Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2011
Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Seule une succession d´images peut nous en restituer la vie."
Alberto Cavalcanti (1926)

O poeta Oleg Andréev Almeida nasceu na antiga União Soviética (Bielorrússia) em 1971. Adotou o Brasil em 2005, morando em Brasília desde que chegou ao nosso país, onde trabalha como tradutor do vernáculo russo. Tem traduzido literatos como Baudelaire (Pequenos Poemas em Prosa, editado pela Martin Claret), Turguêniev, Górki, Kuzmin, Khlébnikov, Pierre Louÿs. Oleg tem um site, para quem quiser aprofundar a relação com seu trabalho de tradução.

Memórias dum Hiperbóreo, lançado pela editora 7Letras, pesa pela sua insone memória. Desde a pergunta filosófica básica "quem sou eu?", primeiro verso do livro, até a consciência de sua natureza de desconhecido, estrangeiro, estranho (não porque se deslocou de uma pátria para outra, mas por ser poeta), o livro refaz percursos existenciais, temporais, geográficos e míticos, agora transmutados para o reino da palavra poética.

De acordo com a tradição da mitologia grega, os Hiperbóreos eram um povo mítico vivendo no extremo norte da Grécia. Hiperbórea seria uma região, uma das muitas terrae incognitae nos mundos grego e romano antigos, onde Plínio e Heródoto, bem como Virgílio e Cícero, relataram ser uma espécie de lugar utópico, onde as pessoas atingiam idades de mil anos e gozavam de vidas permeadas de completa felicidade. No sentido moderno, o termo "hiperbóreo" é usado para indicar qualquer um que viva em clima frio. As duas coisas se aplicam ao poeta bielorrusso, descendente das terras geladas e escritor dos mundos imaginários.

Mistura de lugar ideal, onde se conjugam passado e presente, história e mito, e ancoradouro de uma possível identidade, a poesia de Oleg refaz lembranças como quem as observa em estado de atenção e de crença de que ela pode ser apenas a possibilidade para se erigir uma fantasia poética (este "país extraordinário, dado a brincadeiras e cheio de desespero?").

Reunindo o vazio contemporâneo de um "quarto semivazio" às "cores do meu passado", Oleg alinhava no presente mitologias novas e velhas. Decepções com o tempo azul, magia infantil que rápido passou, as incostâncias do coração sonhador no verde juvenil, o amarelo árido do adulto, o desgaste dos sonhos em vermelho/ferrugem e, finalmente, as negras sombras do inesperado/inusitado dark side da existência. O que lhe resta no fim da jornada é apenas o "branco da solitude, do tédio e do deserto". As memórias são todas passadas a limpo no estrondoso capítulo V do livro, cujas imagens são impressionantes.

Sentenciosa, a poesia de Oleg fala dos degredos, das insanas atitudes humanas e da terribilidade do tempo: "não há quem aos males do tempo seja imune".

Mas também sua poesia erotiza as lembranças, carregando-as de um veludo baudelairiano: "sedutora nos mínimos movimentos,/ um minuto apenas esteve ao meu alçance;/ com uma tânagra impecável se parecia/ o corpo trigueiro dela,/ e os cabelos soltos e cacheados/ cheiravam a menta". Espécie de puta, também, baudelairiana, da qual não se pode escapar nem da lembrança: "só enxergo seu rosto/ no fundo do tempos irreversíveis".

Mergulhado na "senda da perdição", sua memória restitui o tempo da fraqueza da carne, o desejo onipotente: "o desejo/ torna ridícula a maior parte dos homens,/ por mais sabidos que eles se considerem:/ não há remédio!". Entregue à imperativa força da paixão carnal "pelos feitiços de Circe/ os mares crespos se atravessam!", pois, diz o poeta "sempre nos ludibria a carne inquieta/ não há remédio!".

Farrapos que sejam essas lembranças de um hiperbóreo, que morta estivesse a felicidade, a vida se restitui na palavra inventiva do poeta.

A "morte do meu velho" não parou o mundo, conscientiza-se o poeta, mas criou o encontro, como diz Chico Buarque numa canção, "no tempo da delicadeza". E ao restituir a natureza distraída com essa morte, acorda para o leitor aquilo que é indiferença para aquele que partiu. E toda a história de um afeto deságua nas páginas dessa poesia, mais que desolação, sensação de um tempo reencontrado no passado do inconsciente, do afeto reservado: "Lembras como fazias barquinhos de casca arbórea/ e velas, de folhas caídas ou pedacinhos de pano?(...) Lembras, meu velho,/ como me lias Homero em voz solene,/ sentado num tamborete...?".

Nômade, o poeta separava-se de todos e de tudo: em busca de uma ensolarada terrae incognitae? Viajante geográfico e da imaginação guarda sua terra e o temps perdu nas palavras que escreverá no futuro como poeta: "Adeus, minha pátria bela:/ cidade, onde passei a infância feliz/ e da áurea juventude colhi as primícias;/ casa em que moraram/ três gerações da minha família;/ pedras e árvores/ de que nem no leito de morte me esquecerei."

Uma riqueza deixada no passado do tempo do alto saber, hoje história esquecida, deixada nas mãos dos poucos aficcionados, que importância tem? Não faz outra coisa que isolar mais ainda o poeta na autoconsciência do vazio do mundo presente: "Quem se interessa pela beleza da minha cidade extinta,/ pela sabedoria da velha Atenas/ pelo rigor espartano,/ pelas inúmeras faces da Grécia-mãe milenária?/ Uma dezena, no máximo, de pessoas bem educadas./ Quem dá valor às estátuas dos sumos mestres,/ as obras dos verdadeiros poetas quem aprecia?/ Tanto o barbeiro quanto teu áulico me perguntam, por via de regra,/ se as mulheres daqui superam as forasteiras em safadeza".

A ilha do sonho, a ilha de Circe, perdendo seu ideal romântico de paraíso imaginário, vê-se substituída na descrição da poesia de Oleg por um mundo mecânico, onde o tempo encurta-se em "prosaica luxúria precipitada". Só lhe resta dizer: "Sinto-me oco...", ressoando a poesia de Waste Land de T.S. Eliot.

Dessa vacuidade espera-se o silêncio, mas o poeta se cala melhor construindo seus versos, sua elegia, que, por pouco que seja "uma gota de tinta lilás que balança na ponta da pena", não deixa de ser, como toda poesia deseja ser, um pequeno lugar que "contém em si toda a sabedoria do mundo", como diz o verso de Oleg .

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pressione desfazer para viver de Ana Elisa Ribeiro
02. E a lei cedeu diante dos costumes de Vicente Escudero
03. Como os jornais vão se salvar de Luiz Rebinski Junior
04. Erudição e humor na ficção de Ruy Castro de Luis Eduardo Matta
05. A favor do Brasil, contra a seleção! de Lucas Rodrigues Pires


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2011
18h08min
O poeta Oleg Almeida é um dos mais vigorosos poetas da atualidade. O seu verso é requintado, trabalhado e profundo. Mesmo com todas estas qualidades, não é enfadonho; muito pelo contrário. É um prazer ler seus poemas.
[Leia outros Comentários de Paulo Mohylovski]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEIXE NA ÀGUA
MARIO VARGAS LLOSA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1994)
R$ 14,00



JACK - TOMO 2
ALPHONSE DAUDET
FLAMMARION
(1933)
R$ 19,90



LIÇÕES SOBRE OS 7 CONCEITOS CRUCIAIS DA PSICANÁLISE
JUAN DAVID NASIO
ZAHAR
(1995)
R$ 40,00



TÓPICOS DE ÁLGEBRA ELEMENTAR
MONTEIRO, IVAN, RICARDO, ALEX
XYZ
(2012)
R$ 50,00



SAIA DO BURACO - UMA EMOCIONANTE JORNADA A ESPERANCA
BETH MOORE
THOMAS NELSON BRASIL
(2007)
R$ 9,00



REFÚGIO
RENATA FELDMAN
ASA DE PAPEL
(2013)
R$ 15,00



MAIS FORTE QUE A MORTE
ZOE KLEIN
GERAÇÃO EDITORIAL
(2011)
R$ 9,90



LENDAS DO FOLCLORE POPULAR
BETO BRITO E TATIANA MÓES
PRAZER DE LER
(2006)
R$ 9,80



PROBLEMAS PSICOPATOLÓGICOS EN PEDIATRIA
TELMA RECA Y COLABORADORES
UNIVERSITARIA DE BUENOS AIRES
(1961)
R$ 15,00



OXFORD ADVANCED LEARNERS DICTIONARY-LIVRO
ALBERT SIDNEY HORNBY
OXFORD UNIV PR (SD)
(1989)
R$ 15,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês