Cognição Estética contra o Logos (Parte I) | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alaíde Costa e Toninho Horta mostram CD em parceria na CAIXA Cultural São Paulo
>>> O Julgamento Secreto de Joana D'Arc com Silmara Deon estreia no Teatro Oficina
>>> Novo app conecta, de graça, clientes a profissionais e prestadores de serviço
>>> Inauguração da Spazeo com show do Circuladô de Fulô - 28/07
>>> CONFRARIA COMEDY SE APRESENTA EM OSASCO, NESTE SÁBADO, TRAZENDO DIVERSOS CONVIDADOS
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entrevista com a tradutora Denise Bottmann
>>> O Brasil que eu quero
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Mão única
>>> A passos de peregrinos ll
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES IV
>>> Shomin-Geki, vidas comuns no cinema japonês
>>> Con(fusões)
>>> A passos de peregrinos l
>>> Ocaso
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES I
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Leis de incentivo e a publicação independente
>>> Amor e relacionamentos em tempos de transição
>>> O óbvio final de Belíssima
>>> Defesa dos Rótulos
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> 9º Búzios Jazz & Blues - I
>>> Sobre palavras mal ditas
>>> Animismo
>>> Detached
>>> Direita, volver!
Mais Recentes
>>> Uma breve história das guerras
>>> Uma breve história da ciência
>>> Uma breve história da riqueza
>>> Uma breve história do cristianismo
>>> Uma breve história do mundo - 3° edição
>>> Uma breve história do século XX - 2ª edição
>>> Uma saga na Toscana - Uma história de amor e conspiração
>>> Família é assim - Meu avô desparafusado
>>> Automação Brasileira de Tecnologia
>>> Time Riders 1
>>> Time Riders 2 - O dia do predador
>>> Time Riders 3 - O código do apocalipse
>>> Rangers - A origem 01 - O torneio de Gorlan
>>> Rangers - A origem 02 - A batalha de Hackham
>>> Meu Amicão - Uma policial de quatro patas
>>> Automação Aplicada - Descrição e Implementação de Sistemas Sequenciais com PLCs
>>> A política
>>> A Privataria Tucana
>>> Relações internacionais do Brasil - de Vagas a Lula
>>> As cidades e as Serras
>>> O diário de Anne Frank
>>> Memórias Póstumas de Brás Cubas
>>> Cândido ou o otimismo
>>> O Primo Basílio
>>> Vidas Secas
>>> Mímesis e modernidade: Formas das sombras ( 2ª ed.atualizada)
>>> Guia ilustrado da Guitarra - Manual de conhecimentos e reparos essenciais
>>> Como Desenhar em Perspectiva
>>> Quando a Onça Ganhou suas Pintas (Como Virou Onça Pintada)
>>> A Cidade Perdida
>>> Cultura da Terra
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 10: Após-Guerra
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 9: Tempo de Crise
>>> Mar de Histórias: Antologia do Conto Mundial, 8: no Limiar do Século XX
>>> O Peregrino: a História da Viagem de um Cristão à Cidade Celestial
>>> Dom Casmurro
>>> O Futuro da Liderança
>>> Lolita
>>> A Bolsa ou a Vida - a dívida externa do Terceiro Mundo: As finanças contra os povos
>>> A arte de produzir efeito sem causa
>>> O menino do pijama listrado
>>> O príncipe
>>> A miséria do mundo
>>> A República de Weimar (1919 - 1933)
>>> Las Venas Abiertas de America Latina
>>> O símbolo perdido
>>> Cuidando de quem cuida: capacitação dos profissionais da rede socioassistencial do Distrito Federal
>>> A hora da estrela
>>> Comércio internacional e desenvolvimento - do GATT à OMC: discurso e prática
>>> Mundo Perdido
COLUNAS

Terça-feira, 25/2/2014
Cognição Estética contra o Logos (Parte I)
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2000 Acessos

Uma bomba lançada contra o logos. Os estilhaços da razão podem voar por toda parte. A editora Annablume publicou ano passado o livro Cognição estética: o complexo de Dante, de Marcos H. Camargo. Um projeto ambicioso, que pretende desmontar a ideia da superioridade da experiência intelectual sobre a experiência estética. São 300 páginas de reflexão contundente, radical, questionando o logocentrismo, que como sabemos, dominou os saberes da ciência, da filosofia, das artes e é preponderante na organização da vida humana dentro da organização dada pelos Estados. Ao "penso, logo existo" cartesiano, Camargo oporá "vejo, logo existo".

Cognição estética: o complexo de Dante é dividido em três partes, formadas por seis capítulos. Na primeira parte, Camargo traça o histórico do surgimento da lógica, sua relação com a constituição da supervalorização da linguagem escrita em contraponto à cultura visual. Na segunda parte, descreve o advento das mídias audiovisuais, inicialmente classificadas como lixo sensorial, e ressalta como a presença maciça das imagens no mundo contemporâneo nos faz rever o conceito de cognição, anteriormente ligado à escrita e que agora busca incorporar à nossa vida cognitiva os valores da imagem. Finalmente, na parte final do livro, discute-se o lugar que o estético passa a ter na experiência cognitiva, chamada pelo autor de "cognição estética". Vale desde já dizer que o livro não propõe a anulação do pensamento racional, lógico, mas aposta na complementação dos saberes estético e lógico, avançando na defesa da parte negligenciada, a da cognição estética.

Como compreender que a sociedade moderna, colocada sob o signo da civilização da imagem, conceda tão pouco espaço ao ensino de artes plásticas? Essa questão é colocada por Marc Jimenez em seu livro O que é estética? A resposta é que, apesar de vivermos mergulhados num mundo de imagens, acreditamos que essas imagens são apenas "lixo sensorial" e não espaço da cognição, como afirma Marcos Camargo. Não acreditamos que a imagem seja tão eficiente em nosso entendimento do mundo quanto o saber intelectual acumulado pelas ciências. O autor de Cognição Estética dá uma resposta radical a esse problema, pois vê justamente ali, na "insensatez" da estética a possibilidade de um "flerte paradoxal com a heterogeneidade do real, onde tudo flui".

A defesa do valor que a estética possa ter na existência humana não é nova. A primeira grande crítica foi realizada pelo romantismo alemão e teve como projeto o resgate da importância da arte e da intuição estética contra o que chamou de supervalorização da razão e da ciência.

Mesmo antes do romantismo, Descartes, o criador de um método baseado na análise, na classificação, na ordem e na organização, já advinha para o belo um lugar fora desse sistema da razão. Segundo Jimenez, "o belo para Descartes não é algo mensurável, pois depende demais dos caprichos do indivíduo. Mas, ao reconhecer o papel da subjetividade para determinar o que é belo ou agradável para a alma, o cartesianismo insiste na inconsistência de qualquer pesquisa que vise a definir as condições pretensamente objetivas da beleza ideal, do belo em si."

Ou seja, na explicação do próprio Descartes, "o belo e o agradável significam apenas uma relação entre nosso julgamento e o objeto, e pelo fato de os julgamentos dos homens serem tão diferentes, não se pode dizer que o belo tenha uma medida determinada". Nasce aqui a problemática do relativismo do gosto, que sempre é individual, dependendo da fantasia de cada um, ligado à sua memória, às suas experiências passadas. O que nos indica que o belo não pode ser mensurável pela ciência, pois a ciência visa ao universal enquanto o belo pertence à ordem do sentimento individual.

No reino da arte - onde o princípio da regularidade não é de uso comum, apelando-se mais para o imprevisto, o sentimento, a sensibilidade - pode a razão ser aplicada? Uma nova tradição que pensa um lugar diferente para a arte dirá que não.

Esta tradição, que recupera o valor da estética, se inicia com a obra de Baumgarten e Schiller, que desejou ver a arte ser levada à condição de uma ciência filosófica (com sua obra A educação estética do homem), e Kant, que ainda separava sensibilidade e entendimento na constituição do conhecimento (no seu livro Critica do juízo), chegando a Hegel (com sua Estética), Schopenhauer, que melancolicamente vai descobrir que o íntimo do mundo é inalcançável por conceitos, aceitando que corpo e sentimento podem proporcionar um conhecimento sem-fundamento e irracional do mundo (na sua obra Metafísica do belo), a Nietzsche, que deplorava que a arte se mostrasse apenas como "enfeite" da existência e não a máxima experiência do ser.

Para uma definição do vocábulo "estese", que vai contrapor sensação a conceito, Camargo avança numa crítica à tradição que vê na produção artística uma experiência inferior à do saber produzido pela reflexão racional.

"Estese é o que ocorre quando nos invade a sensação angustiante de algo que nos seduz, inquieta e nos afeta até o ponto de desorientar a conexão entre nosso pensamento e o mundo, pela interferência marcada pela alteridade da coisa (ou evento) que está diante de nós, manifestando-se com sua erótica inadequação que resiste ao logos".

O livro de Camargo, seguindo e aprofundando esta tradição, dirá que a arte, como espaço para a experiência do sensível, funda-se no reconhecimento dos limites do "pensamento racional" e numa rejeição da "causalidade", da "prova científica", da "lógica" e de uma "visão linear do mundo".

Na segunda parte da resenha, vamos expor os principais argumentos do livro de Camargo, nessa aventura paradoxal que é pensar o impensável da arte.


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 25/2/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Joan Brossa, inéditos em tradução de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos
03. 40 anos sem Carpeaux de Celso A. Uequed Pitol
04. Saudade de ser 'professor' de Filosofia de Cassionei Niches Petry
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




URINOTERAPIA (XIXI) - O MEIO DE SAÚDE MAIS EXTRAORDINÁRIO QUE EXISTE
DR CHRISTIAN TAL SCHALLER E OUTROS
MADRAS
(1999)
R$ 26,00



AGUAPÉS - CAPA DURA - 1ª EDIÇÃO
JHUMPA LAHIRI
FOLHA DE SÃO PAULO
(2017)
R$ 12,00



POESIA BRASILEIRA - ROMANTISMO
CASTRO ALVES / OUTROS
ÁTICA
(2006)
R$ 10,00



O GOLPE DO ANIVERSARIANTE
WALCYR CARRASCO
ÁTICA
(2011)
R$ 17,00



OS PADRES DA IGREJA - VOLUME 1 - SÉCULOS I-IV
JACQUES LIÉBAERT
LOYOLA
(2013)
R$ 24,40



ESPIRITUALIDADE UMA APLICAÇÃO PRÁTICA
LUCIA DE B BIDART
GRYPHUS
(2003)
R$ 12,00



EU EXISTO ASSIM
BANDEIRA DE MELLO
LG
(2009)
R$ 33,00



NO CORAÇÃO DA TEMPESTADE, VOL. 1
WILL EISNER
ABRIL JOVEM
(1996)
R$ 39,00



IMORTAL - HISTÓRIAS DE AMOR ETERNO
ORG: P. C. CAST
PLANETA
(2010)
R$ 12,00



O CLIENTE
JOHN GRISHAM
ROCCO
(1994)
R$ 8,90





busca | avançada
27984 visitas/dia
1,1 milhão/mês