Não me envie a sua newsletter | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Como os jornais vão se salvar
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
>>> O que o Ato Conjugal significa para o Homem de Tim e Beverly LaHaye pela Betânia (2020)
>>> Crime e Castigo de Fiódor Dostoiévski pela Principis (2020)
>>> Satanismo de Daniel e Isabela Mastral pela Xxxxxxxxxxxx (2001)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/12/2008
Não me envie a sua newsletter
Julio Daio Borges

+ de 4100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Comecei com esse negócio de newsletter dez anos atrás. Em 1998, como eu já contei outras vezes, não eram todas as pessoas que tinham e-mail - então, era comum abrir a própria caixa postal e não encontrar nada, nada mesmo, nenhuma mensagem. Algumas aplicações até diziam - para o usuário não desistir de ter e-mail - "Sorry, you have no e-mails". Hoje pode parecer impossível um mundo quase sem spam, com poucas correntes de PowerPoint e mensagens que mais pareciam cartas, porque as pessoas se desdobravam, como no tempo do papel. Não havia MSN, nem caixa de comentários, nem, muito menos, Orkut ou Twitter.

Quando lancei a minha newsletter - que não passava de um texto que eu escrevia e disparava semanalmente -, juntava os poucos e-mails de jornalistas que eu conseguia (eles não divulgavam, às vezes nem off-line) e de interessados que, porventura, apareciam. Essa newsletter "velha" foi crescendo e até serviu de base para a newsletter de hoje do Digestivo Cultural. Mas era muito diferente. Quase ninguém tinha newsletter, porque quase ninguém tinha paciência de fazer o que eu fazia: juntar bolos de endereços e colá-los no campo de cópia oculta do Outlook (porque os serviços de webmail não aceitavam esse procedimento); colar, em seguida, o texto e o título; e disparar - isso quando endereços inválidos não retornavam (ou quando a conexão discada não caía no meio) - até percorrer todo o mailing. Nos dias subseqüentes era comum ainda receber mensagens de erro, junto com respostas automáticas de todos os gêneros.

Apesar dos feedbacks interessantes que recebi de jornalistas e escritores - e que me motivaram a construir o Digestivo Cultural - era trabalhoso manter uma newsletter, além da parte escrita em si, e as respostas nem sempre eram as mais positivas. Lembro do caso de um ex-colega da faculdade que me marcou, ainda antes do Digestivo. De repente - não lembro agora se por causa de um determinado texto -, ele resolveu protestar contra a minha newsletter. Depois de meses, ou anos, recebendo, vociferou contra ela, copiando amigos em comum, e comparando meu procedimento ao de alguém que tivesse instalado um outdoor no seu quarto, com letras garrafais piscando o meu nome, bem na cara dele. Óbvio: não era essa a minha intenção. Por que, afinal, ele nunca pedira para sair da minha newsletter? Discutimos, e nos estremecemos, por e-mail.

Nos últimos tempos - da explosão dos blogs pra cá, digamos -, eu lembro, com freqüência, desse colega meu (com quem fiz as pazes, aliás, no casamento de um amigo em comum). Eu sinto que explodiu o número de newsletters, ou, pelo menos, o número de newsletters que eu passei a receber. Tudo bem que eu sou Editor do Digestivo Cultural, que tem quase 30 mil assinantes no seu mailing e que tem por volta de 300 mil visitantes-únicos por mês. Mas, mesmo assim, eu acho que há um certo exagero no número de newsletters atualmente. Hoje qualquer pessoa que abre um blog, trata de disparar, ato contínuo, uma newsletter: "Ei, gente, venha ver o meu (novo) blog!". Também o blogueiro que não posta muito, e que quase abandonou seu blog várias vezes: "Ei, pessoal, tem post novo no meu (velho) blog!". Ou, ainda, o blogueiro que posta demais, é muito ansioso, e fica aporrinhando todo mundo pra ler: "Galera, desta vez eu quero comentários, hein?".

OK, nada contra quem tem blog, muito pelo contrário. Ocorre que, hoje, já existe uma ferramenta muito mais avançada que a newsletter por e-mail, para avisar as pessoas das atualizações que você faz no seu blog ou site. Chama-se feed RSS. Você simplesmente disponibiliza a quem for visitar o seu endereço na internet, e se o internauta gostar, assina o feed e acabou. Você não tem de saber o e-mail da pessoa, você não tem de saber nem quem é a pessoa. E essa ferramenta é tão mais avançada que a velha newsletter que a própria pessoa sai do seu feed de atualizações na hora em que ela quiser - e você nem fica sabendo, só tem acesso ao número total de assinantes. Eu sei que os feeds ainda não pegaram 100% no Brasil - tanto que, apesar dos feeds do Digestivo, eu continuo mantendo a newsletter do site por e-mail -, mas será que é justo ficar importunando as pessoas em troca de visitação?

Além das atualizações de blogs ou sites de muita gente que eu nem sei quem é (mas que, provavelmente, me conhece), eu recebo newsletters informativas com updates sobre a vida da pessoa. Isso mesmo. (E você ainda quer que eu continue recebendo passivamente?) Como publicamos muito sobre o assunto literatura no Digestivo, por exemplo, são pessoas informando, a mim e a um monte de outros indivíduos (com cópia oculta), sobre terem conseguido bolsas, terminado livros e até ganhado prêmios. O remetente da newsletter se torna, nesta época de facilidade de comunicação, relações públicas de si próprio. Não é mais "o contínuo de si mesmo", das crônicas do Nélson Rodrigues, mas é "o RP de si mesmo", em tempos de Twitter. (Tudo bem que, no Twitter, só "te segue" quem quer; já, por e-mail - sem o destinatário nem te conhecer direito - é covardia, não é?)

Sabe o que vai acontecer? O que já está acontecendo: as newsletters vão se banalizar e vão perder seu efeito. Porque, apesar de todo mundo saber criar (e "manter") uma newsletter hoje, quase ninguém está preparado para receber um não eletrônico ("Não, eu não quero receber a sua newsletter"), e, mais grave ainda, tem gente que não sabe como te tirar da própria newsletter. Eu estou falando aqui de cátedra, porque envio, diariamente, um ou mais e-mails pedindo para sair de uma nova newsletter de alguém que acabei de conhecer. (Alguém que - se não fosse pela newsletter não solicitada - eu nem "conheceria", quero dizer.) Quase que invariavelmente a pessoa se ofende e não concebe que eu - talvez como Editor do Digestivo Cultural - não me interesse por ela e pelas "novidades" dela. Já montei uma mensagem pronta, que explica que temos um endereço eletrônico especial para o envio de releases, mas nem sempre adianta - essas pessoas querem que eu, Julio, receba seus e-mails pessoalmente. Isso quando não pedem para sair da newsletter do Digestivo em atitude vingativa - como se uma publicação tivesse a obrigação de receber as "novidades" de seus leitores igualmente.

As pessoas não sabem, mas vão ficar sabendo agora. Quem insiste em me enviar sua newsletter - e não me deixa sair dela (ou, pior, não consegue me tirar) -, eu filtro ou até marco como spam. Ou seja, eu criei uma pasta, no meu webmail, para desviar essas pessoas (e suas mensagens indesejadas) da minha caixa de entrada - e só vou abri-las se sobrar tempo. Às vezes nem vou abrir: vou dar uma olhada na linha de assunto e apagar direto. Agora, se não me interessar mesmo, e o remetente for daquele tipo sem escrúpulos (que não te responde, nem te dá uma link de "opt-out"), vou carimbar como spam impiedosamente. Assim, meu webmail vai entender que, daquele remetente, só vem spam, marcando, automaticamente, todas as mensagens subseqüentes dele. E pior: marcando as mesmas mensagens - desse mesmo remetente - em todas as outras caixas postais dos demais usuários dessa ferramenta de webmail...

É por isso que as newsletters estão perdendo seu efeito. Mas a solução não é disparar ainda mais newsletters, com mais freqüência e para mais gente. É disparar menos. Ou, num mundo ideal, nem disparar. Eu confesso que já fui o rei das newsletters. (Aquele meu colega da faculdade talvez até tenha tido razão em me repreender.) Mas, hoje, você possivelmente nunca recebe uma newsletter minha, a não ser que seja um convite mensal, ou alguma coisa assim, que te diga efetivamente respeito. Não surjo inesperadamente na caixa postal de ninguém. Nem uso outras ferramentas, mal disfarçando newsletters, para tentar enganar as pessoas - estou falando de scraps no Orkut, por exemplo. O Digestivo tem suas próprias newsletters, evidentemente. Mas tenho pensado, sem brincadeira, em diminuí-las também. (E você pode sair delas automaticamente, basta clicar no link para remover.) Antes de me enviar qualquer coisa, a partir de agora, pergunte-se se o interesse da mensagem não é mais seu do que meu. Porque, daqui a pouco, vou fazer como um ex-chefe que tive: quando me copiarem, nem me dou ao trabalho de ler; só vou ler quando me escreverem de verdade, como nos primórdios do e-mail...


Julio Daio Borges
São Paulo, 26/12/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Hércules reduzido a lenda de Carla Ceres
02. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
03. Livros de literatura podem ser objetos de consumo? de Ana Elisa Ribeiro
04. Ex-míope ou ficção científica? de Ana Elisa Ribeiro
05. Os diários de uma paixão de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges
01. Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges - 29/1/1974
02. Freud e a mente humana - 21/11/2003
03. A internet e o amor virtual - 5/7/2002
04. Frida Kahlo e Diego Rivera nas telas - 25/4/2003
05. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/12/2008
14h10min
Gostei, Julio, de sua coragem, de sua sinceridade. Acho que expor essas coisas ajuda as pessoas a pensarem melhor. Sei que muitas vão ficar ofendidas, mas fazer o quê? Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
2/1/2009
13h13min
Queria dizer essas palavras a algumas pessoas :( Agora começaram a enviar por e-mail posts que não solicitei. Ai MEODEUS. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Maysa]
5/1/2009
12h00min
Julio, você tem razão. Marcar como Spam essas coisas que teimam em aparecer na nossa caixa de entrada é a melhor opção. Ficamos satisfeitos, nós e o remetente, que insiste em nos enviar newsletters e similares. Bissextamente até dá prá ler alguma coisa...
[Leia outros Comentários de José Antonio]
12/1/2009
09h33min
No início do ano 2000, comprei o meu primeiro PC: recebia pouquíssimas correspondências internáuticas, e abria vírus... Hoje, marco como lixo muita coisa, e deleto. Das newsletters que recebo, sempre dou uma olhadinha para ver o que tem de bom, e o seu artigo foi assim... Parabéns.
[Leia outros Comentários de Neli Aparecida]
12/1/2009
10h06min
Caro Júlio, eu leio as coisas que recebo. A razão? Gosto, simplesmente. Ou talvez seja por que eu possua alguns distúrbio mental, já que leio compulsivamente tudo que me cai às mãos. Assim aprendo, desaprendo, renovo, inovo, retroajo e avanço - sempre a viajar por admiráveis galáxias de nulidades e sabedorias. É isso: divirto-me.
[Leia outros Comentários de João Athayde]
12/1/2009
11h27min
Julio, discordo um pouco de algumas certezas que você encerra. Eu, por exemplo, prefiro a comodidade de receber a news na minha caixa postal e ler quando tiver oportunidade. E, sim, eu mantenho uma newsletter (um pouco atrasada nesse período de festas) com o conteúdo postado na semana e tenho um retorno bastante positivo com meus amigos e conhecidos. Sei que você prefere não recebê-la e, desavisadamente, como seu email estava na minha lista de contatos, disparei incorretamente para você. Peço sinceras desculpas e me esforçarei para que não aconteça. No entanto, não fico magoada, não. Entendo, perfeitamente, quem diz não poder receber minhas postagens - cada um tem um foco de trabalho, tem sua preferência literária, ou mesmo não quer encontrar sua caixa lotada depois que se recupera de um resfriado de dois dias. Acredito que as novidades sempre trazem suspeitas, medos, e assim vamos tomando partido. Mas tudo isso acabará se incorporando, de um jeito ou de outro, ao nosso cotidiano.
[Leia outros Comentários de Paula Cajaty]
27/1/2009
15h56min
Julio, parabéns pelo texto! Admiro a coragem de postar um texto com este conteúdo, as news andam meio saturadas e acabando com a paciência de muita gente, só nos resta marcar como "spam"...
[Leia outros Comentários de Priscila Thaís]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EVA - WILLIAM P. YOUNG
WILLIAM, P. YOUNG
ARQUEIRO
(2015)
R$ 25,00



MICROECONOMIA
DONALD S WATSON E MARY A HOLMAN
SARAIVA
(1979)
R$ 5,00



RECEITAS DE MACARONS
EDITORA GIRASSOL
GIRASSOL
(2014)
R$ 20,95



MENINOS E MENINAS - SERIE SINAL ABERTO
DOMINGOS PELLEGRINI
ATICA
(1995)
R$ 7,00



TEMAS EM DESTAQUES
FÚLVIA ROSEMBERG
CORTEZ
(1989)
R$ 15,84



DICIONÁRIO ENCICLOPÉDICO ILUSTRADO VEJA LAROUSSE 21
VEJA LAROUSSE
ABRIL
(2006)
R$ 6,90



VINDE ESPÍRITO SANTO - COMISSÃO LITÚRGICA DO GRANDE JUBILEU ANO 2000
PAULINAS
PAULINAS
(1997)
R$ 12,00



GUIA DANUSIA BÁRBARA 2007 - RESTAURANTES DO RIO
DANUSIA BARBARA
SENAC RIO E SEBRAE RJ
(2007)
R$ 25,28



JANELA DE JOHARI
SILVINO JOSE
VOZES
(1986)
R$ 7,90



O DIREITO NO MUNDO GLOBALIZADO: EM DIREÇÃO À BOA GOVERNANÇA
DIREITO, ESTADO E SOCIEDADE Nº 35
PUC RJ
(2009)
R$ 28,28





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês