Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
Colunistas
Últimos Posts
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> El sueño de la razón
>>> Machado de Assis dos folhetins ao Orkut
>>> Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Daumier, um caricaturista contra o poder
>>> Curtas e Grossas
>>> Ribamar, de José Castello
>>> Whoopee
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Os Romances de Mainardi
Mais Recentes
>>> Resumo de Direito Penal (Parte Geral) C oleção Resumos 5 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer et alii pela Malheiros (2004)
>>> À Margem da lagoa Prateada 5 de Laura Ingalls Wilder pela Record (1967)
>>> Resumo de Direito Comercial (Empresarial) Coleção Resumos 1 de Maximilianus Cláudio Américo Fuhrer pela Malheiros (2005)
>>> Blue Bloods - Vampiros em Manhattan de Melissa De La Cruz pela Moderna (2010)
>>> Responsabilidade civil e sua interpretação jurisprudencial de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> A Menina que Roubava Livros de Markus Zusak pela Íntriseca (2013)
>>> O anjo do Adeus de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1995)
>>> Iniciação ao Direito do Trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (2005)
>>> O verde Violentou o Muro de Ignacio de Loyola Brandão pela Global (1984)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1982)
>>> o Dia em Que Comeram o Ministro de Fausto Wolff pela Codecri/ RJ. (1984)
>>> Nancy Maria Mendes de Apesar do Tempo... pela Scriptum/ Belo Horiznte
>>> Recados da Lua - Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record/ RJ. (2001)
>>> Inovação -A Arte de Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua de Papel (2010)
>>> Machado de Assis de Augusto Meyer pela Globo/ Porto Alegre (1935)
>>> Os Putos de Altino Total pela Livr. Sá daCosta/ Lisboa (1980)
>>> Vinte E Quatro Horas na Vida de uma Mulher e outras Novelas de Stefan Zweig pela Record/ RJ. (1999)
>>> Empresas de ComércioInternacional: Organização e Operacionalidade de Dalton Daemon pela Edit. da FURBE (1993)
>>> Princípios e procedimentos notariais de Odelmir Bilhalva Teixeira pela Russell (2009)
>>> Elogio da Loucura de Erasmo de Roterdam pela Ediouro/ RJ.
>>> Os Possessos 2 Volumes de Dostoiewsky pela Livraria Progredior Porto
>>> Em Busca da Arca de Noé de Dave Balsiger Charles E. Sellier Jr pela Record (1976)
>>> Noite de Erico Verissimo pela Globo (1954)
>>> O Discípulo de Paulo Bourget pela Irmãos Pongetti (1944)
>>> O mito da neutralidade científica de Hilton japiassu pela Imago (1975)
>>> Curso de direito civil brasileiro 7 volume responsabilidade civil de Maria helena diniz pela Saraiva (2001)
>>> Patrícia Bins de Janela do Sonho pela Nova Fronteira/ RJ. (1986)
>>> Introdução ao estudo do direito de Tercio sampaio ferraz jr pela Atlas (1994)
>>> Themen 2- Lehrwerk Für Deustsch als Fremdsprache - Kursbuch de Hartmut Auderstrabe/ Heikop Bock/ Helmut Müller pela Max Huber/ EPU (1993)
>>> Organon da arte de curar de Samuel hahnemann pela Ihfl (1995)
>>> Noite na taverna de Alvares de azevedo pela Klick
>>> Mini) Reforma Tributária: Reflexões Sobre a Lei N. 10. 637/2002 (... de Fábio Junqueira de Carvalho (...) Coord. pela Mandamentos (2003)
>>> Vademecum do direito de família e sucessões de Márcia Cristina Ananias Neves pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Guida Allo Studio Della Linguistica Storica (i) Profilo Storico... de Benvenuto Terracini pela EdizioneDell Ateneo/ Roma (1948)
>>> Curso de direito civil brasileiro 5 volume direito da família de Maria helena diniz pela Saraiva (2000)
>>> Escola, Estado e sociedade de Bárbara freitag pela Corte (1979)
>>> Las Lenguas y los Pueblos Indoeuropeos - Con Mapas En Colores de P. Kretschmer y B. Hrozný pela Madrid (1934)
>>> La Parola Quale Mezzo D Espressione de Vittorio Bertoldi pela Raffaele Pironte & Figli/ Ital (1946)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini...Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> Archivio Glottologico Italiano (vol. X L - Fascícolo I I) de Benvenuto Terracini/ Bruno Migliorini: Diretto pela Casa Editrice Felice Mounier/ Firenze (1955)
>>> O Abismal de Maria Helena Nóvoa pela Melhoramentos/ Bienal Nestlé (1986)
>>> Prática dos registros públicos de Ozeias J. Santos pela Fapi (2007)
>>> Fordlândia de Eduardo Sguiglia pela Iluminuras (1997)
>>> Não Verás Nenum País Como Este: Um Relato Cronlógico da Violência e do Arbítrio - A Censura, As Negociatas, a Corrupção Impune de Sebastião Pereira da Costa pela Record/ RJ. (1992)
>>> Novo Código civil explicado e aplicado ao processo 2 volumes de Wilson Gianulo pela Jurídica brasileira (2006)
>>> Novo dicionário de economia de Organização; Paulo Sandroni pela Best Seller (1998)
>>> Um Velho Velhaco e Seu Neto Bundão de Lourenço Cazarré pela Atual/ Sp. (1993)
>>> A Vingança do Timão de Carlos Moraes pela Brasiliense/ SP (1982)
>>> Um Herege Vai ao Paraíso: Cosmologia de um Ex- Colono Condenado P/ Inquisição (1680-1744) de Plínio Freire Gomes pela Companhia das Letras/SP. (1997)
>>> Sociedade pós-capitalista de Peter Drucker pela Pioneira (1999)
COLUNAS

Terça-feira, 5/4/2011
Hiperbóreo nos trópicos: a poesia de Oleg Almeida
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

"Seule une succession d´images peut nous en restituer la vie."
Alberto Cavalcanti (1926)

O poeta Oleg Andréev Almeida nasceu na antiga União Soviética (Bielorrússia) em 1971. Adotou o Brasil em 2005, morando em Brasília desde que chegou ao nosso país, onde trabalha como tradutor do vernáculo russo. Tem traduzido literatos como Baudelaire (Pequenos Poemas em Prosa, editado pela Martin Claret), Turguêniev, Górki, Kuzmin, Khlébnikov, Pierre Louÿs. Oleg tem um site, para quem quiser aprofundar a relação com seu trabalho de tradução.

Memórias dum Hiperbóreo, lançado pela editora 7Letras, pesa pela sua insone memória. Desde a pergunta filosófica básica "quem sou eu?", primeiro verso do livro, até a consciência de sua natureza de desconhecido, estrangeiro, estranho (não porque se deslocou de uma pátria para outra, mas por ser poeta), o livro refaz percursos existenciais, temporais, geográficos e míticos, agora transmutados para o reino da palavra poética.

De acordo com a tradição da mitologia grega, os Hiperbóreos eram um povo mítico vivendo no extremo norte da Grécia. Hiperbórea seria uma região, uma das muitas terrae incognitae nos mundos grego e romano antigos, onde Plínio e Heródoto, bem como Virgílio e Cícero, relataram ser uma espécie de lugar utópico, onde as pessoas atingiam idades de mil anos e gozavam de vidas permeadas de completa felicidade. No sentido moderno, o termo "hiperbóreo" é usado para indicar qualquer um que viva em clima frio. As duas coisas se aplicam ao poeta bielorrusso, descendente das terras geladas e escritor dos mundos imaginários.

Mistura de lugar ideal, onde se conjugam passado e presente, história e mito, e ancoradouro de uma possível identidade, a poesia de Oleg refaz lembranças como quem as observa em estado de atenção e de crença de que ela pode ser apenas a possibilidade para se erigir uma fantasia poética (este "país extraordinário, dado a brincadeiras e cheio de desespero?").

Reunindo o vazio contemporâneo de um "quarto semivazio" às "cores do meu passado", Oleg alinhava no presente mitologias novas e velhas. Decepções com o tempo azul, magia infantil que rápido passou, as incostâncias do coração sonhador no verde juvenil, o amarelo árido do adulto, o desgaste dos sonhos em vermelho/ferrugem e, finalmente, as negras sombras do inesperado/inusitado dark side da existência. O que lhe resta no fim da jornada é apenas o "branco da solitude, do tédio e do deserto". As memórias são todas passadas a limpo no estrondoso capítulo V do livro, cujas imagens são impressionantes.

Sentenciosa, a poesia de Oleg fala dos degredos, das insanas atitudes humanas e da terribilidade do tempo: "não há quem aos males do tempo seja imune".

Mas também sua poesia erotiza as lembranças, carregando-as de um veludo baudelairiano: "sedutora nos mínimos movimentos,/ um minuto apenas esteve ao meu alçance;/ com uma tânagra impecável se parecia/ o corpo trigueiro dela,/ e os cabelos soltos e cacheados/ cheiravam a menta". Espécie de puta, também, baudelairiana, da qual não se pode escapar nem da lembrança: "só enxergo seu rosto/ no fundo do tempos irreversíveis".

Mergulhado na "senda da perdição", sua memória restitui o tempo da fraqueza da carne, o desejo onipotente: "o desejo/ torna ridícula a maior parte dos homens,/ por mais sabidos que eles se considerem:/ não há remédio!". Entregue à imperativa força da paixão carnal "pelos feitiços de Circe/ os mares crespos se atravessam!", pois, diz o poeta "sempre nos ludibria a carne inquieta/ não há remédio!".

Farrapos que sejam essas lembranças de um hiperbóreo, que morta estivesse a felicidade, a vida se restitui na palavra inventiva do poeta.

A "morte do meu velho" não parou o mundo, conscientiza-se o poeta, mas criou o encontro, como diz Chico Buarque numa canção, "no tempo da delicadeza". E ao restituir a natureza distraída com essa morte, acorda para o leitor aquilo que é indiferença para aquele que partiu. E toda a história de um afeto deságua nas páginas dessa poesia, mais que desolação, sensação de um tempo reencontrado no passado do inconsciente, do afeto reservado: "Lembras como fazias barquinhos de casca arbórea/ e velas, de folhas caídas ou pedacinhos de pano?(...) Lembras, meu velho,/ como me lias Homero em voz solene,/ sentado num tamborete...?".

Nômade, o poeta separava-se de todos e de tudo: em busca de uma ensolarada terrae incognitae? Viajante geográfico e da imaginação guarda sua terra e o temps perdu nas palavras que escreverá no futuro como poeta: "Adeus, minha pátria bela:/ cidade, onde passei a infância feliz/ e da áurea juventude colhi as primícias;/ casa em que moraram/ três gerações da minha família;/ pedras e árvores/ de que nem no leito de morte me esquecerei."

Uma riqueza deixada no passado do tempo do alto saber, hoje história esquecida, deixada nas mãos dos poucos aficcionados, que importância tem? Não faz outra coisa que isolar mais ainda o poeta na autoconsciência do vazio do mundo presente: "Quem se interessa pela beleza da minha cidade extinta,/ pela sabedoria da velha Atenas/ pelo rigor espartano,/ pelas inúmeras faces da Grécia-mãe milenária?/ Uma dezena, no máximo, de pessoas bem educadas./ Quem dá valor às estátuas dos sumos mestres,/ as obras dos verdadeiros poetas quem aprecia?/ Tanto o barbeiro quanto teu áulico me perguntam, por via de regra,/ se as mulheres daqui superam as forasteiras em safadeza".

A ilha do sonho, a ilha de Circe, perdendo seu ideal romântico de paraíso imaginário, vê-se substituída na descrição da poesia de Oleg por um mundo mecânico, onde o tempo encurta-se em "prosaica luxúria precipitada". Só lhe resta dizer: "Sinto-me oco...", ressoando a poesia de Waste Land de T.S. Eliot.

Dessa vacuidade espera-se o silêncio, mas o poeta se cala melhor construindo seus versos, sua elegia, que, por pouco que seja "uma gota de tinta lilás que balança na ponta da pena", não deixa de ser, como toda poesia deseja ser, um pequeno lugar que "contém em si toda a sabedoria do mundo", como diz o verso de Oleg .

Para ir além






Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 5/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Carnaval que passava embaixo da minha janela de Elisa Andrade Buzzo
02. estar onde eu não estou de Luís Fernando Amâncio
03. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
04. Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda? de Renato Alessandro dos Santos
05. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/4/2011
18h08min
O poeta Oleg Almeida é um dos mais vigorosos poetas da atualidade. O seu verso é requintado, trabalhado e profundo. Mesmo com todas estas qualidades, não é enfadonho; muito pelo contrário. É um prazer ler seus poemas.
[Leia outros Comentários de Paulo Mohylovski]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A INSPETORA E A COROA DA MADONA
SANTOS DE OLIVEIRA
EDIOURO
(1975)
R$ 99,00



SANGUE FRESCO
JOÃO CARLOS MARINHO
OBELISCO
R$ 6,77



SUPERINTERESSANTE A VERDADE SOBRE CHE Nº 261
VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 6,99



AFRODIÁSPORA 1 - 3º ONGRESSO DE CULTURA NEGRA DAS AMÉRICAS
VÁRIOS
IPEAFRO
(1983)
R$ 30,00



A HISTÓRIA DE EDGAR SAWTELLE
DAVID WROBLEWSKI; JOSÉ RUBENS SIQUEIRA
INTRINSECA
(2009)
R$ 7,00



TEORIA E POLÍTICA DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO
CELSO FURTADO
ABRIL
(1983)
R$ 20,00



REFORMA ESPIRITUAL
MIGUEL THOMAZ
DO AUTOR
(2004)
R$ 10,00



AMANTE RENASCIDO
J. R. WARD
UNIVERSO DOS LIVROS
(2012)
R$ 39,90
+ frete grátis



ANSIEDADE E GRAVIDEZ
NADIR FARAH (DEDICATÓRIA)
FACULDADE DE MEDICINA
(1964)
R$ 18,82



ENCONTRO DIÁRIO COM DEUS - 2012
FREI EDRIAN JOSUÉ PASINI (ORG.)
VOZES
(2012)
R$ 8,81





busca | avançada
39766 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Cannot connect to POP3 server