Parodiando a autoajuda | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Future World (1987)
>>> A juventude nas livrarias
>>> Entrevista com Ruy Castro
>>> Diga: trinta e três
>>> O Casal 2000 da literatura brasileira
>>> Lucas vs. Spielberg
>>> Do desprezo e da admiração
>>> A pulsão Oblómov
>>> Arte Brasileira Hoje: um arquipélago
>>> Sobre o som e a fúria
Mais Recentes
>>> A Estrutura Interior do Tai Chi - Tai Chi Chi Kung I de Mantak Chia; Juan Li pela Pensamento (2007)
>>> Que Es El Tiempo ? de Damm Antje pela Iamique (2011)
>>> A Colonização Alemã no Rio Grande do Sul de Aldair Marli Lando; Eliane Cruxên Barros pela Movimento (1982)
>>> Encontro Poesia Brasília de Arisnaldo dos Santos Januário pela Da Autore (1984)
>>> Onde Moras? Moradia e Fraternidade de Campanha da Fraternidade pela Aec (1993)
>>> Festa na Floresta Itaúna de Márcia Regina Morais pela Vile (2008)
>>> Anime Do Especial Número 9 Dragon Ball de Lisa Matsuzaka pela Escala
>>> Revista Anime Do Número 5 de Lilian Maruyama pela Escala
>>> Defensores de Tóquio Número 3 de Eduardo Leão pela Trama
>>> O Castelo De Otranto de Horace Walpole pela Nova Alexandria (1996)
>>> O Ânus Solar de Georges Bataille pela Hiena (1985)
>>> O Perigo das Radiações de Jack Schubert; Ralph E. Lapp pela Ibrasa (1960)
>>> Apometria: Um instrumento para a harmonia e para a felicidade a nova ciencia da alma de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> The Little Prince de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Livro MILAGRES de Vera Nappi pela A Vida é Bela (2003)
>>> Você Pode Curar Sua Vida 126ª edição. de Louise L Hay pela Best Seller (2021)
>>> Livro CANTO ALGUM de Flávia Reis pela Reformátório (2020)
>>> Apologia de Sócrates - clássicos de bolso ediouro de Platão ( tradução de Maria Lacerda de Moura) pela Ediouro (2002)
>>> Mediunidade e Apometria: Terapêutica e Apometria edição. revista e atualizada de J S Godinho pela Holus (2012)
>>> Livro Mulher V Moderna, à moda antiga de Cristiane Cardoso pela Thomas Nelson (2013)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Harbrace (1971)
>>> Der Kleine Prinz de Antoine de Saint-Exupéry pela Karl Rauch
>>> Brief an Den Vater de Franz Kafka pela Fischer (1989)
>>> Sonhos de Bunker Hill de John Fante pela L&pm (2003)
>>> I Ching - O Livro das Mutações de Desconhecido pela Trevo (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 23/4/2010
Parodiando a autoajuda
Carla Ceres
+ de 6000 Acessos
+ 7 Comentário(s)

Os escritores da moda sabem que seus trabalhos de qualquer gênero precisam de um quê de autoajuda para obter sucesso. Muitos leitores, por sua vez, ficaram condicionados a encarar qualquer texto como um guru simplificador, cheio de bons conselhos para realizar seus sonhos. Parece um relacionamento perfeito, do tipo ganha-ganha? Nem sempre. Falando quase seriamente, vou arriscar um palpite sobre os erros que levam os livros de autoajuda a frustrar seus leitores. Pensando bem, vou arriscar logo uma porção deles porque palpite é bom assim, de bastante, para ver se algum cola.

O primeiro erro da autoajuda é a mania de achar que tudo o que pode ser resolvido deve ser resolvido. É o tipo da ideia besta de quem desconhece a malandragem dos problemas, suas táticas de guerrilha e espionagem.

Os pessimistas resmungam que viver é resolver problemas. Se concordarmos com eles, chegaremos à conclusão de que, depois de um problema, vem outro mais complicado. É assim que os problemas agem: mandam primeiro um facinho, depois começam a encrespar.

Fãs de ficção científica comparam o agravamento insidioso dos problemas a uma invasão de marcianos. Primeiro uma navezinha mixuruca aparece zanzando tranquilamente pelo nosso horizonte, como quem não quer nada. Mexemos com ela e a invasão começa.

Em geral, o problema está quieto no canto dele, isto é, bem no meio da nossa vida, esperando uma provocação. A melhor dica a esse respeito é: se o problema está quieto, não mexa; se ele se mover, fique quieto; se ele atacar, pau nele.

O segundo erro da autoajuda é a mania de querer que o leitor desenvolva suas potencialidades. Certos livros nos levam à exaustão de tanto detalhar o trabalho que teremos para aprimorar nossos "talentos naturais".

A palavra mágica é "potencial", e a trágica, "esforço".

Em potencial, somos todos gênios e podemos treinar nosso cérebro para ler, em cinco minutos, um relatório que levou cinco anos para ser elaborado e que está ultrapassado há cinco meses. Ultrapassados, também, parece que estão os velhos cinco sentidos. Agora somos todos paranormais. Podemos treinar nossa mente para adivinhar números de loteria (ação que os livros condenam, mas ensinam), ou formar uma rede de fofoca telepática (o que, por sinal, não vale a pena, pois você leva muito tempo para aprender os macetes e, quando consegue, não tem como trazer material impresso para provar que esteve lá).

Existem obras que nos ensinam a administrar conflitos empresariais com flexibilidade. Bons exemplos (com títulos traduzidos para o português claro) são os revolucionários Essa joça não vai! E agora? e Quando o sapo desce coaxando.

Tais escritos, para fugir do rótulo de autoajuda, revestem-se de uma pretensa seriedade científica. Seus autores, economistas e administradores de alardeado sucesso, aparecem na foto da contracapa com aquele olhar de "eu sei que você me inveja".

Ao menos nesse ponto, eles estão certos: são invejados mesmo! Nem adianta vir com esse papo de que esses caras se matam de trabalhar, sofrem do coração e, quando morrem, vão para o inferno direto. Se algum desses argumentos prestasse, essas obras-primas venderiam tanto?

Há pouca ciência e muita enrolação nesses "manuais para a fortuna". As estatísticas provam que é mais fácil acertar o nome do futuro marido com uma simpatia de São João do que subir na vida através de livros de embromação econômica. Empresários poderosos costumam dever seu sucesso (e sua frota de namoradas último tipo) às suas pontes de safena e à desgraça de outros empresários.

O pior é a trabalheira medonha por trás de tantos bons conselhos! Nosso sonho é nascer sabendo. Essa história de em potencial cansa muito.

O terceiro erro da autoajuda é a mania de amortecer e desvalorizar o desespero.

A solidão e o desespero favorecem a venda dos livros de autoajuda da mesma forma que o analfabetismo e a miopia garantem o sucesso dos audiolivros. É contra o desespero, não contra algum problema bem definido, que o leitor pede socorro. Os autores sabem (se aproveitar) disso. Amortecem nossa ansiedade mantendo-nos ocupados com longos rituais e treinamentos.

Digamos o seguinte: a sua paixão deu no pé, você engordou, está com o rosto inchado porque precisou extrair um dente do siso e, para piorar, terá que extrair os outros três logo, logo. Isso não é nada, passa em dois meses (num SPA, de preferência). O pior é como você interpreta a situação: ninguém, nunca mais, vai querer saber de uma baleia banguela com cara de lua cheia feito você.

Pensando assim, seu próximo passo será engordar mais e mais até se desesperar e recorrer a um livro do tipo A dieta do chuchu com água. Interessou-se? Com ingredientes variados, os autores compuseram um total de quarenta receitas (uma para cada dia de vida do leitor). Pessoas menos exigentes com sua beleza física podem abandonar a dieta após o trigésimo prato e contentar-se com uma elegante anorexia.

Optando por essas "soluções", chega-se a momentos em que desesperar-se faz sentido.

A "cultura do acalme-se" quer poupar os ouvidos da sociedade sensata, evitar que criaturas inconvenientes fiquem choramingando tolices sobre desamparo e dor. Em contrapartida, um movimento vem fazendo adeptos estridentes a favor do direito de berrar.

Meu medo é que essa oposição yin-yanguiana promova uma "burocratização do grito" que venha a resultar em fenômenos como: o desespero com hora marcada; a criação de gritódromos; maracutaias no fornecimento de tapa-ouvidos e a substituição dos verdadeiros sofredores por atores (que sofrem muito mais bonito).

Um bom palpite é: quando se desesperar, não choramingue porque isso é irritante; faça logo um escarcéu até alguém vir ajudar. Confie em mim, sempre vem um monte de alguéns, afinal, a humanidade é xereta, adora dar palpite na vida alheia.

Bem, chega de palpites! Espero ter contribuído para aprimorar esse gênero literário de primeira necessidade e parágrafos curtos.


Carla Ceres
Piracicaba, 23/4/2010

Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Na calada do texto, Bentinho amava Escobar - 8/11/2012
03. Nerdcast e seu toque de Midas - 22/12/2011
04. HQs sombrias, anjos e demônios - 2/1/2014
05. Um menino à solta na Odisseia - 6/11/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/4/2010
14h21min
Oi, Carla! Muito bom encontrá-la por aqui! Você captou com maestria o "espírito" da autoajuda. Foi perspicaz, irônica e divertida! Vou guardar em meus favoritos e visitar mais vezes este espaço. Abrs, Ivana
[Leia outros Comentários de Ivana M. F. de Negri]
16/4/2010
09h12min
OI Carla o texto é perfeito! Auto ajuda, burocratização do grito contindo! rsss sandra vacchi
[Leia outros Comentários de sandra vacchi]
23/4/2010
00h09min
As pílulas da felicidade instantânea são espalhadas como as pestes dos precários tempos de outrora. Todos os meios são justificáveis para Vencer. No entanto, a procura por medicamentos que aliviam as angústias tem crescido em progressões geométricas. Sentir-se entristecido tem sido compreendido como doença. O sofrimento - embora seja parte essencial de nossa evolução - é tragédia iminente. O fracasso não pode ser tolerado. Um enorme silêncio atinge então o coração do leitor que busca ajudar a si próprio. Será que vencer existe? E, em caso afirmativo, o êxito traz plenitude ao existir? Não seremos meros títeres, em palcos absurdamente artificiais? Cabe a nós seguir o caminho do Olimpo? Talvez a fragilidade não deva ser negligenciada. A sombra é essência. Ora, o horrível negrume dos defeitos. Ele merece ser esquecido? A verdade dos poetas desanuvia. O pecado confessado aquece. E o desconhecimento de si faz ninho.
[Leia outros Comentários de Mariana Portela]
26/4/2010
08h51min
Primeiro que o título é errado. Autoajuda? Então eu mesmo vou me ajudar. Realmente esses filósofos da vida alheia querem mesmo é um bom mercado para venda dos livros que na minha opinião é como "O Segredo", que coisa mais ridícula. Então se eu imaginar que já ocorreu... acontece mesmo. Ocorre que os pessimistas às vezes são realistas, porque as vidas das pessoas não são iguais, tem gente para tudo que é gosto, é melhor ser realista do que ser retardado. Geralmente esses livros dizem: faça isso, aquilo, que tudo muda na sua vida. Parece reza forte. Estou fora. Peço opinião às pessoas, mas resolver os meus problemas só eu que resolvo. E como diz o ditado Chinês: um problema sem solução, solucionado está.
[Leia outros Comentários de Candido Rubim Rios]
4/5/2010
22h43min
Seguinte: tudo nessa vida que realmente importa em qualquer situação é o bom humor. Tendo isso, já vale. Concordo que existem picaretas na seção autoajuda. Mas discordo que todos o sejam. Faz sentido achar errado que a vida é feita de regras prontas. Mas se alguém chegou lá e isso é possível, terei a curiosidade de saber como foi. O que é bom eu guardo e o que é ruim eu deleto. Assim como farei com seu texto. Até mais!
[Leia outros Comentários de André Crevilaro]
7/5/2010
14h47min
Existem "certas pessoas" que sempre dão um jeitinho de até inventar alguma notícia pior do que aquela que souberam, leram ou ouviram. Normalmente tais pessoas criticam alguém que procura algum tipo de ajuda. Falam mal da autoajuda, pois não querem que as pessoas se ajudem. Nunca enxergam seus próprios defeitos, pois sempre querem estar certas. Em vez de corrigirem algum erro, sentem uma angústia terrível de admitir que estão erradas. Tais pessoas não reagem bem às reformas ou tratamentos, seus casos são estacionários e não conseguem vitórias. Qualquer aprendizagem conseguida perde logo os benefícios. Se pegos em erro, prometem nunca mais fazer aquilo. Mas já no outro dia o estarão repetindo...
[Leia outros Comentários de Celito Medeiros]
24/5/2011
02h29min
Vou tentar ser conciso, pois tenho argumentos pessoais de montão contra esses livros. Minha visão de mundo é que existem coisas fatais na vida de todos. Nossos castelos se constróem sobre o terreno fofo da realidade. Às vezes o sofrimento tem que ser suportado, porém, com o tempo aprendemos, pensando por nós próprios, a saber que suportar não é eterno. Enquanto o tempo se encarrega de ir amemnizando qualquer "queda", podemos, com mais clareza e mais vivência, prosseguir. Uma coisa tóxica para as pessoas é que esses livros e até a mídia, a propaganda, etc. coloca o mito da felicidade. Quem não é feliz, é infeliz. Não é bem assim. A vida, mesmo bem realizada, está cheia de momentos bons, mas momentos ou até "pedras" no caminho, como diria Drummond. Às vezes somos abandonados, comemos e bebemos demais. Porém, se soubermos nos aprumar novamente, saberemos que a barriga e os excessos foram frutos de um período e podem ser eliminados, como você disse, num spa ou até em casa.
[Leia outros Comentários de José Solon]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os cinco paradoxos da modernidade
Antoine Compagnon
Ufmg
(1999)
+ frete grátis



Livro Literatura Estrangeira Casa-Grande
Gilberto Freyre
Jose Olympio
(1977)



La Critica D'Arte Moderna
Roberto Salvini
Larco Firenze



O Retrato de Dorian Gray
Oscar Wilde
Círculo do Livro



O Livro do bem 313
Ariane Freitas
Gutenberg
(2014)



Eneida
Virgílio
Nova Cultural
(2003)



Curso de Iniciação Logosófica
Carlos Bernardo Gonzalez Pecotche
Logosofica
(2009)



Pierre et le loup por
Serge Prokofiev, Marcel Tillard
Le Chant du monde
(2006)



Calafrio
Maggie Stiefvater
Agir
(2010)



Livro Infantil Tiger Team 3 Progress Journal
Carol Read, Mark Ormerod
Macmillan
(2013)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês