Teoria do Buraco de Rua | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/1/2002
Teoria do Buraco de Rua
Paulo Polzonoff Jr

+ de 2300 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Não sei o que é que me deu na cabeça, num dia remoto. Devo ter caído da escada ou inalado sem querer cola de sapateiro, porque escolher ser jornalista é simplesmente um ato de insanidade. Não, leitor, não vou começar aqui a maldizer minha profissão. Gosto de reclamar deste dia fatídico em que escolhi ser o que sou, mas em tom de brincadeira. Pior mesmo nem é ter escolhido marcar um xis em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, no dia do vestibular, mas ter inventado de ser “jornalista cultural” (uma sub-raça, por certo). Isso porque ser jornalista cultural é, por vezes, uma humilhação, como tentarei descrever neste texto.

Antes de qualquer coisa, convém explicar por que escolhi este ramo do jornalismo: porque fui enganado. É, enganado. Tive uma professora no primário, chamada Olinda, que era realmente um gênio. Por meio de um sistema de joguinhos e coisas afins, ela conseguiu pôr na minha cabecinha tola todas aquelas regras de semântica e sintaxe. Ao contrário dos meus coleguinhas, eu adorava descobrir sujeitos, predicados e demais penduricalhos das frases. Foi graças a Olinda, na verdade, que eu descobri o que era a frase (às vezes eu me esqueço, bem sei). No último ano do primário, já me divertindo com a burocracia da língua, deparei-me com ela: a Professora Linda e Inteligente. O nome se perdeu. Foi ela quem me disse, sussurrando em meu ouvido púbere (na verdade ela deve ter falado a uns vinte metros, mas tudo bem), que eu escrevia bem. Não tinha a mínima idéia do que isso significava, mas assimilei a informação, sem, a princípio, acreditar nela. Não era modéstia nem nada; na verdade, nesta época, eu estava mais preocupado era com Simone, mas Simone não olhava para mim... No ano seguinte, um professor de História, lendo minha primeira prova, dizia que eu escrevia bem e sugeriu: “Por que você não faz Jornalismo”. Até então, para se ter uma idéia, eu queria ser biólogo (muitos dizem até hoje que eu deveria mesmo era ter escolhido viver entre as tartarugas ou os peixes-boi). E vivi essa mentira indolor até o cursinho, quando um professor de Redação virou minha cabeça definitivamente para esse troço de escrever. Eis-me aqui.

(Antes que me acusem de auto-indulgência, como tem acontecido: eles me disseram que eu escrevia bem. O que não significa que eles estivessem certos. Estou descrevendo o ocorrido, apenas. Deixo a concordância ou não para vocês.)

Durante a Faculdade, foram inúmeras as pessoas que me disseram para ser um repórter e não um jornalista cultural. Eles enfatizavam a diferença e, a cada vez que eu ouvia tal coisa, percebia que era eu quem enfatizava a diferença. O fato é que, naqueles dias, nada poderia haver de mais impossível para mim, extremamente tímido, do que o exercício da reportagem pura e simples. Além disso, já cultivava um ceticismo que ainda me acompanha, se bem que de modo mais moderado, o que era — é — completamente inconveniente com uma espécie de gente que ainda acha que pode mudar o mundo. Então, teimei contra o MacLuhan, os teóricos da Escola de Frankfurt, contra economistas cujos nomes não lembro, mas que escreveram calhamaços contra a globalização, contra Marx, claro, e até contra Freud (de quem gosto, se tomado com responsabilidade), e principalmente contra os manuais de redação e acabei onde estou: um jornalista cultural.

Para se entender do prestígio de que goza um jornalista cultural, vale aqui contar uma historinha que me acontece nos primeiros meses de profissão. Obviamente ocultarei o nome da geniosa senhora que fez os comentários aqui descritos.

Lembro como se fosse ontem (porque não lembro nem do que acabei de jantar): estava do lado do computador e, novo no jornal, tentava conhecer as pessoas. Ela era uma mulher interessante, não sexualmente interessante, mas intelectualmente (eu achava) interessante. Tinha uma coisa que eu buscava em qualquer pessoa, homem ou mulher, naquela época: bom humor. Era casada, portanto eu não tinha nenhum tipo de interesse físico na senhora. Escrevo isso para que não pensem meus detratores que escrevo sob a influência da musa do ressentimento.

Convenhamos que humor não era exatamente o que ela tinha. Era alegria. E por alegria a gente entende aquele tipo de felicidade meio boba, de sorriso fácil, de gargalhadas histéricas e gestos estabanados. As pessoas gostavam dela justamente por isso. E eu, ao contrário, era um cara triste, melancólico, pesado. Não chegava a chorar, mas quase. Umas duas ou três vezes cheguei a simplesmente ir embora, não agüentando aquilo tudo. Ela lá, sorrindo.

Ainda assim, com essas diferenças, dávamo-nos relativamente bem. Como ela tinha uma carreira mais longa do que eu (uns dois anos mais longa), tentava aprender alguma coisa. Sempre fui bom nisso: aprender coisas. Só que, para tanto, alguém tem que ensinar, coisa para a qual eu não atinava na época.

Num dia de crise, destas que são bem costumeiras, quando penso em mandar absolutamente tudo à merda, não tive dúvidas e perguntei a ela, razoavelmente bem-sucedida, qual era o segredo para. Rindo, ela disse que tinha muito o que me dizer, muito o que me ensinar. Sou todo ouvidos, senhora. E então ela me disse que eu tinha que ter mais o pé no chão.

— Como assim? — perguntei, fazendo cara de espanto. E não era para ficar espantado?! Acontece que aqueles que se dispõem a escrever sobre livros, música, teatro, estas coisas menores, o mundo todo parece conspirar contra. Sim, é mania de perseguição, sim. Sentimento de que aqueles que nos rodeiam estão cochichando entre si: lá vai ele, voando alto...

