Teoria do Buraco de Rua | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
>>> Abertura da 9ª Semana Senac de Leitura reúne rapper Rashid e escritora Esmeralda Ortiz
>>> FILME 'CAMÉLIAS' NO SARAU NA QUEBRADA EM SANTO ANDRÉ
>>> Inscrições | 3ª edição do Festival Vórtice
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
>>> São Luiz do Paraitinga
>>> A Barsa versus o Google
Mais Recentes
>>> Dicionário De Espanhol-português de Porto pela French & European Pubns (2015)
>>> Os Fantasmas Da São Paulo Antiga de Miguel Milano pela Unesp (2012)
>>> Direito Civil Brasileiro 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2011)
>>> Um Grito de Socorro de Alcides Goulart pela Jovem (2014)
>>> Medicina de urgência de Elisa Mieko Suemitsu Higa pela Manole (2008)
>>> Expedição aos Martírios 15 edição de Francisco Marins pela Melhoramentos (1978)
>>> Todo Mundo Tem Uma História Para Compartilhar de Karen Worcman pela Museu da Pessoa (2014)
>>> Os Restos Mortais( com encartes 1994 das obras Ática ) de Fernando Sabino pela Ática (1994)
>>> Ana Cecília Carvalho; Robinson Damasceno dos Reis de O Ourives Sapador do Polo Norte: como fazer pesquisas e anotar informações pela Formato (1995)
>>> Livro Seu Zezinho - A Estrela Eterna de Sumaré de Claúdia Sabadini pela Cult (2016)
>>> Livro Alma Gêmea - Você está pronta para ser encontrada? de Rosana Braga pela Escala (2001)
>>> O Mistério da Fábrica de Livros 23 edição. de Pedro Bandeira pela Hamburg (2024)
>>> Panelinha: Receitas Que Funcionam de Rita Lobo pela Senac São Paulo (2012)
>>> A Crítica Da Razão Indolente. Contra O Desperdício Da Experiência de Boaventura De Sousa Santos pela Cortez (2011)
>>> Educação E Crise Do Trabalho: Perspectivas De Final De Século (coleção Estudos Culturais Em Educação) de Gaudêncio Frigotto (org) pela Vozes (2002)
>>> Era Dos Extremos - The Age Of Extremes de Eric Hobsbawm pela Companhia Das Letras (2003)
>>> A Volta dos Pardais do Sobradinho 3 edição. de Herberto Sales pela Melhoramentos (1990)
>>> O Mistério do Esqueleto - coleção veredas 13 edição. de Renata Pallottini pela Moderna (1992)
>>> Livro Na Vida Dez, Na Escola Zero de Terezinha. Carraher pela Cortez (1994)
>>> Livro Voce Verdadeiramente Nasceu De Novo Da Agua E Do Espirito? de Paul C. Jong pela Hephzibá (2002)
>>> Livro Luz no lar de Francisco Cândido Xavier por Diverso Espíritos pela Feb (1968)
>>> Livro As Perspectivas Construtivista e Histórico-cultural na Educação Escola de Tania Stoltz pela Ibpex (2008)
>>> Livro El Desarrollo Del Capitalismo En America Latina. Ensayo De Interpretacion Historica (spanish Edition) de Agustin Cueva pela Siglo Xxi (2002)
>>> O Fantástico Homem do Metrô 8 edição. - coleção veredas de Stella Carr pela Moderna (1993)
>>> Missão Ninok: se tem medo do futuro não abra o livro de Bernardino Monteiro pela Artenova (1980)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/1/2002
Teoria do Buraco de Rua
Paulo Polzonoff Jr
+ de 3100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Não sei o que é que me deu na cabeça, num dia remoto. Devo ter caído da escada ou inalado sem querer cola de sapateiro, porque escolher ser jornalista é simplesmente um ato de insanidade. Não, leitor, não vou começar aqui a maldizer minha profissão. Gosto de reclamar deste dia fatídico em que escolhi ser o que sou, mas em tom de brincadeira. Pior mesmo nem é ter escolhido marcar um xis em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, no dia do vestibular, mas ter inventado de ser “jornalista cultural” (uma sub-raça, por certo). Isso porque ser jornalista cultural é, por vezes, uma humilhação, como tentarei descrever neste texto.

Antes de qualquer coisa, convém explicar por que escolhi este ramo do jornalismo: porque fui enganado. É, enganado. Tive uma professora no primário, chamada Olinda, que era realmente um gênio. Por meio de um sistema de joguinhos e coisas afins, ela conseguiu pôr na minha cabecinha tola todas aquelas regras de semântica e sintaxe. Ao contrário dos meus coleguinhas, eu adorava descobrir sujeitos, predicados e demais penduricalhos das frases. Foi graças a Olinda, na verdade, que eu descobri o que era a frase (às vezes eu me esqueço, bem sei). No último ano do primário, já me divertindo com a burocracia da língua, deparei-me com ela: a Professora Linda e Inteligente. O nome se perdeu. Foi ela quem me disse, sussurrando em meu ouvido púbere (na verdade ela deve ter falado a uns vinte metros, mas tudo bem), que eu escrevia bem. Não tinha a mínima idéia do que isso significava, mas assimilei a informação, sem, a princípio, acreditar nela. Não era modéstia nem nada; na verdade, nesta época, eu estava mais preocupado era com Simone, mas Simone não olhava para mim... No ano seguinte, um professor de História, lendo minha primeira prova, dizia que eu escrevia bem e sugeriu: “Por que você não faz Jornalismo”. Até então, para se ter uma idéia, eu queria ser biólogo (muitos dizem até hoje que eu deveria mesmo era ter escolhido viver entre as tartarugas ou os peixes-boi). E vivi essa mentira indolor até o cursinho, quando um professor de Redação virou minha cabeça definitivamente para esse troço de escrever. Eis-me aqui.

(Antes que me acusem de auto-indulgência, como tem acontecido: eles me disseram que eu escrevia bem. O que não significa que eles estivessem certos. Estou descrevendo o ocorrido, apenas. Deixo a concordância ou não para vocês.)

Durante a Faculdade, foram inúmeras as pessoas que me disseram para ser um repórter e não um jornalista cultural. Eles enfatizavam a diferença e, a cada vez que eu ouvia tal coisa, percebia que era eu quem enfatizava a diferença. O fato é que, naqueles dias, nada poderia haver de mais impossível para mim, extremamente tímido, do que o exercício da reportagem pura e simples. Além disso, já cultivava um ceticismo que ainda me acompanha, se bem que de modo mais moderado, o que era — é — completamente inconveniente com uma espécie de gente que ainda acha que pode mudar o mundo. Então, teimei contra o MacLuhan, os teóricos da Escola de Frankfurt, contra economistas cujos nomes não lembro, mas que escreveram calhamaços contra a globalização, contra Marx, claro, e até contra Freud (de quem gosto, se tomado com responsabilidade), e principalmente contra os manuais de redação e acabei onde estou: um jornalista cultural.

Para se entender do prestígio de que goza um jornalista cultural, vale aqui contar uma historinha que me acontece nos primeiros meses de profissão. Obviamente ocultarei o nome da geniosa senhora que fez os comentários aqui descritos.

Lembro como se fosse ontem (porque não lembro nem do que acabei de jantar): estava do lado do computador e, novo no jornal, tentava conhecer as pessoas. Ela era uma mulher interessante, não sexualmente interessante, mas intelectualmente (eu achava) interessante. Tinha uma coisa que eu buscava em qualquer pessoa, homem ou mulher, naquela época: bom humor. Era casada, portanto eu não tinha nenhum tipo de interesse físico na senhora. Escrevo isso para que não pensem meus detratores que escrevo sob a influência da musa do ressentimento.

Convenhamos que humor não era exatamente o que ela tinha. Era alegria. E por alegria a gente entende aquele tipo de felicidade meio boba, de sorriso fácil, de gargalhadas histéricas e gestos estabanados. As pessoas gostavam dela justamente por isso. E eu, ao contrário, era um cara triste, melancólico, pesado. Não chegava a chorar, mas quase. Umas duas ou três vezes cheguei a simplesmente ir embora, não agüentando aquilo tudo. Ela lá, sorrindo.

Ainda assim, com essas diferenças, dávamo-nos relativamente bem. Como ela tinha uma carreira mais longa do que eu (uns dois anos mais longa), tentava aprender alguma coisa. Sempre fui bom nisso: aprender coisas. Só que, para tanto, alguém tem que ensinar, coisa para a qual eu não atinava na época.

Num dia de crise, destas que são bem costumeiras, quando penso em mandar absolutamente tudo à merda, não tive dúvidas e perguntei a ela, razoavelmente bem-sucedida, qual era o segredo para. Rindo, ela disse que tinha muito o que me dizer, muito o que me ensinar. Sou todo ouvidos, senhora. E então ela me disse que eu tinha que ter mais o pé no chão.

— Como assim? — perguntei, fazendo cara de espanto. E não era para ficar espantado?! Acontece que aqueles que se dispõem a escrever sobre livros, música, teatro, estas coisas menores, o mundo todo parece conspirar contra. Sim, é mania de perseguição, sim. Sentimento de que aqueles que nos rodeiam estão cochichando entre si: lá vai ele, voando alto...

— Como assim?

— Outra hora eu te explico.

— Explica agora.

— Outra hora.

— Pô. Você vai me deixar assim, todo curioso? — apelei para o sentimentalismo da moça. Deu certo.

A moçoila desfiou, então, sua Teoria do Buraco de Rua. De acordo com esta teoria, eu deveria esquecer sistematicamente o livro, este objeto quase satânico, e me dedicar mais às coisas mundanas, de interesse real para as pessoas. Coisas como... o buraco de rua. Eu deveria esquecer Platão, parar de olhar as nuvens e olhar para baixo, para o buraco de rua. Deveria parar de tentar descrever uma obra de arte qualquer (e Deus sabe como isso é difícil hoje em dia) e me esforçar em descrever ele, o redondo, profundo, áspero e incômodo buraco de rua. Deveria não ficar horas diante do computador pensando em perguntinhas nem-tão-idiotas-assim para escritores; por outra, deveria ligar para o prefeito, fazer voz de brabo, e indagar sobre o buraco!, o buraco!, o buraco!.

Deus sabe o quanto essa conversa, que aconteceu há mais de dois anos, me enlouqueceu. Foram muitas as vezes em que me senti tentado a aderir à Teoria do Buraco de Rua. Por duas ou três semanas eu realmente devo ter aderido a ela, escrevendo parágrafos e mais parágrafos de uma prosa quadrada.

Hoje, contudo, sentando nesse apartamento, depois de ler mais um poema de Drummond, olhando para a estante, para o Aristóteles que implora para ser lido, lembro dela e de sua teoria furada. Também penso, obviamente, naquele buraco de rua que havia em frente ao jornal e que foi sumariamente selado por uns poucos quilos de piche.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 23/1/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2002
01. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel - 16/1/2002
02. Dois Idiotas - 13/2/2002
03. Ele, Francis - 6/2/2002
04. Riobaldo - 2/1/2002
05. Pode guerrear no meu território - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/1/2002
11h23min
Paulo, acho que Drummond tem um poema sobre o buraco de rua. Um abraço, meu amigo.
[Leia outros Comentários de Alessandro Martins]
26/1/2002
21h40min
...ficam os livros também, claro. Faz um tempão, li em algum lugar (não lembro autor, referência, nada) uma passagem sobre o "valor", ou a razão, da arte. O autor deixava a pergunta "para que serve arte" sem resposta, e começava a falar das coisas vitais da sobrevivência. Para que a gente trabalha? Para ganhar dinheiro. Para que a gente ganha dinheiro? Para comer. Para que a gente come, faz higiene, vai ao médico, constrói casa etc. etc.? Para sobreviver. E para que a gente sobrevive??? Para que o trabalho todo de manter a carcaça viva? Só por instinto? E o que nos faz humanos, então? A resposta do autor, claro, era esta: a arte. Vivemos para poder produzir e participar da cultura. Também ouço muita teoria do buraco de rua, na forma daquele sorriso amarelo quando tento explicar meu doutorado em "Estudos Culturais e Visuais". Que bom que nem todo mundo caiu na armadilha do buraco de rua - senão, a gente ia mesmo pro buraco!!!
[Leia outros Comentários de dani sandler]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Worterbuch Franzosisch Deutsch
Vários Autores
Neuer Honos Verlag



O Que é Política 345
Wolfgang Leo Maar
Brasiliense
(1982)



Bombaim: Cidade Máxima
Suketu Mehta
Companhia das Letras
(2011)



Livro Gibis Wolverine um Demônio Contra os X-men Volume 85 Daken: Wolverine Sombrio
Marvel
Panini Comics
(2011)



O Máscara De Ferro
Alexandre Dumas
Melhoramentos



Senhor dos Anéis mulheres na obra de J.R.R. Tolkien
Rosana Rios
Devir
(2005)



Pluralidade Sindical e Democracia
Rodolfo Pamplona
Ltr
(1997)



Nicarágua Revolução Em Família
Shirley Christian
Record
(1985)



A Cura da Alma
Wagner Fiengo
Era Branca
(2020)



Administração Universitária
Amélia Silveira; Nelson Colossi; Claudia Gonçalves
Insular
(1998)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês