Eu não pulei carnaval | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Carnaval

Segunda-feira, 25/2/2002
Eu não pulei carnaval
Eduardo Carvalho

+ de 4700 Acessos
+ 7 Comentário(s)

O inferno são os outros.” J. P. Sartre

Eu não pulei carnaval. Na verdade, até dei uns pulinhos acompanhando uma ou outra marchinha, mas me diverti mesmo sentado em um canto do baile tomando Kaiser quente e ouvindo forró e axé. Se no céu os anjos tocam Mozart e se toma vinho, eu estava no inferno – mas não abracei o diabo. Aliás, nem cheguei a conhecê-lo: ele devia estar muito ocupado com sua popozuda, de short apertado e cabelo oxigenado, rebolando no seu colo. Precisei contentar-me, então, com cenas não menos assustadoras: moleques brigando, malandrinhos sem camiseta, gordas com a pança de fora e menininhas vomitando. Um saco, se o seu conceito de diversão exige um mínimo de pureza estética. Mas eu sabia aonde estava indo. Apesar de sóbrio, consegui suportar os piores momentos me convencendo de que, daqui para frente, vou ser um bom garoto. Não quero ir para o inferno.

Não é preciso pular carnaval, portanto, para se divertir entre tanta alegria. Não pra mim. Para seguir o seu caminho, às vezes é mais fácil descobrir por onde não se quer ir. Eu não tinha dúvida de que o nível de vulgaridade entre as pessoas da minha idade já era baixíssimo – de vez em quando, assisto televisão: mas ainda fico impressionado com certos estilos que jovens decidem assumir. O problema, diferentemente do que supostos rebeldes acreditam, não é que eles se esforcem para serem aceitos socialmente: é o grupo social ao qual eles pretendem pertencer. O destino de um malhadão de dezoito anos com o corpo repleto de tatuagens e bermudão caído com a borda da cueca aparecendo será, quase invariavelmente, um velho burocrata, barrigudo e conformista. Beijar dez menininhas no carnaval não o livrará, de forma alguma, dos cornos que sua futura mulher lhe botará.

Ela que está, aliás, ali ao lado, completamente bêbada, lambendo o pescoço e se esfregando no suor do amigo do seu futuro marido. Sorte que eles ainda não se conhecem. A menina pode escapar do quinto e beijar o sexto, que está distribuindo lança pra moçada. Gosto não se discute – muito menos no escuro. Aos dezessete anos, sua barriguinha já está feia o suficiente para que, se ainda lhe restasse bom senso, ela não usasse aquele top. E ninguém quer ver os seus seios pequenos e tortos entre o seu ousado decote – ela podia reservar um mínimo de privacidade para, quando já estiverem caídos, descobri-los para o seu futuro marido.

Melhor pra mim, claro. Se eu me comportar como um bom menino e conseguir ir para o céu, provavelmente o sujeito que por acaso se esbarrar em mim lá se desculpará. No céus, eles devem andar de camiseta, o que me pouparia o trabalho de enxugar o suor no próximo, que passa vestido. Os anjinhos ainda devem cultivar o hábito diário de se tomar banho, o que evitaria o desagradável odor que emana de certas pessoas. De quebra, eles não tem pêlos nas costas nem usam regatas, não vomitam no chão, não brincam com espuminhas nem andam com o peito estufado. Cada anjinho também, dizem, tem uma personalidade diferente, o que evitaria a conversação repetitiva daqueles caras que se cumprimentam fazendo uma forcinha para exibir o bíceps trabalhado.

Seria uma severa injustiça, porém, afirmar que não há qualquer variedade entre a personalidade do pessoal que se espremia naquele ambiente carnavalesco. De vez em quando, as roupas variavam. Mas o que elas encobrem permanece o mesmo. A aparente segmentação da molecada em tribos não apenas revela uma insegurança natural da idade: ela facilita a homogeneização entre suas idéias. Tem um pessoal fantasiado de surfista, uma turma se esforçando para ser moderninha, e uma galera ainda que se assume ser a dos peraltas do bairro. É de uma traquinagem infantil que, depois dos 16 anos, já deveria começar a pegar mal. Mas não: esse tipo de comportamento ficou bonitinho. A marmanjada não cresce mais. E, pra animar a festa, se provocam e se batem pelo único motivo que os separa: a roupa.

Mas entre tudo aquilo que você, acusado de moralista, pode achar chato, ainda é possível descolar um elogio – ou um comentário ao seu respeito que, pelo menos, lhe faça sentir bem. Não me lembro como comecei a conversar com uma barrigudinha de blusa espremida, com um lenço na cabeça e um cabelo ensebado, como seu rosto. Ela disse, sem que eu tenha perguntado, que era atriz e que sua peça favorita era Hamlet. Como uso óculos, estudo em uma escola supostamente boa e tinha acabado de ler a peça, precisei ouvi-la escandalosamente gritando: “Você é nerd!”. Ela virou de costas para mim e de frente para a amiga, pôs o dedo indicador na boca e se agachou, no ritmo sensual do som que estava tocando, chacoalhando as banhas. Foi um alivio saber que não pertencemos ao mesmo grupo.

É assim: escapou daquele estereótipo manjado e você se parece um alienígena – um nerd, digamos. Voltei para o meu canto. Ninguém me entende. Mas ainda me resta, além da Kaiser quente, uma saborosa e silenciosa diversão: eu entendo todo mundo. No inferno, pelo menos.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 25/2/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A arquitetura poética da pintura de Fabricius Nery de Jardel Dias Cavalcanti
02. Sartre, palavras e moscas de Marcelo Spalding
03. Crônicas que não contam o dia-a-dia de Marcelo Barbão
04. O cavalo e as moscas de Rafael Azevedo


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2002
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Todas as paixões desperdiçadas - 23/12/2002
05. O do contra - 11/3/2002


Mais Especial Carnaval
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/2/2002
20h28min
Produto para exportacao com nivel 0 de inteligencia. Ops, inteligencia ao maximo. Eureca, eles conseguem fazer o brasileiro ficar fora da realidade por uma semana gastando o que nao tem e se divertindo como se fossem criancas. Montes de Adaos e Evas no paraiso da ignorancia humanitaria. Pessoas falam que nas TVs na gringolandia so mostram desatres nacionais, e esse e mais um, so que com organizacao de primeira e de colocar inveja nos outros... sem mais comentarios
[Leia outros Comentários de Vinicius Villas Boas]
1/3/2002
09h48min
Eduardo, eu realmente não concordo com esse texto. Até acho o Carnaval uma festa onde as pessoas exageram, mas isso é perfeitamente justificável, afinal nosso país, dado o seu nível de desenvolvimento, pode se dar ao luxo se parar completamente por 5 dias (e parcialmente por 10) apenas para comemorar o estágio em que estamos. Não existe mais fome nesse país, nem pobreza, muito menos qualquer desigualdade. Vivemos em paz, uma vez que a violência não existe, e tranqüilos, uma vez que todos temos empregos e podemos com tranqüilidade prover o sustento a nossas famílias. Em suma, nesse país não há mais nada a ser feito, já vivemos em um estado de plena felicidade, tudo o que devemos fazer daqui pra frente é manter isto. Ora que mal há então, em parar 5 dias para comemorar este estado? Este mundo acima descrito parece (e é) extremamente artificial, mas é o que parece que acontece no Carnaval: milhões de pessoas comemorando algo sem sentido, vivendo de uma ilusão, sonhando e esquecendo que, ao virar as costas para a realidade uma vez, quando se volta a olhar para esta ela tende a estar cada vez mais decadente. Acho que é isso que comemoramos no Carnaval. Pulamos em meio a um lamaçal, sem perceber que apenas estamos afundando, cada vez mais.
[Leia outros Comentários de André Giannini]
2/3/2002
08h52min
Gostei muito deste texto sobre o carnaval. Suas observações a partir do cenário que se monta a cada ano para o divertimento coletivo são interessantes. Elas (observações) apenas usam o cenário carnavalesco para analisar algo mais importante, como as características socio-culturais daqueles grupos que você bem caracterizou como tribos. Como neste cenário tudo é permitido, as pessoas acabam sentindo-se à vontade para extravasar o que realmente são e você captou muito bem este aspecto.
[Leia outros Comentários de Oswaldo C Neto]
6/3/2002
22h05min
Que texto mais tosco....voce vem com essa ladainha..q nao engana ninguem...para com isso...se é pra escrever escreve algo descente nessa birosca...!!!
[Leia outros Comentários de Luis Fernando S.Azul]
8/3/2002
02h14min
"Descente"? Eduardo, ser desprezado por esse Luis aí em cima é o equivalente brasileiro da Legion D'Honneur. Parabéns pelo texto.- Alexandre Soares
[Leia outros Comentários de Alexandre S. Silva]
13/3/2002
11h08min
Eu não tb não pulei carnaval, e somente agora pude ler seu texto, mas não identifico- me com ele. Acho sim que estamos vivendo em uma diversidade de tribos, loucas cada uma de sua forma para saciar seu desejo de libertação, e o momento certo para isso é o Carnaval...então que cada uma delas saiba viver este momento de loucura como bem entender.
[Leia outros Comentários de Tarin Flores Ribeiro]
1/4/2002
16h23min
O mundo é cheio de coisas equisitas. Tem quem diz que Carnaval é a melhor coisa que ja existiu outros dizem que é pura babaquise. Mas na minha opiniao Carnaval é uma desculpa que usamos para fazer em cinco dias o que a gente não faz em um ano. Basta enxergar o entusiamo que todos esperam os 5 dias mais famosos no Brasil!
[Leia outros Comentários de Ana Paula Matsuguma]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LIVRO DO PRÁTICO DE FARMÁCIA 5A. EDIÇÃO
HEITOR LUZ
TEIXEIRA
(1954)
R$ 19,97



MANUAL PRÁTICO DOS CONTRATOS
JONATAS MILHOMENS
FORENSE
(2001)
R$ 20,00



HORA ZERO
AGATHA CHRISTIE
NOVA FRONTEIRA
(1944)
R$ 10,00



LIMITES DA VOZ (MONTAIGNE, SCHLEGEL, KAFKA)
LUIZ COSTA LIMA
TOPBOOKS
(2005)
R$ 26,91



DROGAS: AÇÕES E REAÇÕES
GESINA L. LONGENECKER
MARKET BOOKS
(2002)
R$ 7,19



ASSOMBRAÇÕES
COLIN JACQUI HAWKINS
MARTINS FONTES
(1997)
R$ 14,00



ATÉ AS PRINCESAS SOLTAM PUM
ILAN BRENMAN
BRINQUE-BOOK
R$ 39,95



NOÇÕES DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE PERDAS EM SEGURANÇA DO TRABALHO 7ª EDIÇÃO REVISTA E ATUALIZADA
TAVARES, JOSÉ DA CUNHA
SENAC
(2010)
R$ 5,30



O ANJO, A PÉROLA E O PEQUENO DEUS - CAPA DURA
WINSTON GRAHAM
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 7,00



DEPOIS, O SILÊNCIO
GANYMÉDES JOSÉ
EDIOURO
(1975)
R$ 11,49





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês