Cognição Estética contra o Logos (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
>>> Deus não é Grande, de Christopher Hitchens
>>> Menina de Ouro: fantasmas e perdas
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
COLUNAS

Terça-feira, 25/2/2014
Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3000 Acessos

Uma bomba lançada contra o logos. Os estilhaços da razão podem voar por toda parte. A editora Annablume publicou ano passado o livro Cognição estética: o complexo de Dante, de Marcos H. Camargo. Um projeto ambicioso, que pretende desmontar a ideia da superioridade da experiência intelectual sobre a experiência estética. São 300 páginas de reflexão contundente, radical, questionando o logocentrismo, que como sabemos, dominou os saberes da ciência, da filosofia, das artes e é preponderante na organização da vida humana dentro da organização dada pelos Estados. Ao "penso, logo existo" cartesiano, Camargo oporá "vejo, logo existo".

Cognição estética: o complexo de Dante é dividido em três partes, formadas por seis capítulos. Na primeira parte, Camargo traça o histórico do surgimento da lógica, sua relação com a constituição da supervalorização da linguagem escrita em contraponto à cultura visual. Na segunda parte, descreve o advento das mídias audiovisuais, inicialmente classificadas como lixo sensorial, e ressalta como a presença maciça das imagens no mundo contemporâneo nos faz rever o conceito de cognição, anteriormente ligado à escrita e que agora busca incorporar à nossa vida cognitiva os valores da imagem. Finalmente, na parte final do livro, discute-se o lugar que o estético passa a ter na experiência cognitiva, chamada pelo autor de "cognição estética". Vale desde já dizer que o livro não propõe a anulação do pensamento racional, lógico, mas aposta na complementação dos saberes estético e lógico, avançando na defesa da parte negligenciada, a da cognição estética.

Como compreender que a sociedade moderna, colocada sob o signo da civilização da imagem, conceda tão pouco espaço ao ensino de artes plásticas? Essa questão é colocada por Marc Jimenez em seu livro O que é estética? A resposta é que, apesar de vivermos mergulhados num mundo de imagens, acreditamos que essas imagens são apenas "lixo sensorial" e não espaço da cognição, como afirma Marcos Camargo. Não acreditamos que a imagem seja tão eficiente em nosso entendimento do mundo quanto o saber intelectual acumulado pelas ciências. O autor de Cognição Estética dá uma resposta radical a esse problema, pois vê justamente ali, na "insensatez" da estética a possibilidade de um "flerte paradoxal com a heterogeneidade do real, onde tudo flui".

A defesa do valor que a estética possa ter na existência humana não é nova. A primeira grande crítica foi realizada pelo romantismo alemão e teve como projeto o resgate da importância da arte e da intuição estética contra o que chamou de supervalorização da razão e da ciência.

Mesmo antes do romantismo, Descartes, o criador de um método baseado na análise, na classificação, na ordem e na organização, já advinha para o belo um lugar fora desse sistema da razão. Segundo Jimenez, "o belo para Descartes não é algo mensurável, pois depende demais dos caprichos do indivíduo. Mas, ao reconhecer o papel da subjetividade para determinar o que é belo ou agradável para a alma, o cartesianismo insiste na inconsistência de qualquer pesquisa que vise a definir as condições pretensamente objetivas da beleza ideal, do belo em si."

Ou seja, na explicação do próprio Descartes, "o belo e o agradável significam apenas uma relação entre nosso julgamento e o objeto, e pelo fato de os julgamentos dos homens serem tão diferentes, não se pode dizer que o belo tenha uma medida determinada". Nasce aqui a problemática do relativismo do gosto, que sempre é individual, dependendo da fantasia de cada um, ligado à sua memória, às suas experiências passadas. O que nos indica que o belo não pode ser mensurável pela ciência, pois a ciência visa ao universal enquanto o belo pertence à ordem do sentimento individual.

No reino da arte - onde o princípio da regularidade não é de uso comum, apelando-se mais para o imprevisto, o sentimento, a sensibilidade - pode a razão ser aplicada? Uma nova tradição que pensa um lugar diferente para a arte dirá que não.

Esta tradição, que recupera o valor da estética, se inicia com a obra de Baumgarten e Schiller, que desejou ver a arte ser levada à condição de uma ciência filosófica (com sua obra A educação estética do homem), e Kant, que ainda separava sensibilidade e entendimento na constituição do conhecimento (no seu livro Critica do juízo), chegando a Hegel (com sua Estética), Schopenhauer, que melancolicamente vai descobrir que o íntimo do mundo é inalcançável por conceitos, aceitando que corpo e sentimento podem proporcionar um conhecimento sem-fundamento e irracional do mundo (na sua obra Metafísica do belo), a Nietzsche, que deplorava que a arte se mostrasse apenas como "enfeite" da existência e não a máxima experiência do ser.

Para uma definição do vocábulo "estese", que vai contrapor sensação a conceito, Camargo avança numa crítica à tradição que vê na produção artística uma experiência inferior à do saber produzido pela reflexão racional.

"Estese é o que ocorre quando nos invade a sensação angustiante de algo que nos seduz, inquieta e nos afeta até o ponto de desorientar a conexão entre nosso pensamento e o mundo, pela interferência marcada pela alteridade da coisa (ou evento) que está diante de nós, manifestando-se com sua erótica inadequação que resiste ao logos".

O livro de Camargo, seguindo e aprofundando esta tradição, dirá que a arte, como espaço para a experiência do sensível, funda-se no reconhecimento dos limites do "pensamento racional" e numa rejeição da "causalidade", da "prova científica", da "lógica" e de uma "visão linear do mundo".

Na segunda parte da resenha, vamos expor os principais argumentos do livro de Camargo, nessa aventura paradoxal que é pensar o impensável da arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/2/2014


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Dieta do Abdômen
David Zinczenko
Sextante
(2005)



Na Selva do Asfalto
Julio Emílio Braz
Moderna
(1994)



Loser
Jerry Spinelli
Scholastic
(2003)



Manual de Terapêutica Pediátrica 3ª Edição
John W. Graef / Thomas E. Cone Jr.
Medsi
(1986)



Introdução Á Macroeconomia
Edmar Bacha
Campus
(1982)



Manual do Prazer para Mulheres
Paulo Gaudencio
O Dia
(2003)



Tributação Implícita Redução da Taxa de Retorno Pré-imposto Em Ativos
Claudio Wasserman
Quartier Latin
(2010)



Teheran Eine Revolution wird hingerichtet
Michael Naumann e Josef Joffe
Heyne Bucher
(1980)



O Homem, quem é ele
B. Mondim
Edições Paulinas
(1980)



Livro da Família Descobrindo Novos Caminhos 5º Ano
Therezinha M. L. da Cruz
Ftd
(2009)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês