O Natal do velho Dickens | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Férias de Julho: Museu Catavento e Teatro Sérgio Cardoso recebem a Cia. BuZum!
>>> Neos firma parceria com Unicamp e oferece bolsas de estudo na área de inteligência artificial
>>> EcoPonte apresenta exposição Conexões a partir de 16 de julho em Niterói
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> PANFLETO AMAZÔNICO
>>> Coruja de papel
>>> Sou feliz, sou Samuel
>>> Andarilhos
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Entrevista com Chico Pinheiro
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Vamos sentir saudades
>>> Sexo virtual
>>> The more you ignore me, the closer I get
>>> Padre chicoteia coquetes e dândies
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
Mais Recentes
>>> Nação e Trono - Páginas de História de Antonio Lobo Vilela pela Movimento (1964)
>>> Erros e Dúvidas de Linguagem de Vittorio Bergo pela Lar Católico (1959)
>>> Gabriels Ghost de Linnea Sinclair pela Bantam (2005)
>>> Reforma Agrária - Volume 13 - Nº 1 e 2 de Jacques Chonchol e Outros pela Abra (1983)
>>> Desculpem - Me, foi por Engano...! de Carlos Henrique da Cruz Lima pela Do Autor (2016)
>>> Passos na Eternidade de Norália de Mello Castro pela Rebra (2010)
>>> Porque é Importante Sonhar de Clóvis Tavares pela Gente (1999)
>>> É Tudo tão Simples de Danuza Leão pela Harper Collins Br (2011)
>>> O Papagaio Cibernético de Eduardo Almeida Reis pela Record (1984)
>>> Vertigo N. 18 de Vários pela Panini (2011)
>>> Uma Vida pelo Seguro - a Trajetoria de Helio Opipari de Ricardo Viveiros pela Azulsol (2015)
>>> A Espada na Pedra de White pela Hamelin (2013)
>>> Chan Tao de Jou Eel Jia; Norvan Martino Leite pela Plexus (1998)
>>> Carnavalescos e Suas Criações de Arte de Maria Apparecida Urbano pela Clube do Bem Estar (2017)
>>> Dueto / Duet de Vera Mazzieri / Gemiann Augustus pela Do Autor (1982)
>>> Fuel Testing - Laboratory Methods in Fuel Technology de Godfrey W. Himus pela Leonard Hill (1954)
>>> Código Zero Magazine - Ano 1 - Nº 5 de William H. Fear pela Ediex
>>> Juca Mulato de Menotti del Picchia pela Martins (1972)
>>> Imaginário de Labi pela N/d
>>> Simplesmente Helena de Carolina Kotscho pela Planeta (2007)
>>> Viabilidade Econômico - Financeira de Projetos de Outros; Ricardo Bordeaux Rêgo pela Fgv (2007)
>>> Os Fabulosos X-men - Revista Mensal - Numero 45 de Varios pela Abril (1999)
>>> Sociologia para o Ensino Médio - Terceira Parte de Nelson Dácio Tomaz pela Saraiva (2014)
>>> Perguntar Ofende ! Perguntas Cretinas Que Jornalistas Não Podem Fazer de José Nello Marques pela Disal (2003)
>>> Bad Blood de L. A. Banks pela St. Martins (2008)
COLUNAS

Terça-feira, 25/12/2012
O Natal do velho Dickens
Celso A. Uequed Pitol

+ de 3000 Acessos

Neste dia em que armamos nossos pinheiros num canto da sala,decoramo-los com bolinhas e bonequinhos, armamos um presépio ao seu pé e desejamos uns aos outros o melhor que podemos imaginar peço que o leitor faça um pequeno exercício mental e imagine, por um momento, uma época em que nada disso existia. Uma época em que a comemoração do dia do nascimento do menino Jesus não envolvia sorrisos, abraços em família, brindes e grandes jantares em longas mesas, de onde, à meia-noite, saem as crianças em disparada em direção à árvore para procurar os seus presentinhos daquele ano. Difícil, não é? Fomos – a maioria de nós, pelo menos – criados para acreditar que o Natal é isto e que o espírito natalino, além de existir, consiste nesta reunião de pessoas dispostas a desejar umas às outras dias e vidas melhores. Imaginamos, então, que isto tem sido assim nos últimos dois milênios e que os primeiros cristãos, por viverem em um local onde não havia pinheiros, faziam suas arvorezinhas de Natal com oliveiras e seus presépios com bonecos de argila retirada das praias do Mediterrâneo. Imaginamos com tanta certeza que é impossível imaginar outra coisa. Não dá, hoje, para pensar em Natal sem esses pequenos detalhes.

Porém, este Natal sem pinheiros, presépios, sorrisos e presentinhos existiu e não faz tanto tempo assim. Era uma festa sóbria, bonita, talvez, mas sem grandes encantos ou grandes expectativas por parte das crianças e menos ainda dos adultos, que comemoravam a chegada do Deus que se fez homem por amor a nós e que morreu para nos salvar com o respeito compungido de quem agradece uma vida de sacrifício. A Páscoa, que lembrava a crucificação, tinha o mesmo clima um tanto soturno. É claro que os homens desejavam um Feliz Natal uns aos outros e que os melhores sentimentos cristãos eram lembrados, mas este “Feliz Natal” talvez não quisesse dizer o mesmo que as atuais “Boas Festas”, mesmo porque não havia propriamente uma festa relacionada à data. As ruas não se enchiam de enfeites. As portas das casas não ostentavam coroas. As lojas não contratavam Papais Noéis para oferecem balas às crianças e os pobres pais não colocavam barbas nem roupas vermelhas para darem presentes aos filhinhos. A noite do dia 24 de dezembro era passada com um jantar especial, talvez uma oração e depois cama. Sem muita história. Sem muita magia.

O senhor Charles Dickens, nascido em Portsmouth, em 1812, passou muitos natais assim. Ou melhor: passou muitos natais bem piores do que estes. Desde os 14 anos de trabalhar, e trabalhar duro, para poder sobreviver na Inglaterra dos começos da Revolução Industrial, quando leis trabalhistas, sindicatos, medidas de proteção social e outras cositas más não eram sequer sonhadas pelos trabalhadores. Seus natais eram cheios de incertezas, dívidas não pagas, dinheiro faltando e perspectiva de um ano nada agradável. Quando chegou à idade adulta, Dickens começou a escrever para jornais e publicou alguns romances, elogiados pela crítica mas sem grande sucesso comercial. Ser escritor já era, desde aquela época, ofício para quem tem outro emprego. As histórias de Dickens criticavam a situação humilhante em que viviam os trabalhadores da Inglaterra, a fria indiferença dos habitantes das grandes urbes para com o próximo em necessidade e todas as coisas que o nascente capitalismo moderno fazia com as pessoas. Eram em boa parte autobiográficas e não deixavam de ser uma libertação de demônios com os quais o escritor teve de conviver desde pequeno, mas também resultavam da observação arguta sobre a condição de vida da maioria dos seus compatriotas. Era uma quase obsessão para Dickens, o tema da pobreza. Até que, em 1843, resolveu aparentemente deixar esse tema de lado e investir em outro. Lançou Canção de Natal, seu livro mais conhecido.

Não é preciso falar muito da história. Canção de Natal teve nada menos do que 200 adaptações para o cinema, incontáveis versões em quadrinhos e figura na lista de qualquer biblioteca infantil que se preze. Foi traduzido para quase todas as línguas conhecidas. O tema do Natal caiu muito bem para a época, que começava a comemorar comercialmente a data. Caiu tão bem que o livro de Dickens fez um sucesso gigantesco, como provavelmente nunca um outro livro havia feito na Inglaterra: o mercado consumidor livreiro não existia antes do século XIX e nem as edições com tantas tiragens, fruto direto da ocupação maciça das cidades registrada na época. Dickens aproveitou bem o momento – mas o momento tambem se aproveitou bem de Dickens. Mesmo nestas latitudes meridionais, onde o Natal é a época do calor e não da neve, a comemoração do Norte da Europa penetrou através da leitura de A Canção de Natal. Tão lido foi A Canção de Natal que, a partir de então, a data virou sinônimo daquilo que sempre deveria ter sido – um ritual de passagem.De repente, todos nós passamos a ser Velhos Scrooges que, visitados por três espíritos de Natal, somos convocados a mudar radicalmente de vida antes que seja tarde demais. A generosidade do velho sovina depois de ver que sua vida estava sendo gasta com preocupações mundanas é expressa nos presentes que, uma vez por ano, os pais dão aos filhos e os jantares que as famílias dão umas às outras, comemorando alegremente o momento. Talvez algo do aspecto formalmente religioso se tenha perdido com isto. Nem todos rezam ao pé da árvore e são poucos os que vão à missa após as comemorações. Dickens tirou um pouco de religião do Natal com sua historinha para embalar sonhos de crianças. Mas colocou em nosso coração a idéia profundamente cristã de que o dia 25 de dezembro é capaz de mudar a vida de qualquer pessoa porque foi este dia que mudou para sempre a história da Humanidade.



Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 25/12/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
03. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
04. Apresentação: Ficção e Sociedade de Heloisa Pait
05. Ninfomaníaca: um ensaio sob forma de cinema de Wellington Machado


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
02. Um olhar sobre Múcio Teixeira - 12/2/2019
03. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
04. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
05. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Moses in Egypt
Carol Christian
Macmillan
(1996)



Ultimato Nº312 Doenças que podem e devem ser tratadas
Vários
Ultimato
(2008)



Adorando o Deus de Daniel e Seus Amigos
Vera Tylde de Castro Pinto
Life
(2017)



Meu Primeiro Livro de Piadas
ângela Finzetto
Todolivro
(2004)



Os Pecados Cardeais(best Sellers)
Andrew M. Greeley
Nova Cultural



Cronistas do Estadao
Moacir Amancio (org.)
O Estado de São Paulo
(1991)



Sistema Financeiro Nacional
Denny Paulista Azevedo
Cetec



Teste Sua Resistência ao Estresse
Liz o Neill; Brian o Neill
Publifolha
(2002)



O Vento Solar
Arthur C Clare
Circulo do Livro
(1989)



Antes Que Eu Me Esqueça
Christine Bryden
Seoman
(2018)





busca | avançada
74045 visitas/dia
1,8 milhão/mês