Assum Preto, Me Responde? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
>>> Eu não pulei carnaval
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Grüβ Gott
>>> Blogs vs. sites de notícias
Mais Recentes
>>> O que o dinheiro não compra de Michael J. Sandel pela Civilização Brasileira (2012)
>>> História de Juvenal e o Dragão de João Martins de Athayde pela Não informado
>>> A Segunda Vida de Canção de Fogo de Minelvino Francisco Silva pela Não informado
>>> A Segunda Vida de Canção de Fogo de Minelvino Francisco Silva pela Não informado
>>> O Homem em Teilhard de Chardin de Paul Chauchard pela Herder (1963)
>>> O Santo Graal a História de uma Lenda de Richard Barber pela Record (2007)
>>> Cestas Sagradas-lições espirituais de um guerreiro das quadras de Phil Jackson /Hugh Delehanty pela Rocco (1997)
>>> Carmen de Prosper Mérimée pela Brasiliense (1986)
>>> A Borboleta de James M. Cain pela Brasiliense (1986)
>>> Carmilla Morrer de Prazer e Chá Verde de Sheridan Le Fanu pela Brasiliense (1985)
>>> O Que é Trabalho Empresa Marketing de Varios Autores pela Círculo do Livro
>>> O Que é Ecologia / Corpo / Lazer de Pàdua / Gaiarsa / Camargo pela Círculo do Livro
>>> Reunião de Turma de Fred Uhlman pela Record (1971)
>>> Impossível Equilíbrio de Mempo Giardinelli pela Record (1997)
>>> Língua Portugues Sistema Único de Saude de Ismael mrad e Ana Carolina pela Águia Dourada (2016)
>>> Tijon, Gongón e Outros Escritos de Miguel Ángel Asturias pela Labortexto (1999)
>>> Vista do Amanhecer no Trópico de G. Cabrera Infante pela Companhia das Letras (1988)
>>> Moha o Louco Moha o Sábio de Tahar Ben Jelloun pela Francisco Alves (1985)
>>> A Neve do Almirante de Alvaro Mutis pela Companhia das Letras (1990)
>>> O Pau de Sebo de René Depestre pela Marco Zero (1983)
>>> O Misterioso Desaparecimento da Marquesinha de Loria de José Donoso pela Difel (1984)
>>> O Itinerário da Derrota de Ruy Carlos Ostermann pela Artes Ofícios (1992)
>>> Cem Anos de Paixão - uma Mitologia Carioca no Futebol de Cláudia Mattos pela Rocco
>>> Evolução na Comunicação de Giovanni Giovannini pela Nova Fronteira (1987)
>>> Mito e Sexualidade de Jamake Highwater pela Saraiva (1992)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2018
Assum Preto, Me Responde?
Duanne Ribeiro

+ de 3200 Acessos

“Você não sente nem vê, mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.” Com maior frequência não nos posicionamos do lado de quem fala nessa letra de Belchior? O frescor que podemos sentir no verso vem de que, por um apelo à profecia, à imaginação, nos subtraímos ao realismo, ao pragmatismo, ao a vida como ela é inscritos nesse interlocutor, no “amigo” a quem nos dirigimos. Ele não sente, mas nós sentimos; ele não vê, mas nós vemos; temos consciência da lei: o novo sempre vem, e é certos disso que nos lançamos sem certezas ao futuro.

Me surpreendi ontem, porém, quando ouvi esse verso e não pude seguir seu entusiasmo — não pude sentir, ver, saber que uma nova mudança nos aguarda, apesar de tudo. Pois as pesquisas eleitorais descrevem um Brasil sufocado pela ideia de voltar, à esquerda e à direita circulam ideais de passado que devemos reativar. Pois os debates à presidência oferecem intensidades diferentes do mesmo. Pois seja qual for o resultado do pleito, no futuro do país podemos prever só o rearranjo das forças atuais, sob a permanência dos que têm a influência perene do controle da infraestrutura e do dinheiro.

Mudanças, ainda assim mudanças, alguém poderia me dizer — repare no adjetivo nova. Não se trata aqui de trocar as cores das peças no tabuleiro ou de puxar cartas do bolso, o fundamental é mais a irrupção de outra regra, a formulação de outro jogo. É mudança se a única questão é em qual governo Henrique Meirelles será ministro? Se os avanços sociais que houverem serão só o que a acomodação de interesses permitir que sejam? Se à pergunta “qual o Brasil que queremos?” só conseguimos responder, de uma ponta a outra do país, que não queremos ser roubados, só isso.

Me tornei aquele amigo a quem a música fala? Talvez sempre o tenha sido. Não sei quanto a quem conheceu essa música, “Velha Roupa Colorida”, quando ela foi lançada, mas é só filtrada pela retrospectiva que posso ouvi-la — é sabendo que, sim, a nova mudança aconteceu. Alucinação, seu álbum, é de 1976 — viriam a redemocratização, a constituição de 1988, a chegada ao poder de um partido que, independente da sua posteridade, é mais fruto da mobilização popular e menos dos debates internos às camarilhas. O profeta estava correto. Estaria o viço do verso em que eu sei que o novo veio?

Saber que o novo veio não é o mesmo que saber que o novo sempre vem. De um lado é a série de comprovações históricas, a qual exige no mais das vezes tremendos esforços para ordená-la de forma a que seja conveniente aos nossos desejos e que conduz a uma espécie de ressentimento satisfeito, um “eu não te disse?” aplicado a questões sobre as quais jamais temos o sereno juízo que advém quando tudo chegou a um termo. Do outro lado, trata-se de prever que haverá algo que não podemos prever. Que as possibilidades não são reproduções ou recombinações. São o impossível atual.

Você, eu, não sentimos, não vemos o impossível? A música adverte: é preciso curar-se para tal: “O que antes era novo, jovem, hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer”. Como se rejuvenesce? Será como no poema de Manoel de Barros — “desaprender oito horas por dia ensina os princípios”? Talvez: por que, lembre-se, no lado oposto está o a vida como ela é, essa presunção e cinismo travestidos de sabedoria que amam o passado e que não veem... nós sabemos pelo contrário que “no presente, a mente, o corpo — é diferente, e o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Uma roupa que não serve, como um sapato 36 para o nosso pé que é 37, o desconforto diagnostica que o estável pode ser insustentável. Experimentemos, então, inventar para além do nosso desagrado. Cabemos numa política reduzida a negociatas em Brasília? O mais amplo poderia estar no entrelaçamento político de toda a sociedade – sinto que é assim, veja: agora, nós, entrelaçados — politicamente, sim; minha ideia política abrindo caminho até as suas ideias políticas, esse contato transformando um campo político.

Cabemos no figurino apertado do voto como manifestação única da cidadania? Frutifico mais ao ponderar o nosso poder conjunto de nos construir todos os dias. De podermos levar, todos nós, pelas mãos, os presidentes. Ao se abrir por um momento a esses ideais, não nos fruímos mais jovens? (Mais ingênuos, diria o amigo de mau agouro.) Por quanto tempo nos deixamos permanecer nesse espaço arejado de invenção? É certamente um potencial nosso a criação; deixando-o de lado, somos — qual a metáfora, Belchior?

Somos aves rendidas. A transição dos pássaros nos mostra esse sentido. Belchior funde Edgar Allan Poe, Paul McCartney e plausivelmente Luiz Gonzaga para produzir um outro interlocutor, não mais um que lhe trave caminhos, mas um que lhe inspire renovação. Do corvo do poeta londrino, raven que se troca em never para dizer que a vida se esgota, “Velha Roupa Colorida” vai ao Black Bird dos Beatles, a quem se conclama:

blackbird singing in the dead of night
take these broken wings
and learn to fly
all your life
you were only waiting
for this moment to arise

blackbird singing in the dead of night,
take these sunken eyes
and learn to see
all your life,
you were only waiting
for this moment to be free

Tem-se de reaprender a voar e a ver. O rejuvenescimento é um tipo de amadurecimento — para ser jovem outra vez é preciso atravessar uma velhice? Pelo signo do assum preto passaremos por outros oxímoros do tipo que podem nos convencer que sim. Ao pássaro inglês, soma-se a ave brasileira, cantada por Gonzaga:

tudo em volta é só beleza
Sol de abril e a mata em flor
mas assum preto, cego dos olhos
não vendo a luz, ai, canta de dor

talvez por ignorância
ou maldade da pior
furaram os olhos do assum preto
pra ele assim, ai, cantar melhor

Ambos os pássaros não podem voar (um, aleijado; outro, na gaiola) e não podem ver (o primeiro tem os olhos adoentados; o segundo foi privado deles por crueldade). É a este último, contudo, que Belchior se dirige. Seria porque a graúna, como também se chama, canta marcada pela dor, assim como o poeta sabe que “sons, palavras são navalhas” e que “não pode cantar como convém”? Seria porque o destino do assum preto se mostra mais fechado e decidido, morte em vida mesmo — à qual o cantor se refere tantas vezes só para anunciar que renascerá em seguida? E ambos são brasileiros.

Canta o corvo em nós: o futuro nunca mais. Mas me cegar e me restringir a ser o amigo a quem o verso repreende só me trouxe a consciência de que até mesmo para enunciar utopias é preciso um trabalho. Um despojar-se da suspensão de descrença que mantém todos nós sintonizados à narrativa do mundo. O futuro nunca mais? Eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.



Duanne Ribeiro
São Paulo, 28/8/2018


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Lúcia
Gustavo Bernardo
Relume Dumará
(1999)
R$ 9,80



Nouvel Âge Dor Ou Horreur Économique ? La Nouvelle Économie Des
Jacques Régniez
Presses Universitaires France
(1999)
R$ 32,28



El Espacio Imaginario
Sami-ali
Amorrortu
(1974)
R$ 15,00



As Novas Fronteiras da Ética Cristã
Claudionor de Andrade
Cpad
(2015)
R$ 20,00



Rivista Di Architettura e Arti del Progetto Luglio / Agosto 1999
Pierre Pinon
Federico
(1999)
R$ 15,00



Harry Potter and the Deatbly Hallows
J. K. Rowling
Bloomsbury
(2007)
R$ 22,00



O Matuto
Zíbia Gasparetto-pelo Espírito de Lucius
Vida e Consciencia
(2003)
R$ 25,90



O Tronco do Ipê Clássicos Brasileiros
José de Alencar
Ediouro
R$ 8,00



Corpo Novos Poemas
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1984)
R$ 15,00



Nina Remy 3 Uma Super Espiã Um Tremendo Pesadelo
Deborah Abela
Fundamento
(2009)
R$ 11,90





busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês