Claraboia, o jovem Saramago | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Virtual cai na real
>>> Literatura universal do Sul
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> André Bazin e a crítica como militância
>>> Em Cena: Um Casal Admirável
Mais Recentes
>>> Tenório - O Homem e o Mito de Do Carmo Cavalcanti Fortes pela Record (1986)
>>> Para onde vai o Peru. de Juan Velasco Alvarado. pela Paralela, (1970)
>>> Só o Amor é Real de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> Só o Amor é Real de Brian L. Weiss pela Salamandra (1996)
>>> Pense jovem de Tim Drake pela Ediouro (2009)
>>> Hoje é dia de Maria de Varios Autores pela Globo (2006)
>>> No Mundo da Lua de Camila Justino pela Leitura (2009)
>>> Diversidade. Um guia para o Teatro dos anos 90 de Nelson de Sá pela Hucitec (1997)
>>> Medida Certa de Zeca Camargo pela Globo (2011)
>>> Amar Vale a Pena de Sergio Savian pela Landscape (2007)
>>> Sociologia para jovens. Iniciação a Sociologia de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2011)
>>> Vianinha. Cúmplice da Paixão de Dênis de Moraes pela Record (2000)
>>> O Eterno Barnes de Salustiano Luiz de Souza pela Novos Talentos (2013)
>>> Eu e minha boca grande de Joyce meyer pela Bello publicações (2015)
>>> Reflexões sobre Espiritualidade e Ministério de Jamê nobre pela Ccc edições (2012)
>>> Nada Além da Vrdade de Alex Gilvarry pela Tordesilhas (2012)
>>> Reecontrando a estrela na rota para bele´m de Eber Rodrigues pela Ministerio ouvir e crer (2014)
>>> The Aventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Word Library (2004)
>>> Fazer amor de Gary chapman pela Mundo cristão (2010)
>>> Brava gente! Os italianos em São Paulo de Zuleika M. F. Alvim pela Brasiliense (1986)
>>> Antes que a noite venha de David Jeremiah pela Cpad (2004)
>>> A comunhão nossa de cada dia de Pedro Arruda pela Clássicos (2017)
>>> O poder das ultimas palavras de Jesus na cruz de Adam Hamilton pela graça Editorial (2013)
>>> A unidade Cristã e o reavivamento do corpo de Cristo de Tommy Tenney pela Ágape (2013)
>>> O mistério da oliveira de Johannes fichtenbauer pela Impacto publicações (2018)
>>> A doutrina do arrependimento de Thomas watson pela Pes (2019)
>>> Vença o pecado de C. H. spurgeon pela Pes (2019)
>>> Graça abundante ao principal dos pecadores de John bunyan pela Fiel (2012)
>>> Crime e Loucura de Roque de Brito Alves pela Recife (1998)
>>> A Vida Secreta das Plantas de Peter Tompkins, Christopher Bird pela Círculo do Livro (1976)
>>> Registro Civil das Pessoas Naturais de Nicolau Balbino Filho pela Atlas (1983)
>>> Manual do Horóscopo Chinês de Theodora Lau pela Pensamento (1987)
>>> Jurisprudência da Responsabilidade Civil de R. Limongi França pela Revista dos Tribunais (1981)
>>> Sonhos de robô de Isaac Asimov pela Record (1991)
>>> Brincando nos campos do senhor de Peter Matthiessen pela Companhia das letras (1991)
>>> Os subterrâneos de Jack Kerouac pela Brasiliense (1984)
>>> On the Road (Pé na Estrada/Na estrada) de Jack Kerouac pela Brasiliense (1984)
>>> Big sur de Jack Kerouac pela Brasiliense (1985)
>>> Meridiano sangrento de Cormac McCarthy pela Nova Fronteira (1991)
>>> Advogado de defesa de Irving Stone pela Itatiaia (1967)
>>> Instituições de Direito Civil Vol. 1 de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (1986)
>>> Fragmento de Warren Fahy pela Amarylis (2010)
>>> Garcia Lorca de Edgard Cavalheiro pela Civilização Brasileira (1956)
>>> Prece a uma aldeia perdida de Ana Miranda pela Record (2004)
>>> A história do mundo pela mulher de Rosalind Miles pela Casa Maria (1989)
>>> Os mandarins de Simone de Beauvoir pela Abril cultural (1974)
>>> Barra Pesada de Octávio Ribeiro pela Codecri (1977)
>>> O selvagem e o inocente de David Maybury-Lewis pela Unicamp (1990)
>>> As Mulheres Francesas Não Engordam de Mireille Guiliano pela Campus (2005)
>>> O Código de Atlântida de Charles Brokaw pela Planeta (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/1/2013
Claraboia, o jovem Saramago
Marcelo Spalding

+ de 3700 Acessos

Poucos ofícios imortalizam tanto um homem quanto o de escritor. Um bom livro sobrevive ao seu autor nas prateleiras das livrarias, nas estantes das casas, no orgulho da família. E não raro novos textos seus são publicados mesmo depois de sua morte.

Com José Saramago, o Nobel da língua portuguesa, o mais polêmico, conhecido e reconhecido escritor contemporâneo de nossa língua, não poderia ser diferente. Um ano e meio depois de sua morte, ocorrida em 2010, foi lançado o romance Claraboia (Companhia das Letras, 2006, 384 págs.), incrivelmente escrito em 1953 - se fosse publicado à época seria o segundo romance do autor.

Os motivos para a não-publicação nos anos 1950 são mais comerciais que literários: a obra foi enviada a uma editora lusitana que nunca respondeu ao autor, nem aceitando nem rejeitando o original (desrespeitosa prática comum até hoje, diga-se de passagem), até que nos anos 1980, com Saramago já famoso por sua literatura, a tal editora entrou em contato com o autor para publicar o livro. Aí foi a vez de Saramago rejeitar, por despeito ou por questões literárias, sabe-se lá. Deixou a decisão para que a família tomasse, depois de sua morte.

Felizmente para os leitores, a família optou por publicar o romance, cuja história narra episódios da vida de seis famílias do subúrbio lisboeta, histórias que se encontram e desencontram ao longo da narrativa. Enredos desse tipo hoje são comuns no cinema (Babel, Crash), mas acrescente-se a essa falta de unidade temática o fato de que em Claraboia o leitor começa a conhecer as famílias no meio de suas histórias e não saberá o final delas. Trata-se, portanto, de uma crônica de costumes, de um romance de representação social em que o cenário é mais importante que os acontecimentos.

Para quem gosta de literatura e de Saramago em especial, o romance é leitura obrigatória porque revela os primeiros passos do gênio, o que primeiro ele inventou na prosa até chegar à sua forma complexa e admirável de um Evangelho Segundo Jesus Cristo, por exemplo. Em Claraboia, os diálogos ainda são pontuados da maneira tradicional, mas já temos aqui o narrador intruso, onisciente e irônico, marca da ficção do autor. O começo, misto de descrição com narrativa, é arrebatador:

"Por entre os véus oscilantes que lhe povoavam o sono, Silvestre começou a ouvir rumores de loiça mexida e quase juraria que transluziam claridades pelas malhas largas dos véus. Ia aborrecer-se, mas percebeu, de repente, que estava acordando. Piscou os olhos repetidas vezes, bocejou e ficou imóvel, enquanto sentia o sono afastar-se devagar. Com um movimento rápido, sentou-se na cama. Espreguiçou-se, fazendo estalar rijamente as articulações dos braços. Por baixo da camisola, os músculos do dorso rolaram e estremeceram. Tinha o tronco forte, os braços grossos e duros, as omoplatas revestidas de músculos encordoados. Precisava desses músculos para o seu ofício de sapateiro. As mãos, tinha-as como petrificadas, a pele das palmas tão espessa que podia passar-se nela, sem sangrar, uma agulha enfiada."

Silvestre, aliás, será um personagem importante nesse mosaico de tipos por expressar em seus diálogos os pensamentos político-ideológicos do autor. Nesse romance, o Saramago jovem (o autor tinha em torno de 30 anos, a idade de Abel, personagem-chave do livro pelos diálogos que trava com Silvestre) é muito mais explícito do que nos romances de sua maturidade acerca de política, filosofia e engajamento social, utilizando-se dos diálogos entre o jovem Abel e o sapateiro Silvestre para expressá-los.

"- Ouça, Abel! Quando ouvir falar no homem, lembre-se dos homens. O Homem, com H grande, como às vezes leio nos jornais, é uma mentira, uma mentira que serve de capa a todas as vilanias. Toda a gente quer salvar o Homem, ninguém quer saber dos homens.

Abel encolheu os ombros, num gesto de desalento. Reconhecia a verdade das últimas palavras de Silvestre, ele próprio já o pensara muitas vezes, mas não tinha aquela fé. Perguntou:

- E que podemos nós fazer? Eu? O senhor?

- Vivemos entre os homens. Ajudemos os homens.

- E o que faz o senhor para isso?

- Conserto-lhes os sapatos, já que nada mais posso fazer agora. O Abel é novo, é inteligente, tem uma cabeça sobre os ombros... Abra os olhos e veja, e se depois disto ainda não tiver compreendido, feche-se em casa e não saia, até que o mundo lhe desabe em cima!"

Muitos dirão e escreverão que esse parece um diálogo entre o jovem Saramago e o velho Saramago, que talvez o autor tenha dado algumas pinceladas no original dos anos 50 antes de falecer. Mas tudo será especulação, e evitemos a especulação...

Vale ressaltar é que esse uso da ficção para a veiculação de discussões político-ideológicas é comum nos anos 50, época de grandes e inesquecíveis romances como O Tempo e o Vento (1959) e Cem Anos de Solidão (1962). Já no final do século XX, com o fim dos regimes totalitários e a mudança das discussões do eixo político para o econômico, a ficção volta a se preocupar mais com o sujeito e sua identidade. E é importante ressaltar que embora a história de Abel e Silvestre seja repleta de discussões políticas, e que essa história abra e feche o livro, ela é apenas uma das seis histórias de Claraboia, e as outras têm um aprofundamento psicológico e identitário dignos dos romances psicológicos mais modernos.

Entramos não apenas na casa dos casais e seus filhos, descobrimos seus pensamentos, suas intenções, seus medos, seus desejos, penetramos em cada um como jamais conseguiríamos penetrar em nós mesmos, com uma lucidez e praticidade que só alguém de fora poderia enxergar. Vemos sob a claraboia a mãe que perdeu a filha pequena e vive com um marido grosseiro e repulsivo; o casal que zela pela bela filha adolescente enquanto faz as contas para fechar o mês; a vizinha sedutora e seu amante; as quatro mulheres unidas pela música e por amores não realizados; o filho que quer unir os pais e os vê cada vez mais distantes, embora sob o mesmo teto. Desta história vale reproduzirmos um trecho:

"Henrique não compreendia. Amara pouco o pai, mas descobrira que podia amá-lo sem reservas; durante algum tempo receara a mãe, mas agora a mãe chorava e ele reconhecia que nunca deixara de a amar. Amava ambos e via que eles se afastavam cada vez mais um do outro. Por que não falavam? Por que se olhavam, às vezes, como se não se conhecessem ou como se se conhecessem demais?"

Poder-se-ia acusar a abordagem, e não seria de todo injusto, de certo machismo. É evidente, aqui, a influência do narrador homem revelando alguns fetiches, reproduzindo alguns valores, talvez próprios dos anos 50, mas talvez próprios de um pensamento sexista. De qualquer forma, poderíamos dizer que esse narrador-observador é mais uma das personagens vivendo sob a claraboia, e seus valores são mais reflexo do que ele vê do que criações suas. Nesse aspecto, a propósito, a obra pode ser lida em linha com Pequenas Memórias, livro de memórias de Saramago publicado em 2006 que revela a infância pobre do autor, sem dinheiro para livros ou jornais. E muitos dirão e escreverão, também, que o cenário diz muito sobre o autor, que isso é natural nos primeiros romances de um escritor, que a obra vale mais pelo aspecto histórico e biográfico que literário ou ideológico. Mas tudo será especulação. E evitemos a especulação...



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 25/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pequenos grandes negócios poéticos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2013
01. Por uma lógica no estudo da ortografia - 12/7/2013
02. Dicas para a criação de personagens na ficção - 1/3/2013
03. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone - 14/6/2013
04. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer - 12/4/2013
05. A literatura infanto-juvenil que vem de longe - 1/2/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUEL DE NEONATOLOGIA
J. LAUGIER - F. GOLD
MASSON
R$ 8,00



DIREITO SINDICAL C/ DEDICATÓRIA DO AUTOR 8348
AMAURI MASCAVO NASCIMENTO
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO
(1982)
R$ 56,00



O CARANGUEIJO BOLA
MARIA LUCIA
DO BRASIL
(1985)
R$ 5,00



DIAS DE CAIÇARA - PARATY- UBATUBA - SÃO SEBASTIÃO
VITO DALESIO E DANIEL PASCALICCHIO
DIALETO
(2006)
R$ 19,90



TODAS AS RESPOSTAS, O QUE A BÍBLIA ENSINA SOBRE CARREIRAS E EMPREGOS
MAX GEHRINGER
BENVIRÁ
(2015)
R$ 18,00



A CIÊNCIA NA VIDA COTIDIANA
JAY INGRAM
EDIOURO
(2004)
R$ 6,00



DIVERGENTE
VERONICA ROTH
ROCCO
(2012)
R$ 19,80



MICROECONOMIA: TEORIA E APLICAÇÕES
EDWIN MANSFIELD
CAMPUS
(1978)
R$ 9,00



STYLISTIQUE LATINE
ERNST BERGER MAX BONNET FERDINAND GACHE
C KLINCKSIECK
(1942)
R$ 88,20



O CANTO DAS MUSAS: POEMAS PARA CONHECER, LER, RECITAR E CANTAR
ALINE EVANGELISTA MARTINS (COM CD)
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 13,28





busca | avançada
68983 visitas/dia
2,1 milhões/mês