Nine Inch Nails e The Slip | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Quarta-feira, 22/10/2008
Nine Inch Nails e The Slip
Rafael Fernandes

+ de 4200 Acessos

Fábrica de Chocolates

O Nine Inch Nails (ou NIN) surgiu em 1988 em Ohio, nos EUA. Não chega a ser uma "banda" de fato, já que Trent Reznor é o único membro: é o cantor, guitarrista, compositor e a mente por trás de todas as decisões. Costuma chamar músicos de sua confiança para alguns dos registros de estúdio e quando sai para uma temporada de shows. Reznor tem boa noção de negócio e produtos, sem que isso interfira na música. Cria o que quer criar e, a partir daí, sabe como vender seu peixe ― e, ao mesmo tempo, agradar aos fãs. Assim, todos seus lançamentos musicais, além de seus nomes de fato, levam a classificação de "Halo", acompanhada de numeração cronológica (sendo o 01 o primeiro EP, Down in it, de 1989, que antecedeu o disco Pretty hate machine, e 27 o mais recente, The Slip). Esses lançamentos costumam conter o logo característico da banda e apresentar artes diferenciadas, que em geral seguem uma linha de texturas, em contraponto às convencionais artes com simbologias mais óbvias. É um dos artistas que têm grande preocupação com a qualidade dos sons: da captação da gravação aos timbres diferenciados e também mixagem e masterização. Até hoje impressiona o som de The Downward Spiral, de 1994, que é uma boa mostra do que é a banda, tanto em produção quanto nas músicas: é capaz de ir do esporro de "The march of the pigs" à sensibilidade de "Hurt". Também sempre tem muito cuidado com todos os aspectos que envolvem seus lançamentos: quer alta qualidade do produto, dos shows, cenários, fotos etc. Tem interesse em dar o melhor a seus fãs, e sabe que se detalhes (como um belo encarte) não salvam um disco ruim, ressaltam as qualidades de um bom.

O trabalho do Nine Inch Nails começou a aparecer em 1989 com Pretty hate machine e acabou sendo marcado com o rótulo "industrial", por ser um som direto, agressivo, sombrio, com vocais gritados, guitarras processadas e incorporação de elementos eletrônicos. O primeiro disco já mostra bem o que Reznor pretendia. É uma excelente prova do poder de fogo das canções, como a abertura "Head like a hole" e "Terrible Lie" ― com ótimo refrão, quase um grito de guerra. O NIN consegue trazer parte do universo sonoro do que se convencionou chamar de "música eletrônica" e combinar com a agressividade, riffs e intensões musicais do rock. A união foi feliz e o resultado é um estilo particular. As letras são incisivas, muitas vezes com temáticas de auto-destruição. Além dos já citados discos, até o início de 2007 os lançamentos "de carreira" (discos inéditos) foram: The Fragile (1999), With Teeth (2005) e Year Zero (2007).

No início de 2008, foi lançado Ghosts I-IV (o primeiro sem o apoio de uma grande gravadora), com 36 faixas instrumentais, uma viagem de canções de climas densos. O grande destaque, fora a música, foi o inteligente lançamento de diversos formatos de produtos, numa tentativa de sentir o mercado e dar opções aos fãs. Sem nenhum custo, é possível adquirir, via download, 9 das músicas de Ghosts I-IV em alta qualidade de áudio, sem a "proteção" do insuportável DRM, e um PDF com uma arte. Por US$ 5,00 o comprador leva, também digitalmente em diversos formatos, as 36 faixas, mais um PDF com 40 páginas de arte. Já por US$ 10,00 é vendida uma versão física, com CD duplo em digipak. A US$ 75,00 é oferecida uma edição deluxe, com CD duplo, DVD de dados e Blu-ray com áudio em alta definição. Tudo isso numa embalagem luxuosa. E a versão ultra-deluxe, limitada a 2.500 cópias (e já esgotada) entregava, por US$ 300,00, o que vinha na edição deluxe mais o disco em vinil duplo e um livro com duas fotos do encarte em versões para serem enquadradas. Cada uma delas cópias foi numerada e autografada por Trent Reznor. Para quem não gosta, um desperdício. Para quem gosta, irresistível. Reznor, no mínimo, está procurando novos caminhos para ganhar dinheiro vendendo música ― sem abdicar dos desejos dos fãs.

Poucos meses depois, de forma surpreendente, The Slip foi lançado, gratuitamente, no site oficial. O músico declarou que seria um presente aos fãs, pelo apoio leal através dos anos. Aproveitou o frisson causado e anunciou, em seguida, uma turnê pelas Américas. O mais recente disco é um trabalho mais roqueiro, mais direto que os demais; privilegia o formato de banda, sem deixar a diversidade de sons e programações de lado. É um disco coeso e bem amarrado ― na medida certa. E com grandes músicas. Começa com um tema instrumental, "999,999", e fica potente com o riff marcante e hipnótico de "1,000,000". Aumenta o peso com "Letting You", de refrão empolgante; "Discipline", dançante na medida do possível, também é ótima. Em seguida vem uma das minhas preferidas, "Echoplex", de clima mais tranquilo, mas sem perder a pegada. Novamente: ótimos riffs e melodias. Depois, "Head Down" ― gosto do refrão ― e outra das minhas preferidas, "Lights in the sky", uma das mais belas canções já compostas por Trent Reznor. "Corona Radiata" e "The four of us are dying" são outras boas instrumentais "climáticas" (na linha do disco Ghosts I-IV). O encerramento é com "Demon Seed", que mantém o nível. Foi lançada também uma versão limitada no formato físico de CD com um DVD, que inclui gravações de ensaios para a turnê, em que as músicas de The Slip soam mais vivas e viscerais, como mostra este vídeo de "Letting You":



Infelizmente os shows pelo Brasil foram cancelados. Embora as más línguas indiquem que a baixa vendagem de ingressos foi o motivo, a justificativa oficial foi de "problemas técnicos", e mais de uma vez no site oficial a banda assumiu a culpa. De qualquer forma, para compensar um pouco e para ver o nível de qualidade dos shows, a seguir está um breve documentário (em inglês) sobre a tecnologia do cenário presente nas apresentações. Vale a pena assistir, mesmo para quem não gosta da banda. É impressionante. Essa é a forma como o NIN trabalha.



Rafael Fernandes
Sorocaba, 22/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Superficiais de Guilherme Pontes Coelho
02. Meu cinema em 2010 ― 1/2 de Wellington Machado
03. O boom literário de Rafael Rodrigues
04. E Éramos Todos Thunderbirds de Rennata Airoldi


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2008
01. High School Musical e os tweens - 9/1/2008
02. Tritone: 10 anos de um marco da guitarra rock - 10/9/2008
03. Videogame também é cultura - 10/12/2008
04. Blog precisa ser jornalismo? - 9/4/2008
05. 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1 - 7/5/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês