André Bazin e a crítica como militância | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Someone On Your Side
>>> No cotidiano de alguém
>>> A batalha perdida do pastor
>>> Um governo que nasceu morto
>>> Wikia Search
>>> A difícil arte de viver em sociedade
>>> Ações culturais
>>> A história do amor
>>> Além do Mais
>>> Derrotado
Mais Recentes
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 04 de Ufsc pela Cidade Futura (2004)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> A Trama da Privatização - a Reestruturação Neoliberal do Estado de Waldir J. Rampinelli pela Insular (2001)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 12 de Ufsc pela Cidade Futura (2008)
>>> O Bom Ladrão de Hannah Tinti pela Rocco (2011)
>>> Política & Sociedade - Revista de Sociologia Política Nº 03 de Ufsc pela Cidade Futura (2003)
>>> Um Grapiúna Em Frankfurt de Cyro de Mattos pela Dobra (2019)
>>> Biblioteca Universitária da Ufsc: Memória Oral e Documental de Ieda Maria de Souza / Joseane Chagas e Outros pela Ufsc (2002)
>>> Grávida Com Estilo: um Manual Como Se Vestir - de Christiana Francini pela Alegro (2004)
>>> Arte Contemporânea Em Santa Catarina de João Evangelista de Andrade Fo - Organizador pela Museu de Arte de Santa Catarin (2001)
>>> O Peru Indutivista Temas de Filosofia de Marconi Oliveira da Silva pela Ufpe (2014)
>>> Terceiro Setor: um Estudo Comparado Entre Brasil e Eua de Simone de Castro Tavares Coelho pela Senac (2002)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Celso Ramos - um Perfil Político de Carlos Alberto S. Lenzi pela Terceiro Milênio (1997)
>>> Dores Ocultas de Juliana Bueno pela Outras Linhas (2012)
>>> Silêncios de Paz e Guerra de Conrrado Balduccini pela Autor (2013)
>>> A Prática da Conversão Pastoral de Heije Faber e Ebel Van Der Schoot pela Sinodal (1973)
>>> Aprendendo a terapia cognitivo-comportamental - um guia ilustrado de Jesse H, Wright, Monica R. Basco, Michael E. Thase pela Artmed (2008)
>>> Crítica da Razão Existencial de João Arthur Fortunato pela Autor (1998)
>>> Liderança e Dinâmica de Grupo de George M. Beal e Outros pela Zahar (1972)
>>> Instituições do Processo Civil - Volumes I -ll - Ill de Francesco Carnelutti pela Classic Book (2000)
>>> Perícia Judicial para Fisioterapeutas de José Ronaldo Veronesi Junior pela Andreoli (2013)
>>> A Cruz e o Punhal de David Wilkerson/ John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (1983)
>>> Só para Mulheres de Sonia Hirsch pela Correcotia (2000)
>>> Papai é Pop de Marcos Piangers pela Belas Letras (2015)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Típica Vaticana de Edições Loyola Jesuítas pela Edições Loyola Jesuítas (2000)
>>> Catecismo da Igreja Católica Edição Revisada de Acordo Com o Texto... de Loyola pela Loyola (1999)
>>> Cem Anos de Solidão de Gabriel Gárcia Marquez pela : Record
>>> Biologia do Desenvolvimento de Scott F. Gilbert pela Sociedade Brasileira de Genéti (1994)
>>> Energia, Ambiente & Mídia - Qual é a Questão de Vânia Mattozo pela Ufsc (2005)
>>> Montando Estórias de Milton Neves pela Ibrasa (1996)
>>> Terra á Vista... e ao Longe de Maria Ignez Silveira Paulilo pela Daufsc (1998)
>>> Conhecendo Sua Coluna - Informações Científicas para o Leigo de Dr. Fernando Schmidt e Dr. Ernani Abreu (org.) pela Conceito (2004)
>>> Modernidade Com Ética de Cristovam Buarque pela Revan (1998)
>>> Metodologia do Ensino de Artes - Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2010)
>>> Vocabulário do Charadista - Volume 1 de Sylvio Alves pela Livraria Acadêmica
>>> Dissolução do Casamento de Valdemar P. da Luz pela Conceito (2007)
>>> Filosofia da Arte de Engelmann Ademir Antonio pela Ibpex (2008)
>>> Guia Gladiadores 01 de Claudio Blanc (Editorial) pela On Line
>>> As Origens das Civilizações Arqueologia e História de Ruth Whitehouse John Wilkins pela Folio (2007)
>>> The Mobile Wave de Michael Saylor pela Vanguard Press (2012)
>>> Uma Breve História do Cristianismo de Geoffrey Blaine pela Fundamento (2012)
>>> O Livro dos Evangelhos de Emídio Silva Falcão Brasileiro pela Boa Nova (2006)
>>> Pablo Neruda Antologia General Edición Conmemorativa de Pablo Neruda pela Alfaguara (2010)
>>> A Luz da Vida de Dong Yu Lan pela Árvore da Vida (1999)
>>> VI Seminário de Estudos Mineiros A Revolução de 1930 de Bonifácio de Andrada e Outros pela Ufmg Proed (1987)
>>> O Texto na Sala de Aula de João Wanderley Geraldi e Outros pela Ática (2004)
>>> O Quilombismo de Abdias do Nascimento pela Vozes (1980)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/7/2014
André Bazin e a crítica como militância
Humberto Pereira da Silva

+ de 2700 Acessos

A cinefilia, o culto ao cinema como arte, deve muito ao crítico francês André Bazin (1918-1958). Em primeiro lugar, e talvez principalmente, em razão de ele ser o nome mais destacado na criação da revista Cahiers du Cinéma (1951), que se tornou uma espécie de bíblia daqueles que viam o cinema para além de espetáculo produzido pela indústria cultural. Com os Cahiers, entre outros, se impuseram no cenário cinéfilo francês François Truffaut e Jean-Luc Godard, que após a morte prematura de Bazin tomaram a frente e impulsionaram a nouvelle vague, movimento de cinema mais influente nos anos de 1960.

O êxito de Bazin se deve em grande parte ao contexto histórico em que viveu e à sua determinação pessoal de situar o cinema no plano de discussão mais amplo da cultura e da política. Com o fim da Segunda Guerra, uma enxurrada de filmes americanos proibidos nos anos de ocupação nazista foi finalmente vista pelos franceses. Assim é que se vê, por exemplo, cineastas como Orson Welles, Alfred Hitchcock e Howard Hawks.

Esse mesmo momento foi marcado por intensos debates a respeito da filmografia soviética, com seu "realismo socialista", que teve em Georges Sadoul o mais renomado defensor. Para completar, com a libertação, a Itália despontou como a filmografia mais inovadora, e ofereceu as balizas para os novos rumos da arte cinematográfica com o neorrealismo. Entre os cineastas italianos mais representativos da época figuram Roberto Rossellini, Vittorio de Sica, Alberto Lattuada e Giuseppe De Santis.

Sensível aos ventos do tempo, Bazin atrairá para si os temas candentes dos anos pós-guerra, assumirá então um papel de militância cultural no cinema que marcará sua trajetória e se constituirá num dos marcos do período. No bojo de sua iniciativa, a necessidade de se pensar o cinema no âmbito da criação artística, assim como a de cimentar as condições para a realização de filmes franceses em sintonia com o que de mais renovador estava sendo feito naquele tempo.

Com esse horizonte em vista, ele escreve de modo compulsivo, em caráter de urgência, e assim traçará as diretrizes de certa maneira de exercitar a crítica, tanto quanto de abordar e lançar questões teóricas que desafiarão os pósteros e limitarão o alcance de seus antecessores, na mesma medida que porão em xeque seus contemporâneos. Seus escritos mais combativos e elucidativos de seu modo de pensar, contudo - esparsos, publicados em diferentes revistas -, foram coligidos em livro depois que ele morreu.

Assim, foram publicados os volumes I a IV entre 1959 e 1961 sob o título O que é o cinema?, pela Éditions du Cerf. Ao lado de livros que escreveu sobre Orson Welles e Jean Renoir, forma o corpus de sua obra. O que é o cinema?, em reedições posteriores na França, teve artigos da edição original suprimidos, em razão de pendências relativas a direitos autorais. No Brasil foi publicada uma das versões fragmentadas desse livro em 1991, pela Editora Brasiliense. Agora a Cosac&Naify coloca à disposição do leitor pela primeira vez os textos da série original.

O que é o cinema? foi organizado de modo a se ter como ponto de partida as questões de fundo teórico que ocuparam a mente de Bazin, e se encerra com críticas pontuais de filmes no calor da hora. Assim, o artigo de abertura é Ontologia da imagem fotográfica, texto chave no qual, no confronto com a imagem fotográfica, Bazin define o cinema, tendo por base o pensamento do filósofo Henri Bergson, como a imagem das coisas em sua duração. Com essa definição, ele sustenta que o cinema vem a ser a consecução no tempo da objetividade fotográfica, ou seja, o filme não se limita em "conservar o objeto lacrado no instante".

Nos artigos a seguir, trata das relações entre cinema e teatro, cinema e pintura, cinema e literatura com o propósito de enfatizar o que consiste o especificamente fílmico. Assim, de modo sucinto, ele entende que uma adaptação literária bem realizada produz uma obra distinta da que lhe serve de base, em razão dos recursos próprios do cinema, que lhe dão autonomia como forma de expressão artística. Para Bazin, em termos comparativos, a adaptação, por exemplo, de Por quem os sinos dobram, de Ernest Hemingway, realizada conforme a narrativa clássica de Hollywood por Sam Wood, contém menos da técnica do escritor que Paisá, de Roberto Rossellini.

Igualmente importante no livro é a sequência de artigos em que ele expõe sua visão de cinema com a defesa do realismo da imagem, imune a artifícios de estúdios e aos efeitos da montagem. Por isso, para ele, a relevância do plano-sequência, do travelling, da profundidade de campo em Orson Welles: a montagem, em suas palavras, só pode ser utilizada segundo limites precisos, sob pena de atentar contra a ontologia da fábula cinematográfica.

Em sua defesa acerba do realismo da imagem reside a forte crítica que faz ao expressionismo alemão, notadamente O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene, e Os Nibelungos, de Fritz Lang. Para ele, o relativo fracasso estético destes filmes resulta de se tentar substituir o mundo de nossa experiência, cuja identidade com uma realidade verossímil é admitida a priori pelo espectador, por uma natureza fabricada e num cenário artificial. Nesses termos, o expressionismo alemão peca ao subtrair-se ao realismo do cenário sob a influência do teatro e da pintura.

Os artigos finais do livro são dedicados ao cinema italiano. Destes o mais importante para se entender a linha de pensamento de Bazin é O realismo cinematográfico e a escola italiana da libertação. Com perspicácia notável ele expõe em que consiste fundamentalmente aquilo que há de novo no cinema italiano; e elege Paisá como o filme emblemático do que sustenta ser a transposição para a tela da técnica narrativa do que havia de mais inovador na literatura. Sua referência, então, são escritores como William Faulkner, Hemingway e André Malraux.

Passados mais de cinquenta anos, por que ler hoje O que é o cinema? Uma primeira resposta é que sua leitura permite confrontar os temas candentes com que o crítico se deparou com o cinema que se realiza hoje. O que as filmografias recentes trazem que concordam ou entram em choque com as teses principais defendidas por Bazin? Dada a sua influência e ressonância, entendo que quem quer que pense o cinema e exercite a crítica não pode subestimar o que ele escreveu.

Uma segunda resposta possível para a pergunta é que grande parte do trabalho de Bazin consistiu, concomitantemente, na militância cultural no cinema e na atenção ao que havia de mais inovador e revelador das potencialidades do cinema. Hoje pululam em diferentes cantos do mundo - Tailândia, Turquia, Argélia ou Chile - filmografias que trazem novas questões, exigem atenção e que merecem ser devidamente pensadas naquilo que potencialmente revelam.

O espírito dos textos de Bazin, então, deve ser tomado no que sua iniciativa serve de modelo para o que se escreve e pensa hoje. A crítica, em consequência a discussão de filmes, de diretores e de temas que despontam, tem muito a extrair das referências dadas por ele, da maneira pela qual ele situou o cinema no plano mais amplo da cultura e das questões políticas. Nesse sentido, O que é o cinema? é um guia imprescindível, pois estabelece uma tradição de leitura, um clássico, pois, numa arte tão recente como o cinema. Abrir mão de Bazin é assumir o preconceito de que a Bíblia, Homero ou Shakespeare é leitura de carolas.

Para ir além



Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 23/7/2014


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DESCULPA SE TE CHAMO DE AMOR
FEDERICO MOCCIA
PLANETA
(2009)
R$ 13,00



HISTÓRIAS DE AMOR / E DO MEIO DO MUNDO PROSTITUTO (BOX 2 LIVROS)
RUBEM FONSECA
COMPANHIA DAS LETRAS
(1997)
R$ 20,00



UMA TRAMA REVOLUCIONÁRIA -DO TENENTISMO À REVOLUÇÃO DE 30
ANTONIO PAULO REZENDE
ATUAL
(1990)
R$ 5,10



A PSICOLOGIA E A PSIQUIATRIA DO DIA-A-DIA
EDMUNDO MAIA
ALMED
(1997)
R$ 10,00



ERROS DE LINGUAGEM FÁCEIS DE CORRIGIR
JERÔNIMO TEIXEIRA BORGES
DO AUTOR
(1953)
R$ 24,87



MARVEL 99 Nº 5 - MAIO / 99
MARVEL COMICS
ABRIL
(1999)
R$ 7,00



BARRANCA YACO - VIDA Y MUERTE DE JUAN FACUNDO QUIROGA
DANIEL MASTROBERARDINO
EDITORIAL SUDAMERICANA
(2002)
R$ 150,00



PAI PATRÃO - CAPA DURA
GAVINO LEDDA
CÍRCULO DO LIVRO
(1984)
R$ 11,00



HORIZONTE PERDIDO
JAMES HILTON
CIRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



HISTORIE GEOGRAPHIE INITIATION ECONOMIQUE 6
J. M. LAMBIN
HACHETTE
(1994)
R$ 42,51





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês