Batchan, elas são lindas... | Daniela Mountian | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
>>> Comunidade - A busca por segurança no mundo atual de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2003)
>>> Modernidade Líquida de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2001)
>>> Mundos do Trabalho - Novos Estudos Sobre História Operária 3ªed. de Eric J. Hobsbawm pela Paz e Terra (2000)
>>> Sangue suor & lágrimas - A Evolução do Trabalho de Richard Donkin pela M. Books (2003)
>>> Ideologia e Cultura Moderna 6ªed. de John B. Thompson pela Vozes (2002)
>>> Os Anormais - Curso no Collége de France (1974-1975) de Michel Foucault pela Martins Fontes (2002)
>>> Psworld--35--28--16--5--24. de Digerati pela Digerati
>>> Super gamepower--26--46--38--32--43--51. de Nova cultural pela Nova cultural
>>> Triangulo de Ken follett pela Abril cultural
>>> Nintendo world--35--tres vezes tony hawk! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--49. de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--34--cobertura completa da e3--jogamos o gamecube! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--45--resident evil de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--38--mario kart--super circuit de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Curar como jesus curou de Barbara leahy shiemon/dennis linn/mathew linn pela Loyola
>>> Jovem,o caminho se faz caminhando de Dunga pela Cançao nova (2005)
>>> Nintendo world--37--nasceu de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--27--o mundo nao e o bastante para james bons de Conrad pela Conrad (2000)
>>> Nintendo world--76--prince of persia de Conrad pela Conrad (2004)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Terça-feira, 13/11/2001
Batchan, elas são lindas...
Daniela Mountian

+ de 10000 Acessos
+ 10 Comentário(s)

Yara Mitsuishi

Seu Zé Flaviano. Um amigo ouropretano. Ele mora na Rua João XXIII...

“Oh, Seu Zé, diz como ir?”
“Filha, vai gingando...”
“Seu Zé, não consigo mais...”

Seu Zé na ladeira, ladeando mais um bocadinho de sonho. Olhos de sangue, escorrendo vida.

“É cedo, é cedo...”
“Quero fuzaquiar também, me leva daqui.”
“Tá tudo pronto, olha ali sua ladeira!”
“Eu não to vendo...”
“Não precisa de vê não!”

Seu Zé era o dono de todas as ladeiras do mundo. Pois então que eu senti como era ser um procurador de sonho, buscador do nada, sentidor do tudo. Está tão escuro, escuridão entranhada. Essa escuridão é diversa de todas as outras. Escuridão alumiada, uma estrelinha sonsa e molenga. Pois meus olhos acabaram de nascer e ainda não sabem ver direito, mas de todo sabem como sentir. Olhos que sentem e não enxergam.

1995 - Ver
Eu não sei falar bonito, nem entendo de nada... Por isso vou deixando livre, vocês que me lerem, vão ficando confusos não, é do Guimarães Rosa que queria saber dizer, mais de Miguilim, nos Campos Gerais...

Falar do Rosa...Tudo que é pretensão minha se ajuntou aqui. A única forma de lidar com o medo é escrevendo de verdade, assim. Foi que me falaram que Seu Guimarães escrevia como em transe, de uma vez, tinha era que reler tudo, pois já já esquecia da estória. Acho que só assim que dá para entender esse homem, era grande. Porque fala de vida, de sonho, de morte, de sorte, de gente, de bicho, de mato, de música, de feiura...E de tudo fala de verdade, “importante de repente, como uma estória”. Foi que entendi num instante, assim como Miguilim, que “entendeu tudo tão depressa, que custou para entender”, sua mãe gostava era do tio. Mas de castigo, “de pelourim”, sabia que não devia de aceitar a licença do tio, fosse melhor continuar brincando de pensar. Foi que Miguilim nunca entendeu porque seu pai deu sua cachorra cega, Cuca Pingo-de-Ouro, com seu filhotinhozinho para uns tropeiros, ela já tava era cega. Por quê? E Miguilim gostava mais, mesmo, antes de tudo, do irmão Dito.

“Um certo Miguilim...” “Miguilim bobo...” Uma família, “mãe, o Dito, as Meninas, Tomezinho, o Pai, Vovó Izidra, até os cachorros também, o gato Sossõe, Rosa, Mãitina, vaqueiro Salúz, o vaqueiro Jé, Maria Pretinha...”. O Dito “era menor mas sabia o sério”. Drelina era linda, como uma santa. Tomezinho, o menorzinho, sonhava com o esquecido. Miguilim bobo. Chica sabia as brincadeiras todas, “mariolinha”, “tão engraçadinha”... Ah, Seu Guimarães, queria saber falar do senhor...No meio de tantas veredas, no Mutum, nos Campos Gerais. Toda violência de uma vida, de uma gente, de uma miséria igualzinha de toda gente, no meio de um sertão, num buraco de terra. Mas o nome da estória é Campo Geral, parece mais que está tudo aberto, vastidão. Um Campo Geral no Mutum. E está tudo lá mesmo. Tudo de pertim na imensidão...que nem o Grande Sertão: Veredas, tudo oposto, tudo grudado, tudo em tudo.

E o moço que narra a estória, tudo engraçado, mais parece que está junto de Miguilim, embaralhado. Vai contando e se funde todo, parece quase que um personagem. Faz até pergunta. Nunca vi narrador de estória fazendo pergunta. Como se a estória fosse maior, tomando conta. Tudo se construindo, tudo movimentado, melodioso. Parece mais que o autor está entranhando no Mutum. Como é mesmo o palavrão? Subjetividade? Pode ser isso? É tanto... O menino Miguilim, no fim não enxergava era nada, tudo via deformado, precisava de um par de lentes para perder de vista o sonho. E tudo que via, era assim, defeito de olho? Subjetividade? Pois que o narrador era mais que narrador... Não sabia de tudo - a gente fica livre...E tava tão juntinho de Miguilim... E os sonhos, as lembranças, tudo misturadinho na cabeça do Miguilim, só tinha oito sonhos, oito anos.

Tudo escrevi foi de memória...Para misturar, ver tudo deformado, exagerado...“... conservava outras recordações, tão fugidas, tão afastadas, que até formavam sonho...”.

Daniela Mountian

2001- Rever
Pois que vi tudo de novo, tudo fresco na memória, fui lá no Mutum, e tava tudo diferente. E eu nem precisei de óculos para enxergar o diverso. Acho que tudo quanto é gente nasce míope. Só o Dito que não. Miguilim “bebeu um golinho de velhice”. Foi-se tudo indo, a Cuca Pingo-de-Ouro, Dito, o Pai. Dito, bendito, carregava todo juízo do mundo. Ditinho morre, ele que já sabia do tudo, nem desse mundo fazia parte, só não queria morrer menino pequeno, mas pr’aquelas bandas não é estranho menininho dormir cedo. Miguilim sempre tropeçava, caía, não fazia nada direito, só sabia inventar estórias. “Miguilim bobo”. Mas só depois mesmo é que se descobre, no bom que é todo fim: “Miguilim, você é piticego...” E é tanta coisa de pensar... Uma imensidão de pontinhos brilhantinhos que persistem, e insistem. Todo o universo se concentrou foi muito cedo no menino Miguilim. E ele foi embora, mas pediu, por um momento, os óculos para o moço que o levara, queria olhar tudo assim, da última vez, era tudo diferente. Tanta ternura ajuntada à violência de tudo. Miguilim. Acho mais que encontrei ele mais velho, num livro outro. Miguel.

E tudo que era morte cercava Miguilim, desde menino neno, quando pequenino quase mesmo tinha morrido. Depois já ficava era danado se qualquer irmãozinho comesse galinha, porque ele lembrava que achava que morria, num engasgo com um ossinho. E um homem que falava engraçado disse que ele tava era muito magrinho...Miguilim também pensou que fosse...Fez dez dias, um acordo com Deus - se em dez dias não morresse, não poderia morrer mais...Também achava que dois irmãos podiam se matar, feito Caim e Abel...Pai e Tio... “Tudo morte de ida-e-volta...” Mas foi mesmo o Dito embora...Dito não brigava com ninguém, todos respeitavam, nem nunca de castigo ficava... E Miguilim teve que aprender a morrer... Seu Manuelzão, que achava sinal de morte em tudo, da estória seguinte, devia de saber viver...Pois o menino de oito anos devia de saber da morte para entender a vida...O Dito já sabia mais é isso tudo, morrer e viver...Só ele mesmo já podia morrer...Mas como sabia do certo? O Dito era o personagem mais velho de todos, mas ele era menor, bem menor do que Miguilim.

Seu Guimarães pode tudo, ele sabe brincar de imaginar na realidade. Foi que ele mesmo fica falando de um olhar, pula nele como num poço, pode também ser o mais delicado, o mais bruto. Acho que esse homem, que era médico, não “devia de”, deve de ser pecado segurar tanta verdade na mentira. Porque ele sabe ser simples de verdade...Duas belezuras diferentes: uma era “bela”, outra “bonita”, duas mulheres...num livro outro. É em tudo que sabe ser muito. Diz que é em alemão que Rosa pode ser lido de outra forma melhor, das outras línguas assim...Tudo engraçado...

E foi que a Maya, dessas amigas que mais parece irmã, me contou de um Miguilim registrense. Contou assim, de leve, como o moço que disse a Miguilim que o Mutum era lugar bonito de se ver. E se é de leve, sem querer, é que é para acreditar mesmo. Um japonesinho pequenino que apanhava todo dia de sua batchan, todo dia, todo dia, porque todo dia quebrava um prato. Foi que num dia qualquer, batchan andarolava com seu netinho, de mãos grudadas:

“Olha como a lua está linda...”
“Batchan, elas são lindas!”


Daniela Mountian
São Paulo, 13/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Correio de Elisa Andrade Buzzo
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Três filmes sobre juventude no novo século de Guilherme Carvalhal
04. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
05. Gustavo Rezende: uno... duplo... de Humberto Pereira da Silva


Mais Daniela Mountian
Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/11/2001
11h59min
Ah, Daniela, Queria que o Digestivo tevesse mais poesia, cheguei mesmo a pedir isto, mesmo sabendo que poeta é bicho difícil de achar. Daí vem você. Este texto é um presente. Uma prosa-poesia. Dá gosto de ler. Ainda mais pra mim, que adoro Seu Guimarães. E terminar com a batchan e o japinha foi uma graça a parte. Repita-se. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
13/11/2001
17h00min
realmente esse texto é um presente ... diz do prazer de se beber das imagens criadas e da leveza crua que nossos olhos acompanham no dançar das palavras .Seja benvinda neste presente . Lúcia
[Leia outros Comentários de LÚCIA CORDEIRO]
13/11/2001
19h23min
que previlégio poder ler textos que alimentam nossa alma. Obrigada por existir
[Leia outros Comentários de Ivete M Proença]
13/11/2001
21h41min
What wonderful writing. I only wish that I understood Portuguese better to be able to fully appreciate it! Congratulations!
[Leia outros Comentários de Peter Pas]
13/11/2001
22h23min
Apesar de entender português melhor que o Peter, ainda tenho dificuldade para apreciar o Guimarães Rosa. Mais uma coisa é certa - seu talento, Daniela, me fez sentir a beleza da escrita que você gosta tanto.
[Leia outros Comentários de Anatoli Mountian]
13/11/2001
22h26min
Daniela, Que agradável surpresa! Que bom reencontrar o Rosa através de alguém como vc.Reencontrar Minas... Quero mais, Um beijo, Magda
[Leia outros Comentários de Magda Antuña]
14/11/2001
02h31min
Vou ficar distraída...toda sorriso...boba, boba...Esses comentários tão bonitos de doer, quase um crime... Agradeço, muito, a todos, que conheço e não conheço... Tudo com graça...tudo bom de sentir...:)
[Leia outros Comentários de Daniela Mountian]
14/11/2001
10h19min
Que belo texto! Daqueles que tocam a alma... Percorre e faz viver a linguagem de Rosa ao mesmo tempo que inaugura um campo novo, já outro, próprio e então original! Parabéns Daniela, um beijo grande
[Leia outros Comentários de Ana ]
24/11/2001
14h03min
Daniela, como é bom criar asas e voar, estimulando nossos sentidos com a riqueza de um texto como o teu! É uma verdadeira “viagem”! Fico muito feliz por reconhecer em você um talento realmente surpreendente. Parabéns por essa revelação e siga sempre em frente! Abraços, Adelma
[Leia outros Comentários de Adelma Seri]
2/2/2002
13h30min
Daniela, Parabéns pelo belíssimo texto, foi de emocionar, meus olhos se encheram d'água... Um pouquinho de lição de vida meio Guimarães, meio Daniela... Muito sucesso pra essa pessoa especial que você é! Beijos, Iara
[Leia outros Comentários de Iara Terzi Ito]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOMENTOS DE ILUMINAÇÃO
DIVALDO FRANCO
LEAL
(2015)
R$ 12,00



À PROCURA DO OURO
J. M. G. LE CLÉZIO
BRASILIENSE
(1989)
R$ 20,00



LITERATURA COMENTADA BOCAGE
BOCAGE
ABRIL
(1980)
R$ 6,90



HISTÓRIA VOLUME UNICO
GISLANE E REINALDO
ÁTICA
(2008)
R$ 17,00



UMA BURGUESA E A REVOLUÇÃO
CLAUDE LAVENNE
BRASILIENSE
(1969)
R$ 12,00



MANUAL DO ENGENHEIRO GLOBO 4 ° VOLUME 2° TOMO
GLOBO
GLOBO
(1968)
R$ 7,00



LEGIÃO – UM OLHAR SOBRE O REINO DAS SOMBRAS – TRILOGIA O REINO DAS SOMBRAS VOLUME 1
ROBSON PINHEIRO PELO ESPÍRITO ÂNGELO INÁCIO
CASA DOS ESPÍRITOS
(2006)
R$ 15,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



APRENDER JUNTOS - MATEMÁTICA 5º ANO
ROBERTA TABOADA ANGELA LEITE
SM
(2010)
R$ 7,90



UM AMIGO NO ESCURO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(2003)
R$ 6,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês