a era que se encerra | Rafael Azevedo | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/2/2002
a era que se encerra
Rafael Azevedo

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Um viva para Paulo Francis, morto no dia 4 de fevereiro de há já não sei mais nem quantos anos, na maior perda intelectual de minha geração. É completa e inteiramente insubstituível, já o era em seu tempo, e será cada vez mais nesta época em que o jornalismo deste país se divide entre o servilismo bundão e a "imparcialidade" rasteira dos Dines da vida e seus "Observatórios"... que esteja bem, se estiver em algum lugar.

Sua opinião, seus comentários, sua postura, seu modo de ver e comentar o mundo, me fazem falta a cada dia - e imagino que também o façam a qualquer um que, mesmo discordando do que ele dizia, se interessava por ver o que tinha a dizer alguém com visão crítica do mundo, com uma cultura invejável e imensa sensibilidade de enxergar por entre os fatos e ditos. Ainda assim, acredito que discordar do que ele dizia denota estreiteza intelectual; é querer tapar o sol com o penico. Paulo Francis via a realidade, enxergava o mundo como poucos, no mundo. Como pouquíssimos no Brasil. Requiem æternam dona eis, Domine.



É inacreditável...
"O horror, o horror!" Mais uma vez exclamo, enfaticamente, empertigado: a humanidade não tem jeito. Desta vez, a gota d'água que mais uma vez transbordou o copo foi uma série de matérias que vi em antigos jornais brasileiros sobre um certo César (Ave César, li no título de uma delas) escultor francês (ex-pintor de parede, chofer, padeiro, e homeless em Marselha) responsável pela estatueta do prêmio que leva seu nome, o "Oscar do cinema francês", como se diz na imprensa. De repente, uma foto do tal sujeito segurando sobre sua cabeça a tal estatueta - imagem das mais emblemáticas e elucidativas do filistinismo charlatão tão característico do meio artístico em nossos tempos. Ao lado, fotos de suas esculturas baseadas em formas humanas, como um gigantesco dedo de bronze. César considerava Picasso (e ele próprio) embustes. Cinquenta por cento de acerto, meu chapa... Sou forçado a reproduzir nas mesmas letras a matéria dum babaquara publicada no Estadão; nada que eu fale pode ser tão engraçado ou demonstrar de maneira tão ilustrada a inesgotável burrice humana. A matéria é quase tão boa quanto o melhor de Woody Allen ou Monty Python:
"Ninguém discute que um automóvel apanhado pelas garras de uma máquina de empacotar sucata possa virar obra de arte. Chamberlain (Nota Minha: whoddafuck?) também fez arte com carros destruídos em acidentes. Mas, para manter a fama de mau, César e Arman (N. M.: ! - mais um picareta, presumo) teriam de fazer algo mais do que colecionar utensílios de cozinha ou se apropriar da máquina industrial. Acumular material reciclado ou objetos como colheres é também uma mania de doentes mentais (Bispo do Rosário construiu sua obra com isso). Por que a coleção de colheres de Arman viraria arte e a dos loucos do hospício apenas uma "mania"? (...) A grande contribuição de César para a história da arte veio mesmo com o poliuretano expansivo (N.M.: !!), em que explorou o material até o limite máximo da deformação. Queria perder o controle sobre a forma, criar uma escultura efêmera. César levantava uma dúvida sobre a viabilidade de afirmar a forma num mundo em desintegração - moral, inclusive - depois da bomba de Hiroshima. A matéria o levou a um estado de exaltação só experimentado com as mulheres, que adorou como a lataria de um carro. Ou quase. (N.M.: triple !) 'Com a matéria é possível falar sozinho sem medo do ridículo', observou o escultor. Ave César." Genial! Ou não?



Os Bach.
Se alguém tem alguma dúvida quanto à validade e utilidade de uma boa educação à formação de uma pessoa - ao menos em seu gênio artístico - recomendo a audição de alguma obra de autoria dos filhos de Bach. Suas composições, raramente ou nunca tocada nas salas de concertos em nosso país, apresentam sempre um toque de brilhantismo que somente poderia ter quem foi educado, desde sua infância, por ninguém menos que Johann Sebastian Bach himself; a maioria deles nem chegou a compositores de primeira linha, e apesar disso compuseram excelentes obras; é o caso de Wilhelm Friedemann Bach (as peças que Bach fez a partir de exercícios que utilizava para auxiliá-lo em seu treinamento no cravo são espetaculares) e Johann Christoph Friedrich Bach (cuja sonata para piano, flauta e violino em dó maior ouvi com Isaac Stern, espetacular); e outros, como Carl Philipp Emanuel Bach e Johann Christian Bach, apesar de também pouco tocados nesta nossa época tão burra, tiveram um papel significante na evolução desta arte - e pode se perceber isto ao ouvi-los. O concerto para cravo e cordas de Emanuel Bach é uma obra-prima, e seu gênio melódico fica evidente desde as primeiras notas. Já de Johann Christian ouvi duas sinfonias, Op.9 No.2 e Op.18 No.4 - absolutamente fascinantes, e o segundo movimento da primeira que citei, em especial, parece ter se encaixado perfeitamente com alguma coisa dentro de mim - é algo que Mozart se orgulharia de ter feito, tenho certeza. Ambos mantiveram com dignidade o valor conferido pelo sobrenome que portaram, e toda a tradição musical dele - a família Bach exibe uma linhagem de músicos (Bach já foi sinônimo de músico em alemão) que remonta a um certo Veit Bach, da Hungria, que pelos idos de 1500 tocava alaúde e chegou a ser Stadtpfeifer da cidade alemã de Gotha. Estes dois foram de longe os filhos de Sebastian Bach que mais se destacaram no métier, ambos músicos importantes de seu tempo: Johann Christian, filho mais novo de Sebastian e pupilo de Carl Philipp, foi amigo de Mozart; conta-se que, certa vez, com o pequeno Wolfgang sentado sobre seu joelho, ficaram a improvisar num órgão diversas variações a quatro mãos; viveu na Itália e na Inglaterra, e foi conhecido como "Giovanni Bach" e "the english Bach"; não obstante, terminou por morrer em relativa pobreza e obscuridade. Já Carl Philipp Emanuel, um dos filhos mais velhos de Bach (o segundo da primeira mulher a sobreviver) foi ainda mais alto; serviu a Frederico o Grande, na corte da Prússia - com quem não consta ter mantido relação, digamos, senão pouco afetuosa, já que eles conviveram por vinte anos ou mais, pelo menos tempestuosa. Certa ocasião, ao ouvir uma execução de Frederico, na flauta, - instrumento que o monarca supostamente dominava- de uma peça sua numa cadência que não lhe agradava, teria exclamado, para comoção geral: "que ritmo!"

Assim como eles, todos os outros exemplos de grandes compositores tiveram, desde o início de suas vidas, uma educação musical, dada por uma pessoa que nutria paixão pela música igual ou talvez maior que seus filhos vieram a ter, ainda que estes tenham acabado por tornar-se superiores aos pais em talento. Mozart aprendeu tudo que sabia com seu pai, Leopold Mozart, inclusive, acima de tudo, a amar a música; seu pai compunha obras como o a Sinfonia dos Brinquedos e a Sinfonia da Caccia que seguramente atraíram o jovem prodígio com seu talento melódico e seu apelo infantil, divertindo-o ao mesmo tempo em que o arregimentavam a serviço da música que tanto o arrebatava. O pai de Bach foi um músico na cidade de Eisenach, e toda sua família praticamente havia ocupado cargos semelhantes, como já falei; o pai de Beethoven foi um tenor da corte e professor de música de talento moderado, em Bonn, e seu avô, Ludwig van Beethoven, Kapellmeister da Corte no eleitorado de Köln; o pai de Wagner foi escrivão de polícia, apesar de sua paixão pelo teatro; morreu cedo. Mas vários de seus irmãos foram cantores de ópera. Os exemplos são infindáveis.



Les Misanthropes
"A misantropia é uma terrível moléstia; ela nos faz ver as coisas tais como são."
- Abade Mongault

"Os que mais desprezam os misantropos são justamente aqueles por cuja causa os misantropos existem."
- J. L. A. Commerson

"A misantropia é a sátira da espécie humana."
- Marquês de Marica


Rafael Azevedo
São Paulo, 8/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Manual para revisores novatos de Ana Elisa Ribeiro
02. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
03. Nobel, novo romance de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo
05. Claudio Willer e a poesia em transe de Renato Alessandro dos Santos


Mais Rafael Azevedo
Mais Acessadas de Rafael Azevedo em 2002
01. Banana Republic - 19/4/2002
02. Terra Papagalli - 22/2/2002
03. Depois do ensaio - 1/3/2002
04. O injustificável - 12/4/2002
05. Vidas Paralelas - 22/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
8/2/2002
16h00min
Bach, Mozart, Haendel são compositores puros, angelicais. Beethoven, Wagner são vulcânicos, profundos, perturbadores. O ano de 2001 começou péssimo, com os "trenzinhos" funks sendo apresentados em nossa TV. Mas acabou ótimo, ao menos na TV Record, com o Programa Raul Gil, que nos brindou o tenor Rinaldo Viana e a diva Liriel Domiciano. O 1º disco do duo, "Romance", é encantador, com músicas escolhidas a dedo, entre o clássico, o popular e o sacro. Assim, Rafael, a exemplo dos filhos de Bach, que desde cedo conviveram com a boa música, se tivéssemos mais rinaldos e liréis em nossos meios de comunicação, teríamos um gosto muito mais apurado pela música. Bravíssimo, Rinaldo e Liriel!
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O INTÉRPRETE EM GLENN GOULD
ROBERTA FARACO SANTOLIN
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



O HOMEM NA HORA H
LEDA FLORA
LPM
(1995)
R$ 10,00



PERELANDRA
C. S. LEWIS
WMF MARTINS FONTES
(2011)
R$ 25,00



HUMOR CERRADO - 9323
TERESINHA PANTOJA
A3 GRÁFICA
(2006)
R$ 15,00



O DRAGAO DOURADO
ELIZABETH LOWELL
NOVA CULTURAL
R$ 6,00



NOIVA IRRESISTIVEL
CHRISTINA LAUREN
UNIVERSO DOS LIVROS
(2014)
R$ 9,90



ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING
PHILIP KOTLER
ATLAS
(1998)
R$ 10,00



LE URSS EN GUERRE (1939-1946) TOME 3
JEAN ELLEINSTEIN
SOCIALES (PARIS)
(1974)
R$ 31,28



A TRILHA DA CAVERNA ESQUECIDA
ENIO CHIESA
DO BRASIL
R$ 4,00



AGÊNCIA DE NOTÍCIAS 2ª EDIÇÃO
FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
GRUPO ESPÍRITA EMMANUEL
(2007)
R$ 22,82





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês