A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
Mais Recentes
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
COLUNAS

Terça-feira, 11/10/2011
A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4800 Acessos

A famosa frase de Proust sempre deve ser retomada: "Toda vez que nasce um novo artista, o mundo é reinventado". Quando olhamos para uma tela, encontramos um universo novo, criado a partir de linhas, cores, desenho, texturas pictóricas, etc. Encontramos as escolhas pessoais do artista, sua poética, sua forma de construir um mundo próprio através da arte.

Na pintura da Fabricius Nery, jovem artista paulista, prima um desejo arquitetônico. A idéia de construção supera o desejo de expressão. As imagens são pensadas e criadas dentro de um procedimento que lembra ora os cortes cinematográficos do cinema de vanguarda, ora a idéia de reconstrução do todo a partir de partes dispersas, como no filme Blow Up, de Antonioni, como se pode ver, por exemplo, na tela Flagrante, de 2010.

Na obra Flagrante, Fabricius compõe, em imagens dispersas, a figura de um homem, uma máquina fotográfica posicionada para um registro, uma parte de um corpo, uma mão tocando violão, uma garrafa e algo que lembra um pandeiro. Não é uma figura fácil de ser apreendida. As partes não se encontram numa sequência óbvia e lógica. Os corpos são apenas partes sugeridas. Como no cinema, temos que montar o sentido da imagem a partir da lembrança dos cortes. É necessário o uso da memória, o jogo lúdico da colagem de fragmentos, o desejo de reconstruir uma história.

Além do recorte das figuras, Fabricius avança fragmentando a forma da própria constituição das mesmas. Se a tela como um todo já é uma sucessão de fragmentos, ele trás o corte para dentro do próprio desenho das partes. Pequenos pedaços de tela pintada, conjugados e dispersos, criam as figuras como se dentro do próprio fragmento outro fragmento se anunciasse. Eis sua forma de organizar a composição.

A tela Flagrante, de 2010, pode ser uma metáfora exemplar do procedimento da pintura de Fabricius, não só da forma como ele olha a realidade, mas também como compõe a sua obra. A câmera está voltada para o espectador, que vê na tela como um todo o que a máquina registra, ou seja, pequenos cortes da realidade, que depois serão montados na revelação com a ajuda da memória do fato acontecido. Ou seja, o que se dá na tela é o mesmo que se dá na nossa relação com a fotografia, que registra pequenos momentos, incapazes de serem guardados na sua totalidade, mas que, com o uso dos pequenos recortes fotográficos, podem fazer a memória retomar o todo do acontecido.

Os temas da pintura de Fabricius são, na sua maioria, ligados ao que poderíamos chamar de seres à margem. Existe uma iconografia dos boêmios à margem do dia, prostitutas à margem da vida normal, mendigos à margem da sociedade, pessoas deitadas no chão ou em bancos de praças, seres solitários, dentre outros motivos.

Vale atentar nesse sentido para a tela Margem, de 2011, em que os procedimentos de uma pintura elaborada à partir da montagem de cortes, revela uma figura feminina melancólica, recolhida em si mesma, como num estado de abandono, fumando um cigarro, com pernas e ombros de fora, sentada à beira de algo que remete a uma cama, aparecendo ainda na tela uma terceira mão, com uma taça de bebida. Se recolhermos os pedaços da tela, podemos montar a história de uma noitada (de uma prostituta, talvez, cansada, depois do seu ofício, já descabelada, esgotada, aproveitando seu último cigarro antes de dormir em estado de solidão).
A tela é magnífica no seu contraste entre luzes e sombras, criadas de forma entrecortada e praticamente geométricas, clareando partes da figura como pernas, braços, mãos e pedaços do tronco e escurecendo o fundo. As dobras da roupa, os tecidos da cama, as lembranças (recontadas na terceira mão que misteriosamente aparece com uma taça de bebida) são também construções arquitetônicas, que inclusive dão uma sustentação poderosa a uma figura em total estado de desalinho e melancolia.

Como na tela anterior e na maioria das obras de Fabricius, Margem revela um traço bem definido na poética do artista. Embora construídas com fragmentos de figuras, que se constituem por sua vez como fragmentos de cores entrecortadas, domina em cada obra um sentido de um edifício que não pode se desfazer, que não pode desmoronar, que precisa se manter íntegro, suportado pela força de seu sentido pictórico arquitetônico.

Poderíamos metaforizar, dizendo que a forma de seu trabalho revela seu conteúdo. Que nestas obras, apesar da vida frágil, abandonada e à margem, seja nos seus momentos de intensa irracionalidade (a bebida, o sexo, a boêmia) ou nos momentos de descaso (miséria, abandono), que apesar disso, a vida deseja resistir, íntegra, não sem deixar de guardar a lembrança dos seus cacos, mas ainda assim tão firme quanto um prédio bem desenhado e construído com a devida sustentação.

Na pintura de Fabricius há um grande apreço pela cor clara e, nem por isso, menos intensa (porque muitas vezes a claridade tem seu peso específico na tela). Domina o uso de vermelhos, amarelos, rosas, brancos, lilases e azuis. A escolha dessas cores revela um pouco do flerte do artista com a pop arte. Mas a aproximação termina aí, pois, como disse acima, o artista usa essas cores de forma cortada, aos pedaços, que por vezes se alinham umas às outras e por vezes se sobrepõem para o resultado final da composição.

A sua pintura se constitui de forma compassada, com camadas unificadas de cor pura que ora ressaltam, ora afastam os traços das figuras. Esse procedimento permite a existência do volume geométrico, dos cortes, das fragmentações não sequenciais. O sentido de estrutura é perebido quando se olha a tela como um todo, nestas linhas de corte remendadas pelo espectador, que cria livremente uma história, rearranjando os cacos da forma que achar melhor.

Sua pintura revela o sentido do mundo contemporâneo, aquele que diz que a realidade só pode ser entendida por seus fragmentos e que o sentido que atribuímos à realidade não passa de uma sucessão de pedaços que montamos segundo nosso desejo.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 11/10/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Palácio dos sabores 5/5 de Elisa Andrade Buzzo
02. Editar bem, com Matinas Suzuki Jr. de Tais Laporta
03. Blogues: uma (não tão) breve história (III) de Ram Rajagopal
04. Google: aprecie com moderação de Fabio Silvestre Cardoso
05. O tempo das histórias de Domingos Pellegrini


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2011
01. Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I) - 20/12/2011
02. A arapuca da poesia de Ana Marques - 22/11/2011
03. Wagner, Tristão e Isolda, Nietzsche - 13/9/2011
04. Vantagens da vida de solteiro - 23/8/2011
05. Discos de Jazz essenciais - 28/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HITMAN Nº 3
GARTH ENNIS
BRAIN SITRE
R$ 15,00



A DESPEDIDA ARBITRÁRIA FRENTE AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS
JULIANA GONÇALVES DE OLIVEIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



O CORPO E A MENTE COMO HARMONIZAR SEU CORPO E MELHORAR SUA SAÚDE
CAROLINE M. SUTHERLAND
CIÊNCIA MODERNA
(2002)
R$ 16,90



SPY DOG
ANDREW COPE
PENGUIN UK
(2005)
R$ 24,00



NA PRÓXIMA PRIMAVERA
GANYMÉDES JOSÉ
EDIJOVEM
(1978)
R$ 4,06



ARTEMIS FOWL - UMA AVENTURA NO ÁRTICO
EOIN COLFER
RECORD
(2002)
R$ 15,87



A ESTRELA SOBE
MARQUES RABELO
ABRIL
(1983)
R$ 4,99



WATCHMEN E A FILOSOFIA - UM TESTE DE RORSCHACH
WILLIAM IRWIN / MARK D WHITE
MADRAS
(2009)
R$ 45,38



BALAS DE ESTALO E CRITICA
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
R$ 5,00



ARQUIVOS CRIMINAIS
JOHN MARLOWE
MADRAS
(2013)
R$ 54,45





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês