O sol se põe em São Paulo | Rafael Rodrigues | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS

Sexta-feira, 4/7/2008
O sol se põe em São Paulo
Rafael Rodrigues

+ de 6000 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Às vezes adiamos leituras simplesmente por achar que não vamos gostar. E, se não há prazer na leitura, ao menos de literatura, para quê ler? Para dizer que leu? Sou terminantemente contra isso. Se eu começar a ler, por exemplo, Moby Dick, e não gostar, paciência, coloco o livro de lado e parto para o próximo. Claro que vou chorar o dinheiro e o tempo perdido (mais o dinheiro que o tempo), mas paciência. Há sebos demais por aí e gente disposta a pagar algum por um livro recém-comprado. Mas é óbvio que isso não acontecerá comigo. Afinal, tenho um gosto refinado, e jamais diria que não gostei de Moby Dick. Tem como não gostar de Moby Dick?

Essa pequena e boba introdução serve apenas para dizer que adiei a leitura de um livro de Bernardo Carvalho o quanto pude. Sempre achei que não ia gostar dele ― do autor, no caso. E, caramba, não gostar de um autor contemporâneo é pior que dizer que não gosta de Machado. Vocês pensam que não, mas é verdade. Abram a boca para dizer que não gostam daquela jovem moça de São Paulo; ou daquela outra (já não tão jovem assim) de Porto Alegre; ou então daquele rapaz, revelação carioca. É uma espécie de suicídio literário-social: você diz isso e te viram as costas, chamam de maluco e sem noção, colocam seu nome em portas de banheiro acompanhado de palavras nada agradáveis e começam a comentar por trás "ele não bate bem do juízo...".

Então, se eu lesse algum livro de Bernardo, não gostasse e dissesse isso publicamente, fariam fogueiras com as páginas impressas da minha resenha ou post e é provável que eu precisasse sair do país e tudo. Mas, ainda bem, isso não vai acontecer. Até porque os leitores de Bernardo Carvalho não fazem parte do Movimento dos Literatos Revolucionários, cujos integrantes têm idade mental de uma criança de 11 anos e são fãs de autores com a mesma idade mental que eles. Além disso, li um livro de Bernardo Carvalho e gostei.

Foi O sol se põe em São Paulo (Companhia das Letras, 2007, 168 págs.), que havia comprado em 2007, por causa do título e da capa. Às vezes faço isso, compro livros por causa do título e da capa. Não faz muito tempo, conheci um livro chamado Concreto armado, eu te amo, das áreas de Engenharia Civil e Arquitetura. Tem coisa mais linda que um título assim? Concreto armado, eu te amo. É de um romantismo que não existe mais. Sei sobre engenharia civil o mesmo que aquele cara que construiu um monte de prédios misturando com farinha de trigo com cimento, mas juro que fiquei com a maior vontade de comprar o livro, só por causa do título. Ah, outra coisa que faço também é demorar de ler os livros que compro ou ganho. Mas, enfim, voltemos a O sol se põe em São Paulo, que é um romance muito bom.

O título faz uma quase alusão ou alusão às avessas ao Japão, país também conhecido como "terra do sol nascente". O Japão é presença forte do romance, o que me levou a fazer várias vezes a mesma pergunta, diante do espelho: "se em 2008 comemoramos os 100 anos de imigração japonesa no Brasil, por que diabos não adiaram a publicação do livro por 1 ano?" Pensei que, dessa forma, o livro teria mais chance ainda de aparecer na mídia. Mas, depois de receber do espelho o silêncio como resposta, desisti de saber e me resignei a apenas continuar lendo o dito cujo.

No romance, um escritor frustrado ― na verdade, um aspirante a escritor frustrado, o que é pior ainda, já que ele não tem nenhum livro publicado ― serve de ghost writer para Setsuko, a velha japonesa dona do restaurante japonês que ele freqüenta. Na verdade, não chega a ser um ghost writer, pois ela quer lhe contar sua história, mas quem a publicará ― ou não ― será ele, e não ela.

Descendente de japoneses, o escritor quer distância do Japão. Ao menos é o que ele diz. Mas, se realmente tivesse ojeriza à terra do sol nascente, por que iria regularmente a um restaurante japonês? E por que aceitaria dar forma justamente à história de uma japonesa?

Respostas são necessárias, mas nem sempre são fáceis de encontrar. Mulher direta e sem meias palavras, Setsuko é, também, paradoxalmente, repleta de mistérios e silêncios, muitas vezes deixando lacunas em seus relatos. Sua história é quase inacreditável, e o escritor quase sempre fica perplexo com algumas das revelações que a velha japonesa lhe faz.

Em determinado ponto do romance, ela, Setsuko, desaparece. Vende o restaurante e vai embora, não se sabe para onde, sem terminar de contar sua história. Para o escritor, deixa o pagamento referente ao livro que ele deve terminar de escrever e um pedaço de papel com um endereço no interior de São Paulo, para onde ele se encaminha. É nesse ponto que os mistérios de Setsuko começam a ser revelados, e é também quando o escritor dá início à experiência mais importante de sua vida, que definirá seu rumo dali para diante.

Contra a própria vontade, vai ao Japão. O país que o recebe nada tem de caloroso ou acolhedor. Muito pelo contrário. As pessoas não lhe dão atenção e são atravessados, desconfiados, os olhares que lhe dirigem. Sua irmã mora na terra do sol nascente há alguns anos, mas não o deixa conhecer sua casa e as condições nas quais vive (ou sobrevive). Depois de anos sem se ver, os irmãos passam apenas algumas horas juntos, pois ela não pode se ausentar sequer um dia do trabalho. Quando ele precisa de alguma ajuda, sempre a recebe de um estrangeiro, não de um japonês. O Japão de Bernardo Carvalho não é aquele Japão que costumamos ver na tevê, onde pessoas vão para ganhar bem, juntar dinheiro e voltar para o país de origem. É um país como qualquer outro, sem fantasias ou ilusões. É nessa terra estranha e fria que o escritor terá de buscar as origens de Setsuko e sua verdadeira história. Uma missão difícil para alguém que sente o fracasso impregnado na alma. Mas talvez a única chance de redenção para alguém que não fez nada de valoroso em toda a vida.

O sol se põe em São Paulo é literatura e, além disso, é sobre literatura. Sempre que têm oportunidade, a velha japonesa e o escritor fazem comentários sobre o assunto. E assim como Setsuko não é quem o escritor pensava, uma obra literária muitas vezes não é o que parece ser. Assim como uma pessoa tem diversas facetas, as tem também um poema, um conto, um romance. Pessoas são como livros, e vice-versa. Dessa forma, a literatura é vida, e deve ser escrita/lida/vivida da melhor maneira possível. Tanto vida quanto literatura precisam valer a pena. E O sol se põe em São Paulo vale.

Termino de escrever esta resenha com o sol nascendo lá fora. Talvez isso signifique alguma coisa. Talvez não signifique nada. Vai saber...

Para ir além






Rafael Rodrigues
Feira de Santana, 4/7/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um sujeito chamado Graham Norton de Arcano9


Mais Rafael Rodrigues
Mais Acessadas de Rafael Rodrigues em 2008
01. Caio Fernando Abreu, um perfil - 28/10/2008
02. Meus melhores filmes de 2008 - 30/12/2008
03. As horas podres, de Jerônimo Teixeira - 21/3/2008
04. Jovens blogueiros, envelheçam - 18/4/2008
05. A última casa de ópio, de Nick Tosches - 19/8/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/7/2008
14h31min
Mas esse seu primeiro parágrafo é um nariz de cera sem vergonha, hein?
[Leia outros Comentários de Ze Rubem]
4/7/2008
16h27min
Deu vontade de ler o livro, abraços!
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
5/7/2008
20h47min
Há livros que lemos e gostamos, já outros, não. Sabemos daqueles que não lemos e odiamos assim mesmo. Sugiro, inclusive, uma boa definição para "clássicos" (como "Moby Dick"): são os que adoramos sem ter lido. Quanto a mim, estou com Wendy Cope que considerava "escrever para entreter" uma sugestão apavorante. Escrevia, segundo ele, para fazer as pessoas ansiosas e miseráveis; para piorar sua indigestão. Se não me sinto perturbado por uma leitura, olho desconfiado para o livro.
[Leia outros Comentários de Abdalan da Gama]
6/7/2008
19h14min
"Tem como não gostar de Moby Dick?" Mas os capítulos "técnicos" desse livro são tão chatos...
[Leia outros Comentários de Jonas]
7/7/2008
14h57min
É, Bernardo Carvalho entrou na minha fila, logo atrás de Alexandre Plosk e Tatiana Salem Levy. E Moby Dick não seria MOBY DICK sem os capítulos "técnicos". Muito menos sem os capítulos "viajantes", como The Whiteness of the Whale (A Brancura do Cachalote), The Battering-Ram (O Aríete), The Fountain, etc. Acabei de reler. É cada vez mais impressionante.
[Leia outros Comentários de Montana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Escutando Sentimentos - 1ª Edição
Wanderley Oliveira & Ermance Dufaux
Dufaux
(2006)



Ricardo iii
William Shakespeare; Luiz Antônio Aguiar
L&pm Editores
(2007)



Pecados Sagrados
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2009)



A Horripilante História da Morte
Clive Gifford
Matrix
(2013)



Prólogos - Com um Prólogo dos Prólogos
Jorge Luis Borges
Rocco
(1985)



79 Park Avenue
Harold Robbins
Record
(1955)



Ainda Existe Esperança. a Solução para os Problemas da Vida
Enrique Chaij
Casa
(2010)



Sistema Gastroenterologico
Guia Didatico
Peprazol



Manual de Fisica
Dcl
Dcl
(2007)



Reparando Erros de Vidas Passadas
Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho
Petit
(2004)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês