André Bazin e a crítica como militância | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Unil oferece abordagem diferenciada da gramática a preparadores e revisores de texto
>>> Conversas no MAB com Sergio Vidal e Ana Paula Lopes
>>> Escola francesa de Design, Artes e Comunicação Visual inaugura campus em São Paulo
>>> TEATRO & PODCAST_'Acervo e Memória', do Célia Helena, relembra entrevista com Nydia Licia_
>>> Projeto Cultural Samba do Caxinha cria arrecadação virtual para gravação de seu primeiro EP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Aos nossos olhos (e aos de Ernesto)
>>> Carol Sanches, poesia na ratoeira do mundo
>>> O fim dos livros físicos?
>>> A sujeira embaixo do tapete
>>> Moro no Morumbi, mas voto em Moema
>>> É breve a rosa alvorada
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
Colunistas
Últimos Posts
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
Últimos Posts
>>> O poder da história
>>> Caraminholas
>>> ETC. E TAL
>>> Acalanto para a alma
>>> Desde que o mundo é mundo
>>> O velho suborno
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Aos aspirantes a escritor
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> A Web 2.0 Critique
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O do contra
>>> American Dream
>>> Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Delicado, vulnerável, sensível
Mais Recentes
>>> Le Cid de Pierre Corneille pela Didier (1978)
>>> Memórias do Visconde de Taunay de Alfredo D´Escragnolle Taunay pela Melhoramentos (1946)
>>> Fé e Fogo de Marco Adolfs pela Brasiliense (2008)
>>> Ana Sem Terra de Alcy Cheuiche pela Sulina (2001)
>>> A Retirada da Laguna de Visconde de Taunay pela Melhoramentos (1942)
>>> Antigone de Jean Anouilh pela Didier (1978)
>>> Callíope A Mulher de Atenas de Cintia de Faria Pimentel Marques pela Letras Jurídicas (2004)
>>> Cinemarden de Marden Machado pela Arte e Letra (2018)
>>> A Luneta Mágica de Joaquim Manuel De Macedo pela Ática (2012)
>>> Abismo de Pompília Lopes dos Santos pela Repro-set (1985)
>>> Enquanto o dorso do tigre não se completa de Sérgio Rubens Sossélla pela Gráfica União
>>> Maria e outros poemas de J. Cardias pela Do autor (1991)
>>> Fênix de Carlos Barros pela Arte Quintal (1989)
>>> Rousseaus Politische Philosophie: Zur Geschichte des demokratischen Freiheitsbegriffs de Iring Fetscher pela Hermann Luchterhand (1960)
>>> Poesia de Jake pela Pallotti
>>> La métamorphose de Franz Kafka pela Flamarion (1988)
>>> The Invisible bridge de Julie Orringer pela Random House (2011)
>>> ... E o mundo silenciou de Ben Abraham pela Parma (1979)
>>> Minha Alma Gêmea de Adélia Bastos Krefta pela Santa Mônica (1999)
>>> Como falar com as mães de Alec Greven pela Record (2009)
>>> O doce veneno do escorpião de Bruna Surfistinha pela Panda Books (2005)
>>> Aprender a Viver de Luc Ferry pela Objetiva (2007)
>>> The Buenos Aires Affair de Manuel Puig pela Nova Cultural (1987)
>>> Enquanto o Amor não vem. de Lyanda Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Meninas Boazinhas vão para o céu, as más vão à luta. de Ute Ehrhardt pela Objetiva Mulher (1996)
>>> Poeta, Mostra a Tua Cara de Berecyl Garay pela Toazza (1992)
>>> Medida Provisória 1 6 1 de Ademir Antonio Bacca pela Toazza
>>> Eu amo Hollywood de Lindsey Kelk pela Fundamento (2013)
>>> A Torre Invisível de Nils Johnson-Shelton pela Intrinseca (2013)
>>> De Volta ao Paraíso de Gwen Davis pela Nova Epoca
>>> Karma =A Justiça Infalível de A.C.Bhaktivedanta pela Associação BBT Brasil (2011)
>>> Como a Starbucks salvou minha vida. de Michael Gates Gill pela Sextante (2008)
>>> Conspiração Telefone de Walter Wager pela Circulo do livro
>>> Perdida - Um Amor Que Ultrapassa as Barreiras do Tempo de Carina Rissi pela Verus (2013)
>>> Bosque da Solidão de Nilson Luiz May pela Seriptum (2017)
>>> Respostas para o Jovem Phn de Dunga pela Canção Nova (2013)
>>> Administração Pública de Augustinho Paludo pela Gen (2019)
>>> 130 anos - Em Busca da República de 9788551004968 pela Intrínseca (2019)
>>> Encontro Marcado de Raul Moreau pela Portal Mix (2010)
>>> No Ritmo em Que o Vento Assovia de Raul Moreau pela Portal Mix (2011)
>>> Quase Memória de Carlos Heitor Cony pela Alfaguara (2020)
>>> Estudos = Design & Tecnologia de Abimóvel - Promóvel pela Alternativa (2002)
>>> Battle Royale - the Novel de Koushun Takami pela Haika Soru (2009)
>>> Querência em Prosa de Manoel Lopes Haygert pela Do autor. (1991)
>>> Aspectos jurídicos do atendimento às vítimas de violência sexual. de Delano de Aquino Silva pela Ms (2011)
>>> Antes de dizer Sim de Jaime Kemp pela Mundo Cristão (1999)
>>> Fallen de Lauren Kate pela Galera Record (2012)
>>> Nu entre os lobos de Bruno Apitz pela Nosso Tempo (1971)
>>> Coisas que toda garota deve saber. de Samantha Rugen pela Melhoramentos (1997)
>>> A Queda para o Alto de Herzer pela Vozes (1983)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/7/2014
André Bazin e a crítica como militância
Humberto Pereira da Silva

+ de 3100 Acessos

A cinefilia, o culto ao cinema como arte, deve muito ao crítico francês André Bazin (1918-1958). Em primeiro lugar, e talvez principalmente, em razão de ele ser o nome mais destacado na criação da revista Cahiers du Cinéma (1951), que se tornou uma espécie de bíblia daqueles que viam o cinema para além de espetáculo produzido pela indústria cultural. Com os Cahiers, entre outros, se impuseram no cenário cinéfilo francês François Truffaut e Jean-Luc Godard, que após a morte prematura de Bazin tomaram a frente e impulsionaram a nouvelle vague, movimento de cinema mais influente nos anos de 1960.

O êxito de Bazin se deve em grande parte ao contexto histórico em que viveu e à sua determinação pessoal de situar o cinema no plano de discussão mais amplo da cultura e da política. Com o fim da Segunda Guerra, uma enxurrada de filmes americanos proibidos nos anos de ocupação nazista foi finalmente vista pelos franceses. Assim é que se vê, por exemplo, cineastas como Orson Welles, Alfred Hitchcock e Howard Hawks.

Esse mesmo momento foi marcado por intensos debates a respeito da filmografia soviética, com seu "realismo socialista", que teve em Georges Sadoul o mais renomado defensor. Para completar, com a libertação, a Itália despontou como a filmografia mais inovadora, e ofereceu as balizas para os novos rumos da arte cinematográfica com o neorrealismo. Entre os cineastas italianos mais representativos da época figuram Roberto Rossellini, Vittorio de Sica, Alberto Lattuada e Giuseppe De Santis.

Sensível aos ventos do tempo, Bazin atrairá para si os temas candentes dos anos pós-guerra, assumirá então um papel de militância cultural no cinema que marcará sua trajetória e se constituirá num dos marcos do período. No bojo de sua iniciativa, a necessidade de se pensar o cinema no âmbito da criação artística, assim como a de cimentar as condições para a realização de filmes franceses em sintonia com o que de mais renovador estava sendo feito naquele tempo.

Com esse horizonte em vista, ele escreve de modo compulsivo, em caráter de urgência, e assim traçará as diretrizes de certa maneira de exercitar a crítica, tanto quanto de abordar e lançar questões teóricas que desafiarão os pósteros e limitarão o alcance de seus antecessores, na mesma medida que porão em xeque seus contemporâneos. Seus escritos mais combativos e elucidativos de seu modo de pensar, contudo - esparsos, publicados em diferentes revistas -, foram coligidos em livro depois que ele morreu.

Assim, foram publicados os volumes I a IV entre 1959 e 1961 sob o título O que é o cinema?, pela Éditions du Cerf. Ao lado de livros que escreveu sobre Orson Welles e Jean Renoir, forma o corpus de sua obra. O que é o cinema?, em reedições posteriores na França, teve artigos da edição original suprimidos, em razão de pendências relativas a direitos autorais. No Brasil foi publicada uma das versões fragmentadas desse livro em 1991, pela Editora Brasiliense. Agora a Cosac&Naify coloca à disposição do leitor pela primeira vez os textos da série original.

O que é o cinema? foi organizado de modo a se ter como ponto de partida as questões de fundo teórico que ocuparam a mente de Bazin, e se encerra com críticas pontuais de filmes no calor da hora. Assim, o artigo de abertura é Ontologia da imagem fotográfica, texto chave no qual, no confronto com a imagem fotográfica, Bazin define o cinema, tendo por base o pensamento do filósofo Henri Bergson, como a imagem das coisas em sua duração. Com essa definição, ele sustenta que o cinema vem a ser a consecução no tempo da objetividade fotográfica, ou seja, o filme não se limita em "conservar o objeto lacrado no instante".

Nos artigos a seguir, trata das relações entre cinema e teatro, cinema e pintura, cinema e literatura com o propósito de enfatizar o que consiste o especificamente fílmico. Assim, de modo sucinto, ele entende que uma adaptação literária bem realizada produz uma obra distinta da que lhe serve de base, em razão dos recursos próprios do cinema, que lhe dão autonomia como forma de expressão artística. Para Bazin, em termos comparativos, a adaptação, por exemplo, de Por quem os sinos dobram, de Ernest Hemingway, realizada conforme a narrativa clássica de Hollywood por Sam Wood, contém menos da técnica do escritor que Paisá, de Roberto Rossellini.

Igualmente importante no livro é a sequência de artigos em que ele expõe sua visão de cinema com a defesa do realismo da imagem, imune a artifícios de estúdios e aos efeitos da montagem. Por isso, para ele, a relevância do plano-sequência, do travelling, da profundidade de campo em Orson Welles: a montagem, em suas palavras, só pode ser utilizada segundo limites precisos, sob pena de atentar contra a ontologia da fábula cinematográfica.

Em sua defesa acerba do realismo da imagem reside a forte crítica que faz ao expressionismo alemão, notadamente O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene, e Os Nibelungos, de Fritz Lang. Para ele, o relativo fracasso estético destes filmes resulta de se tentar substituir o mundo de nossa experiência, cuja identidade com uma realidade verossímil é admitida a priori pelo espectador, por uma natureza fabricada e num cenário artificial. Nesses termos, o expressionismo alemão peca ao subtrair-se ao realismo do cenário sob a influência do teatro e da pintura.

Os artigos finais do livro são dedicados ao cinema italiano. Destes o mais importante para se entender a linha de pensamento de Bazin é O realismo cinematográfico e a escola italiana da libertação. Com perspicácia notável ele expõe em que consiste fundamentalmente aquilo que há de novo no cinema italiano; e elege Paisá como o filme emblemático do que sustenta ser a transposição para a tela da técnica narrativa do que havia de mais inovador na literatura. Sua referência, então, são escritores como William Faulkner, Hemingway e André Malraux.

Passados mais de cinquenta anos, por que ler hoje O que é o cinema? Uma primeira resposta é que sua leitura permite confrontar os temas candentes com que o crítico se deparou com o cinema que se realiza hoje. O que as filmografias recentes trazem que concordam ou entram em choque com as teses principais defendidas por Bazin? Dada a sua influência e ressonância, entendo que quem quer que pense o cinema e exercite a crítica não pode subestimar o que ele escreveu.

Uma segunda resposta possível para a pergunta é que grande parte do trabalho de Bazin consistiu, concomitantemente, na militância cultural no cinema e na atenção ao que havia de mais inovador e revelador das potencialidades do cinema. Hoje pululam em diferentes cantos do mundo - Tailândia, Turquia, Argélia ou Chile - filmografias que trazem novas questões, exigem atenção e que merecem ser devidamente pensadas naquilo que potencialmente revelam.

O espírito dos textos de Bazin, então, deve ser tomado no que sua iniciativa serve de modelo para o que se escreve e pensa hoje. A crítica, em consequência a discussão de filmes, de diretores e de temas que despontam, tem muito a extrair das referências dadas por ele, da maneira pela qual ele situou o cinema no plano mais amplo da cultura e das questões políticas. Nesse sentido, O que é o cinema? é um guia imprescindível, pois estabelece uma tradição de leitura, um clássico, pois, numa arte tão recente como o cinema. Abrir mão de Bazin é assumir o preconceito de que a Bíblia, Homero ou Shakespeare é leitura de carolas.

Para ir além



Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 23/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. E Benício criou a mulher... de Gian Danton


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




AS 7 CHAVES DO PAI-NOSSO
SEVERINO MENEZES
DPL
(2003)
R$ 7,87



ABRINDO COM SUCESSO O PRÓPRIO NEGÓCIO
ROGÉRIO CHÉR
MALTESE
(1996)
R$ 9,90



DO CONCEITO DO DIREITO - ESSÊNCIA E EXISTÊNCIA
PAULINO JACQUES
FORENSE
(1964)
R$ 5,97



BIG- PARA LEVAR SEMPRE COM VOCÊ
DISNEY
ABRIL
(2013)
R$ 30,00



ESTRELAS E BORBOLETAS - PT - ORIGENS E QUESTÕES DE UM PARTIDO...
CLAUDIO GURGEL
PAPAGAIO
(1989)
R$ 10,00



ESTUDOS DE LITERATURA BRASILEIRA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
R$ 5,00



AMERICAN SHINE TEENS: STUDENT BOOK 3
PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2002)
R$ 19,90



REPRESENTAÇÃO COMERCIAL
RICARDO NACIM SAAD
SARAIVA
(1998)
R$ 9,02



HISTORIA DE LA VIDA PRIVADA Nº 09 8113
PHILIPPE ARIÉS Y GEORGES DUBY
TAURUS
(1991)
R$ 30,00



PEREGRINO
LUIZ DE ALBUQUERQUE
FCA
(2009)
R$ 10,40





busca | avançada
55373 visitas/dia
2,0 milhões/mês