Por falar em outras línguas | Carla Ceres | Digestivo Cultural

busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
>>> MAB FAAP seleciona artista para exposição de 2022
>>> MIRADAS AGROECOLÓGICAS - COMIDA MANIFESTO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Crise dos 40
>>> Marcelotas
>>> Para ler no botequim
>>> O blog da Bundas
>>> Introdução à lógica do talento literário
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Nada a comemorar
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O desafio de formar leitores
>>> O Tigrão vai te ensinar
Mais Recentes
>>> O pensamento vivo de Rui Barbosa de Américo Jacobina Lacombe pela Livraria Martins (1944)
>>> Jornal Pasquim ANO X de 1979- Encadernados de Jornalistas pela Codecri (1979)
>>> Memórias inacabadas de Humberto de Campos pela José Olympio (1935)
>>> O cortiço de Aluis Azevedo pela Circulo do Livro (1991)
>>> Ressurreição de Machado de Assis pela Sociedade Gráfica (1962)
>>> O leopardo de Giuseppe Tomasi Di Lampedusa pela Abril Cultural (1974)
>>> O amigo fritz de Erckmann Chatrian pela Saraiva (1955)
>>> Não Posso Deixar-te de Luciana Peverelii pela Vecchi (1961)
>>> O País das uvas de Fialho D Almeida pela Livraria Clássica (1946)
>>> Literatura Comentada Oswald de Andrade de (Oswald de Andrade) pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Dez Dias Que Abalaram o Mundo de John Reed pela Circulo do Livro (1986)
>>> Compêndio da Cambridge sobre Voltaire de Nicholas Cronk (Editor) pela Madras (2010)
>>> O Jornal da Noite de Arthur Hailey pela Record (1990)
>>> As meninas de Lygia Fagundes Telles pela Circulo do Livro (1979)
>>> Um estranho no espelho de Sidney Sheldon pela Circulo do Livro (1976)
>>> O Universo Das Comunicaçoes Humanas - Comunicação de Eneas Machado de Assis pela Mageart (1997)
>>> Literatura Comentada Guimarães Rosa de (Guimarães Rosa) pela Nova Cultural (1988)
>>> O Peregrino de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> O livro de san michele de Axel Munthe pela Círculo Do Livro (1985)
>>> Vargas E A Crise Dos Anos 50 - C. Politica de Org. Angela de Castro Gomes pela Relume (2011)
>>> Noel Rosa (literatura Comentada) de (Noel Rosa) pela Nova Cultural (1981)
>>> A Peregrina de John Bunyan pela Publicações Pão Diário (2020)
>>> Para Falar E Escrever Melhor O Portugues - Linguistica de Adriano Dagamakury pela Nova Fronteira (1989)
>>> O navegante de Morris West pela Circulo do Livro (1980)
>>> Conjunção Dos Verbos Em portugues -Pratico e Eficiente - Linguistica de Maria Aparecida Ryan pela Atica (1995)
COLUNAS

Quinta-feira, 6/6/2013
Por falar em outras línguas
Carla Ceres

+ de 4000 Acessos

Nasci com vocação para aprender línguas, mas tive que aturar trigonometria e química orgânica no colegial, porque o curso dos meus sonhos, uma versão moderna do antigo curso clássico, não estava disponível. Ai, que inveja do meu bisavô, que sabia grego, latim e francês! Mas será que sabia mesmo? Claro que sim, porém... de acordo com os padrões da época.

Atualmente, quando alguém nos pergunta "Você sabe inglês?", é pouco provável que esteja interessado em nossa capacidade de ler Shakespeare e declamar trechos de O Paraíso Perdido, de John Milton, no original. Na maioria dos casos, a intenção é verificar se conseguimos usar nossos conhecimentos do idioma para conversar com um estrangeiro, compreender as instruções do computador, entender letras de música e filmes sem legenda.

O grego que se estudava no curso clássico não servia pra você mochilar pela Grécia, interagindo com o povo. Os professores ensinavam o grego clássico, indispensável para a missão très chic de ler Homero comme il faut, mas bem diferente da língua que se fala em Atenas, hoje em dia.

Diga-se, en passant, que a situação do latim também não andava lá essas coisas na época do curso clássico. Uma forma simplificada do latim clássico - o latim eclesiástico ou latim da Igreja - frequentava a missa aos domingos. Nas salas de aula, no entanto, só o latim clássico tinha vez. Complicação pouca era bobagem. Um dos objetivos implícitos da erudição era embasbacar os incultos como ainda fazem muitos advogados.

Os cursos de idiomas à moda antiga davam grande importância à leitura e pouca à compreensão da língua falada. Saber francês, para a maioria das pessoas, significava ler muito bem, mas ter enormes dificuldades para conversar com um falante nativo. Esforçar-se para pronunciar o melhor possível palavras estrangeiras a ponto de quase não ter sotaque era algo malvisto, pois, supostamente, denotava uma índole subserviente, bajuladora e pouco patriótica.

Nas últimas décadas, a crescente presença de estrangeiros no Brasil e o avanço da tecnologia provocaram grandes mudanças na aprendizagem de idiomas. Encontramos muitos falantes nativos de inglês e espanhol dando aulas em escolas de idiomas, junto com professores brasileiros que estudaram no exterior. A internet disponibiliza cursos e recursos multimídia aos interessados em aprimorar seus conhecimentos por conta própria ou em grupos. Há ótimos sites e blogs com materiais adequados a alunos de todos os níveis. No Inglês na Ponta da Língua, por exemplo, quem quiser aprimorar a pronúncia do sufixo ED, que aparece no final de muitos verbos e adjetivos em inglês, vai poder ouvir um podcast com a professora Kristen Hammer. No English Experts, há os interessantes jogos dos sete erros com músicas em inglês, para avaliar e treinar a capacidade de ouvir bem as palavras do idioma.

Embora eu tenha me divertido estudando latim na faculdade e pretenda, algum dia, aprender um pouquinho de grego, não acredito que essas línguas fossem fundamentais se quiséssemos estruturar um curso de segundo grau atual, voltado para a área de ciências humanas e idiomas. A língua internacional do momento é o inglês. Com uma conexão de internet e um inglês razoável podemos aprender qualquer outra língua. Os brasileiros, nem que seja por motivos geográficos, deveriam transformar seu portunhol fluente em um espanhol decente. Não é tão difícil assim e temos muito a ganhar com isso. Inglês, espanhol e, é claro, português seriam indispensáveis, mas poderíamos acrescentar idiomas opcionais.

Independentemente dos idiomas escolhidos, os cursos deveriam tentar ir além do ler, escrever, ouvir e falar. Essas quatro habilidades são básicas, qualquer boa escola as ensina, mas não bastam. Quem é bilíngue ou poliglota de verdade também consegue traduzir e interpretar. Não estou falando daquela traduçãozinha de frases simples e fora de contexto, que se fazia antigamente, como exercício de fixação de vocabulário. Mas também não me refiro à tradução profissional de obras literárias. A habilidade de tradução adequada a esse estágio permitiria aos alunos legendar um vídeo breve ou episódio de seriado como os legendadores piratas fazem. Deixando de lado os aspectos legais, o trabalho desses amadores impressiona pela velocidade, a capacidade de síntese e a criatividade. O grande conhecimento linguístico é apenas um dos pré-requisitos indispensáveis.

Quanto à interpretação, também não espero um resultado profissional, como o dos intérpretes da ONU. Bastaria a capacidade de passar de um idioma para outro, fazendo as adaptações necessárias, dentro de um tempo razoável. Nada disso é fácil, mas trigonometria e química orgânica também não são.

Nota do Editor
Carla Ceres mantém o blog Algo além dos Livros. http://carlaceres.blogspot.com/


Carla Ceres
Piracicaba, 6/6/2013


Mais Carla Ceres
Mais Acessadas de Carla Ceres em 2013
01. Histórias de gatos - 4/4/2013
02. Um livro canibal - 9/5/2013
03. Em busca de cristãos e especiarias - 7/11/2013
04. Autodidatas e os copistas da vez - 7/2/2013
05. Brasileiros aprendendo em inglês - 17/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Se Preparar para o Exame de Ordem 1ª e 2ª Fases
Vauledir Ribeiro Santos
Método
(2000)



Natal Especial
Halia Pauliv de Souza
Vozes
(2003)



Tradição, Cultura e Protesto Popular no Brasil (1780-1880); Escra
Projeto Historia 16 - Cultura e Trabalho
Puc Sp
(1998)



O Que é Contracepção
Kurt Kloetzel
Brasiliense
(1987)



As Mulheres na Guerra: 1939 - 1945 - Dois Volumes
Claude Quétel
Larousse
(2009)



A Questão Urbana - Industrialização na Bahia; Politica Salarial;
Cláudio Penani (responsável) Cadernos do Ceas
Ceas (salvador)
(1976)



Missão Reciclar Papai
Pete Johnson
Melhoramentos
(2005)



1º de Abril
Cloder Rivas Martos
Escrituras
(2013)



Reb - Revista Eclesiástica Brasileira Volume 30
Frederico Vier
Ltr
(1970)



You Can Draw
Adrian Hill
Hart Publishing (nova Iorque)
(1966)





busca | avançada
73783 visitas/dia
2,7 milhões/mês