De quantos modos um menino queima? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
>>> PAULUS Editora promove a 6º edição do Simpósio de Catequese
>>> Victor Arruda, Marcus Lontra, Daniela Bousso e Francisco Hurtz em conversa na BELIZARIO Galeria
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> Chega de Escola
>>> Hipermediocridade
>>> A luta mais vã
Mais Recentes
>>> O Destino De Perseu (Aventuras Mitológicas) de Luiz Galdino pela Ftd (2004)
>>> New Headway Beginner Workbook with Key de John and Liz Soares pela Oxford (2013)
>>> Ivy. Ensina-me a Sentir - Volume 1 de S. Quinn pela Fundamento (2014)
>>> Dossiê Peixotinho: Uma biografia do mais famoso médium de materializações do Brasil de Lamartine Palhano Jr.; Walace Fernando Neves pela Lachâtre (1997)
>>> Seu Corpo Fala no Trabalho de Sharon Sayler pela Vozes (2010)
>>> New Headway Beginner Students Book Third Edition de John and Liz Soares pela Oxford (2011)
>>> Comunicação Global - Aumentando Sua Inteligencia Interpessoal 8 Edição de Lair Ribeiro pela Rosa dos Tempos (1992)
>>> O homem que calculava de Malba Tahan pela Record (2016)
>>> A Aposta de Vanessa Bosso pela Novas Páginas (2015)
>>> O Dia de Ver Meu Pai de Vivina de Assis Viana pela Formato (2005)
>>> Practice Tests for First Certificate with Key de J. C. Templer pela Heinemann (2022)
>>> A Câmara Clara: Notas sobre a fotografia de Roland Barthes pela Nova Fronteira (1984)
>>> Um Amor Além do Tempo de Leila Renttroia Lannone pela Moderna (1991)
>>> Skyline 5 - Teachers Guide de Carol Lethaby pela Macmillan (2006)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Atica (2004)
>>> Homossexulidade de Fagner Brandão pela Fonte (2015)
>>> Ready for First Certificate Workbook de Roy Norris pela Macmillan (2005)
>>> The Hound of the Baskervilles & the Valley of Fear de Sir Arthur Conan Doyle pela Collectors Library (2011)
>>> Fim de Fernanda Torres pela Companhia das Letras (2013)
>>> Campo de Batalha da Mente de Joyce Meyer pela Bello (2009)
>>> Lenda azul Voluma 2 de GeneralWalter de Menezes Paes pela Bibliex (1992)
>>> Summit 2 Take Home de Joan Saslow + Allen Ascher pela Pearson (2006)
>>> Vantage Point 3 - Workbook + CD de Patricia McKay Aronis pela Cel Lep (2006)
>>> El Ahorcamiento Inesperado y Otros Entretenimientos Matematicos de Martin Gardner pela Alianza Editorial (2007)
>>> Marisa: a escolha sexual da menina de Rosine e Robert Lefort pela Jorge Zahar (1997)
COLUNAS

Terça-feira, 24/7/2018
De quantos modos um menino queima?
Duanne Ribeiro

+ de 5800 Acessos

Você diz: é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço sideral, os mesmos tempos nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto, o mesmo você.

O devir patina, se irrealiza. Não é o que você diz? Então diga.

Diga que é o mesmo sol no mesmo céu, as mesmas estrelas na mesma noite, o mesmo planeta no mesmo espaço, os mesmos tempos se alternando nos mesmos dias, a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue, o mesmo ardor, o mesmo gosto – diga que é sempre o mesmo você, e que sempre será.

***

Labyrinth”, do Cure, é uma música que se move. Primeiro, do cosmos ao close-up: vem dos giros e brilhos dos astros ao comum na Terra; chega a uma casa, a um quarto; adentra uma subjetividade (diga que é o mesmo menino a arder na mesma cama!):

say it's the same sun
spinning in the same sky
say it's the same stars
streaming in the same night
tell me it's the same world
whirling through the same space
tell me it's the same time
tripping through the same day

so say it's the same house
and nothing in the house has changed
yeah, say it's the same room
and nothing in the room is strange
oh tell me it's the same boy
burning in the same bed
tell me it's the same blood
breaking in the same head
say it's the same taste
taking down the same kiss
E, segundo, move-se desses exemplos abstratos e dessa descrição em terceira pessoa a uma fala direta, o imperativo gradua – o que se evidencia pelas ênfases na voz e nos instrumentos – de uma demanda a um desafio:

say it's the same you
say it's the same you
and it's always been like this
say it's the same you
say it's the same you
and it always and forever is
Me parece cada vez mais um “você disse, terá coragem de repetir?”.

***

Esse alguém a quem o poeta se dirige – em certo sentido, poderíamos dizer que se trata dele mesmo. Pois o Cure é a mesma banda de “Killing an Arab”, música inspirada no livro O Estrangeiro, do filósofo e escritor Albert Camus, em que ouvimos:

whichever I chose
it amounts to the same:
absolutely nothing
Como no romance de Camus, sem poder encontrar uma base transcendente que valore e guie a existência, o eu lírico é tomado de niilismo. Aqui, o mesmo é inescapável, assim como àquele a quem o eu lírico de “Labyrinth” fala.

Desse modo, podemos refrasear a questão: “Eu disse isso! Terei coragem de repetir?”.

***

yeah, tell me it's all the same
this is how it's always been
but if nothing has changed...
then it must mean...
Se é tudo de fato o mesmo, então o sol é frio e as estrelas são pretas (repare: a luz que nos chega, ela elude a sua dinâmica, faz esquecer que queima continuamente para ser). Então não há movimento – e tempo e espaço, dia e noite perdem sentido. Chegamos ao “absolutamente nada” de “Killing the Arab”, mas dessa vez isso não alcança o status de conclusão.

but the sun is cold: the sky is wrong
the stars are black: the night is gone
the world is still: the space is stopped
the time is out: the day is dropped
No interior do mundo feito nada um menino arde (queima) estático (continuamente):

the house is dark: the room is scarred
the boy is stiff: the bed is hard
the blood is thick: the head is burst
the taste is dry: the kiss is thirst
Independente de como se classifiquem as experiências, percebe-se o quarto escuro, as histórias que ferem esse espaço, a rigidez do corpo, a dureza do colchão, a viscosidade do sangue, o peso na cabeça, a língua seca, o beijo que não satisfaz. Essas vivências são agora. Podem ter ocorrido fatos semelhantes antes; esses, agora, aparecem com a sua singularidade irredutível.

É o mesmo menino na mesma cama? Não,

and it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

***

O terceiro caminho pelo qual “Labyrinth” se move é, assim, esse da argumentação: leva das proposições iniciais a esse veredicto final, através de uma redução ao absurdo. Uma intensidade ainda maior toma a música, pela reincidência dos versos e pela emoção que a voz passa a transmitir, além do instrumental, mais carregado:

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
no, it never was like this

it's not the same you
it's not the same you
and it never really is

it's not the same you
it's not the same you
O mais significativo: todas essas transições ocorrem com mudanças pequenas em uma letra cuja forma é constante. A figura de linguagem das primeiras estrofes é a anáfora – essa repetição nos inícios. Da afirmação à negação passamos simplesmente do “it’s the same you” para o “it’s not the same you”. Na espessura narrativa coloca-se apesar da insistência, por muito pouco, a novidade. E nas trocas simples de palavras — "say" por "tell me", "diga" por "me diz" — modulações qualitativas cirúrgicas, ressoantes.

E em relação à filosofia do absurdo que justificava “Killing an Arab”, é como se ela fosse derrotada no seu próprio jogo: é levando ao absurdo, à impossibilidade lógica, que essa ideia que todas as escolhas dão no mesmo (embora, se formos discutir o que se diz em O Estrangeiro, leremos lá não que as escolhas são idênticas, mas que “todas são ruins”). Sobretudo, a transformação do ponto de vista de uma canção à outra prova o vir-a-ser no próprio poeta.

oh it's not the same
this isn't how it's always been
everything has to have changed
or it's me...
O mundo não pode seguir o mesmo, senão por seus processos próprios, porque eu não posso recebê-lo igualmente. O dilema é similar ao do verso dos Smiths: “Has the world changed or have I changed?”. De todo modo, nada segue estável. O devir se realiza.

Não é o mesmo sol no mesmo céu. Não são as mesmas estrelas na mesma noite. Não é o mesmo planeta no mesmo espaço sideral. Nem os mesmos tempos nos mesmos dias. Jamais a mesma casa, o mesmo quarto, o mesmo sangue. O gosto dos beijos variará ao sabor dos acasos. De quantas formas esse menino ainda pode queimar?


Duanne Ribeiro
São Paulo, 24/7/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Clube de Leitura Cult de Eugenia Zerbini
02. 11 de Setembro e a Era do Terror de Jardel Dias Cavalcanti
03. Fetiche por película de Yuri Vieira
04. O melhor de 2005: não ter uma lista de Ram Rajagopal
05. Vanguarda e Ditadura Militar de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Roleta Chilena
Alfredo Sirkis
Record
(1981)



Fit For Growth: a Guide to Strategic Cost Cutting, Restructuring, And
John Plansky - Vinay Couto - Deniz Caglar
Wiley
(2017)



Massas & Molhos - Coleção Dona Benta
Gold Editorial
Nacional e Gold
(2009)



Getting Financial Aid 2012
The College Board
College Board
(2012)



Previdência Social é Cidadania
Álvaro Sólon de França
Anfip
(1997)



Diários do Vampiro O Despertar
L. J. Smith
Galera Record
(2009)



A Farsa
Christopher Reich; Fernanda Abreu
Arqueiro
(2008)



Aprender e Criar - Ciencias 3
Edson Maria Helena Katia
Escala Educacional
(2014)



Sonho de Bailarina - o Mundo de Sonhos
Marcelle Silveira e Silva
Vale das Letras



O estrangulador
Sidney Sheldon
Record
(2018)





busca | avançada
51542 visitas/dia
1,8 milhão/mês