O inventário da vida | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Literatura

Quarta-feira, 14/11/2001
O inventário da vida
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Por um destes motivos que não convém esmiuçar, Georges Perec recebeu, no Brasil, o rótulo de escritor pós-moderno. É uma pecha depreciativa, que os críticos em geral dão àquilo que não entendem. São poucos os que entendem o pós-modernismo com seu caráter real, ou seja, de baixo-modernismo. Para a maioria, o pós-modernismo determina um momento da literatura que está além (para cima) da revolução modernista. Um engano que leva a algumas excrescências, como a de colocar, no mesmo balaio de gato, Cortazar, Perec e Pynchon.

O pós-modernismo se caracteriza, antes, pela ausência de um caráter permanente nas obras. Coisa que não se pode dizer dos livros O Arco-Íris da Gravidade ou O Leilão do Lote 49, de Thomas Pynchon, ou deste Vida Modo de Usar — Romances, que infelizmente só tenho o prazer de ler agora, e ainda por cima graças à indicação indireta de outro escritor francês que admiro muito, Michel Houellebecq, autor de Partículas Elementares, publicado aqui pela editora Sulina, e Plataforme, livro ainda inédito em português. Escrever sobre este Vida Modo de Usar tem tão-somente o propósito de apresentar Georges Perec a quem ainda não o conheça.

Pode-se chamar o romance de um mega-romance, bem ao estilo cortaziano em O Jogo da Amarelinha. Tanto é assim que o livro traz como subtítulo “romances”, no plural. Logo às primeiras páginas somos apresentados a uma variedade de personagens dispostos numa variedade de ambientes, equilibrados bastante fragilmente numa linha-mestra lógica, no caso específico de Vida..., uma linha que tem como espelho lingüístico um quebra-cabeça, ou melhor, puzzle.

A leitura de Vida..., portanto, se torna mais e mais obscura na medida em que se entra na narrativa. Aliás, o termo “entrar na narrativa” não é casual. Perec nos convida a conhecer cada aposento de um prédio em Paris, onde moram os personagens excêntricos cujas histórias o francês nos contará nos mínimos detalhes. Primeiro, levados pela escadaria, subimos os degraus, alheios ao elevador antigo que certamente está colocado no centro do corrimão em espiral, e chegamos aos quartos; depois aos depósitos e às áreas comuns, onde raramente os personagens se encontram ou insinuam encontrar-se. Cada lugar deste nos faz lembrar da expressão “porões da alma”, cunhada nos consultórios de psicanálise.

Esta entrada nos “porões da alma” de gente como Beaumont, Moreau, Altamont, Márcia e o morto mas onipresente Winckler nos leva a um labirinto bastante confuso. Ao leitor não cabe querer chegar ao centro, onde se esconde o Minotauro; convém, antes, divertir-se com as inúmeras possibilidades do labirinto, de paredes fortemente marcadas com uma rica iconografia, ali marcada para deliciar os que se perdem, com histórias como a “História do antropólogo incompreendido”, a “História do capitão que explorou a Nova Guiné” e a “História do acrobata que não queria descer mais do trapézio”. São croniquetas inseridas na narrativa, que fazem as vezes de enfeite rococó.

Beaumont pode ser considerado o protagonista deste Vida.... É um erro facilmente corrigível, mas tentador de ser cometido. Fenômeno interessante, esta necessidade de se achar um protagonista. Beaumont é o homem rico dono da maior parte do prédio, um aristocrata excêntrico que, durante vários anos andou de porto em porto ao redor do mundo para pintar marinas que depois eram remetidas para Paris, onde o sr. Winckler as transformava em puzzles cada vez mais difíceis de serem montados. Nos últimos anos a tarefa do já debilitado Beaumont é remontar suas marinas, à velocidade de uma a cada duas semanas. São 500 marinas.

Por mais estranho que pareça, Beaumont é, no caleidoscópio de seres estranhos que habitam aquele singelo prédio residencial em Paris, dos mais normais. Ele é um dos únicos que não têm um grande drama familiar que o deixou psicologicamente inválido. Na verdade, sua obsessão por marinas e puzzles são o que lhe confere esta sanidade. Perec quer, com isso, denunciar o já diagnosticado declínio da aristocracia européia. Com as burras cheias de dinheiro mas sem sentido para a vida, o que resta se não enlouquecer sadiamente, montando quebra-cabeças tediosos?

O que chama a atenção ainda no romance de Georges Perec é a profusão de objetos que se dispõe pelos cômodos do prédio. Cadeiras de todos os estilos, mesas, cômodas, armários, estantes cheias de livros encadernados em couro legítimo, estatuetas, relíquias, tapetes, sofás, cortinas, ferramentas de marcenaria, restos de artesanato para futuro artesanato, cabides, latas de conserva, prataria, cristais, malas de viagem, porta-retratos, frascos de remédios para dormir, aparelhos de telefone, toda sorte de objetos de higiene e limpeza, etc. A enumeração destes objetos, ao longo do romance, chega a ser exaustiva, não oferecesse um panorama mais do que completo da vida dos personagens.

A idéia de Perec é interessante. O homem passa; o objeto fica. Ele contesta a imortalidade do humano a partir da simples descrição daquilo que o rodeia. Um homem, durante a vida, cerca-se de vários objetos de estimação. Eu mesmo tenho uma caixa entupida de objetos que me fazem lembrar de bons e maus momentos de minha curta vida. Porta-retratos com fotografias que não quero ver, marcadores de livros de ouro, anéis de charuto, um copo de uísque roubado de um casamento, livros e mais livros, além da parafernália eletrônica hoje indispensável e que aos poucos vai se tornando também parte desta tralha afetiva, como convém chamar.

E quando morrem os homens, o que resta? Dele, cinzas, se tiver a sorte de ser cremado. Cinzas que, por sinal, vão ser depositadas num objeto que entrará para a lista de tralha afetiva da família. Restam do homem, ainda, estes objetos que contam sua vida e lhe fazem as vezes de memória. É assim uma espécie de biografia sutil que se conta pelas impressões digitais em cada uma das coisas.

Todos os personagens de Perec, de um modo ou de outro, acabam perecendo. Na verdade, pode-se pensar neles como não-personagens, seres sem rosto, sem voz, sem nada, apenas trazidos à tona pelos bricabraques que os acompanham. É o caso, novamente, do sr. Beaumont, que não é absolutamente nada sem suas aquarelas, suas tintas e, agora, velho, seus puzzles por montar. Destrinchando o romance de Perec, temos o mordomo do sr. Beaumont, que é essencialmente os cartões-postais que acumulou durante os anos em que acompanhou o seu patrão nas viagens pelo mundo. E por aí vai.

Perec foi um dos últimos representantes do genuíno romance, concebido para ter a maior abrangência possível, dentro de seus restritos limites de páginas e linguagem. Além disso, sempre procurou dar um sentido lógico a todos os passos de seus personagens, que se interligam por falsos-acasos muito bem articulados. A linha-mestra deste romance são os puzzles, que dão um caráter matemático à vida, uma falsa sensação de poder sobre estes lances dos quais não damos conta. Montando os quebra-cabeças acabamos por montar aos poucos nosso passado, nossa história, reservando-nos o direito de não montar as partes que achamos menos atraentes destas marinas tediosas que nós mesmos pintamos no dia-a-dia.

Em 1982, aos 46 anos, Georges Perec morreu. Deixou órfã a literatura francesa, que andou muito tempo na corda bamba do discurso marxista fácil, do romance-de-proletariado. Este tipo de romance foi exportado e hoje tem grande força nos Estados Unidos, principalmente pelas cabeças de John Updike, que está sempre revisitando algum clássico, Shakespeare de preferência, com um toque classe-média intelectualizada; e por Phillip Roth. Só agora, nos anos 90, a literatura francesa ganhou um novo impulso, principalmente com a figura ainda solitária de Michel Houellebecq, escritor que sabe misturar cientificismo e literatura deliciosamente. Houellebecq se diz um aficcionado por Georges Perec, o que é plenamente compreensível. É aquela velha história de olhar sobre ombros de gigantes... Perec e Houellebecq têm em comum uma característica que talvez os escritores tupiniquins devessem de uma vez por todas reverenciar: o gosto pela palavra. Pode parecer uma incongruência, mas os escritores brasileiros estão mais interessados em picuinhas tipo Academia Brasileira de Letras do que fazer uma literatura que realmente cause algum tipo de reação nos leitores. Ora, já que importamos tanta porcaria francesa, como Bourdieu e, em outros tempos, Sartre, talvez seja tempo de importarmos o que a França tem de realmente bom: Houellebecq e Perec, por exemplo.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 14/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
02. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba de Heloisa Pait
05. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/9/2009
00h16min
Escorregada do Polzonoff nesse texto aí, hein. É Bartlebooth a personagem central a que ele se refere como Beaumont... Bartlebooth!
[Leia outros Comentários de Eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DE INTRODUÇÃO À ECONOMIA
JEFFERSON MARIANO
PAPIRUS
(2002)
R$ 11,00



ADMINISTRANDO A INFORMÁTICA
PAULO ROBERTO RODRIGUES
PIONEIRA
(1989)
R$ 15,00



A FESTA
CHRISTIANE GRIBEL
PLANETA
(2004)
R$ 10,00



DEPOIMENTOS
ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE PROPAGANDA
APP
(1985)
R$ 20,00



PEREGRINO DO TEMPO
EDUARDO PIOCCHI
MERCURYO
(1992)
R$ 10,00



CORA DO MEU CORAÇÃO
MÔNICA AGUIEIRAS CORTAT
EME
(2012)
R$ 23,00



CONTRÔLE DE QUALIDADE - 1 METROLOGIA
PANAMBRA
PANAMBRA S. A.
(1961)
R$ 50,00



CONTOS BUDISTAS
SHERAB CHODZIN
MARTINS FONTES
(2003)
R$ 46,00



ATTRACTION UNIVERSELLE ET RELIGION NATURELLE CHEZ QUELQUES...
HELENE METZGER FEDERICO ENRIQUES ORG.
HERMAN & CIE
(1938)
R$ 75,00



MEMORIAL DO PRESENTE
AUGUSTO MARZAGÃO
NOVA FRONTEIRA
(1994)
R$ 6,47





busca | avançada
14031 visitas/dia
1,2 milhão/mês