Apresentação; ou, O prazer foi meu | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Quinta-feira, 22/5/1980
Apresentação; ou, O prazer foi meu
Eduardo Carvalho

+ de 10000 Acessos
+ 9 Comentário(s)

"Maio sois e maio continuareis. O uso grosseiro de vossa vida não lhe corromperá de todo a limpidez original ; se um dia matardes, se vos venderdes à política, se vos tornardes a vergonha da pátria, ainda assim o lado maio de vossa fisionomia continuará indelével, e fará com que se murmure: 'Coitado! apesar de tudo, nasceu em maio.'"
Carlos Drummond de Andrade, em "Carta aos nascidos em maio"

Nasci um bebê magrinho e peludo, em 22 de maio de 1980. Ainda bem que era homem. É difícil um bebê nascer tão feio que, em vez de elogios, a mãe receba consolos: "Isso cresce", diziam. Lavei o rosto, fiz a barba e, vinte e um anos depois, saí na foto acima. Mas não mudei muito, e ainda não consegui ajeitar o cabelo enrolado. Mas o pessoal que me viu pequenininho, para alívio dos meus pais, não estava mentindo.

Cresci, como muita gente da minha idade, ouvindo e lendo os comentários do Paulo Francis. Talvez eu devesse ter levado algumas de suas opiniões menos a sério, mas o seu estilo era irresistivelmente claro e engraçado. Especialmente para mim, aos quinze anos, tentando escapar das estatísticas desse crescente analfabetismo funcional. Era um alívio saber que livro não precisa ser chato - e ele recomendava os que não eram. Que os filmes que estavam no cinema não eram os únicos que valiam a pena serem assistidos. Que as músicas que insistem em tocar no rádio não são necessariamente as melhores. Que essa vida que eu suspeitava insuportavelmente monótona e provinciana era, realmente, monótona e provinciana. Mas ela não precisava ser assim - não, ao menos, a quem não quisesse que fosse.

E eu não queria. A realidade, com todos os seus problemas e limitações, se impõe - e parece incontornável. Mas li encantado, ainda nessa idade, "O Fio da Navalha", de Somerset Maughan, que Francis disse ter devorado extasiado. Era o que eu precisava. Foi uma maravilha acompanhar as aventuras de Larry, o personagem principal, pelo mundo, trabalhando em uma mina de carvão na Alemanha, morando em um apartamentinho em Paris, visitando mansões na Riviera Francesa, lavando pratos na Índia. Ainda que não pretendesse seguir exatamente os passos do personagem, descobri, ao mesmo tempo, uma inesperada capacidade de imaginação provocada pela literatura, e que existem mais alternativas para levar a vida do que eu suspeitava. Foi marcante.

Eu nunca fui bom aluno. Pelo contrário: precisei até, do primeiro para o segundo colegial, mudar de escola para não repitir de ano. O resto, passei raspando. Muita gente ainda não acredita que eu tenha me dado bem no vestibular. Nem eu, para ser honesto. Mas fiz um importante exercício de perseverança e, estudando aquele mínimo necessário, passei. Agora, estou no meio do curso de administração de empresas. Tento relevar os problemas com o curso me convencendo de que, no fim das contas, ele é útil para tudo. E é mesmo. Depois de algumas crises, pretendo, agora, enfrentá-lo até o final. E seguir, provavelmente, para o mercado financeiro.

Mas eu já quis ser tudo: tenista, advogado, diplomata, marinheiro, historiador, jornalista, fazendeiro... A ilusão de que é possível viver como escritor, se durou uma semana, já acabou. Isso não é brincadeira. É muito mais difícil do que eu imaginava. Não adianta: você pode até se esforçar, mas há, sim, um limite intransponível: o da vocação. E eu reconheço que não nasci pra isso. Prefiro levar esse hábito, o de escrever, na brincadeira.

Como a vida, aliás. Me incomodo com essa arrogância intelectual emburrada e, por mais que insistam no contrário, alienada. A imaginação é maravilhosa, mas é preciso tomar cuidado: combinada com burrice, vira ideologia. Estou fora. Não há como viver a vida a não ser, gostando ou não, como ela é. E ela não é perfeita. É preciso ser tolerante, e saber encontrar, nos cantos do mundo, algo que nos distraia e nos agrade. Prefiro contemplar a beleza colorida das asas de uma borboleta a me desgastar discutindo a relevância de um entediante tratado acadêmico. Tento me divertir.

E manter um mínimo de cordialidade nas relações pessoais. São elas que contam, nas horas incertas. Fui, no geral, bem recebido. Inclusive aqui no Digestivo. Não tenho muito do que reclamar - apenas o suficiente para preencher algumas colunas. Mas vou tentar, prometo, compartilhar com os leitores o que, com o tempo, fui encontrando por esses cantos. Não é muito. Apenas pequenos prazeres que, para mim, fazem com que a vida, apesar de tudo, continue viável.

PS: Para mais textos, acesse meu blog.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 22/5/1980


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A suíte melancólica de Joan Brossa de Jardel Dias Cavalcanti
02. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff
03. Cuba E O Direito de Amar (2) de Marilia Mota Silva
04. Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori de Jardel Dias Cavalcanti
05. A compra do Twitter por Elon Musk de Julio Daio Borges


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/3/2002
1. Belo
17h38min
Eduardo, Você só foi feio até abrir estes olhos maravilhosos. Lembro que as lágrimas ficavam penduradas no cílios, ameaçando mas não conseguindo cair. Seu texto é lindo e comovente. Espero, para nosso prazer, que apesar de você dizer que não é sua vocação, que continue escrevendo sua vivências e impressões deste mundo maravilhoso. Que seus belos olhos continuem a enxergar mais a beleza que a feiura, mais alegrias que tristezas e principalmente mais o Amor. Não se esqueça de continuar Maio Beijos, Ana Rosa
[Leia outros Comentários de Ana Rosa Toledo de A]
27/3/2002
00h05min
Edu, se me permite tal intimidade, suas palavras afetaram não apenas a minha noite como alguns pensamentos a respeito do dia de amanhã. Você tem vocação e modéstia. Gosto dessa dupla. Continue escrevendo. Beijos, Re.
[Leia outros Comentários de Renata Franco]
1/4/2002
17h31min
Caro Edu, Li sua apresentação por acaso e quão grande foi minha surpresa ao ver tua idade. Parabéns pela sua humildade tão latente e sua expressiva emoção tão bem aflorada neste texto. Fiquei seu fã!Costumo conhecer poucas pessoas nessa faixa etária com interesse pela cultura verdadeira. Cordialmente, Arq. Anilson De Salvador
[Leia outros Comentários de Anilson Roberto C. G]
3/4/2002
21h36min
Eduardo, venho acompanhando suas colunas e posso dizer que você esta de parabéns. Este seu texto mostra a pessoa modesta e inteligente que você é. Continue tentando, continue escrevendo. beijos, Jô
[Leia outros Comentários de Jordana Queiroz]
23/4/2002
20h42min
Faz tempo que procuro o texto integral de "Carta aos nascidos em maio",do Drummond, e não acho. Se você tiver podia me enviar. Obrigado marcos
[Leia outros Comentários de marcos cesar gouvea]
19/9/2002
21h49min
Fico impressionado em ver como a sanha assassina e covarde da esquerda nesse país não nos tinha permitido, até hoje, entrarmos em contato com mentes privilegiadas - belas, modestas, clarividentes - como a de Eduardo Carvalho. Para que títulos universitários se alguém pode voar tão alto no saber quanto este valoroso jovem? Parabéns e por favor nunca nos poupe de tanto brilho.
[Leia outros Comentários de Francisco]
20/11/2002
19h25min
Olá,Eduardo.Lendo o seu texto fiquei feliz em saber de mais alguém que descobriu a literatura através de W.S Maughan.Eu também tinha 15 anos quando comecei a folhear Servidão humana,e foi com grande paixão e um certo calafrio,na primavera de 1995, que percebi o absurdo que é a vida. Nasci no dia 22/06/80,....e não deve ter nada mais difícil no mundo que abandonar O fio da navalha antes da última página. Grande abraço!!
[Leia outros Comentários de Daniel Nunes]
10/9/2003
13h48min
nem te conheço mais já gosto de ti pelo simples fato de ter nascido em maio e mais ainda por citar uma das cartas mais perfeitas da face da terra como é esta carta de Drummond
[Leia outros Comentários de Rhafa]
5/12/2003
01h34min
Caro Edu, felizmente continuas "tentando", maravilhando a muitos com tuas brilhantes pinceladas de letras, pintando com tuas cores cheias de vida. Seria muito bom te conhecer. Enquanto isso, continuo a ver teus eflúvios coloridos. Que Deus te abençoe. Assis
[Leia outros Comentários de Assis Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês