitas/dia
1,4 milhão/mês