Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar | Lucas Carvalho Peto | Digestivo Cultural

busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/4/2011
Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
Lucas Carvalho Peto

+ de 7700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ah, renunciai às virtudes, Eugénie! Haverá algum sacrifício feito a essas falsas divindades que valha um só minuto dos prazeres que sentimos ultrajando-as? SADE, Marquês de.

Slavoj Zizek, filósofo esloveno, afirma que estamos sob a ditadura do gozar. O que antes era interdito se tranformou em uma espécie de imperativo categórico. O problema é que a ideologia do gozar furta ao processo de ascender ao gozo seu príncipio fundamental: transgredir. O libertar-se das imposições castradoras para, a partir disso, poder gozar, não é mais uma barreira. Para Zizek, o problema é libertar-se da falta de plus-de-jouir.

O gozar livremente enquanto ideologia dominante; o gozo como objetivo padronizado, deixa de lado o excesso. Isso porque o próprio gozar passa a ser a norma. Consequentemente, o gozo, isento de poder revolucionário, domado e regulado pela normatividade, com o seu pendor invertido, sem o seu negar submeter-se às leis, o gozo como expressão da destruição da autoridade, deixa de existir. O abjeto se trasformou em sublime. A interdição agora é outra. Não é uma interdição ao gozar, mas aos excessos perigosos: gozar de forma institucionalizada. A ditadura do gozar transforma o gozar em um não-gozar.

Quanto maior a beleza, maior a ignomínia. BATAILLE, Georges.

Nina Sayers, personagem vivida por Natalie Portman no filme Black Swan dirigido por Darren Aronofsky, pode ser considerada um protótipo dessa imposição do gozar livremente. Ela deve gozar em sua carreira, realizar-se enquanto bailarina, buscar seus objetivos a todo custo, mas todo o resto lhe é proibido. Dedicada à dança e, concomitantemente, à beleza, Nina é um retrato da Justine sadiana. Aquela que esta condenada à vida virtuosa, direcionada a um gozar no sublime. Ela, nos moldes dos flagelantes do medievalismo, doutrina-se para alcançar um gozo na transcendência. Se lá, nos místicos, o corpo era torturado em prol de uma vida ascética que valeria um gozar eterno no reino dos céus. Aqui, em Nina, o corpo mutilado pela beleza, pelas imposições dos padrões da arte, lhe vale um gozo que transcende a escravização da matéria: o eternamente belo. A normatividade jaz aqui. Mulher e bailarina, Nina tem o dever do gozar, mas na beleza, no correto, nos padrões e em sua busca pela perfeição. Não no excesso, em nenhum excesso. Qualquer mais-gozar lhe é proibido. O conjunto panóptico esta montado para mantê-la nesse gozo disciplinado. Sua mãe é a torre central do complexo vigilante. A privacidade lhe é negada, arrancada à força. Em sua arte, os olhares que reprovam um quilo a mais, um passo em falso, ou qualquer erro. O gozo que lhe é imposto, na arte, é classicista. Esta na forma, é um gozar haydiano. Por isso sua obssessão pela perfeição nos movimentos. Se é verdade que o homem, sem vigilância, esta entregue aos excedentes das paixões naturais; Nina não usufrui desse direito. Aqui, segundo Nietzsche, a linguagem normativa penetrou e retirou das paixões seu caractere primaz: a violência natural.

Imaginemos uma sociedade sem linguagem. Eis que um homem nela copula com uma mulher, a tergo, misturando à sua ação um pouco de pasta de trigo. Nesse nível, não hã nenhuma perversão. BARTHES, Roland.

Na contramão dessa configuração normativa estão Lily e Thomas. Lily é a que goza no excesso. Aquela que despreza, em certo grau, a precisão nas composições de sua arte. Thomas é o retrato do artista romântico: aquele que busca a perfeição no gozo natural. Lily e Thomas são Saint-Ange e Dolmancé, Nina é Eugênie.

Na obra central do Marquês de Sade, A filosofia na Alcova, Eugênie é uma menina que se entrega à educação desses dois libertinos. Eles a iniciam na libertinagem ao mesmo tempo em que lhe doutrinam na filosofia do gozar no excesso. Em um de seus discursos, Dolmancé diz: "Ora, a virtude não passa de uma quimera cujo culto consiste em imolações perpétuas, em inúmeras revoltas contra as inspirações do temperamento".

No filme, Thomas e Lily são os encarregados de libertar as paixões de Nina. Tirá-la do marasmo normativo. São eles que mostram para a inocente e frágil dançarina que nem todo o gozar se resume à forma, na arte, nem à disciplina, na vida. Na arte, eles caracterizam a irrupção sensual do romantismo frente à gélida precisão classicista. O gozar, em Lily e Thomas, é wagneriano. Aqui, segundo Roland Barthes, a linguagem normativa esta ausente. O mais-gozar e a violência se apresentam como circustâncias naturais. No filme, Lily e Thomas incitam o despertar da violência do excesso. Este a convida a masturbar-se, excedendo a vigilância panóptica que a mãe lhe impõe, vigilância que infantiliza e impedi um gozo natural do corpo. Aquela lhe inicia nos prazeres ilícitos, convidando Nina a se entregar a um gozo hedonista.

Em uma das cenas cruciais do filme, Nina, atormentada pela sensação de estar sendo substituida por Lily; o que caracterizaria não uma inversão, mas apenas uma troca do status quo, a esfaqueia. Na verdade, no filme, Nina se esfaqueia.

Essa imagem nos remete a uma entrada de extrema violência que caracteriza o gozo real. Uma entrada visceral. Para se libertar do não gozar, imposto pela ditadura do gozar, Nina mutila o símbolo maior da padronização: seu corpo. Para sentir, para se fundir ao natural, para poder gozar do excesso, ela mortifica a normatividade.

Seu corpo, talhado pelas regras, agora, lhe servirá para sentir; exceder, experimentar o supra-sumo do gozar: a dor, o abjeto, a queda. Irrompendo contra a ditadura, a personagem de Portman, em uma perfomance apaixonada, se entrega ao ignóbil, e inverte a ideologia ao dizer que seu ato de trangressão "foi perfeito".

Muito além de qualquer interpretação psicanalítica que vislumbra uma pintura do embate entre Eu e Isso, Cisne Negro levanta a questão da impossibilidade do gozo na ideologia do gozar. Seja ele qual for. E por que, atualmente, tudo é proibido. Mascarada sob toda a imposição emancipadora e libertária a proibição é, talvez, até mais forte do que era. O sistema se retroalimenta: a impossibilidade de satisfação nos leva a buscar outro meio para gozar que, também regulado, nos guiará a outra insatisfação.

A máquina do não-gozar é lucrativa. Não gozará se for gordo, não gozará se for fraco, não gozará se não tiver sucesso profissional. Goze com o seu café, mas só até o ponto de ser considerado um apreciador: o excesso é prejudicial. Goze modelando seu corpo na academia, goze privando-se de comer gordura, goze de sua carreira, independente de qualquer privação, goze de suas relações, até que elas não lhe sejam mais necessárias. Goze, goze e goze, mas sem gozar. Transgrida dentro da norma. Exceda sem exceder. Viva sem viver.


Lucas Carvalho Peto
Ribeirão Preto, 25/4/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Caetano, sem meio termo de Humberto Pereira da Silva


Mais Lucas Carvalho Peto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2011
19h31min
Gozei, no sentido mais bruto da palavra, ao ler esse texto. No sentido de gozar com excessos e transgressões do pensar. Muito bom, pra começar cita dois nomes que amo: Nieztche e Marques de Sade. Depois vem a delícia do gosto de um texto libertário, daquele tipo que eu gosto. Em seguida vem a releitura mas autêntica, clara e verdadeira de Cisne Negro. Vou dizer o quê? Gozei.
[Leia outros Comentários de Yasmin Salgado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LENIN - OBRAS ESCOLHIDAS - VOL. 4
VLADIMIR I. LENIN
AVANTE - LISBOA
(1986)
R$ 60,00



AUTOGRAFI DELLARCHIVIO MEDICEO AVANTI IL PRINCIPATO VOLUME I
ALBERTO MARIA FORTUNA/CRISTIANA LUNGUETTI
CORRADINO MORI
(1977)
R$ 116,90



ELEMENTOS DE DIREITO DO TRABALHO E PROCESSO TRABALHISTA
FRANCISCO DE LIMA; FRANCISCO DE LIMA
LTR
(2015)
R$ 65,00



YÔGA MITOS E VERDADES
MESTRE DE ROSE
NOBEL
(2006)
R$ 29,75
+ frete grátis



O FUTURO DA MEMORIA
GORDON BELL JIM GEMMELL
ELSEVIER
(2010)
R$ 11,50



GRANDEZAS DO BRASIL NO TEMPO DE ANTONIL (1681-1716)
RAYMUNDO CAMPOS
ATUAL
(1996)
R$ 4,00



SPA - RECEITAS DE SAÚDE EM CASA
MARCIA REGINA DAL MEDICO
ALAÚDE
(2008)
R$ 27,70



CIÊNCIA E FÉ : O REENCONTRO PELA FÍSICA QUÂNTICA
BISPO RODOVALHO
LUA DE PAPEL
(2013)
R$ 24,90



SEREI NORMAL ? RECOMENDADO A RAPARIGAS A PARTIR DOS 13 - 15 ANOS
ANITA NAIK
GRADIVA
(1996)
R$ 24,78



WILD CARDS - ASES NAS ALTURAS - LIVRO 2
GEORGE R. R. MARTIN
LEYA
(2013)
R$ 13,41





busca | avançada
32715 visitas/dia
1,4 milhão/mês