As letras da memória | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aperte o play
>>> Sr. Google, não perca essa chance
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
>>> Por que o Lula Inflado incomoda tanto
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> Conversa de pai e filha
>>> Psicodelia para Principiantes
>>> A Escolha de Willian Styron
>>> Meu encontro com o Millôr
Mais Recentes
>>> Naquele dia de Dennis Lehane pela Companhia das letras
>>> Homem-Aranha Ed. Especial: Rei do Crime até a Morte de Marvel Comics pela Abril (1998)
>>> As 5 vidas de Paraguassú de Maria do Carmo pela Casa senhora do Carmo
>>> Homem-Aranha: A Última Caçada de Kraven - Minissérie em 3 Edições de Marvel Comics pela Abril (1990)
>>> Comer com sabedoria de Ana Beatriz Vieira Pinheiro pela Nova Era
>>> Professor Milionário! (como novo) de Domingos Pellegrini pela Ftd (2009)
>>> Didática de Jaime Cordeiro pela Contexto (2009)
>>> Impacto negro de Izabelle Valladares e Raime Paixão pela Literarte (2019)
>>> O Homem-Aranha & Motoqueiro Fantasma - Ed. Especial de Marvel Comics pela Abril (1993)
>>> O Tesouro da Montanha de Pedra (como novo) de Vários Autores pela Ftd (2008)
>>> O Homem-Aranha Vingança Minissérie em duas edições completa de Marvel Comics pela Abril (1995)
>>> Édipo Rei de Sófocles de Trajano Vieira pela Perspectiva (2009)
>>> 53 Vols. Os Imortais da Literatura Universal (Completa) de Vários Autores pela Abril (1973)
>>> Sem o Seo: Dominando o Marketing de Busca de Martha Gabriel pela Novatec (2013)
>>> Gabriel e a Torre de Pedra (como novo) de Max Velati pela Ftd (2008)
>>> 1964: O papel dos estados unidos no golpe de estado de 31 de março de Phyllis R. Parker pela Civilização brasileira
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blainey pela Fundamento (2014)
>>> Psicoterapia Breve a Técnica Focal de Vera B. Lemgruber pela Artes Medicas (1987)
>>> Princípios básicos da música para a juventude- 1º volume de Maria Luisa de Mattos Priolli pela Casa Oliveira de Música (1983)
>>> Entrevista Inicial Em Saude Mental de James Morrison pela Artmed (2010)
>>> As cronicas de Dopple Ganger - O segredo da lua Indigo - Volume 2 (como novo) de Graham Peter Taylor pela Geográfica (2014)
>>> Os Significados do Letramento de Angela B. Kleiman pela Mercado de Letras (2001)
>>> Limeriques da Cocanha (Autografado - Como Novo) de Tatiana Belinky pela Cia das letrinhas (2008)
>>> Manual Prático Mindfulness: Curiosidade e Aceitação de Marcelo Demarzo e Javier García Campayo pela Palas Athena (2015)
>>> Autodestruição da igreja no Brasil de Antônio Guedes de Holanda pela Desconhecida
COLUNAS

Quarta-feira, 30/7/2008
As letras da memória
Guga Schultze
+ de 3500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Certa vez, conheci Hanz, um repórter alemão, de passagem pelo Brasil. Minha amiga J., também repórter, fotógrafa de um dos jornais mineiros, estava namorando o sujeito. Se encontraram numa festa de jornalistas, no apartamento de um deles e Hanz estava lá, em pé num canto e "muito lindo" (putz), como J. me contara, com seus "olhos azuis tristes e uma pele queimada de sol" (putz 2), olhando umas fotos de Belo Horizonte que J. havia tirado e que o dono do apartamento, amigo dela, havia emoldurado e pendurado na parede.

J. se aproximou e houve aquele lance entre os dois e coisa e tal. Hanz falava o espanhol e, apesar de ser a primeira vez que vinha ao interior do Brasil, era bastante viajado pela América do Sul, principalmente Chile e Argentina, onde ele mantinha um apartamento.

