Os donos da voz | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Curitiba On-line: atividades culturais disponíveis para fazer em casa
>>> Luis Stuhlberger, um dos maiores gestores de fundos do país, participa do próximo Dilemas Éticos
>>> Cia. Palhadiaço faz temporada online de Depósito acompanhada por oficinas grátis
>>> GRUPO MORPHEUS TEATRO leva obra audiovisual “BERENICES” para teatros públicos do munícipio de São Pa
>>> II Bibliofest debate Agenda 2030 da ONU/IFLA em bate-papos literários e oficinas culturais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Deficiente capilar
>>> A imaginação do escritor
>>> Caindo de paraquedas na escrita
>>> Inteligência artificial
>>> Rimbaud, biografia do poeta maldito
>>> 7 de Setembro
>>> Deixa se manifestar
>>> Auctoritas
>>> A arte do cinema imita o caos. Ou vice-versa
>>> Toca Raul!
Mais Recentes
>>> José Duarte- um Maquinita da Historia de Luiz Momesso pela 8 de Março (1988)
>>> Perfil Literário dos Presidentes das Sobrames Regionais- 2000/2002 de Varios Autores pela Santa Rita (2002)
>>> Dragões do Eter Vol. 3 - Círculos de Chuva de Raphael Draccon pela Leya (2010)
>>> Tecnica e Sociedade no Brasil - de Diana Gonsalves Vidal pela Contexto (1988)
>>> Projeto Resgate Pernambucano-vol. 01 de Varios Autores pela Alepe-pe (2007)
>>> Oásis do Meier de Altamir Tojal pela Calibar (2010)
>>> Redação para o 2 grau- Pensando lendo e escrevendo de Ernani e Nicola pela Scipione (1996)
>>> Gestao Radical: As Licoes Do Programa De Gestao Avancada Da Harvard Business de Mark Stevens pela Campus (2001)
>>> Os Vigilantes de Philip Cornford pela Record (1991)
>>> Inferno na Torre de Richard Martin Stern pela Record
>>> Contos Fluminenses-edições Criticas de Machado de Assis pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Discursos- Vol. 01 - 1974 de Ernesto Geisel pela Assessoria Imprensa Nacional (1975)
>>> Cantos do Brasil - o Caminho das Pedras de Shirley Souza pela Escala Educacional (2000)
>>> Remedio Amargo de Arthur Hailey pela Record
>>> A Câmera do Sumiço de Laura Bergallo pela Dcl (2007)
>>> Turismo Em Cronicas de Geraldo Granja Falcão pela Do Autor (1977)
>>> Bonecos na Ladeira de Adriana Victor pela Publikimagem (2011)
>>> Operação Rhinemann de Robert Ludlum pela Record (1974)
>>> Abilio Diniz. Caminhos E Escolhas de Renato pela Campus (2004)
>>> Historias Que o Tempo Esqueceu de Melchiades Montenegro Filho pela Fac Form (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index (1997)
>>> Respostas ao Criador das Frutas de Sonia Carneiro Leão pela Do Autor (2010)
>>> Envolvido pela Luz - 3ª de Betty J. Eadie pela Nova Era (1994)
>>> A Era Da Mulher de Alison Maitland pela Campus (2008)
>>> Mais rápido, barato e melhor de Michael Hammer e Outros pela Campus (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 7/10/2009
Os donos da voz
Rafael Fernandes

+ de 3000 Acessos

Os donos da voz (Boitempo Editorial, 2000, 184 págs.), de Maria Tosta Dias, faz um panorama da construção do mercado fonográfico brasileiro. O livro não vai muito a fundo no assunto, nem pretende, mas é eficaz ao mostrar os atores desse mercado e o desenvolvimento dos meios de produção. Também tem boas observações sobre como o negócio da música se monta através das tecnologias do momento e de como sua estrutura principal se acomoda em grandes empresas que raramente têm a música como negócio principal.

Antes de prosseguir, um porém. O livro tem uma linguagem de tese, que por vezes cansa, em especial quando faz referências teóricas e tende para um lado mais sociológico. Mas não atrapalha sua leitura por dois motivos. Primeiro, o mais óbvio: sabemos de antemão que livro surgiu a partir de uma tese de mestrado de sociologia da autora, ou seja, já é de se esperar as referências e a linguagem. Segundo, as informações são muito boas, amenizando essa pequena objeção.

Em relação à evolução do negócio, observamos no livro como o piano e as partituras podem ser a origem da "música de massa" e como a edição padronizada de tais partituras pode ter sido um dos primeiros momentos do mercado fonográfico. A partir do advento dos tocadores é que os discos se afirmaram como produto principal.

No capítulo sobre difusão são interessantes os comentários sobre a Rádio Nacional, mostrando sua importância como empresa e como centro de entretenimento. Tinha um cast fixo, incluindo cantores. Por causa disso, mantinha relações com a indústria do disco, mas fazia uso da música apenas para conquistar fidelidade de programação. Ou seja, na maioria das vezes, o artista era simplesmente um veículo para alguma outra finalidade. Nessa época, as rádios produziam muito mais conteúdo e não apenas focavam na difusão, tendência que se iniciou a partir dos anos 70.

Nesse mesmo momento, as verbas para publicidade das empresas começaram a passar para a TV, deixando um pouco de lado as rádios e provocando mudanças significativas.Também nos anos 70 apareceram os LPs, que dominaram o mercado e deixaram para trás o consumo de compactos. Com o domínio desse formato, outra mudança: os artistas e suas obras se tornam mais importantes do que o disco e a consequência disso é que as gravadoras começaram a apostar em casts mais estáveis.

Interessante que isso também confirma o que André Midani, um dos grandes gestores de gravadora do país, coloca em seu livro de memórias: na era do disco, o artista era a figura mais importante; assim, as pessoas iam às lojas e peguntavam pelo "novo disco da Bethânia". Com a internet e a fragmentação, as músicas se tornaram mais importantes que o artista (e que o disco, claro!). Dessa forma, uma nova pergunta surgiu: "você tem o disco que tem a música tal?". Hoje são as músicas avulsas que "comandam".

Já no fim dos anos 70, no Brasil, começam os movimentos de aproveitar o segmento de mercado do público jovem, principalmente no rock. Como a frase do mesmo André Midani colocada em Os donos da voz: "O futuro imediato da MPB está no rock" (posicionamento reforçado, novamente, em seu livro de memórias). O mercado do rock proporcionou um barateamento das produções (não precisa de arranjadores, maestro, músicos acompanhantes etc.). De certa forma, nesse momento começou o processo de democratização do acesso a gravações.

A partir da organização mais profissional do mercado brasileiro, aconteceu o fenômeno de acomodação: de apostar no retorno certo, deixando pouco espaço para inovação ou melhora na qualidade dos produtos. Maria Tosta Dias afirma, no livro, que o negócio do disco (ou seja, gravadoras) se baseou e se manteve através do desenvolvimento e da "propriedade das máquinas de gravação e reprodução". Daí inferimos que o mercado baseado no disco não faz mais sentido nos dias de hoje, já que os meios de gravação estão difundidos, democratizados e a reprodução não mais centralizada nas gravadoras.

O universo do estudo foca na produção nacional até os anos 90. É o retrato de uma época; em especial até o meio da década, que foi o auge de venda de discos no Brasil, diferente da derrocada atual. Por exemplo: cita gravadoras que não têm mais a relevância anterior, como Velas, ou Paradoxx Music, que fechou. Mas isso não deprecia em nada a observação. Ou melhor, evidencia a evolução e auge do negócio. Mostra, ainda, que o que se chama de mercado independente no Brasil pode não ser tão recente quanto parece. Nesse contexto muitos grupos dos anos 80, sem acesso a gravadoras, usavam o precedente de vender discos em shows, muitas vezes com sucesso ― algo que voltou a estar "na moda" e é citado por muitos artistas de hoje como um fator importante para o mercado atual.

Por todo o livro vão sendo citadas algumas práticas comerciais das gravadoras que contribuíram para o desgaste do mercado e no plano cultural. Por exemplo, o grande número de lançamento de coletâneas (produtos quase totalmente amortizados e com retorno certo), divulgação de artistas que tocam o ritmo do momento (que demandam baixo investimento e têm alto retorno em curto prazo) e insistência em fórmulas musicais conhecidas. As argumentações são muitas vezes entrecortadas por declarações de gente do meio.

Os donos da voz escancara (apesar de rapidamente) a existência do jabá, citando, inclusive, exemplos e valores. Ressalta o boom de faturamento gerado pelas vendas de CDs a partir do fim dos anos 80 graças, principalmente, à reedição de álbuns que estavam fora de catálogo e à reposição da coleção de LPs. O fim dos anos 90 trouxe a união do declínio dessa reposição de catálogo ao aparecimento dos softwares de trocas de arquivo via internet.

Como dito no começo deste texto, é curioso notar o fenômeno de como as mudanças no mercado de venda de música vieram e continuam vindo de empresas de outros tipos, em geral produtoras de hardware, como empresas de aparelhos de som, eletrônicos e tecnologia. Ou, num momento anterior, de casas noturnas, estúdios e lojas. Para muitas dessas, em especial as grandes corporações, o mercado fonográfico era apenas mais um dos negócios. Seu declínio faz com que tais empresas apenas façam cortes ou até deixem de atuar nesse segmento, sem grandes perdas para elas. O sucesso do iTunes e iPod corrobora essa observação. E essa e muitas outras possíveis soluções para o mercado da música não estão saindo de empresas estritamente musicais.

É importante voltar a citar que livro cobre, basicamente, uma era pré-internet (assunto que é tratado no apêndice da segunda edição) e o desenvolvimento da indústria fonográfica; ou seja, indústria do disco e não da música. O apêndice se fez necessário na nova edição para tentar passar pelas tendências geradas pela internet, como serviços de música on-line, em celulares, a circulação de música de forma avulsa (apenas uma canção) e a possibilidade do fim do álbum. Os donos da voz não encerra seu assunto apenas no descrito neste texto, o livro tem outros elementos não explorados aqui. Ao término da leitura fica a sensação de ser um dos livros seminais sobre a indústria da música no Brasil.

Para ir além






Rafael Fernandes
Sorocaba, 7/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pra frente, Brasil, salve a seleção! de Tatiana Cavalcanti


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Grammaire des Immeubles Parisiens - Six Siêcles de Façades Du Moyen ..
Claude Mignot
Parigramme
(2009)
+ frete grátis



Cavaleiros do Zodíaco Saintia Shô Vol. 8
Masami Kurumada
Jbc



A Bela Adormecida
Editora Girassol
Girassol
(2013)



A pequena pianista
Jane Hawking
Única
(2017)
+ frete grátis



Conheça o Seu Diabetes
Francisco Arduíno
Expressão e Cultura
(1979)



Metodologia Científica
Nádia Maria da Conceição Duarte e Outros.
Sba (rj)
(2008)



Querubins - a Sentença da Espada
Martha Ricas
Talentos
(2015)



La Grande Illusion
Alain Minc
Le Livre de Poche
(1989)



Locus Revista de História 12 - V 7 , N 1
Ufjf
Ufjf
(2001)



Solidão Quais as Respostas?
Francisco Canova
Dom Bosco
(1982)





busca | avançada
82631 visitas/dia
2,6 milhões/mês