Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar | Lucas Carvalho Peto | Digestivo Cultural

busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme lança novo videoclipe com faixa do álbum ALUMIA
>>> Almundo traz até 40% de desconto em seu primeiro Outlet 2019
>>> Ex-Titã Paulo Miklos apresenta seu terceiro álbum no Sesc Belenzinho
>>> Companhia de Teatro Heliópolis coloca em cena as duas faces da justiça em nova montagem
>>> Cunha realiza 2ª edição do Verão na Montanha - Cunha Fest, festival de jazz e blues
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
Últimos Posts
>>> Assim eu quero a vida
>>> Um sujeito chamado Benício
>>> A imaginação educada, de Northrop Frye
>>> Direções da véspera (Introdução)
>>> O tempo nos ensina - frase
>>> O Cinema onde os fracos não tem vez
>>> Senhor do Corpo e da alma - poema
>>> Fotogenia
>>> É Natal
>>> Canções de amor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> mare
>>> O filme do Lula e os dois lados da arquibancada
>>> Do desprezo e da admiração
>>> WikiLeaks em documentário
>>> Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil
>>> Todos querem ser cool
>>> Açougueiro mesmo é o diretor
>>> O pior cego é o que vê tevê
>>> De Middangeard à Terra Média
Mais Recentes
>>> O queijo e os vermes de Carlo Ginzburg pela Companhia das Letras (Companhia de Bolso) (2006)
>>> Era dos Extremos: O breve século XX (1914-1991) de Eric Hobsbawn pela Companhia das Letras (2009)
>>> O Sol e a Sombra de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (2006)
>>> Perdidamente de Júlio Emílio Braz pela Ftd (2000)
>>> As Armadilhas do Consumo - Acabe com o endividamento de Márcia Tolotti pela Campus / Elsevier (2007)
>>> O noivado de Bilac- com a correspondência inédita do poeta à sua noiva D.Amélia de Oliveira (raridade) de Elmo Elton pela Organiozação Simões (1954)
>>> Gramática Reflexiva: texto, semântica e interação - 3ª ed. de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2019)
>>> O Xangô de Baker Street de Jô Soares pela Companhia das Letras (1997)
>>> TCP/IP a bíblia de Rob Scrimger pela Campus (2002)
>>> Universidade h4ck3r de Henrique Ulbrich e James pela Digerati Books (2011)
>>> Hackers expostos de Joel Scambray pela Makron (2001)
>>> Manual completo do hacker de Gorkin Starlin pela Book Express (2001)
>>> Por que os gerentes falham de John J. Mc Carthy pela Makron (1994)
>>> Inteligência emocional de Daniel Goleman pela Objetiva (2001)
>>> Economia de Paul Wonnacott pela Makron (1994)
>>> Integração: qualidade e recursos humanos para os anos 2000 de Philip B. Crosby pela Makron (1993)
>>> Empresas sem chefes de Charles C. Manz pela Makron (1996)
>>> O complexo de perfeição de Colette Dowling pela Record (1993)
>>> Primeira filosofia - Tópicos de filosofia geral de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Princípios de administraçao científica de Frederick W. Taylor pela Atlas (1995)
>>> Veronika decide morrer de Paulo Coelho pela Objetiva (1998)
>>> Hardware curso completo de Gabriel Torres pela Axcel Books (2001)
>>> Petrobrás - Administrador júnior - nível superior de José Almir Fontella Dornelles pela Vestcon (2011)
>>> Administração de marketing: análise, planejamento, implementação e controle de Philip Kotler pela Atlas (1996)
>>> Marketing verde de Jacquelyn A. Ottman pela Makron (1994)
>>> Síndrome da Passividade: o processo de reengenharia em recursos humanos de Dirceu Moreira pela Makron (1994)
>>> Inveja nas organizações de Patrícia Amélia Tomei pela Makron (1994)
>>> As novas regras de John P. Kotter pela Makron (1997)
>>> Administração industrial e geral de Henri Fayol pela Atlas (1989)
>>> Problemas? Oba! Arevoluçãopara vocêvencer no mundo dos negócios de Roberto Shinyashiki pela Gente (2011)
>>> Como conquistar um ótimo emprego: e dar um salto importante em sua carreira profissional de Thomas A.Case pela Makron (1997)
>>> Iniciando os conceitos da qualidade total de Equipe Grifo pela Pioneira (1994)
>>> Redação empresarial - escrevendocom sucesso na era da globalização de Miriam Gold pela Makron (1999)
>>> Empregabilidade: de executivo a consultor bem-sucedido de Thomas A. Case pela Makron (1997)
>>> Pesquisa Operacional de Ermes Medeiros da Silva pela Atlas (1998)
>>> Contabilidade Introdutória + Livro de exercícios de Equipe de Professores da FEA/USP pela Atlas (1993)
>>> Princípios de Administração Financeira + Manual de Software de Lawrence J. Gitman pela Harbra (1997)
>>> Primeira filosofia - Aspectos da história da filosofia de Armando Mora de Oliveira pela Brasiliense (1992)
>>> Reinvente-se: você pode fazer melhor ainda de Claudio V. Nasajon pela Campus (2001)
>>> História da Política Exterior do Brasil de Amado Luiz Cervo Clodoaldo pela UnB (2002)
>>> Iniciação ao direito do trabalho de Amauri Mascaro Nascimento pela LTr (1998)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1995)
>>> Formação Econômica do Brasil de Celso Furtado pela Cia Ed Naciona (1979)
>>> Código de proteção e defesa do consumidor de Juarez de Oliveira pela Saraiva (1994)
>>> Biotecnologia em discussão de Wilhelm Hofmeister pela Fundação Konrad Adenauer (2000)
>>> O alquimista de Paulo Coelho pela Rocco (1988)
>>> O Brasil e Suas Riquezas de Waldemiro Potsch pela Não Infirmado
>>> Amor de perdição de Camilo Castelo Branco pela Klick (2000)
>>> A revolução dos campeões de Roberto Shinyashiki pela Gente (1995)
>>> Viva com esperança de Mark Finley / Peter Landness pela Afiliada (2015)
COLUNAS

Segunda-feira, 25/4/2011
Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
Lucas Carvalho Peto

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Ah, renunciai às virtudes, Eugénie! Haverá algum sacrifício feito a essas falsas divindades que valha um só minuto dos prazeres que sentimos ultrajando-as? SADE, Marquês de.

Slavoj Zizek, filósofo esloveno, afirma que estamos sob a ditadura do gozar. O que antes era interdito se tranformou em uma espécie de imperativo categórico. O problema é que a ideologia do gozar furta ao processo de ascender ao gozo seu príncipio fundamental: transgredir. O libertar-se das imposições castradoras para, a partir disso, poder gozar, não é mais uma barreira. Para Zizek, o problema é libertar-se da falta de plus-de-jouir.

O gozar livremente enquanto ideologia dominante; o gozo como objetivo padronizado, deixa de lado o excesso. Isso porque o próprio gozar passa a ser a norma. Consequentemente, o gozo, isento de poder revolucionário, domado e regulado pela normatividade, com o seu pendor invertido, sem o seu negar submeter-se às leis, o gozo como expressão da destruição da autoridade, deixa de existir. O abjeto se trasformou em sublime. A interdição agora é outra. Não é uma interdição ao gozar, mas aos excessos perigosos: gozar de forma institucionalizada. A ditadura do gozar transforma o gozar em um não-gozar.

Quanto maior a beleza, maior a ignomínia. BATAILLE, Georges.

Nina Sayers, personagem vivida por Natalie Portman no filme Black Swan dirigido por Darren Aronofsky, pode ser considerada um protótipo dessa imposição do gozar livremente. Ela deve gozar em sua carreira, realizar-se enquanto bailarina, buscar seus objetivos a todo custo, mas todo o resto lhe é proibido. Dedicada à dança e, concomitantemente, à beleza, Nina é um retrato da Justine sadiana. Aquela que esta condenada à vida virtuosa, direcionada a um gozar no sublime. Ela, nos moldes dos flagelantes do medievalismo, doutrina-se para alcançar um gozo na transcendência. Se lá, nos místicos, o corpo era torturado em prol de uma vida ascética que valeria um gozar eterno no reino dos céus. Aqui, em Nina, o corpo mutilado pela beleza, pelas imposições dos padrões da arte, lhe vale um gozo que transcende a escravização da matéria: o eternamente belo. A normatividade jaz aqui. Mulher e bailarina, Nina tem o dever do gozar, mas na beleza, no correto, nos padrões e em sua busca pela perfeição. Não no excesso, em nenhum excesso. Qualquer mais-gozar lhe é proibido. O conjunto panóptico esta montado para mantê-la nesse gozo disciplinado. Sua mãe é a torre central do complexo vigilante. A privacidade lhe é negada, arrancada à força. Em sua arte, os olhares que reprovam um quilo a mais, um passo em falso, ou qualquer erro. O gozo que lhe é imposto, na arte, é classicista. Esta na forma, é um gozar haydiano. Por isso sua obssessão pela perfeição nos movimentos. Se é verdade que o homem, sem vigilância, esta entregue aos excedentes das paixões naturais; Nina não usufrui desse direito. Aqui, segundo Nietzsche, a linguagem normativa penetrou e retirou das paixões seu caractere primaz: a violência natural.

Imaginemos uma sociedade sem linguagem. Eis que um homem nela copula com uma mulher, a tergo, misturando à sua ação um pouco de pasta de trigo. Nesse nível, não hã nenhuma perversão. BARTHES, Roland.

Na contramão dessa configuração normativa estão Lily e Thomas. Lily é a que goza no excesso. Aquela que despreza, em certo grau, a precisão nas composições de sua arte. Thomas é o retrato do artista romântico: aquele que busca a perfeição no gozo natural. Lily e Thomas são Saint-Ange e Dolmancé, Nina é Eugênie.

Na obra central do Marquês de Sade, A filosofia na Alcova, Eugênie é uma menina que se entrega à educação desses dois libertinos. Eles a iniciam na libertinagem ao mesmo tempo em que lhe doutrinam na filosofia do gozar no excesso. Em um de seus discursos, Dolmancé diz: "Ora, a virtude não passa de uma quimera cujo culto consiste em imolações perpétuas, em inúmeras revoltas contra as inspirações do temperamento".

No filme, Thomas e Lily são os encarregados de libertar as paixões de Nina. Tirá-la do marasmo normativo. São eles que mostram para a inocente e frágil dançarina que nem todo o gozar se resume à forma, na arte, nem à disciplina, na vida. Na arte, eles caracterizam a irrupção sensual do romantismo frente à gélida precisão classicista. O gozar, em Lily e Thomas, é wagneriano. Aqui, segundo Roland Barthes, a linguagem normativa esta ausente. O mais-gozar e a violência se apresentam como circustâncias naturais. No filme, Lily e Thomas incitam o despertar da violência do excesso. Este a convida a masturbar-se, excedendo a vigilância panóptica que a mãe lhe impõe, vigilância que infantiliza e impedi um gozo natural do corpo. Aquela lhe inicia nos prazeres ilícitos, convidando Nina a se entregar a um gozo hedonista.

Em uma das cenas cruciais do filme, Nina, atormentada pela sensação de estar sendo substituida por Lily; o que caracterizaria não uma inversão, mas apenas uma troca do status quo, a esfaqueia. Na verdade, no filme, Nina se esfaqueia.

Essa imagem nos remete a uma entrada de extrema violência que caracteriza o gozo real. Uma entrada visceral. Para se libertar do não gozar, imposto pela ditadura do gozar, Nina mutila o símbolo maior da padronização: seu corpo. Para sentir, para se fundir ao natural, para poder gozar do excesso, ela mortifica a normatividade.

Seu corpo, talhado pelas regras, agora, lhe servirá para sentir; exceder, experimentar o supra-sumo do gozar: a dor, o abjeto, a queda. Irrompendo contra a ditadura, a personagem de Portman, em uma perfomance apaixonada, se entrega ao ignóbil, e inverte a ideologia ao dizer que seu ato de trangressão "foi perfeito".

Muito além de qualquer interpretação psicanalítica que vislumbra uma pintura do embate entre Eu e Isso, Cisne Negro levanta a questão da impossibilidade do gozo na ideologia do gozar. Seja ele qual for. E por que, atualmente, tudo é proibido. Mascarada sob toda a imposição emancipadora e libertária a proibição é, talvez, até mais forte do que era. O sistema se retroalimenta: a impossibilidade de satisfação nos leva a buscar outro meio para gozar que, também regulado, nos guiará a outra insatisfação.

A máquina do não-gozar é lucrativa. Não gozará se for gordo, não gozará se for fraco, não gozará se não tiver sucesso profissional. Goze com o seu café, mas só até o ponto de ser considerado um apreciador: o excesso é prejudicial. Goze modelando seu corpo na academia, goze privando-se de comer gordura, goze de sua carreira, independente de qualquer privação, goze de suas relações, até que elas não lhe sejam mais necessárias. Goze, goze e goze, mas sem gozar. Transgrida dentro da norma. Exceda sem exceder. Viva sem viver.


Lucas Carvalho Peto
Ribeirão Preto, 25/4/2011


Mais Lucas Carvalho Peto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/4/2011
19h31min
Gozei, no sentido mais bruto da palavra, ao ler esse texto. No sentido de gozar com excessos e transgressões do pensar. Muito bom, pra começar cita dois nomes que amo: Nieztche e Marques de Sade. Depois vem a delícia do gosto de um texto libertário, daquele tipo que eu gosto. Em seguida vem a releitura mas autêntica, clara e verdadeira de Cisne Negro. Vou dizer o quê? Gozei.
[Leia outros Comentários de Yasmin Salgado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOCKE
IVES MICHAUD
JORGE ZAHAR
(1992)
R$ 20,00



HISTOIRE CONSTITUCIONNELLE DE LA FRANCE
MORABITO, MARCEL
LGDJ, LEXTENSO ÉDITIONS
(2014)
R$ 140,00



O DESPERTAR DO CORAÇÃO BUDISTA
LAMA SURYA DAS
ROCCO
(2002)
R$ 45,00



MANGÁ - O LIVRO MONSTRO DO MANGÁ
DANIEL DE ROSA
LIVROS ESCALA
(2009)
R$ 15,00



GABRIELA EM CORDEL
MANOEL D ALMEIDA FILHO
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 18,00



ARMADILHAS DA MENTE
AUGUSTO CURY
ARQUEIRO
(2013)
R$ 15,00



TURMA DA MÔNICA JOÃO E O PÉ DE FEIJÃO COLEÇÃO FANTASIA
MAURICIO DE SOUSA
GIRASSOL
(2015)
R$ 4,00



MANUAL TEÓRICO E PRÁTICO DE RADIESTESIA
DR. E. SAEVARIUS
PENSAMENTO
(1993)
R$ 37,00



CRIANÇA E MISÉRIA
JOHN DREXEL
MODERNA
(1994)
R$ 5,00



HISTÓRIA CONCISA DO TEATRO BRASILEIRO
DÉCIO DE ALMEIDA PRADO
EDUSP/IMPRENSA OFICIAL
(1999)
R$ 32,00





busca | avançada
30040 visitas/dia
1,0 milhão/mês