— Como assim?

— Outra hora eu te explico.

— Explica agora.

— Outra hora.

— Pô. Você vai me deixar assim, todo curioso? — apelei para o sentimentalismo da moça. Deu certo.

A moçoila desfiou, então, sua Teoria do Buraco de Rua. De acordo com esta teoria, eu deveria esquecer sistematicamente o livro, este objeto quase satânico, e me dedicar mais às coisas mundanas, de interesse real para as pessoas. Coisas como... o buraco de rua. Eu deveria esquecer Platão, parar de olhar as nuvens e olhar para baixo, para o buraco de rua. Deveria parar de tentar descrever uma obra de arte qualquer (e Deus sabe como isso é difícil hoje em dia) e me esforçar em descrever ele, o redondo, profundo, áspero e incômodo buraco de rua. Deveria não ficar horas diante do computador pensando em perguntinhas nem-tão-idiotas-assim para escritores; por outra, deveria ligar para o prefeito, fazer voz de brabo, e indagar sobre o buraco!, o buraco!, o buraco!.

Deus sabe o quanto essa conversa, que aconteceu há mais de dois anos, me enlouqueceu. Foram muitas as vezes em que me senti tentado a aderir à Teoria do Buraco de Rua. Por duas ou três semanas eu realmente devo ter aderido a ela, escrevendo parágrafos e mais parágrafos de uma prosa quadrada.

Hoje, contudo, sentando nesse apartamento, depois de ler mais um poema de Drummond, olhando para a estante, para o Aristóteles que implora para ser lido, lembro dela e de sua teoria furada. Também penso, obviamente, naquele buraco de rua que havia em frente ao jornal e que foi sumariamente selado por uns poucos quilos de piche.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 23/1/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Aquarius, quebrando as expectativas de Guilherme Carvalhal
02. O santo relutante de Gian Danton
03. Bastardos Inglórios e O Caso Sonderberg de Marcelo Spalding
04. Lambidinha de Ana Elisa Ribeiro
05. God save the newspapers! de Rafael Rodrigues


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2002
01. Alice no País de Freud, Marx ou Hegel - 16/1/2002
02. Dois Idiotas - 13/2/2002
03. Ele, Francis - 6/2/2002
04. Riobaldo - 2/1/2002
05. Pode guerrear no meu território - 30/1/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
25/1/2002
11h23min
Paulo, acho que Drummond tem um poema sobre o buraco de rua. Um abraço, meu amigo.
[Leia outros Comentários de Alessandro Martins]
26/1/2002
21h40min
...ficam os livros também, claro. Faz um tempão, li em algum lugar (não lembro autor, referência, nada) uma passagem sobre o "valor", ou a razão, da arte. O autor deixava a pergunta "para que serve arte" sem resposta, e começava a falar das coisas vitais da sobrevivência. Para que a gente trabalha? Para ganhar dinheiro. Para que a gente ganha dinheiro? Para comer. Para que a gente come, faz higiene, vai ao médico, constrói casa etc. etc.? Para sobreviver. E para que a gente sobrevive??? Para que o trabalho todo de manter a carcaça viva? Só por instinto? E o que nos faz humanos, então? A resposta do autor, claro, era esta: a arte. Vivemos para poder produzir e participar da cultura. Também ouço muita teoria do buraco de rua, na forma daquele sorriso amarelo quando tento explicar meu doutorado em "Estudos Culturais e Visuais". Que bom que nem todo mundo caiu na armadilha do buraco de rua - senão, a gente ia mesmo pro buraco!!!
[Leia outros Comentários de dani sandler]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PEDIATRIA BÁSICA VOL. 2
EDUARDO MARCONDES PEDRO DE ALCANTARA
SARVIER
(1974)
R$ 20,00



GEOGRAFIA GERAL: O ESPAÇO NATURAL E SÓCIO-ECONÔMICO
MARCOS DE AMORIM COELHO
MODERNA
(1992)
R$ 6,00



BIBLIOGRAFIA BÍBLICA LATINO-AMERICANA 1992 V. 5
PAULO AUGUSTO DE SOUZA NOGUEIRA - COORD.
VOZES
(1992)
R$ 7,90



GEOGRAFIA E HISTORIA 1 ESO
ISAAC BUZO SANCHES
SM
(2016)
R$ 149,90



O QUE É EDUCAÇÃO
CARLOS RODRIGUES BRANDÃO
BRASILIENSE
(2006)
R$ 8,00



OS VALORES E OS FATOS O DESAFIO EM CIÊNCIAS HUMANAS
ANTONIO PASCHOAL RODOLPHO AGATTI
IBRASA
(1977)
R$ 8,90



CONTABILIDADE DE CUSTOS - GESTÃO EM SERVIÇOS, COMERCIO E INDÚSTRIA
DE ALMEIDA SANTOS, FERNANDO & WINDSOR, ESPENSER VEIGA
ALTAS
(2016)
R$ 18,50



STUPID WHITE MEN - UMA NAÇÃO DE IDIOTAS
MICHAEL MOORE
FRANCIS
(2003)
R$ 5,00



DIREITO CONSTITUCIONAL TRIBUTÁRIO - VOLUME 2
JOAQUIM FALCÃO E OUTROS (ORGS)
FGV
(2015)
R$ 19,28



A DINÂMICA DA COMUNICAÇÃO NOS GRUPOS
GILLES AMADO E ANDRÉ GUITTET
ZAHAR
(1978)
R$ 6,90





busca | avançada
61072 visitas/dia
2,6 milhões/mês