O inventário da vida | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
COLUNAS >>> Especial Literatura

Quarta-feira, 14/11/2001
O inventário da vida
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Por um destes motivos que não convém esmiuçar, Georges Perec recebeu, no Brasil, o rótulo de escritor pós-moderno. É uma pecha depreciativa, que os críticos em geral dão àquilo que não entendem. São poucos os que entendem o pós-modernismo com seu caráter real, ou seja, de baixo-modernismo. Para a maioria, o pós-modernismo determina um momento da literatura que está além (para cima) da revolução modernista. Um engano que leva a algumas excrescências, como a de colocar, no mesmo balaio de gato, Cortazar, Perec e Pynchon.

O pós-modernismo se caracteriza, antes, pela ausência de um caráter permanente nas obras. Coisa que não se pode dizer dos livros O Arco-Íris da Gravidade ou O Leilão do Lote 49, de Thomas Pynchon, ou deste Vida Modo de Usar — Romances, que infelizmente só tenho o prazer de ler agora, e ainda por cima graças à indicação indireta de outro escritor francês que admiro muito, Michel Houellebecq, autor de Partículas Elementares, publicado aqui pela editora Sulina, e Plataforme, livro ainda inédito em português. Escrever sobre este Vida Modo de Usar tem tão-somente o propósito de apresentar Georges Perec a quem ainda não o conheça.

Pode-se chamar o romance de um mega-romance, bem ao estilo cortaziano em O Jogo da Amarelinha. Tanto é assim que o livro traz como subtítulo “romances”, no plural. Logo às primeiras páginas somos apresentados a uma variedade de personagens dispostos numa variedade de ambientes, equilibrados bastante fragilmente numa linha-mestra lógica, no caso específico de Vida..., uma linha que tem como espelho lingüístico um quebra-cabeça, ou melhor, puzzle.

A leitura de Vida..., portanto, se torna mais e mais obscura na medida em que se entra na narrativa. Aliás, o termo “entrar na narrativa” não é casual. Perec nos convida a conhecer cada aposento de um prédio em Paris, onde moram os personagens excêntricos cujas histórias o francês nos contará nos mínimos detalhes. Primeiro, levados pela escadaria, subimos os degraus, alheios ao elevador antigo que certamente está colocado no centro do corrimão em espiral, e chegamos aos quartos; depois aos depósitos e às áreas comuns, onde raramente os personagens se encontram ou insinuam encontrar-se. Cada lugar deste nos faz lembrar da expressão “porões da alma”, cunhada nos consultórios de psicanálise.

Esta entrada nos “porões da alma” de gente como Beaumont, Moreau, Altamont, Márcia e o morto mas onipresente Winckler nos leva a um labirinto bastante confuso. Ao leitor não cabe querer chegar ao centro, onde se esconde o Minotauro; convém, antes, divertir-se com as inúmeras possibilidades do labirinto, de paredes fortemente marcadas com uma rica iconografia, ali marcada para deliciar os que se perdem, com histórias como a “História do antropólogo incompreendido”, a “História do capitão que explorou a Nova Guiné” e a “História do acrobata que não queria descer mais do trapézio”. São croniquetas inseridas na narrativa, que fazem as vezes de enfeite rococó.

Beaumont pode ser considerado o protagonista deste Vida.... É um erro facilmente corrigível, mas tentador de ser cometido. Fenômeno interessante, esta necessidade de se achar um protagonista. Beaumont é o homem rico dono da maior parte do prédio, um aristocrata excêntrico que, durante vários anos andou de porto em porto ao redor do mundo para pintar marinas que depois eram remetidas para Paris, onde o sr. Winckler as transformava em puzzles cada vez mais difíceis de serem montados. Nos últimos anos a tarefa do já debilitado Beaumont é remontar suas marinas, à velocidade de uma a cada duas semanas. São 500 marinas.

Por mais estranho que pareça, Beaumont é, no caleidoscópio de seres estranhos que habitam aquele singelo prédio residencial em Paris, dos mais normais. Ele é um dos únicos que não têm um grande drama familiar que o deixou psicologicamente inválido. Na verdade, sua obsessão por marinas e puzzles são o que lhe confere esta sanidade. Perec quer, com isso, denunciar o já diagnosticado declínio da aristocracia européia. Com as burras cheias de dinheiro mas sem sentido para a vida, o que resta se não enlouquecer sadiamente, montando quebra-cabeças tediosos?

O que chama a atenção ainda no romance de Georges Perec é a profusão de objetos que se dispõe pelos cômodos do prédio. Cadeiras de todos os estilos, mesas, cômodas, armários, estantes cheias de livros encadernados em couro legítimo, estatuetas, relíquias, tapetes, sofás, cortinas, ferramentas de marcenaria, restos de artesanato para futuro artesanato, cabides, latas de conserva, prataria, cristais, malas de viagem, porta-retratos, frascos de remédios para dormir, aparelhos de telefone, toda sorte de objetos de higiene e limpeza, etc. A enumeração destes objetos, ao longo do romance, chega a ser exaustiva, não oferecesse um panorama mais do que completo da vida dos personagens.

A idéia de Perec é interessante. O homem passa; o objeto fica. Ele contesta a imortalidade do humano a partir da simples descrição daquilo que o rodeia. Um homem, durante a vida, cerca-se de vários objetos de estimação. Eu mesmo tenho uma caixa entupida de objetos que me fazem lembrar de bons e maus momentos de minha curta vida. Porta-retratos com fotografias que não quero ver, marcadores de livros de ouro, anéis de charuto, um copo de uísque roubado de um casamento, livros e mais livros, além da parafernália eletrônica hoje indispensável e que aos poucos vai se tornando também parte desta tralha afetiva, como convém chamar.

E quando morrem os homens, o que resta? Dele, cinzas, se tiver a sorte de ser cremado. Cinzas que, por sinal, vão ser depositadas num objeto que entrará para a lista de tralha afetiva da família. Restam do homem, ainda, estes objetos que contam sua vida e lhe fazem as vezes de memória. É assim uma espécie de biografia sutil que se conta pelas impressões digitais em cada uma das coisas.

Todos os personagens de Perec, de um modo ou de outro, acabam perecendo. Na verdade, pode-se pensar neles como não-personagens, seres sem rosto, sem voz, sem nada, apenas trazidos à tona pelos bricabraques que os acompanham. É o caso, novamente, do sr. Beaumont, que não é absolutamente nada sem suas aquarelas, suas tintas e, agora, velho, seus puzzles por montar. Destrinchando o romance de Perec, temos o mordomo do sr. Beaumont, que é essencialmente os cartões-postais que acumulou durante os anos em que acompanhou o seu patrão nas viagens pelo mundo. E por aí vai.

Perec foi um dos últimos representantes do genuíno romance, concebido para ter a maior abrangência possível, dentro de seus restritos limites de páginas e linguagem. Além disso, sempre procurou dar um sentido lógico a todos os passos de seus personagens, que se interligam por falsos-acasos muito bem articulados. A linha-mestra deste romance são os puzzles, que dão um caráter matemático à vida, uma falsa sensação de poder sobre estes lances dos quais não damos conta. Montando os quebra-cabeças acabamos por montar aos poucos nosso passado, nossa história, reservando-nos o direito de não montar as partes que achamos menos atraentes destas marinas tediosas que nós mesmos pintamos no dia-a-dia.

Em 1982, aos 46 anos, Georges Perec morreu. Deixou órfã a literatura francesa, que andou muito tempo na corda bamba do discurso marxista fácil, do romance-de-proletariado. Este tipo de romance foi exportado e hoje tem grande força nos Estados Unidos, principalmente pelas cabeças de John Updike, que está sempre revisitando algum clássico, Shakespeare de preferência, com um toque classe-média intelectualizada; e por Phillip Roth. Só agora, nos anos 90, a literatura francesa ganhou um novo impulso, principalmente com a figura ainda solitária de Michel Houellebecq, escritor que sabe misturar cientificismo e literatura deliciosamente. Houellebecq se diz um aficcionado por Georges Perec, o que é plenamente compreensível. É aquela velha história de olhar sobre ombros de gigantes... Perec e Houellebecq têm em comum uma característica que talvez os escritores tupiniquins devessem de uma vez por todas reverenciar: o gosto pela palavra. Pode parecer uma incongruência, mas os escritores brasileiros estão mais interessados em picuinhas tipo Academia Brasileira de Letras do que fazer uma literatura que realmente cause algum tipo de reação nos leitores. Ora, já que importamos tanta porcaria francesa, como Bourdieu e, em outros tempos, Sartre, talvez seja tempo de importarmos o que a França tem de realmente bom: Houellebecq e Perec, por exemplo.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 14/11/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Silêncio e grito de Ana Elisa Ribeiro
02. A Velhice de Marilia Mota Silva
03. Doutor Eugênio (1949-2020) de Julio Daio Borges
04. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
05. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


Mais Especial Literatura
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/9/2009
00h16min
Escorregada do Polzonoff nesse texto aí, hein. É Bartlebooth a personagem central a que ele se refere como Beaumont... Bartlebooth!
[Leia outros Comentários de Eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Vladslav Ostrov, Príncipe do Juruena
Maria José de Queiroz
Record
(1999)



Era uma Vez... Realidade Talvez
Janaina Soares e Susana Nogueira (orgs)
Cbje
(2014)



Lógica Jurídica
Silvio de Macedo
Rio
(1978)



História Geral e Brasil - Nova Ortografia
José Geraldo Vinci de Moraes
Atual
(2009)



Afecções Menos Frequentes Em Gastroenterologia
Paulo Roberto Savassi-rocha e Outros
Medbook
(2007)



A Espécie Divina. Como o Planeta Pode Sobreviver À era dos Seres
Mark Lynas
Alta Books
(2012)



Psicologia da Criança
Arthur T. Jersild
Itatiaia Limitada
(1977)



O Mundo e Eu
João Mohana
Agir
(1984)



Systematic Database of Diptera of the Americas South of the United Sta
J H Guimarães
Pleiade
(1997)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês