Os donos da voz | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/10/2009
Os donos da voz
Rafael Fernandes

+ de 2700 Acessos

Os donos da voz (Boitempo Editorial, 2000, 184 págs.), de Maria Tosta Dias, faz um panorama da construção do mercado fonográfico brasileiro. O livro não vai muito a fundo no assunto, nem pretende, mas é eficaz ao mostrar os atores desse mercado e o desenvolvimento dos meios de produção. Também tem boas observações sobre como o negócio da música se monta através das tecnologias do momento e de como sua estrutura principal se acomoda em grandes empresas que raramente têm a música como negócio principal.

Antes de prosseguir, um porém. O livro tem uma linguagem de tese, que por vezes cansa, em especial quando faz referências teóricas e tende para um lado mais sociológico. Mas não atrapalha sua leitura por dois motivos. Primeiro, o mais óbvio: sabemos de antemão que livro surgiu a partir de uma tese de mestrado de sociologia da autora, ou seja, já é de se esperar as referências e a linguagem. Segundo, as informações são muito boas, amenizando essa pequena objeção.

Em relação à evolução do negócio, observamos no livro como o piano e as partituras podem ser a origem da "música de massa" e como a edição padronizada de tais partituras pode ter sido um dos primeiros momentos do mercado fonográfico. A partir do advento dos tocadores é que os discos se afirmaram como produto principal.

No capítulo sobre difusão são interessantes os comentários sobre a Rádio Nacional, mostrando sua importância como empresa e como centro de entretenimento. Tinha um cast fixo, incluindo cantores. Por causa disso, mantinha relações com a indústria do disco, mas fazia uso da música apenas para conquistar fidelidade de programação. Ou seja, na maioria das vezes, o artista era simplesmente um veículo para alguma outra finalidade. Nessa época, as rádios produziam muito mais conteúdo e não apenas focavam na difusão, tendência que se iniciou a partir dos anos 70.

Nesse mesmo momento, as verbas para publicidade das empresas começaram a passar para a TV, deixando um pouco de lado as rádios e provocando mudanças significativas.Também nos anos 70 apareceram os LPs, que dominaram o mercado e deixaram para trás o consumo de compactos. Com o domínio desse formato, outra mudança: os artistas e suas obras se tornam mais importantes do que o disco e a consequência disso é que as gravadoras começaram a apostar em casts mais estáveis.

Interessante que isso também confirma o que André Midani, um dos grandes gestores de gravadora do país, coloca em seu livro de memórias: na era do disco, o artista era a figura mais importante; assim, as pessoas iam às lojas e peguntavam pelo "novo disco da Bethânia". Com a internet e a fragmentação, as músicas se tornaram mais importantes que o artista (e que o disco, claro!). Dessa forma, uma nova pergunta surgiu: "você tem o disco que tem a música tal?". Hoje são as músicas avulsas que "comandam".

Já no fim dos anos 70, no Brasil, começam os movimentos de aproveitar o segmento de mercado do público jovem, principalmente no rock. Como a frase do mesmo André Midani colocada em Os donos da voz: "O futuro imediato da MPB está no rock" (posicionamento reforçado, novamente, em seu livro de memórias). O mercado do rock proporcionou um barateamento das produções (não precisa de arranjadores, maestro, músicos acompanhantes etc.). De certa forma, nesse momento começou o processo de democratização do acesso a gravações.

A partir da organização mais profissional do mercado brasileiro, aconteceu o fenômeno de acomodação: de apostar no retorno certo, deixando pouco espaço para inovação ou melhora na qualidade dos produtos. Maria Tosta Dias afirma, no livro, que o negócio do disco (ou seja, gravadoras) se baseou e se manteve através do desenvolvimento e da "propriedade das máquinas de gravação e reprodução". Daí inferimos que o mercado baseado no disco não faz mais sentido nos dias de hoje, já que os meios de gravação estão difundidos, democratizados e a reprodução não mais centralizada nas gravadoras.

O universo do estudo foca na produção nacional até os anos 90. É o retrato de uma época; em especial até o meio da década, que foi o auge de venda de discos no Brasil, diferente da derrocada atual. Por exemplo: cita gravadoras que não têm mais a relevância anterior, como Velas, ou Paradoxx Music, que fechou. Mas isso não deprecia em nada a observação. Ou melhor, evidencia a evolução e auge do negócio. Mostra, ainda, que o que se chama de mercado independente no Brasil pode não ser tão recente quanto parece. Nesse contexto muitos grupos dos anos 80, sem acesso a gravadoras, usavam o precedente de vender discos em shows, muitas vezes com sucesso ― algo que voltou a estar "na moda" e é citado por muitos artistas de hoje como um fator importante para o mercado atual.

Por todo o livro vão sendo citadas algumas práticas comerciais das gravadoras que contribuíram para o desgaste do mercado e no plano cultural. Por exemplo, o grande número de lançamento de coletâneas (produtos quase totalmente amortizados e com retorno certo), divulgação de artistas que tocam o ritmo do momento (que demandam baixo investimento e têm alto retorno em curto prazo) e insistência em fórmulas musicais conhecidas. As argumentações são muitas vezes entrecortadas por declarações de gente do meio.

Os donos da voz escancara (apesar de rapidamente) a existência do jabá, citando, inclusive, exemplos e valores. Ressalta o boom de faturamento gerado pelas vendas de CDs a partir do fim dos anos 80 graças, principalmente, à reedição de álbuns que estavam fora de catálogo e à reposição da coleção de LPs. O fim dos anos 90 trouxe a união do declínio dessa reposição de catálogo ao aparecimento dos softwares de trocas de arquivo via internet.

Como dito no começo deste texto, é curioso notar o fenômeno de como as mudanças no mercado de venda de música vieram e continuam vindo de empresas de outros tipos, em geral produtoras de hardware, como empresas de aparelhos de som, eletrônicos e tecnologia. Ou, num momento anterior, de casas noturnas, estúdios e lojas. Para muitas dessas, em especial as grandes corporações, o mercado fonográfico era apenas mais um dos negócios. Seu declínio faz com que tais empresas apenas façam cortes ou até deixem de atuar nesse segmento, sem grandes perdas para elas. O sucesso do iTunes e iPod corrobora essa observação. E essa e muitas outras possíveis soluções para o mercado da música não estão saindo de empresas estritamente musicais.

É importante voltar a citar que livro cobre, basicamente, uma era pré-internet (assunto que é tratado no apêndice da segunda edição) e o desenvolvimento da indústria fonográfica; ou seja, indústria do disco e não da música. O apêndice se fez necessário na nova edição para tentar passar pelas tendências geradas pela internet, como serviços de música on-line, em celulares, a circulação de música de forma avulsa (apenas uma canção) e a possibilidade do fim do álbum. Os donos da voz não encerra seu assunto apenas no descrito neste texto, o livro tem outros elementos não explorados aqui. Ao término da leitura fica a sensação de ser um dos livros seminais sobre a indústria da música no Brasil.

Para ir além






Rafael Fernandes
São Paulo, 7/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos
02. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World de Heloisa Pait
04. De Middangeard à Terra Média de Celso A. Uequed Pitol
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TODOS OS NOMES DO MUNDO
NELSON OLIVER
EDIOURO
(2005)
R$ 19,00



ESCREVENDO PELA NOVA ORTOGRAFIA
JOSÉ CARLOS AZEREDO
PUBLIFOLHA
(2008)
R$ 46,83



MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAL -16ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA
CECILIA SOARES IORIO
SENAC
(2013)
R$ 49,64



O DIÁRIO DE ZLATA - A VIDA DE UMA MENINA NA GUERRA
ZLATA FILIPOVIC´
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 18,00



O MÍNIMO QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA NÃO SER UM IDIOTA
OLAVO DE CARVALHO
RECORD
(2013)
R$ 39,00



ÉTICA A NICÔMACO
ARISTÓTELES
MARTIN CLARET
(2002)
R$ 10,00



PATOLOGIA ESTRUTURAL E FUNCIONAL
STANLEY L. ROBBINS RAMZI S. COTRAN
INTERAMERICANA
(1983)
R$ 68,00



AMIGO DE INFÂNCIA
DONNA TARTT
COMPANHIA DAS LETRAS
(2004)
R$ 15,00



LUZ NO LAR
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
FEB
(1997)
R$ 9,80



METODOLOGIA EM CIÊNCIA DEDUTIVA
ANTONIO JOSÉ MARQUES
RIO BRANCO
(1999)
R$ 90,00





busca | avançada
44089 visitas/dia
1,2 milhão/mês