Apresentação; ou, O prazer foi meu | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Apresentações

Quinta-feira, 22/5/1980
Apresentação; ou, O prazer foi meu
Eduardo Carvalho

+ de 9200 Acessos
+ 9 Comentário(s)

"Maio sois e maio continuareis. O uso grosseiro de vossa vida não lhe corromperá de todo a limpidez original ; se um dia matardes, se vos venderdes à política, se vos tornardes a vergonha da pátria, ainda assim o lado maio de vossa fisionomia continuará indelével, e fará com que se murmure: 'Coitado! apesar de tudo, nasceu em maio.'"
Carlos Drummond de Andrade, em "Carta aos nascidos em maio"

Nasci um bebê magrinho e peludo, em 22 de maio de 1980. Ainda bem que era homem. É difícil um bebê nascer tão feio que, em vez de elogios, a mãe receba consolos: "Isso cresce", diziam. Lavei o rosto, fiz a barba e, vinte e um anos depois, saí na foto acima. Mas não mudei muito, e ainda não consegui ajeitar o cabelo enrolado. Mas o pessoal que me viu pequenininho, para alívio dos meus pais, não estava mentindo.

Cresci, como muita gente da minha idade, ouvindo e lendo os comentários do Paulo Francis. Talvez eu devesse ter levado algumas de suas opiniões menos a sério, mas o seu estilo era irresistivelmente claro e engraçado. Especialmente para mim, aos quinze anos, tentando escapar das estatísticas desse crescente analfabetismo funcional. Era um alívio saber que livro não precisa ser chato - e ele recomendava os que não eram. Que os filmes que estavam no cinema não eram os únicos que valiam a pena serem assistidos. Que as músicas que insistem em tocar no rádio não são necessariamente as melhores. Que essa vida que eu suspeitava insuportavelmente monótona e provinciana era, realmente, monótona e provinciana. Mas ela não precisava ser assim - não, ao menos, a quem não quisesse que fosse.

E eu não queria. A realidade, com todos os seus problemas e limitações, se impõe - e parece incontornável. Mas li encantado, ainda nessa idade, "O Fio da Navalha", de Somerset Maughan, que Francis disse ter devorado extasiado. Era o que eu precisava. Foi uma maravilha acompanhar as aventuras de Larry, o personagem principal, pelo mundo, trabalhando em uma mina de carvão na Alemanha, morando em um apartamentinho em Paris, visitando mansões na Riviera Francesa, lavando pratos na Índia. Ainda que não pretendesse seguir exatamente os passos do personagem, descobri, ao mesmo tempo, uma inesperada capacidade de imaginação provocada pela literatura, e que existem mais alternativas para levar a vida do que eu suspeitava. Foi marcante.

Eu nunca fui bom aluno. Pelo contrário: precisei até, do primeiro para o segundo colegial, mudar de escola para não repitir de ano. O resto, passei raspando. Muita gente ainda não acredita que eu tenha me dado bem no vestibular. Nem eu, para ser honesto. Mas fiz um importante exercício de perseverança e, estudando aquele mínimo necessário, passei. Agora, estou no meio do curso de administração de empresas. Tento relevar os problemas com o curso me convencendo de que, no fim das contas, ele é útil para tudo. E é mesmo. Depois de algumas crises, pretendo, agora, enfrentá-lo até o final. E seguir, provavelmente, para o mercado financeiro.

Mas eu já quis ser tudo: tenista, advogado, diplomata, marinheiro, historiador, jornalista, fazendeiro... A ilusão de que é possível viver como escritor, se durou uma semana, já acabou. Isso não é brincadeira. É muito mais difícil do que eu imaginava. Não adianta: você pode até se esforçar, mas há, sim, um limite intransponível: o da vocação. E eu reconheço que não nasci pra isso. Prefiro levar esse hábito, o de escrever, na brincadeira.

Como a vida, aliás. Me incomodo com essa arrogância intelectual emburrada e, por mais que insistam no contrário, alienada. A imaginação é maravilhosa, mas é preciso tomar cuidado: combinada com burrice, vira ideologia. Estou fora. Não há como viver a vida a não ser, gostando ou não, como ela é. E ela não é perfeita. É preciso ser tolerante, e saber encontrar, nos cantos do mundo, algo que nos distraia e nos agrade. Prefiro contemplar a beleza colorida das asas de uma borboleta a me desgastar discutindo a relevância de um entediante tratado acadêmico. Tento me divertir.

E manter um mínimo de cordialidade nas relações pessoais. São elas que contam, nas horas incertas. Fui, no geral, bem recebido. Inclusive aqui no Digestivo. Não tenho muito do que reclamar - apenas o suficiente para preencher algumas colunas. Mas vou tentar, prometo, compartilhar com os leitores o que, com o tempo, fui encontrando por esses cantos. Não é muito. Apenas pequenos prazeres que, para mim, fazem com que a vida, apesar de tudo, continue viável.

PS: Para mais textos, acesse meu blog.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 22/5/1980


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
04. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
05. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho
01. Com a calcinha aparecendo - 6/5/2002
02. Festa na floresta - 9/9/2002
03. Hoje a festa é nossa - 23/9/2002
04. Preconceito invertido - 4/7/2003
05. Por que eu moro em São Paulo - 8/7/2005


Mais Especial Apresentações
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
15/3/2002
1. Belo
17h38min
Eduardo, Você só foi feio até abrir estes olhos maravilhosos. Lembro que as lágrimas ficavam penduradas no cílios, ameaçando mas não conseguindo cair. Seu texto é lindo e comovente. Espero, para nosso prazer, que apesar de você dizer que não é sua vocação, que continue escrevendo sua vivências e impressões deste mundo maravilhoso. Que seus belos olhos continuem a enxergar mais a beleza que a feiura, mais alegrias que tristezas e principalmente mais o Amor. Não se esqueça de continuar Maio Beijos, Ana Rosa
[Leia outros Comentários de Ana Rosa Toledo de A]
27/3/2002
00h05min
Edu, se me permite tal intimidade, suas palavras afetaram não apenas a minha noite como alguns pensamentos a respeito do dia de amanhã. Você tem vocação e modéstia. Gosto dessa dupla. Continue escrevendo. Beijos, Re.
[Leia outros Comentários de Renata Franco]
1/4/2002
17h31min
Caro Edu, Li sua apresentação por acaso e quão grande foi minha surpresa ao ver tua idade. Parabéns pela sua humildade tão latente e sua expressiva emoção tão bem aflorada neste texto. Fiquei seu fã!Costumo conhecer poucas pessoas nessa faixa etária com interesse pela cultura verdadeira. Cordialmente, Arq. Anilson De Salvador
[Leia outros Comentários de Anilson Roberto C. G]
3/4/2002
21h36min
Eduardo, venho acompanhando suas colunas e posso dizer que você esta de parabéns. Este seu texto mostra a pessoa modesta e inteligente que você é. Continue tentando, continue escrevendo. beijos, Jô
[Leia outros Comentários de Jordana Queiroz]
23/4/2002
20h42min
Faz tempo que procuro o texto integral de "Carta aos nascidos em maio",do Drummond, e não acho. Se você tiver podia me enviar. Obrigado marcos
[Leia outros Comentários de marcos cesar gouvea]
19/9/2002
21h49min
Fico impressionado em ver como a sanha assassina e covarde da esquerda nesse país não nos tinha permitido, até hoje, entrarmos em contato com mentes privilegiadas - belas, modestas, clarividentes - como a de Eduardo Carvalho. Para que títulos universitários se alguém pode voar tão alto no saber quanto este valoroso jovem? Parabéns e por favor nunca nos poupe de tanto brilho.
[Leia outros Comentários de Francisco]
20/11/2002
19h25min
Olá,Eduardo.Lendo o seu texto fiquei feliz em saber de mais alguém que descobriu a literatura através de W.S Maughan.Eu também tinha 15 anos quando comecei a folhear Servidão humana,e foi com grande paixão e um certo calafrio,na primavera de 1995, que percebi o absurdo que é a vida. Nasci no dia 22/06/80,....e não deve ter nada mais difícil no mundo que abandonar O fio da navalha antes da última página. Grande abraço!!
[Leia outros Comentários de Daniel Nunes]
10/9/2003
13h48min
nem te conheço mais já gosto de ti pelo simples fato de ter nascido em maio e mais ainda por citar uma das cartas mais perfeitas da face da terra como é esta carta de Drummond
[Leia outros Comentários de Rhafa]
5/12/2003
01h34min
Caro Edu, felizmente continuas "tentando", maravilhando a muitos com tuas brilhantes pinceladas de letras, pintando com tuas cores cheias de vida. Seria muito bom te conhecer. Enquanto isso, continuo a ver teus eflúvios coloridos. Que Deus te abençoe. Assis
[Leia outros Comentários de Assis Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês