A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 11/10/2011
A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4800 Acessos

A famosa frase de Proust sempre deve ser retomada: "Toda vez que nasce um novo artista, o mundo é reinventado". Quando olhamos para uma tela, encontramos um universo novo, criado a partir de linhas, cores, desenho, texturas pictóricas, etc. Encontramos as escolhas pessoais do artista, sua poética, sua forma de construir um mundo próprio através da arte.

Na pintura da Fabricius Nery, jovem artista paulista, prima um desejo arquitetônico. A idéia de construção supera o desejo de expressão. As imagens são pensadas e criadas dentro de um procedimento que lembra ora os cortes cinematográficos do cinema de vanguarda, ora a idéia de reconstrução do todo a partir de partes dispersas, como no filme Blow Up, de Antonioni, como se pode ver, por exemplo, na tela Flagrante, de 2010.

Na obra Flagrante, Fabricius compõe, em imagens dispersas, a figura de um homem, uma máquina fotográfica posicionada para um registro, uma parte de um corpo, uma mão tocando violão, uma garrafa e algo que lembra um pandeiro. Não é uma figura fácil de ser apreendida. As partes não se encontram numa sequência óbvia e lógica. Os corpos são apenas partes sugeridas. Como no cinema, temos que montar o sentido da imagem a partir da lembrança dos cortes. É necessário o uso da memória, o jogo lúdico da colagem de fragmentos, o desejo de reconstruir uma história.

Além do recorte das figuras, Fabricius avança fragmentando a forma da própria constituição das mesmas. Se a tela como um todo já é uma sucessão de fragmentos, ele trás o corte para dentro do próprio desenho das partes. Pequenos pedaços de tela pintada, conjugados e dispersos, criam as figuras como se dentro do próprio fragmento outro fragmento se anunciasse. Eis sua forma de organizar a composição.

A tela Flagrante, de 2010, pode ser uma metáfora exemplar do procedimento da pintura de Fabricius, não só da forma como ele olha a realidade, mas também como compõe a sua obra. A câmera está voltada para o espectador, que vê na tela como um todo o que a máquina registra, ou seja, pequenos cortes da realidade, que depois serão montados na revelação com a ajuda da memória do fato acontecido. Ou seja, o que se dá na tela é o mesmo que se dá na nossa relação com a fotografia, que registra pequenos momentos, incapazes de serem guardados na sua totalidade, mas que, com o uso dos pequenos recortes fotográficos, podem fazer a memória retomar o todo do acontecido.

Os temas da pintura de Fabricius são, na sua maioria, ligados ao que poderíamos chamar de seres à margem. Existe uma iconografia dos boêmios à margem do dia, prostitutas à margem da vida normal, mendigos à margem da sociedade, pessoas deitadas no chão ou em bancos de praças, seres solitários, dentre outros motivos.

Vale atentar nesse sentido para a tela Margem, de 2011, em que os procedimentos de uma pintura elaborada à partir da montagem de cortes, revela uma figura feminina melancólica, recolhida em si mesma, como num estado de abandono, fumando um cigarro, com pernas e ombros de fora, sentada à beira de algo que remete a uma cama, aparecendo ainda na tela uma terceira mão, com uma taça de bebida. Se recolhermos os pedaços da tela, podemos montar a história de uma noitada (de uma prostituta, talvez, cansada, depois do seu ofício, já descabelada, esgotada, aproveitando seu último cigarro antes de dormir em estado de solidão).
A tela é magnífica no seu contraste entre luzes e sombras, criadas de forma entrecortada e praticamente geométricas, clareando partes da figura como pernas, braços, mãos e pedaços do tronco e escurecendo o fundo. As dobras da roupa, os tecidos da cama, as lembranças (recontadas na terceira mão que misteriosamente aparece com uma taça de bebida) são também construções arquitetônicas, que inclusive dão uma sustentação poderosa a uma figura em total estado de desalinho e melancolia.

Como na tela anterior e na maioria das obras de Fabricius, Margem revela um traço bem definido na poética do artista. Embora construídas com fragmentos de figuras, que se constituem por sua vez como fragmentos de cores entrecortadas, domina em cada obra um sentido de um edifício que não pode se desfazer, que não pode desmoronar, que precisa se manter íntegro, suportado pela força de seu sentido pictórico arquitetônico.

Poderíamos metaforizar, dizendo que a forma de seu trabalho revela seu conteúdo. Que nestas obras, apesar da vida frágil, abandonada e à margem, seja nos seus momentos de intensa irracionalidade (a bebida, o sexo, a boêmia) ou nos momentos de descaso (miséria, abandono), que apesar disso, a vida deseja resistir, íntegra, não sem deixar de guardar a lembrança dos seus cacos, mas ainda assim tão firme quanto um prédio bem desenhado e construído com a devida sustentação.

Na pintura de Fabricius há um grande apreço pela cor clara e, nem por isso, menos intensa (porque muitas vezes a claridade tem seu peso específico na tela). Domina o uso de vermelhos, amarelos, rosas, brancos, lilases e azuis. A escolha dessas cores revela um pouco do flerte do artista com a pop arte. Mas a aproximação termina aí, pois, como disse acima, o artista usa essas cores de forma cortada, aos pedaços, que por vezes se alinham umas às outras e por vezes se sobrepõem para o resultado final da composição.

A sua pintura se constitui de forma compassada, com camadas unificadas de cor pura que ora ressaltam, ora afastam os traços das figuras. Esse procedimento permite a existência do volume geométrico, dos cortes, das fragmentações não sequenciais. O sentido de estrutura é perebido quando se olha a tela como um todo, nestas linhas de corte remendadas pelo espectador, que cria livremente uma história, rearranjando os cacos da forma que achar melhor.

Sua pintura revela o sentido do mundo contemporâneo, aquele que diz que a realidade só pode ser entendida por seus fragmentos e que o sentido que atribuímos à realidade não passa de uma sucessão de pedaços que montamos segundo nosso desejo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Marceneiro e o Poeta de Yuri Vieira
02. O caso da cenoura de Elisa Andrade Buzzo
03. Os pontos de um crochê de Pilar Fazito
04. Entrando pelo cânone de Guga Schultze
05. Fup, de Jim Dodge de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INQUISIÇÃO - A ÉPOCA DAS TREVAS
ABEL GLASER
ALVORADA NOVA
(1999)
R$ 12,00



REVISTA GALILEU / EDIÇÃO 290
AUT. DIVERSOS
GLOBO
(2015)
R$ 8,00



ENSINAR E APRENDER A PENSAR
MARIA HELENA SALEMA
TEXTO
(1997)
R$ 23,10



O PODER MÁGICO DAS CORES
RAYMOND BUCKLAND
SICILIANO
(1989)
R$ 12,00



AS ESTGRATÉGIAS DE ZEUS
GARY HART
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 13,00
+ frete grátis



O TEATRO NA FRANÇA
RENÉ LALOU
DIFUSÃO EUROPEIA DO LIVRO
(1956)
R$ 12,00



PRÍNCIPE VALENTE Nº 16 - 9174
HAROLD FOSTER
SABER
(1974)
R$ 25,00



HISTÓRIA DA INGLATERRA
HUME, DAVID
UNESP
(2017)
R$ 57,13



EU SOU ASSIM E VOU TE MOSTRAR
HEINZ JANISCH
BRINQUE BOOK
(2017)
R$ 35,00



MINISTÉRO PÚBLICO - REFLEXÕES SOBRE PRINCIPIOS E FUNÇOES INSTITUCIONAI
CARLOS VINICIUS ALVES RIBEIRO
ATLAS
(2010)
R$ 33,90





busca | avançada
39917 visitas/dia
1,1 milhão/mês