J. se encantou com o sujeito e, afinal, acabei por conhecê-lo. Foi um encontro rápido e casual numa lanchonete do centro. Eu caminhava por ali e vi J. dentro da lanchonete. Fui lá dizer "oi" e havia esse cara com ela. Estavam terminando um café no balcão.

Hanz era um cara até simpático, mas tinha aquela segurança calada de europeu muito viajado; o que, nos meus verdes anos, eu poderia confundir com uma discreta mas incisiva espécie de arrogância. E eu confundi, claro.

Estávamos nos anos setenta, o clima era politicamente incorreto e os jovens podiam ser beligerantes ― são minhas desculpas esfarrapadas e as únicas que eu tenho, ainda hoje ―, de forma que, calculando por alto a idade de Hanz, que era mais velho, perguntei à queima roupa onde ele estava e o que ele fazia na Alemanha, no final da Segunda Guerra.

Hanz sorriu calmamente, como se já tivesse respondido essa pergunta uma centena de vezes. Eu poderia dizer que seus olhos relaxaram naquela frieza azul, mas acho meio... deixa pra lá. Eu já estava arrependido, mas ele me passou, tranqüilamente, sua única memória da guerra.

Disse que estava em Berlim, quando a guerra terminara, e tinha três ou quatro anos de idade. Ele e sua mãe estavam em casa, quando os aliados entraram na cidade. Disse que estava abraçado com sua mãe, na sala de sua casa, ouvindo alguns estampidos ao longe, quando a porta se abriu e entrou por ela um grande homem negro.

Hanz disse que na sua memória o homem parecia gigantesco. Era um soldado americano. Carregava um fuzil e ficou parado na porta um momento, contra a luz que vinha de fora, antes de entrar. Hanz disse que se lembrava como o soldado sorriu para ele, podia ver os dentes muito brancos, destacados na face escura. E lembrava-se como o soldado foi em sua direção e desfez o seu terror inicial, agachando-se na sua frente, procurando algo nos bolsos de sua jaqueta militar, tirando de lá um pequeno pacote e colocando nas suas mãos uma barra de chocolate. O soldado disse ainda algumas palavras incompreensíveis, deu um tapinha amigável em sua cabeça e se foi. Hanz disse que isso era tudo que podia se lembrar da guerra.

O namoro com J. não foi pra frente ― parece que durou exatamente o tempo de permanência de Hanz na cidade ― e eu nunca mais vi o sujeito ou soube qualquer coisa a seu respeito (apenas J. me falou dele ainda, depois que terminaram, mas passou).

No entanto, trinta anos depois, recordo sua pequena história como se fosse minha. Mais até do que muitas histórias minhas, pessoais, recordo a história do menino alemão e do soldado americano, no final da Segunda Grande Guerra. Essa história, que está arquivada, na cabeça, juntamente com outras, recolhidas aqui e ali, formam o painel da minha memória pessoal.

O insólito da coisa é que esse meu arquivo mnemônico ― uma antologia tipo "contos escolhidos" ― é formado não só por minhas experiências pessoais, mas por histórias como essa, e todas têm um peso semelhante. Todas são memórias "literárias". Mesmo que a história de Hanz tenha sido contada verbalmente, ela está junto com outras que foram tiradas de livros, no geral.

Dessa forma, me lembro claramente, por exemplo, do encontro de Alice, de Lewis Carroll, com o rato, na piscina de lágrimas, em Alice no País das Maravilhas ("Ó Rato, você sabe como sair dessa lagoa? Estou cansada de nadar aqui, ó Rato!"), estabelecendo, pra todo mundo e para sempre, a forma correta de se dirigir a um rato (forma que Alice tirou das flexões do latim: "Rato. De um rato. Para um rato. Um rato. Ó rato"). Posso também ouvir Sherlock Holmes e seu violino, que fariam inveja a um Paganini, enquanto o doutor Watson se preocupava a respeito da relação dele, Holmes, com a morfina. Ou é como se eu estivesse na sala do apartamento do pai de Seymor Glass, enquanto os dois conversavam e ouvisse de Seymor a afirmação de que ele não sabia se alguma vez tinha descido daquela bicicleta prateada... (está no livro de Salinger: Seymor, uma apresentação).

Os exemplos são muitos. Seria possível escrever livros inteiros com eles. Meio de propósito, escolhi esses exemplos porque vieram da literatura considerada como menor, em relação à literatura de autores consagrados como canônicos. Mas, falando nisso, Sherlock Holmes não perde para Hamlet como presença, na memória, e é infinitamente melhor para se recordar do que Gregor Samsa.

Uma pergunta que já tentei responder em salas de aula, em provas ou redações, foi: para quê serve a literatura? Bem, se a gente vive coisas e deve necessariamente lembrar-se delas depois (para saber que está vivo, ou que viveu essas coisas ― porque só os mortos não têm memórias), é lógico pensar que acumular recordações é uma forma de expandir a vida. Que algumas dessas memórias venham de livros, de coisas que você nem viveu, é uma forma de atestar a maneira, quase mágica, com que as pessoas podem trocar pedaços de vida entre si. O problema, claro, são as péssimas escolhas nessas trocas. Sempre acontecem muito. Mas, tirando isso, o resto é lucro, líquido e certo.


Guga Schultze
Belo Horizonte, 30/7/2008

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu, tu, íter... de Guga Schultze
02. Um plano de Eduardo Mineo
03. 10 razões para esquecer 2005 de Marcelo Maroldi
04. Men in Black II de Nemo Nox


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
04. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008
05. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/7/2008
09h08min
Guga, seu ensaio é fantástico! Realmente, ler um livro é vivê-lo sem ter vivido. Minha memória também está repleta de trechos de livros e também tento escrever a minha própria história pessoal como quem escreve um livro com final feliz.
[Leia outros Comentários de Alice Almaforte]
30/7/2008
10h34min
Lembro-me de um livro infantil, que li na 5ª série, sobre um grupo de estudantes que ficava preso em uma caverna no Pico do Jaraguá. Como eu podia ver a montanha de onde eu morava, aos poucos minha memória foi distorcendo a história, construindo situações de perigo em que eu participava, aterrorizado. Tive até pesadelos. Até hoje minha memória distorce o enredo, muda seu começo, seu final; o que era um passeio de estudantes se transformou em um passeio de bicicleta com amigos, entre tantos que fiz por lá... Qualquer dia desses, volto lá para ver o final que vou dar a essa história...
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
30/7/2008
11h43min
Esse texto me fez pensar algo bem inquietante. Se nossa vida é o que nós lembramos dela, então não vivi realmente nem metade do que vivi fisicamente, pois a maior parte das coisas vividas perderam-se de minha memória. Ainda contando que boa parte da minha memória é composta dessas histórias ficcionais, não só da literatura como também de filmes e peças teatrais, de repente sou um ser mais fictício do que real. Melhor eu parar de pensar no assunto antes que eu comece a sumir como no "De volta para o futuro".
[Leia outros Comentários de Fernando Lima]
31/7/2008
10h29min
Guga, você faz parte da minha memória sempre. E ainda construo pedaços de suas histórias e vou juntando às minhas e vou tentando entender esse troço todo. O seu texto tá impecável e impagável. Muito bom, bom mesmo. Beijo.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
31/7/2008
19h45min
E assim surgem as mentiras... (as melhores mentiras).
[Leia outros Comentários de Amábile]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Mal-estar na Civilacao
Sigmund Freud
Penguin-cia das Letras
(2013)



Vestida para Espantar Gente na Rua
Miki W.
Estacao das Letras e Cores
(2010)



Inspired Level 2: Workbook
Judy Garton-sprenger, Philip Prowse
Macmillan Education
(2015)



Construindo uma Vida
Vários Autores
Lafonte
(2006)



Heart of the Sea - Pocketbook
Nora Roberts
Jove
(2000)



Nem Tudo esta Azul no País Azul
Gabriela Rabelo
Mercuryo
(2004)



Selou e Maya
Lara Meana e Maria Pascual de La Torre
Sm
(2016)



A Vaca Submarina
Edy Lima (autor), Michele Iacocca
Global
(2011)



Engage 3 - Students Book Pack - Special Edition B1
Varios Autores
Oxford
(2018)



A Libertacao
Norberto R. Keppe
Proton
(2017)





busca | avançada
42788 visitas/dia
1,6 milhão/mês