Cognição Estética contra o Logos (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 25/2/2014
Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2500 Acessos

Uma bomba lançada contra o logos. Os estilhaços da razão podem voar por toda parte. A editora Annablume publicou ano passado o livro Cognição estética: o complexo de Dante, de Marcos H. Camargo. Um projeto ambicioso, que pretende desmontar a ideia da superioridade da experiência intelectual sobre a experiência estética. São 300 páginas de reflexão contundente, radical, questionando o logocentrismo, que como sabemos, dominou os saberes da ciência, da filosofia, das artes e é preponderante na organização da vida humana dentro da organização dada pelos Estados. Ao "penso, logo existo" cartesiano, Camargo oporá "vejo, logo existo".

Cognição estética: o complexo de Dante é dividido em três partes, formadas por seis capítulos. Na primeira parte, Camargo traça o histórico do surgimento da lógica, sua relação com a constituição da supervalorização da linguagem escrita em contraponto à cultura visual. Na segunda parte, descreve o advento das mídias audiovisuais, inicialmente classificadas como lixo sensorial, e ressalta como a presença maciça das imagens no mundo contemporâneo nos faz rever o conceito de cognição, anteriormente ligado à escrita e que agora busca incorporar à nossa vida cognitiva os valores da imagem. Finalmente, na parte final do livro, discute-se o lugar que o estético passa a ter na experiência cognitiva, chamada pelo autor de "cognição estética". Vale desde já dizer que o livro não propõe a anulação do pensamento racional, lógico, mas aposta na complementação dos saberes estético e lógico, avançando na defesa da parte negligenciada, a da cognição estética.

Como compreender que a sociedade moderna, colocada sob o signo da civilização da imagem, conceda tão pouco espaço ao ensino de artes plásticas? Essa questão é colocada por Marc Jimenez em seu livro O que é estética? A resposta é que, apesar de vivermos mergulhados num mundo de imagens, acreditamos que essas imagens são apenas "lixo sensorial" e não espaço da cognição, como afirma Marcos Camargo. Não acreditamos que a imagem seja tão eficiente em nosso entendimento do mundo quanto o saber intelectual acumulado pelas ciências. O autor de Cognição Estética dá uma resposta radical a esse problema, pois vê justamente ali, na "insensatez" da estética a possibilidade de um "flerte paradoxal com a heterogeneidade do real, onde tudo flui".

A defesa do valor que a estética possa ter na existência humana não é nova. A primeira grande crítica foi realizada pelo romantismo alemão e teve como projeto o resgate da importância da arte e da intuição estética contra o que chamou de supervalorização da razão e da ciência.

Mesmo antes do romantismo, Descartes, o criador de um método baseado na análise, na classificação, na ordem e na organização, já advinha para o belo um lugar fora desse sistema da razão. Segundo Jimenez, "o belo para Descartes não é algo mensurável, pois depende demais dos caprichos do indivíduo. Mas, ao reconhecer o papel da subjetividade para determinar o que é belo ou agradável para a alma, o cartesianismo insiste na inconsistência de qualquer pesquisa que vise a definir as condições pretensamente objetivas da beleza ideal, do belo em si."

Ou seja, na explicação do próprio Descartes, "o belo e o agradável significam apenas uma relação entre nosso julgamento e o objeto, e pelo fato de os julgamentos dos homens serem tão diferentes, não se pode dizer que o belo tenha uma medida determinada". Nasce aqui a problemática do relativismo do gosto, que sempre é individual, dependendo da fantasia de cada um, ligado à sua memória, às suas experiências passadas. O que nos indica que o belo não pode ser mensurável pela ciência, pois a ciência visa ao universal enquanto o belo pertence à ordem do sentimento individual.

No reino da arte - onde o princípio da regularidade não é de uso comum, apelando-se mais para o imprevisto, o sentimento, a sensibilidade - pode a razão ser aplicada? Uma nova tradição que pensa um lugar diferente para a arte dirá que não.

Esta tradição, que recupera o valor da estética, se inicia com a obra de Baumgarten e Schiller, que desejou ver a arte ser levada à condição de uma ciência filosófica (com sua obra A educação estética do homem), e Kant, que ainda separava sensibilidade e entendimento na constituição do conhecimento (no seu livro Critica do juízo), chegando a Hegel (com sua Estética), Schopenhauer, que melancolicamente vai descobrir que o íntimo do mundo é inalcançável por conceitos, aceitando que corpo e sentimento podem proporcionar um conhecimento sem-fundamento e irracional do mundo (na sua obra Metafísica do belo), a Nietzsche, que deplorava que a arte se mostrasse apenas como "enfeite" da existência e não a máxima experiência do ser.

Para uma definição do vocábulo "estese", que vai contrapor sensação a conceito, Camargo avança numa crítica à tradição que vê na produção artística uma experiência inferior à do saber produzido pela reflexão racional.

"Estese é o que ocorre quando nos invade a sensação angustiante de algo que nos seduz, inquieta e nos afeta até o ponto de desorientar a conexão entre nosso pensamento e o mundo, pela interferência marcada pela alteridade da coisa (ou evento) que está diante de nós, manifestando-se com sua erótica inadequação que resiste ao logos".

O livro de Camargo, seguindo e aprofundando esta tradição, dirá que a arte, como espaço para a experiência do sensível, funda-se no reconhecimento dos limites do "pensamento racional" e numa rejeição da "causalidade", da "prova científica", da "lógica" e de uma "visão linear do mundo".

Na segunda parte da resenha, vamos expor os principais argumentos do livro de Camargo, nessa aventura paradoxal que é pensar o impensável da arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
04. Notas confessionais de um angustiado (V) de Cassionei Niches Petry
05. It's evolution, baby de Luís Fernando Amâncio


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA CHOCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(1995)
R$ 18,00



MEMORIAS DE EMILIA FABULAS MONTEIRO LOBATO
EDITORA BRASILIENSE
BRASILIENSE
R$ 9,90



CORRELAÇÃO ENTRE ACUSAÇÃO E SENTENÇA NO PROCESSO PENAL BRASILEIRO
BENEDITO ROBERTO GARCIA POZZER
IBCCRIM
(2001)
R$ 40,00



TRÊS ALQUEIRES E UMA VACA
GUSTAVO CORÇÃO
AGIR
R$ 150,00



REPÚBLICA DOS BACHARÉIS NO SÉCULO XXI
ANDRÉ LUÍS ALVES DE MELO
LUMEN JURIS
(2016)
R$ 63,00



VOANDO COM AS ÁGUIAS
KENNETH HAGIN JR
GRAÇA
(2001)
R$ 6,50



O CÉU ESTÁ VERMELHO
GIUSEPPE BERTO
GRAFICA
(1950)
R$ 35,90



GRAVIDEZ E PARANORMALIDADE
CARL JONES
ROSA DOS TEMPOS
(1999)
R$ 8,89



MANUAL DA ECF ESCRITURAÇÃO CONTÁBIL FISCAL
ALDENIR RODRIGUES ORTIZ
IOB / SAGE
(2014)
R$ 80,00



THE INTERNATIONAL JOURNAL OF PSYCHOANALYSIS VOLUME 78 PART 6
VÁRIOS AUTORES
DAVID TUCKETT
(1997)
R$ 25,00





busca | avançada
71334 visitas/dia
1,4 milhão/mês