Ano novo, vida nova. | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diploma ou não diploma... não é esta a questão
>>> Minha casa, sua casa
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
Mais Recentes
>>> A Terra dos Meninos Pelados de Graciliano Ramos pela Galera Junior (2015)
>>> Alimentação sem Carne de Eric Slywitch pela Alaúde (2016)
>>> Maus: A História de um Sobrevivente - História Completa de Art Spiegelman pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alex no País dos Números de Alex Bellos pela Companhia das Letras (2011)
>>> A História da Medicina de Anne Rooney pela M. Books (2013)
>>> História da Arte Italiana - 3 Volumes de Giulio Carlo Argan pela Cosac Naify (2003)
>>> Justiça: O Que é Fazer a Coisa Certa (Edição Especial Capa Dura) de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2021)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel García Márquez pela Record (2009)
>>> O Outono da Idade Média de Johan Huizinga pela Cosac Naify (2010)
>>> Vocabulário da Psicanálise de Laplanche e Pontalis pela Martins Fontes (1998)
>>> Meditações Diárias Para Mulheres Que Amam Demais de Robin Norwood pela Rocco (2009)
>>> Supertição no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2001)
>>> Marketing Trends de Francisco Alberto Madia de Souza pela Makron Books (2000)
>>> Retorno Do Investimento Em Capital Humano de Jac Fitz-enz pela Makron Books (2001)
>>> O Gigante Enterrado de Kazuo Ishiguro pela Companhia das Letras (2017)
>>> O Fim Do Poder de Moisés Naím pela Leya (2013)
>>> Introdução as Obras de Freud, Ferenczi, Groddeck, Klein, Winnicott, Dolto, Lacan de J. D. Nasio pela Jorge Zahar (1995)
>>> Amor Incondicional E Perdão de Edith Stauffer pela Totalidade (2007)
>>> Tarde Demais de Colleen Hoover pela Record (2022)
>>> A Bíblia Dos Meninos de Carolyn Larsen pela Mundo Cristão (2000)
>>> Peter Camenzind de Hermann Hesse pela Todavia (2022)
>>> Cuidando da Família em Crise de T. Berry Brazelton pela Martins Fontes (1991)
>>> Livro Game Of Thrones: Guia Completo Da Serie Da Hbo de Bryan Cogman pela Leya (2013)
>>> Talvez Uma Historia De Amor de Martin Page pela Rocco (2009)
>>> Por Voce- Vol. 1 de Laurelin Paige pela Fabrica231 (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 11/1/2002
Ano novo, vida nova.
Rafael Azevedo
+ de 3100 Acessos

Everywhere is war
2001, 2002. Atentados, violência, exércitos tomando posição, bombardeando-se a distância. Indianos e paquistaneses, israelenses e palestinos. A irracionalidade ainda toma conta de boa parte do nosso mundo. Conflitos seculares gerados pela religião, conflitos milenares recém-despertados. Não há fim à vista.
Feliz ano novo a todos.

Inteligência estratégica.
Governos autoritários e opressores, financiados pelos EUA, voltam-se contra a América e seus interesses – para combatê-los, os americanos financiam outro governo, que desprezará igualmente o povo que estará sob seu jugo, e breve voltará a se voltar contra todos nós; será preciso encontrar outro líder local, de caráter e intenções duvidosas, mas que tenha o interesse de se aliar com os infiéis do ocidente, em troca de obter o poder. Está feito o círculo vicioso... não seria hora de rever essa política? Não se pode empreender uma luta “pela liberdade” em algum lugar, sem que efetivamente sejam dadas liberdade e democracia ao povo destes lugares esquecidos por Deus e pelos homens. O regime militar de Saddam foi armado pelos EUA (que faziam vista grossa à opressão que ele imprimia ao povo iraquiano), na guerra contra o Irã – deu no que deu... o regime militar tirânico do Paquistão, comandado pelo presidente (leia-se general) Musharraf, foi o principal aliado americano na guerra contra o Taliban, mas agora assume involuntariamente o papel de vilão nesta imbecil disputa com a Índia pela Cachemira. Arafat era um terrorista sanguinário, aos olhos do Ocidente, até menos de vinte anos atrás. Agora, é Nobel da Paz...
Felizmente, a maneira com que a comunidade internacional vem comandando a mudança de regime no Afeganistão parece sugerir que algo foi aprendido dos erros passados, e o país não será esquecido, nem largado às moscas. Ou aos camelos. Mas esse é só o começo. Faltaria fazer o mesmo no Paquistão, Uzbequistão, Turcomenistão, Cazaquistão, Quirguistão... e quem sabe um dia, China, Iraque, Iêmen, Somália, Egito, Síria, Arábia Saudita... a lista é interminável.

Charadas brasileiras
Fernando Dutra Pinto sequestra a filha do maior empresário do país, volta à sua casa e mantêm ele como refém, depois de ter se envolvido num tiroteio onde morreram dois policiais e o nome da corporação saiu mais sujo do que já era. Algumas semanas depois, aparece morto – causa mortis: parada cardio-respiratória. Ele tinha menos de 25 anos. Morte natural, diz o Secretário de Segurança Pública. Ninguém fala nada, publicamente.
Cássia Eller morre no hospital, com o braço infestado de picadas; mas os jornalistas noticiam que o que a matou foi 1 grama de cocaína – misturada com whisky (coro de senhoras: ooohhhhh!). A capa da Veja brada, revoltada, repulsiva – “Drogas, mais uma vítima.” Ela injeta o que quer nos tubos, mas nem assim a culpa é dela – foi a droga que fez isso. Além de tudo, a mulher entrou caminhando, embora amparada – e teve o primeiro infarte já no leito do hospital. Mas não se comenta a possibilidade de erro médico nos meios de imprensa.
Os diretores de cinema nacional continuam usando dinheiro público para fazerem suas “obras-primas”. Em contrapartida, não temos uma orquestra sequer em todo o território brasileiro capaz de fazer com que sintamos orgulho de nosso cenário musical. O teatro vive de esporádicas manifestações de vida inteligente, e a TV equilibra-se na fina linha que divide o popular do vulgar. Nossa literatura vive, como sempre viveu, de esforços individuais heróicos... enquanto isso, na Academia Brasileira de Letras, Sarney e Cony tomam chá enquanto “metem o pau no FHC”. Roberto Marinho faz que não é com ele.
Muda ano, sai ano, e o Brasil continua o mesmo – só não sei se é mais difícil acreditar nos fatos em si, ou na passividade com que aceitamos eles.

post scriptum
Ontem, provavelmente enquanto eu escrevia esta coluna, a o governo da Arábia Saudita estava colocando em prática a demolição de uma fortaleza otomana de 220 anos de idade, patrimônio histórico-arquitetônico da humanidade, para a construção de residências "populares" para hospedar os imigrantes em seu caminho para Meca. Apesar dos apelos insistentes do governo turco, os sheiks árabes foram irredutíveis no que chamaram de exercício de sua soberania. Nestes tempos em que o Taliban foi tão justamente criticado por destruir praticamente tudo o que o Afeganistão possuía que apresentasse algum valor artístico ou arqueológico, é interessante notar como os líderes do maior aliado dos EUA na região nesta "Guerra contra o Terror" são capazes de atos tão bárbaros, senão mais, que o dos próprios e temidos Talibans. Afinal, é sempre bom lembrar que na Arábia Saudita ainda se aplicam as mesmas punições públicas que se viam nos estádios de Cabul há algum tempo atrás, e ainda existe uma polícia especializada em bater nas mulheres desavisadas que porventura saiam à rua com uma calça, ou deixem escapar seu cabelos do véu.



Rafael Azevedo
São Paulo, 11/1/2002

Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2002
01. Banana Republic - 19/4/2002
02. O injustificável - 12/4/2002
03. Terra Papagalli - 22/2/2002
04. Depois do ensaio - 1/3/2002
05. Vidas Paralelas - 22/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Com os corações cheios de amor
Rabino Mattisyahu Salomon
ArtScrll Series



Antologia Efémera 1950-2000
E. M. de Melo e Castro
Lacerda
(2000)



Leite Derramado
Chico Buarque
Companhia das Letras
(2009)



Sucos e Vitaminas para Crianças
Amanda Cross
Manole
(2007)



O Universo Simbólico da Criança: Olhares Sensível para a Infância
Adriana Friedmann
Vozes
(2005)



O discurso da homossexualidade feminina
Denise Portinari
Brasiliense
(1989)



Otelo
Hildegard Feist
Scipione
(2015)



You Can Be Happy no Matter What
Richard Carlson
New World Library
(2006)



Livro Literatura Estrangeira Bela Distração Irmãos Maddox - Livro 1
Jamie Mc Guire
Verus
(2014)



Ele Vem do Fundão
Dyonelio Machado
Ática
(1982)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês