Quanto vale blogar? | Rafael Fernandes | Digestivo Cultural

busca | avançada
62561 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Série Brasil Visual tem pré-estreia neste sábado no RJ e estreia dia 25/6, no canal Curta!
>>> Thiago Monteiro apresenta seu primeiro álbum autoral “Despretensioso”, em Rib. Preto - 25/06
>>> DIADORIM | NONADA SP
>>> Porto Blue Sound, festival de música gratuito chega a Belo Horizonte em julho
>>> Projeto Memória leva legado de Lélia Gonzalez ao CCBB BH
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Código de Defesa do Consumidor e Maradona
>>> Gerald Thomas: cidadão do mundo (parte I)
>>> Meu Sagarana
>>> Enquanto agonizo, de William Faulkner
>>> Silêncio e grito
>>> O óbvio ululante, de Nelson Rodrigues
>>> The News is Now Public
>>> Adeus, Tony Scott!
>>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
>>> Contrate seu Personal Twitter
Mais Recentes
>>> Histórias de além-túmo de Alfred Hitchcock pela Record (1976)
>>> A Última Flecha de Erwin McManus pela Chara (2018)
>>> O Iluminado de Stephen King pela Planeta de Agostini (2004)
>>> 100% Vegetariano de Brenda Davis pela Cultrix (2012)
>>> A Casa do Escritor de Vera Lucia Marinzeck De Carvalho, pelo espirito Patricia pela Petit (1993)
>>> Cristo está vivo de Michel Quoist pela Duas cidades (1982)
>>> Os Cem Mil Reinos de N. K. Jemisin pela Galera Record (2021)
>>> Jaco: O Patrulheiro Galáctico de Akira Toriyama pela Panini Brasil (2017)
>>> Curso de Iniciação Logosófica de Carlos Bernardo González Pecotche pela Logosófica (1983)
>>> Trilogia A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Principis (2020)
>>> Mangás Opus - 2 Volumes de Satoshi Kon pela Panini Comics (2017)
>>> Livro Filosofia Hermenêutica de Richard E. Palmer pela Edicoes 70 (1969)
>>> Prática da Honra de Danny Silk pela Chara (2018)
>>> Uma bruxa na Cidade Uma Bruxa Apaixonada de Ruth Warburton pela Leya (2013)
>>> Poemas para rezar de Michel Quoist pela Duas cidades (1978)
>>> E se Você Juntasse Seus Sonhos Aos Sonhos de Deus de Beni Johnson e Sheri Silk pela Chara (2015)
>>> A Tentação Totalitária de Jean François Revel pela Difel (1976)
>>> Catecismo da Filosofia de Huberto Rohden pela Alvorada (1991)
>>> Trilogia Bruxos e Bruxas de James Patterson pela Novo Conceito (2013)
>>> O Corpo Da Liberdade. Reflexoes Sobre A Pintura Do Seculo Xix de Jorge Coli pela Sesi (2018)
>>> Berserk - Guia Oficial de Kentaro Miura pela Panini Comics (2017)
>>> Livro Biografias Springsteen de Emerson Lopes pela Multifoco (2021)
>>> A Comedia Humana de William Saroyan pela Paz E Terra (2002)
>>> Um Novo Olhar Sobre as Vivências Mediúnicas - Falando Francamente de Agnaldo Paviani pela Luminus (2007)
>>> Arte Egípcia de Arte Egípcia pela Sem (2009)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/10/2009
Quanto vale blogar?
Rafael Fernandes
+ de 5800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Tenho um blog há pouco tempo (uns dois, três anos), mudei de endereço algumas vezes, não posto com frequência e nem tenho acessos. Mas, mesmo assim, é divertido. Outros pontos positivos são a liberdade de assuntos e de periodicidade. Muitos dos "manuais" de "como blogar melhor" indicam que escrever sempre é inevitável para quem quer ter um bom blog. Concordo em termos. Postar com frequência é bom para indicar a possíveis leitores que o espaço não está largado. Mas essa obsessão em publicar é cansativa e faz com que a coisa perca um pouco a graça. Já fazemos "obrigados" tantas coisas! Com os RSS isso fica quase irrelevante, pois não importa postar todo dia ou não: quando acontecer, o assinante recebe a atualização de qualquer forma. Além disso, como leitor, acabo preferindo quem escreve o que acha que de fato vale a pena e não apenas para cumprir tabela.

Aliás, postar só quando me surge algo foi o motivo de eu criar o meu, num primeiro momento. Às vezes via um filme, ouvia uma música etc. e pensava numa observação. Sentia falta de conseguir ordenar e registrar isso. Num caderno não adiantava. O blog foi a solução para organizar pensamentos sobre cultura (e, às vezes, futebol), incluindo meus textos aqui no Digestivo. Está tudo lá, registrado e arranjado de uma forma tão boa e simples que dificilmente eu conseguiria fazer de outra maneira.

Acredito que guardar e registrar coisas diversas foi também o motivo para muita gente começar a usar blogs. Para colocar um link, um vídeo, uma citação etc. num lugar só, sem correr tantos riscos de perder tais informações. Hoje essas pessoas estão migrando para sites como Tumblr e afins que, apesar de serem plataformas de blog como quaisquer outras, de certa forma estão se tornando "scrapbooks", ou "livro de recortes" virtuais. Nos quais as pessoas podem colocar tudo o que gostam num lugar só de maneira simples. Porém, isso não resolve tudo. Para quem gosta de expor ideias de forma mais trabalhada (não que saiam grandes coisas...), mais do que catalogar informações diversas, o blog ainda faz sentido. E tem o mérito de mostrar o que antes talvez ficasse no fundo de uma gaveta. A possibilidade de ter leitores, mesmo que remota, leva (ou deveria levar) a uma maior reflexão no que se escreve.

A internet está se (re)organizando constantemente. Portanto, muitas das motivações ao se criar um blog acabam sendo saciadas por novos veículos que vão surgindo. De sites sociais (Orkut, Facebook, MySpace) à exposição de fotos (Flickr), Twitter, agregadores (Ning, Tumblr) e outros. Há uma década era o blog que fazia as vezes de publicador de ideias e discussões. Hoje isso está se pulverizando. E é natural, já que tudo vai se ajeitando à medida que surgem plataformas que melhor se adequem a cada necessidade.

Dizem que a maioria dos blogs é de bobagens ou irrelevâncias. Ou, ao menos, os mais acessados. É verdade. Mas isso não é um problema apenas dos blogs. Está em tudo. Veja os programas de TV (até TV a cabo) comentados, os filmes mais vistos nos cinemas, as conversas das pessoas, as músicas mais ouvidas, os livros mais vendidos. A internet trouxe a possibilidade de se encontrar quase qualquer tema, mas com diferentes qualidades, claro. Trouxe, ainda, um mar de informação, de fluxo incontrolável. Mas achar as coisas boas, realmente relevantes, em qualquer área da vida é difícil e requer trabalho. Há 15 anos achar certos filmes "cult" nas locadoras era dificílimo; o mesmo acontecia para achar em CD um show da sua banda favorita. Como é difícil achar um restaurante diferente ou elaborar uma viagem menos óbvia. Existem e existirão dificuldades de achar o site certo no meio de tantas bobagens. Mas, repito, sempre foi difícil. Agora, as dificuldades só são outras: basicamente de organização e ordenação. Eu não canso de me assustar com a quantidade de gente talentosa que encontro graças à internet.

Vejo por aí obsessão por acessos, por "ganhar dinheiro", por "acontecer" via blogs (e, agora, Twitter): virar "blogueiro profissional" (quase um oxímoro). É algo que sempre existiu, mas que tem proporções assustadoras com a internet: é essa mania de as pessoas quererem resultados antes da relevância. E de fazer por dinheiro ou qualquer outra coisa, não por prazer. Ou seja, é a banda que quer "explodir" sem se preocupar com a composição, ensaios, shows etc. O escritor que quer publicar antes de ter bagagem e uma obra de fato boa. O blogueiro que quer viver de anúncios e tem uma página que não diz nada.

Essa mania de querer ganhar dinheiro, de tornar as coisas obrigatórias, de "aparecer", para que serve? Acho que esse pensamento enviesado é uma ilusão que mistura as "explosões" da indústria cultural de massa dos anos 80 com o surgimento de jovens empreendedores dos anos 2000. A ideia (falsa) de que você pode "bombar" a qualquer momento e ganhar dinheiro com o que seria inicialmente um hobby. Mas qual o problema em fazer só pelo prazer? Vale lembrar que muita gente, de diferentes épocas e áreas, de Carlos Drummond de Andrade a Fernando Pessoa, na escrita, a Jacob do Bandolim, Cartola e Guinga, na música, trabalhavam com outras coisas. Seu ganha-pão não necessariamente era sua arte. O legado dessas figuras e suas obras únicas eram feitas nos momentos de folga. Boa parte deles sequer teve retorno financeiro ou aclamação em vida. Se tiveram, demorou a acontecer. Nada contra quem ganha a vida assim, pelo contrário! Só uma restrição à essa ansiedade pelo "acontecer", esse comportamento meio "Tô Na Xuxa".

Nós sempre nos empolgamos com o novo, seja o que for. A internet potencializa esse sentimento: parece uma incessante busca da "nova revolução" do momento. Cada novidade da Web é tratada como a coisa mais genial do mundo, que vai impactar em tudo e mais um pouco. Uma suposta solução de todos os problemas ― que, na verdade, pode só trazer novos problemas. Isso tudo até o próximo hype. Como diz o Diogo Salles, é a "indústria do hype": a necessidade de apontar o novo mais pelo novo em si ou pelo "pioneirismo" da descoberta. Não necessariamente pela qualidade e relevância. Essas novidades da internet são interessantes, mas é preciso, sempre, relativizar a sua importância. As coisas novas e velhas vão se ajeitando, se acomodando nos seus lugares ― seja continuar na massa ou virar mais um item da cauda longa, num nicho. O tempo vai cuidando de separar o que era importante do que era sonho de uma noite on-line. Para que tanta pressa?


Rafael Fernandes
São Paulo, 21/10/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa mais bonita é São Paulo... de Elisa Andrade Buzzo
02. Um livro para Fernando Morais de Guilherme Pontes Coelho
03. Literatura é coisa para jovem? de Marcelo Spalding
04. Editar bem, com Matinas Suzuki Jr. de Tais Laporta
05. Tom Jobim, memórias e histórias de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Rafael Fernandes
Mais Acessadas de Rafael Fernandes em 2009
01. 10 músicas: Michael Jackson - 22/7/2009
02. A Crise da música ― Parte 1/3 - 25/3/2009
03. A Crise da música ― Parte 2/3 - 29/4/2009
04. Chinese Democracy: grande disco - 25/2/2009
05. A Crise da música ― Parte 3/3 - 8/7/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/10/2009
09h14min
A difícil tarefa de viver (ou da vida) é salvar-se. Muitas vezes nos sentimentos como alguém que está com água até o nariz, buscando respirar, mas qualquer movimento brusco pode sufocar. Em meio a toda esta loucura estamos buscando respirar, nos manter vivos, mas parece que vez por outra a água nos toma o corpo e perecemos por alguns momentos... para depois voltar a respirar.
[Leia outros Comentários de Ronaldo Magella]
29/10/2009
09h38min
Na época que Bauman chama de líquida, vivendo minutos pontilhados pela busca desenfreada do sucesso, a impressão que temos é de que a vida é um trator desembestado lombada abaixo. Não é verdade, mas naturalizamos como se fosse, e assim criamos blogs para o sucesso, para o mundo dos negócios. Como diz, e diz muito bem o autor, para tudo se requer paciência, tempo, ou seja, todo (bom) vinho exige maturação, e talvez tenhamos que pensar com muito carinho sobre a artesania, e não sobre mais um produto customizado e industrial. Parabéns pelo texto e pela feliz ideia da escrita qualificada!
[Leia outros Comentários de Hilton Besnos]
26/10/2010
11h48min
Infelizmente hoje existe sempre uma razão pra se criar um blog e nem sempre é o prazer ou a felicidade de falar algo que interessa. Faço parte de um grupo de blogueiros que fala sobre literatura. Quando cheguei, pensei que essas pessoas queriam distribuir informação, mas hoje vejo que muitos têm blogs para ganhar livros grátis das editoras que querem divulgação. Muitos são mais viciados em compras do que apaixonados pela leitura e começo perder o interesse em ter um blog. Comecei porque o nível cultural dos jovens de hoje me assusta, mas me sinto dsmotivada quando vejo no que se transformou essa história de blogar. Pessoas fúteis falando de coisas fúteis ganhando prêmios e se vangloriando do "sucesso" que fazem.
[Leia outros Comentários de Samantha Abreu]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mulheres sem Sombra - Maternidade e Novas Tecnologia
Silvia Tubert
Rosa dos Ventos
(1996)



João e Maria
Humperdinck
Altea
(2006)



A Arte de ser mestre de si mesmo para ser líder de pessoas
Anselm Grun
Vozes
(2012)



Ele está de volta
Timur Vermes
Intrínseca
(2014)



Livro Religião Jesus Mestre de Nazaré A História que Desafiou 2000 Anos
Aleksandr Mien
Cidade Nova
(1998)



Em Busca do Rigor e da Misericordia - Reflexões de um Ermitão Urbano
Lobão
Record
(2015)



A Arte de Agora Agora
Herbert Read
Perspectiva
(1981)



A Consciencia da Nova Geraçao Alem das Crianças Indigo
P. M . H. Atwater
Prolibera
(2008)



Roda-Viva
Jayne Anne Phillips
Record
(1987)



Strange Bedfellows: the First American Avant-garde
Steven Watson
Perseus Books
(1993)





busca | avançada
62561 visitas/dia
2,3 milhões/mês