Assum Preto, Me Responde? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Comédia dirigida por Darson Ribeiro, Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Alfredo Mesquita
>>> Companhia de Danças de Diadema leva projeto de dança a crianças de escolas públicas da cidade
>>> Cia. de Teatro Heliópolis encerra temporada da montagem (IN)JUSTIÇA no dia 19 de maio
>>> Um passeio imersivo pelos sebos, livrarias e cafés históricos do Rio de Janeiro
>>> Gaitista Jefferson Gonçalves se apresenta em quinteto de blues no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
>>> Nos braços de Tião e de Helena
>>> Era uma casa nada engraçada
>>> K 466
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
Últimos Posts
>>> Diagnóstico falho
>>> Manuscrito
>>> Expectativas
>>> Poros do devir
>>> Quites
>>> Pós-graduação
>>> Virtuosismo
>>> Evanescência
>>> Um Certo Olhar de Cinema
>>> PROCURA-SE
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Barril
>>> Como escrever bem — parte 1
>>> Quatro Mitos sobre Internet - parte 1
>>> Da capo
>>> Elesbão: escravo, enforcado, esquartejado
>>> 5ª MUMIA em BH
>>> Celebrity killer
>>> Em nome do caos
>>> Chiaroscuro
>>> Chico Buarque falou por nós
Mais Recentes
>>> Amamentação Um Hibrido Natureza -Cultura de João Aprigio Guerra de Almeida pela Fiocruz (1999)
>>> Mikhail Gorbachev de Anna Sproule pela Globo (1990)
>>> Heroides de Walter Vergna pela Edições Granet Lawer (1975)
>>> Mutações de Liv Ullman pela Circulo do Livro (1986)
>>> Ligação Direta Com Deus de Bobtrask pela Nova Era (1994)
>>> Betsabé de Tofgny Lindgren pela Record (1984)
>>> O livro dos sinais de Trigueirinho pela Pensamento (1997)
>>> De Carta Em Carta de Ana Maria Machado pela Salamandra (2002)
>>> Cura entre Gerações de Pe.Robert DeGrantis pela Louva Deus (1994)
>>> Letras de exortação e reflexão para homens que se atrevem a ser cristãos de Dom Antonio Duarte S.R. pela Scortecci (2019)
>>> A Ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2002)
>>> Como investigar crimes com a ajuda Divina de Daniel Gomes pela Cpad (1999)
>>> O Diário de Um Mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Compendio de botânica de Paulo Benzzoni pela Itatiaia (1973)
>>> A Ditadura Derrotada de Elio Gaspari pela Companhia das Letras (2003)
>>> O despertar do Buda de Vicente Blasco Ibanez pela Landy (2000)
>>> Católicos Perguntam de Estevão Tavarez Bettencourt ,Osb pela Mensageiros de Santo Antonio (1998)
>>> God Is Dead de Ron Currie Jr pela Penguin Paperbacks (2008)
>>> Frankenstein de Mary Shelley pela Cia das Letras (1994)
>>> Novo Testamento de Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Sbb-Rao (1969)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela Circulo do Livro (1987)
>>> Filho de ninguém: dualismo e bastardia no romance "Dois imãos", de Milton Hatoum de Vera Ceccarello pela Luminária Academia (2016)
>>> Quando se pretende falar da vida de Francisco Candido Xavier ,Roberto Muskat,David Muszkat pela Grupo Espírita Emmanuel -Sociedade Civil (1984)
>>> Eu sou o Mensageiro de Markus Zusak pela Intrínseca (2007)
>>> Almas Gemeas de Monica Buonfiglio pela Oficina Culturl Esotérica (1996)
>>> Meditações de Frei Sandro Grimani,OCD pela Letra Capital (2006)
>>> Esta Noite a Liberdade de Larry Collins e Dominique Lapierre pela Circulo do Livro (1976)
>>> Era uma vez em São Bernardo: o Discurso Sindical dos Metalúrgicos (1971-1982) de Kátia Rodrigues Paranhos pela Unicamp (2011)
>>> Ensaios Mínimos de Eustáquio Gomes pela Pontes (1987)
>>> Educação, Cultura e Ideologia em Moçambique: 1975-1985 de Brazão Mazula pela Edições Afrontamento (1995)
>>> O Brasil Tatuado e outros mundos de Tono Marques pela Rocco (1997)
>>> O dOM DOS MILAGRES de Pe.Robert DeGrantis pela Loyola (1996)
>>> Édipo Africano de Marie- Cecíle Ortigues e Edmond Ortigues pela Escuta (1989)
>>> Goya 2 todas Sua Pinturas de Pierre Cassier pela Biblioteca grafica Nogler (1981)
>>> Dom Quixote de la Mancha - Volume I de Miguel de Cervantes pela Martin Claret (2012)
>>> O Zahir coleção de Paulo Coelho pela Gold
>>> Fazendo Ecumenismo de Enrique Cambón pela Cidade Nova (1994)
>>> Il Cavaliere Inesistente de Italo Calvino pela Mondadori (1993)
>>> O Espião que Sabia de Demais de John Le Carré pela Abril Cultural (1987)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2007)
>>> As Crianças Aprendem o que Vivenciam de Doroty Law Nolte pela Sextante (2003)
>>> Cidade Eerna de Hall Caine pela Clássica (1939)
>>> Aventuras da Maleta Negra - Tradução Rachel de Queiroz de A. J. Cronin pela José Olympio (1948)
>>> O Centauro no jardim de Moacyr Scliar pela Companhia de bolso (2011)
>>> As Armas secretas de Júlio Cortázar pela Best bolso (2012)
>>> Todos os fogos de Júlio Cortázar pela Best bolso (2015)
>>> O Mapa do Amor de Ahdaf Soueif pela Ediouro (2006)
>>> As Melhores histórias de Sherlock Holmes de Sir Arthur Conan Doyle pela L&pm Pocket (2013)
>>> Memória da Casa dos Mortos de Dostoiévski pela L&pm Pocket (2009)
>>> O Velho Jazz - suas raízes e seu desenvolvimento musical de Gunther Schuller pela Cultrix (1970)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2018
Assum Preto, Me Responde?
Duanne Ribeiro

+ de 1800 Acessos

“Você não sente nem vê, mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.” Com maior frequência não nos posicionamos do lado de quem fala nessa letra de Belchior? O frescor que podemos sentir no verso vem de que, por um apelo à profecia, à imaginação, nos subtraímos ao realismo, ao pragmatismo, ao a vida como ela é inscritos nesse interlocutor, no “amigo” a quem nos dirigimos. Ele não sente, mas nós sentimos; ele não vê, mas nós vemos; temos consciência da lei: o novo sempre vem, e é certos disso que nos lançamos sem certezas ao futuro.

Me surpreendi ontem, porém, quando ouvi esse verso e não pude seguir seu entusiasmo — não pude sentir, ver, saber que uma nova mudança nos aguarda, apesar de tudo. Pois as pesquisas eleitorais descrevem um Brasil sufocado pela ideia de voltar, à esquerda e à direita circulam ideais de passado que devemos reativar. Pois os debates à presidência oferecem intensidades diferentes do mesmo. Pois seja qual for o resultado do pleito, no futuro do país podemos prever só o rearranjo das forças atuais, sob a permanência dos que têm a influência perene do controle da infraestrutura e do dinheiro.

Mudanças, ainda assim mudanças, alguém poderia me dizer — repare no adjetivo nova. Não se trata aqui de trocar as cores das peças no tabuleiro ou de puxar cartas do bolso, o fundamental é mais a irrupção de outra regra, a formulação de outro jogo. É mudança se a única questão é em qual governo Henrique Meirelles será ministro? Se os avanços sociais que houverem serão só o que a acomodação de interesses permitir que sejam? Se à pergunta “qual o Brasil que queremos?” só conseguimos responder, de uma ponta a outra do país, que não queremos ser roubados, só isso.

Me tornei aquele amigo a quem a música fala? Talvez sempre o tenha sido. Não sei quanto a quem conheceu essa música, “Velha Roupa Colorida”, quando ela foi lançada, mas é só filtrada pela retrospectiva que posso ouvi-la — é sabendo que, sim, a nova mudança aconteceu. Alucinação, seu álbum, é de 1976 — viriam a redemocratização, a constituição de 1988, a chegada ao poder de um partido que, independente da sua posteridade, é mais fruto da mobilização popular e menos dos debates internos às camarilhas. O profeta estava correto. Estaria o viço do verso em que eu sei que o novo veio?

Saber que o novo veio não é o mesmo que saber que o novo sempre vem. De um lado é a série de comprovações históricas, a qual exige no mais das vezes tremendos esforços para ordená-la de forma a que seja conveniente aos nossos desejos e que conduz a uma espécie de ressentimento satisfeito, um “eu não te disse?” aplicado a questões sobre as quais jamais temos o sereno juízo que advém quando tudo chegou a um termo. Do outro lado, trata-se de prever que haverá algo que não podemos prever. Que as possibilidades não são reproduções ou recombinações. São o impossível atual.

Você, eu, não sentimos, não vemos o impossível? A música adverte: é preciso curar-se para tal: “O que antes era novo, jovem, hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer”. Como se rejuvenesce? Será como no poema de Manoel de Barros — “desaprender oito horas por dia ensina os princípios”? Talvez: por que, lembre-se, no lado oposto está o a vida como ela é, essa presunção e cinismo travestidos de sabedoria que amam o passado e que não veem... nós sabemos pelo contrário que “no presente, a mente, o corpo — é diferente, e o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Uma roupa que não serve, como um sapato 36 para o nosso pé que é 37, o desconforto diagnostica que o estável pode ser insustentável. Experimentemos, então, inventar para além do nosso desagrado. Cabemos numa política reduzida a negociatas em Brasília? O mais amplo poderia estar no entrelaçamento político de toda a sociedade – sinto que é assim, veja: agora, nós, entrelaçados — politicamente, sim; minha ideia política abrindo caminho até as suas ideias políticas, esse contato transformando um campo político.

Cabemos no figurino apertado do voto como manifestação única da cidadania? Frutifico mais ao ponderar o nosso poder conjunto de nos construir todos os dias. De podermos levar, todos nós, pelas mãos, os presidentes. Ao se abrir por um momento a esses ideais, não nos fruímos mais jovens? (Mais ingênuos, diria o amigo de mau agouro.) Por quanto tempo nos deixamos permanecer nesse espaço arejado de invenção? É certamente um potencial nosso a criação; deixando-o de lado, somos — qual a metáfora, Belchior?

Somos aves rendidas. A transição dos pássaros nos mostra esse sentido. Belchior funde Edgar Allan Poe, Paul McCartney e plausivelmente Luiz Gonzaga para produzir um outro interlocutor, não mais um que lhe trave caminhos, mas um que lhe inspire renovação. Do corvo do poeta londrino, raven que se troca em never para dizer que a vida se esgota, “Velha Roupa Colorida” vai ao Black Bird dos Beatles, a quem se conclama:

blackbird singing in the dead of night
take these broken wings
and learn to fly
all your life
you were only waiting
for this moment to arise

blackbird singing in the dead of night,
take these sunken eyes
and learn to see
all your life,
you were only waiting
for this moment to be free

Tem-se de reaprender a voar e a ver. O rejuvenescimento é um tipo de amadurecimento — para ser jovem outra vez é preciso atravessar uma velhice? Pelo signo do assum preto passaremos por outros oxímoros do tipo que podem nos convencer que sim. Ao pássaro inglês, soma-se a ave brasileira, cantada por Gonzaga:

tudo em volta é só beleza
Sol de abril e a mata em flor
mas assum preto, cego dos olhos
não vendo a luz, ai, canta de dor

talvez por ignorância
ou maldade da pior
furaram os olhos do assum preto
pra ele assim, ai, cantar melhor

Ambos os pássaros não podem voar (um, aleijado; outro, na gaiola) e não podem ver (o primeiro tem os olhos adoentados; o segundo foi privado deles por crueldade). É a este último, contudo, que Belchior se dirige. Seria porque a graúna, como também se chama, canta marcada pela dor, assim como o poeta sabe que “sons, palavras são navalhas” e que “não pode cantar como convém”? Seria porque o destino do assum preto se mostra mais fechado e decidido, morte em vida mesmo — à qual o cantor se refere tantas vezes só para anunciar que renascerá em seguida? E ambos são brasileiros.

Canta o corvo em nós: o futuro nunca mais. Mas me cegar e me restringir a ser o amigo a quem o verso repreende só me trouxe a consciência de que até mesmo para enunciar utopias é preciso um trabalho. Um despojar-se da suspensão de descrença que mantém todos nós sintonizados à narrativa do mundo. O futuro nunca mais? Eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.



Duanne Ribeiro
São Paulo, 28/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
02. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
03. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
04. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
05. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




EL VIENTRE DE LA BALLENA
JAVIER CERCAS
QUINTETO ESPANHA
(2003)
R$ 98,00
+ frete grátis



CURRÍCULO, ARTE E FORMAÇÃO CONTINUADA
IRINÉIA SANTOS SILVA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 230,00



SICILY - CADOGAN ISLAND GUIDES
DANA FACAROS & MICHAEL PAULS
CADOGAN BOOKS
(1994)
R$ 15,00



CORIOLANO - MACBETH VOL 11 +12+02 (2495)
WILLIAM SHAKESPEARE - OBRAS COMPLETAS
MELHORAMENTOS
R$ 30,00



OS PENSADORES - SANTO AGOSTINHO
SANTO AGOSTINHO
NOVA CULTURAL
(1996)
R$ 15,00



ENTRE LINHAS E PONTOS VOL. 2 TECENDO LITERATURA, LÍNGUA E PRODUÇÃO TEX
MARY MURASHIMA / ELISABETH SILVEIRA / CLÁUDIA ...
DO BRASIL
(2014)
R$ 49,90



A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NO CAMPO DA COMUNICAÇÃO
RAFAEL HILLER
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SAÚDE PASTORAL E COMUNITÁRIA
AGEU HERINGER LISBOA
CPPC
(1985)
R$ 20,00



CONVIVENDO COM SEU SEXO PAIS E PROFESSORES
HÁLIA PAULIV DE SOUZA
PAULINAS
(1991)
R$ 5,30



PORTAIS
LEDINILSON RIBEIRO MOREIRA
DO AUTOR
(2010)
R$ 12,90





busca | avançada
24646 visitas/dia
922 mil/mês