Curso de gestão atabalhoada do tempo | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto outubro - Sesc Carmo - literatura infantojuvenil
>>> Projeto seleciona as melhores imagens de natureza produzida por fotógrafos de Norte a Sul do país
>>> Infantil com a Companhia de Danças de Diadema tem sessão presencial em Ilhabela e Caraguatatuba
>>> Teatro do Incêndio realiza roda de conversa na Rua 13 de Maio sobre carnaval e identidade do Bixiga
>>> Mauro Mendes Dias lança Entre Baratas e Rinocerontes no encerramento da Semana da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Escrevo deus com letra minúscula
>>> O Anvil e o amor à música
>>> Devendra Banhart
>>> Reflexões praianas
>>> 2006 e os meus CDs
>>> Executivos
>>> Gripe Suína por Nani
>>> O filme é uma merda, mas o diretor é genial
>>> Christiane F., 13 anos, drogada, prostituída...
>>> O que é ser jornalista?
Mais Recentes
>>> O Romantismo - Coleção Stylus/ST. 03 de J. Guinsburg (Organização) pela Perspectiva (2013)
>>> Os Cangaceiros de Carlos D. Fernandes pela Fundação Ernani Sátyro (1997)
>>> Lampião As Mulheres E O Cangaço de Antonio A.C. Araujo pela Traço (2012)
>>> Lampião Contra o Mata Sete de Archimedes Marques pela Info Graphiqs (2012)
>>> Lampião e Zé Saturnino16 Anos de Luta de José Alves Sobrinho pela Bagaço (2006)
>>> Assim Morreu Lampião de Antonio Amaury Correa de Araujo pela Traço (2013)
>>> Geografia do Cangaço: Nomenclatura de Paulo Medeiros Gastão pela Sebo Vermelho (2016)
>>> Lampião o Rei dos Cangaceiros de Billy James Chandler pela Paz e Terra (1980)
>>> Medo de Voar de Erica Jong pela Nova Cultural (1986)
>>> Pecadores de Jackie Collins pela Nova Cultural (1986)
>>> Cérebro de Robin Cook pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> Sempre um Colegial de John Le Carré pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Cemitério de Stephen King pela Rio Gráfica (1986)
>>> Lembranças de Um Dia de Verão de Irwin Shaw pela Nova Cultural (1986)
>>> Amante Indócil de Janet Dailey pela Nova Cultural (1986)
>>> Máquinas Mortais de Philip Reeve pela Harper Collins (2018)
>>> O Chalé de Moorland de Elizabeth Gaskell pela Pedrazul (2019)
>>> Maria Madalena de Margaret George pela Geracao Editorial (2002)
>>> Stonehenge de Bernand Cornell pela Record (2008)
>>> Aves De Rapina de wILLBUR sMITH pela Record (2005)
>>> Cruzada: No Reino do Paraíso de H.Rider Haggard pela Geracao Editorial (2005)
>>> A Missao - A pergunta e a Resposta - Livro 2 de Patrick Ness pela PandorgA (2012)
>>> Traição em Veneza de Steve Berry pela Record (2010)
>>> Autografado - Noite Americana Doris Day By Night de Ronaldo Werneck pela Ibis Libris (2006)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/5/2014
Curso de gestão atabalhoada do tempo
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4500 Acessos

Estou aqui, ainda, às voltas com essa coisa difícil que é organizar o tempo. Tem uma palavra mais na moda para isso - "gestão" -, mas, no fim das contas, é isto mesmo: uma espécie de diagramação do tempo que a gente pensa que tem.

Vejam: a gente pensa que tem. A gente só pensa, porque, na verdade, ninguém sabe ao certo quanto tempo tem adiante. Talvez por isso o passado pareça tão mais fácil de cultivar. Ainda assim, ele vai passando e vai deixando marcas, coisas que a gente vai guardando, filtrando, tratando ou acumulando. Sem isso, não daria pra dizer que temos experiência ou algo que o valha. Pior: mesmo com a tal da experiência, chão rodado, a gente incorre nos mesmos vacilos de sempre. Repete, com nuanças meio diversas, mas repete.

Mas então: se a gente pensa que tem mais tempo, fica querendo organizá-lo de tal ou qual maneira. E quanto mais esse tempo passa - e ele vai deixando uns lembretes pelo nosso corpo -, mais a gente vai se preocupando em gastá-lo de um jeito mais interessante. Ou deveria ser assim?

Há uma filosofia, muito aspergida pelo roqueiro Lobão anos atrás, segundo a qual é melhor viver dez anos a mil do que mil anos a dez, isto é, por hora. É uma jogada metafórica com a velocidade, o risco, o tesão. Mas nem todo mundo curte essa ideia velocimétrica. O lance às vezes é ter paz, sossego e mesmo lentidão. Slow motion total, pra ver se a gente saboreia mais e melhor as coisas. E agora?

Agora, já, então, ainda, quase, depois, talvez... são palavras que vão fazendo com que a gente tome atitude e arranje soluções pra quase tudo. Amanhã é uma espécie de delírio; enquanto ontem é um tipo de impressão vaga. Quem garante que a cena foi mesmo como ela lhe pareceu? "Mas eu estava lá, eu vi". De que ângulo? Já vi tanta gente contar a mesma história, diagramando de modos completamente diferentes.

E agora? E amanhã? Não sei. Mas eu quero saber. Sou dessas pessoas que adoram planejamento, logística e planilha. Chego a ser chata, vá. Podem me achar controladora, iludida, bestinha. Mas que é bom saber como devo me mover, ah, isso é. Tipo jogar xadrez, é isso. Não por acaso, o historiador Michel de Certeau disse, no livro A invenção do cotidiano, que "a memória dos lances antigos é essencial a toda partida de xadrez". Fica bonito também pensar que a gente vive tentando acertar o próximo passo, nosso e dos outros. E vive errando, claro. Mas isso é preciosismo meu, eu sei.

Não sou vidente, Mãe Dinah, nada disso. Não tenho qualquer talento premonitório e nem tenho ganas de construir a máquina do tempo - forward nem back. Bom, mas gosto de anotar as coisas que vêm por aí, no mês, ao menos, até em dois, para conseguir que tudo se encaixe no final. Costuma funcionar. Obtenho sucesso, na maioria das vezes.

E o tempo vai ficando escasso, as coisas vão ficando mais difíceis de caber e começam a transbordar. Inclusive, umas passam sobre as outras, dando certa sensação de sobrecarga ou sufocamento. Já viu? Já. Assim: tenho pouca semana pra muita tarefa. Solução tosca: faço o trabalho no fim de semana. Ai, meu Deus, mas quem aguenta isso, a longo prazo? Quais companhias - pessoas - vão assistir a isso sem torcer o nariz? Poucas. Toda hora, não dá.

Tenho tido dificuldade de organizar meu tempo. Só me dei conta disso depois que muita coisa aconteceu e desaconteceu. Quis acontecer, mas não conseguiu. Fingiu que ia rolar, mas desistiu. E assim por diante. Dia desses, me dei conta de como os domingos tinham virado dias de trabalho normais na minha vida. Não era um ou outro não, chérie, eram quase todos. A semana não cabia nela mesma e vinha deixando uma rebarba enorme pro domingo. E eu? Não fazia nada. Só cumpria. Mas aí alguém me disse que eu deveria aprender a dizer "não". Quanto tempo a gente gasta tentando aprender isso? Alguém dá workshop?

Eu estava em casa, preguiça de sair, dia bonito (se fosse feio então... pior), menor movimento de carros na rua ao lado, filho na casa do pai... pronto: cenário perfeito para ligar o computador - este poço de prazos insalubres - e começar a fazer algo que caberia nos dias comuns. Fácil. 15h, domingão, ou pouco mais, a voz terrível do Faustão começava a ecoar, vinda de alguma sala da vizinhança, e eu quase plasmada na cadeira de rodinhas, diante da tela acesíssima (ela e eu), fazendo qualquer coisa cujo prazo seria incompatível com um passeio de bicicleta, um churrasco com os amigos ou um amor de fim de tarde.

Passei a pregar bilhetinhos para mim mesma, em papéis de cores vibrantes, na moldura da tela: "Sua infeliz", "vai descansar", "sai dessa, abre uma bebidinha", "já pôs a cara pra fora da porta hoje?", "liga pra amiga", "liga pro bem". Mas só domingo. Nada, sábado também!

Como o trabalho - doméstico ou corporativo - tomou conta dos meus dias. Como! E eu nem me dei conta, direito, da invasão viscosa disso. O problema é que tem gente que acha um lance bonito, interessante, empolgante, e a gente entra nesses discursos e nunca mais sai. É currículo, é qualificação, é parâmetro e as bikes vão empoeirando dentro da sala.

Estava lembrando vagamente de um namorado que foi ficando cada vez mais escasso também porque, simplesmente, não conseguia organizar o tempo pra... ser um namorado. Foi deixando de me acompanhar na sexta, depois no domingo, por fim, os sábados eram apenas de umas três horas. A gente não aprende a diagramar o tempo e o layout dele vai ficando assim mal ajambrado. O namoro foi sumindo no meio dos prazos, dos horários bloqueados, dos imprevistos invasores e das prioridades duvidosas.

Até que, um dia, pintou um namorado desses que cravam os pés nos finais de semana. Pronto, de sexta a domingo é tempo de tomar sorvete, dormir vendo TV, alugar filmes (que nunca acharam tempo para serem vistos), cinema, clube, bar, praia, banho, massagem, montanha, sítio, piscina, papo solto, cafezinho, bolinho de chuva, livro, leitura a dois, sexo selvagem, refeições vagarosas (feitas em casa ou não), bobeira, risada, cerveja, flanagens, beijos vagarosos, muito vagarosos, debates sobre tudo, comida pros cachorros, rede na varanda, música, muita música, petit gateau e uma infinita lista das coisas que não cabiam, nunca, em lugar algum.

Aí você pensa: meu Deus, meus prazos estão quase todos estourados. É que não trabalho mais aos domingos. Então preciso encaixar tudo nos dias de trabalho, organizar melhor prazos, datas, "não" e "talvez". Diagramar a vida, pra que ela consiga ser distribuída entre uns dias que compram e pagam os outros, entendem? Uns dias são pra garimpar o ouro dos outros. É algo assim. E não que o trabalho não possa ser prazer. É claro que pode. Mas ele não é tudo. E nenhum namorado é tudo também. Mas as coisas precisam de um layout assim mais arrumadinho, pra que a gente tenha uns "agora" mais rosadinhos, rechonchudos; uns "ontem" mais charmosos e significativos, em vários sentidos; e uns "amanhã" mais habitados por pessoas realmente importantes. Dá aqui estes ponteiros do relógio. Vou fazer com eles umas esculturas de cutucar a vida.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 23/5/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
02. No encalço do Natal de Elisa Andrade Buzzo
03. O julgamento do mensalão à sombra do caso Dreyfus de Humberto Pereira da Silva
04. 90125: o renascimento do Yes de Diogo Salles
05. Da Tolerância Religiosa de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2014
01. E se Amélia fosse feminista? - 1/8/2014
02. Beijo surdo - 10/1/2014
03. Curso de gestão atabalhoada do tempo - 23/5/2014
04. 40 com corpinho de 39 - 2/5/2014
05. Soluções geniais para a escola e a educação - 28/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Minha sombra
Sérgio Capparelli
L&Pm
(2001)



Dois Gigantes do Espiritismo
Orson Peter Carrara
Solidum
(2012)



O Tatuador de Auschwitz
Heather Morris
Planeta
(2019)
+ frete grátis



Dinastia Filipina (1581 - 1640) - uma cronologia
Fernando de Castro Brandão
Europress
(2012)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



The Beatles Complete-Piano Vocal - Easy Organ
Ray Connolly (org.)
Wise Publications /
(1976)



Outrarias
Paulo Ludmer
Massao Ohno
(1998)



Curso e Concurso - Direito Constitucional Volume 1
Barruffini Jose Carlos Tosetti
Saraiva
(2005)



O gênio nacional da historia do brasil
Roberto Sisson
Unidade
(1966)



Sherlock Holmes - o Vale do Terror
Sir Arthur Conan Doyle
Melhoramentos
(2006)





busca | avançada
82722 visitas/dia
1,8 milhão/mês