André Bazin e a crítica como militância | Humberto Pereira da Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 23/7/2014
André Bazin e a crítica como militância
Humberto Pereira da Silva

+ de 2800 Acessos

A cinefilia, o culto ao cinema como arte, deve muito ao crítico francês André Bazin (1918-1958). Em primeiro lugar, e talvez principalmente, em razão de ele ser o nome mais destacado na criação da revista Cahiers du Cinéma (1951), que se tornou uma espécie de bíblia daqueles que viam o cinema para além de espetáculo produzido pela indústria cultural. Com os Cahiers, entre outros, se impuseram no cenário cinéfilo francês François Truffaut e Jean-Luc Godard, que após a morte prematura de Bazin tomaram a frente e impulsionaram a nouvelle vague, movimento de cinema mais influente nos anos de 1960.

O êxito de Bazin se deve em grande parte ao contexto histórico em que viveu e à sua determinação pessoal de situar o cinema no plano de discussão mais amplo da cultura e da política. Com o fim da Segunda Guerra, uma enxurrada de filmes americanos proibidos nos anos de ocupação nazista foi finalmente vista pelos franceses. Assim é que se vê, por exemplo, cineastas como Orson Welles, Alfred Hitchcock e Howard Hawks.

Esse mesmo momento foi marcado por intensos debates a respeito da filmografia soviética, com seu "realismo socialista", que teve em Georges Sadoul o mais renomado defensor. Para completar, com a libertação, a Itália despontou como a filmografia mais inovadora, e ofereceu as balizas para os novos rumos da arte cinematográfica com o neorrealismo. Entre os cineastas italianos mais representativos da época figuram Roberto Rossellini, Vittorio de Sica, Alberto Lattuada e Giuseppe De Santis.

Sensível aos ventos do tempo, Bazin atrairá para si os temas candentes dos anos pós-guerra, assumirá então um papel de militância cultural no cinema que marcará sua trajetória e se constituirá num dos marcos do período. No bojo de sua iniciativa, a necessidade de se pensar o cinema no âmbito da criação artística, assim como a de cimentar as condições para a realização de filmes franceses em sintonia com o que de mais renovador estava sendo feito naquele tempo.

Com esse horizonte em vista, ele escreve de modo compulsivo, em caráter de urgência, e assim traçará as diretrizes de certa maneira de exercitar a crítica, tanto quanto de abordar e lançar questões teóricas que desafiarão os pósteros e limitarão o alcance de seus antecessores, na mesma medida que porão em xeque seus contemporâneos. Seus escritos mais combativos e elucidativos de seu modo de pensar, contudo - esparsos, publicados em diferentes revistas -, foram coligidos em livro depois que ele morreu.

Assim, foram publicados os volumes I a IV entre 1959 e 1961 sob o título O que é o cinema?, pela Éditions du Cerf. Ao lado de livros que escreveu sobre Orson Welles e Jean Renoir, forma o corpus de sua obra. O que é o cinema?, em reedições posteriores na França, teve artigos da edição original suprimidos, em razão de pendências relativas a direitos autorais. No Brasil foi publicada uma das versões fragmentadas desse livro em 1991, pela Editora Brasiliense. Agora a Cosac&Naify coloca à disposição do leitor pela primeira vez os textos da série original.

O que é o cinema? foi organizado de modo a se ter como ponto de partida as questões de fundo teórico que ocuparam a mente de Bazin, e se encerra com críticas pontuais de filmes no calor da hora. Assim, o artigo de abertura é Ontologia da imagem fotográfica, texto chave no qual, no confronto com a imagem fotográfica, Bazin define o cinema, tendo por base o pensamento do filósofo Henri Bergson, como a imagem das coisas em sua duração. Com essa definição, ele sustenta que o cinema vem a ser a consecução no tempo da objetividade fotográfica, ou seja, o filme não se limita em "conservar o objeto lacrado no instante".

Nos artigos a seguir, trata das relações entre cinema e teatro, cinema e pintura, cinema e literatura com o propósito de enfatizar o que consiste o especificamente fílmico. Assim, de modo sucinto, ele entende que uma adaptação literária bem realizada produz uma obra distinta da que lhe serve de base, em razão dos recursos próprios do cinema, que lhe dão autonomia como forma de expressão artística. Para Bazin, em termos comparativos, a adaptação, por exemplo, de Por quem os sinos dobram, de Ernest Hemingway, realizada conforme a narrativa clássica de Hollywood por Sam Wood, contém menos da técnica do escritor que Paisá, de Roberto Rossellini.

Igualmente importante no livro é a sequência de artigos em que ele expõe sua visão de cinema com a defesa do realismo da imagem, imune a artifícios de estúdios e aos efeitos da montagem. Por isso, para ele, a relevância do plano-sequência, do travelling, da profundidade de campo em Orson Welles: a montagem, em suas palavras, só pode ser utilizada segundo limites precisos, sob pena de atentar contra a ontologia da fábula cinematográfica.

Em sua defesa acerba do realismo da imagem reside a forte crítica que faz ao expressionismo alemão, notadamente O Gabinete do Dr. Caligari, de Robert Wiene, e Os Nibelungos, de Fritz Lang. Para ele, o relativo fracasso estético destes filmes resulta de se tentar substituir o mundo de nossa experiência, cuja identidade com uma realidade verossímil é admitida a priori pelo espectador, por uma natureza fabricada e num cenário artificial. Nesses termos, o expressionismo alemão peca ao subtrair-se ao realismo do cenário sob a influência do teatro e da pintura.

Os artigos finais do livro são dedicados ao cinema italiano. Destes o mais importante para se entender a linha de pensamento de Bazin é O realismo cinematográfico e a escola italiana da libertação. Com perspicácia notável ele expõe em que consiste fundamentalmente aquilo que há de novo no cinema italiano; e elege Paisá como o filme emblemático do que sustenta ser a transposição para a tela da técnica narrativa do que havia de mais inovador na literatura. Sua referência, então, são escritores como William Faulkner, Hemingway e André Malraux.

Passados mais de cinquenta anos, por que ler hoje O que é o cinema? Uma primeira resposta é que sua leitura permite confrontar os temas candentes com que o crítico se deparou com o cinema que se realiza hoje. O que as filmografias recentes trazem que concordam ou entram em choque com as teses principais defendidas por Bazin? Dada a sua influência e ressonância, entendo que quem quer que pense o cinema e exercite a crítica não pode subestimar o que ele escreveu.

Uma segunda resposta possível para a pergunta é que grande parte do trabalho de Bazin consistiu, concomitantemente, na militância cultural no cinema e na atenção ao que havia de mais inovador e revelador das potencialidades do cinema. Hoje pululam em diferentes cantos do mundo - Tailândia, Turquia, Argélia ou Chile - filmografias que trazem novas questões, exigem atenção e que merecem ser devidamente pensadas naquilo que potencialmente revelam.

O espírito dos textos de Bazin, então, deve ser tomado no que sua iniciativa serve de modelo para o que se escreve e pensa hoje. A crítica, em consequência a discussão de filmes, de diretores e de temas que despontam, tem muito a extrair das referências dadas por ele, da maneira pela qual ele situou o cinema no plano mais amplo da cultura e das questões políticas. Nesse sentido, O que é o cinema? é um guia imprescindível, pois estabelece uma tradição de leitura, um clássico, pois, numa arte tão recente como o cinema. Abrir mão de Bazin é assumir o preconceito de que a Bíblia, Homero ou Shakespeare é leitura de carolas.

Para ir além



Humberto Pereira da Silva
São Paulo, 23/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Outros cantos, de Maria Valéria Rezende de Ana Elisa Ribeiro
02. Treliças bem trançadas de Ana Elisa Ribeiro
03. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
04. O papel aceita tudo de Jardel Dias Cavalcanti
05. Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba de Renato Alessandro dos Santos


Mais Humberto Pereira da Silva
Mais Acessadas de Humberto Pereira da Silva em 2014
01. Tectônicas por Georgia Kyriakakis - 13/8/2014
02. O medo como tática em disputa eleitoral - 8/10/2014
03. Gustavo Rezende: uno... duplo... - 22/1/2014
04. Monticelli e a pintura Provençal no Oitocentos - 5/2/2014
05. O momento do cinema latino-americano - 11/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PENSADORES - PLATÃO DIÁLOGOS
PLATÃO
NOVA CULTURAL
(1987)
R$ 15,00



MODA E PUBLICIDADE: NO BRASIL NOS ANOS 1960 - 1ª EDIÇÃO
MARIA CLARA BONADIO
NVERSOS
(2014)
R$ 80,95



SONHOS D OURO
JOSÉ DE ALENCAR
ED. MELHORAMENTOS
R$ 5,00



OS VENENOS DA COROA
MAURICE DRUON
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 15,00



1934
ALBERTO MORAVIA
RIO GRÁFICA
(1986)
R$ 6,90



HOMEM DE FERRO E THOR 003
PANINI GROUP
MARVEL
(2014)
R$ 4,90



O ENIGMA DO TRIÂNGULO DAS BERMUDAS
CURTIS MASIL
TECNOPRINT
(1987)
R$ 10,00



1001 MARAVILHAS NATURAIS PARA VER ANTES DE MORRER - 1ª EDIÇÃO
MICHAEL BRIGHT
SEXTANTE
(2009)
R$ 64,95



VOCÊ DONA DO SEU TEMPO
CHRISTIAN BARBOSA
GENTE
(2007)
R$ 27,00



CÓDIGO DE PROCESSO PENAL
LEGISLAÇÃO BRASILEIRA
SARAIVA
(1998)
R$ 4,99





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês