Assum Preto, Me Responde? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> TV Brasil pré-estreia Atos com Antonio Pitanga nesta segunda (19/11)
>>> TV Brasil apresenta programação temática na Semana da Consciência Negra
>>> Baterias Brasileiras do Sesc Belenzinho apresenta shows com Pupillo e Curumin
>>> Refúgios Musicais do Sesc Belenzinho apresenta banda de haitianos Surprise
>>> Avesso - O Musical aborda conflito de gerações em musical jovem de fortes emoções
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Goeldi, o Brasil sombrio
>>> Do canto ao silêncio das sereias
>>> Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Um lance de escadas
>>> No tinir dos metais
>>> De(correntes)
>>> Prata matutina
>>> Brazil - An Existing Alien Country on Planet Earth
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O naufrágio é do escritor
>>> Os X-men e o fim da infância
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Emagrecer sem sofrer? Isso é papo de revista
>>> Dez obras da literatura latino-americana
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Negrinha e os donos do sentido
>>> AC/DC com Bon Scott
>>> Filosofia de boteco
>>> Mar de Gente, de Ivaldo Bertazzo
Mais Recentes
>>> Festa Sob as Bombas / Os Anos Ingleses de Elias Canetti pela Estação Liberdade (2009)
>>> A Cidade Perversa / Liberalismo e Pornografia de Dany-Robert Dufour pela Civilização Brasileira (2013)
>>> Réquiem para o Sonho Americano de Noam Chomsky pela Bertrand Brasil (2017)
>>> Fundamentos doutrinários de umbanda de Rubens Saraceni pela Madras (2013)
>>> O Capitalismo Como Religião de Walter Benjamin pela Boitempo (2013)
>>> Umbanda de todos nós de W.W. da Matta e Silva pela Ícone Ed. (2014)
>>> O Que É uma Revolução de Álvaro García Linera pela Expressão Popular (2018)
>>> A canção no tempo v. 1 de Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello pela Ed. 34 (2006)
>>> A Viúva Cliquot de Tilar J. Mazzeo pela Rocco (2018)
>>> Sobre o Islã de Ali Kamel pela Nova Fronteira (2007)
>>> O poder do silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2010)
>>> O Vínculo do Prazer de William H. Masters, Virginia E. Johnson pela Círculo do Livro (1975)
>>> Criança Inquieta - Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade? de Esméria Rovai, Carlos Brunini pela Livro on Demand (2018)
>>> O Divã a Passeio de Fabio Herrmann pela Brasiliense (1992)
>>> Psicoterapia Psicodramática de Dalmiro Manuel Bustos pela Brasiliense (1979)
>>> Que Barulho é Esse, Ratinho? de Stephanie Stansbie, Polona Lovsin pela Zastras (2010)
>>> Aritmética - Novas Perspectivas - Implicações da Teoria de Piaget de Constance Kamii e Linda Leslie Joseph pela Papirus (1993)
>>> Teoria e Política do Desenvolvimento Econômico de Celso Furtado pela Nova Cultural (1986)
>>> A Volta ao Mundo Em 80 Dias de Júlio Verne pela Codil (1970)
>>> O Universo e Eu de Mara Muniz pela D&z (1999)
>>> O Menino Maluquinho de Ziraldo Alves Pinto pela Melhoramentos (2000)
>>> Clarindo Silva - o Dom Quixote do Pelourinho de Vander Prata pela Alba (2012)
>>> Café Em São Paulo de Élcio Nogueira pela Litteris (1999)
>>> Chapéu de Mágico de Anna Maria Lavezzini pela Editado pela Autora (1993)
>>> Pais Inteligentes Formam Sucessores, Não Herdeiros de Augusto Cury pela Saraiva (2014)
>>> Desmatamento e Modos de Vida na Amazônia de Antonio Carlos Diegues (org.) pela Nupaub (1999)
>>> Tratado de Economia Política de Jean Baptiste Say pela Nova Cultural (1986)
>>> Gomorra de Roberto Saviano pela Bertrand Brasil (2009)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (org.) pela Objetiva (2001)
>>> Os Irmãos Karamázov - 2 Vols. de Fiódor Dostoiévski pela 34 (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Círculo do Livro (1981)
>>> Como Se Faz uma Tese de Umberto Eco pela Perspectiva (1989)
>>> Mitos e Lendas da Roma Antiga de John Gilbert pela Melhoramentos (1976)
>>> Nunca Desista de Seus Sonhos de Augusto Cury pela Sextante (2007)
>>> A Erva do Diabo de Carlos Castaneda pela Nova Era (2002)
>>> Código Penal Comentado - Legislação Complementar de Celso Delmanto e Outros pela Renovar (2002)
>>> O Boto do Reno - as Histórias de um Repórter de Fórmula 1 pelo Mundo de Flavio Gomes pela Letradelta (2005)
>>> Conheça-se a Si Mesmo de Karen Horney pela Civilização Brasileira (1964)
>>> Dois Cigarros de Flavio Gomes pela Gulliver (2018)
>>> Perdidos e Achados - Entre a Escuta Poética e a Psicoterapia de Fátima Santa Rosa pela Solisluna (2018)
>>> Fotogramas do Imaginário: Manoel de Barros - Ensaios de Igor Rossoni pela Vento Leste (2007)
>>> Insetos no Folclore de Karol Lenko e Nelson Papavero pela Plêiade (1996)
>>> Double Page Numéro 7 - Cavaliers des Stepppes de Roland Michaud, Sabrina Michaud pela Éditions Snep (1981)
>>> Catálogo Raisonné Tarsila do Amaral - Box Com 3 Volumes de Maria Eugênia Saturni, Regina Teixeira de Barros pela Base 7 Projetos Culturais (2008)
>>> O Brasil de Marc Ferrez de Sergio Burgi e Equipe do Instituto Moreira Salles pela Ims (2005)
>>> Amor Vale a Pena - Reflexões, Contos e Poemas de Fábio Salgueiro pela Bb (2016)
>>> Psicodrama - Descolonizando o Imaginário de Alfredo Naffah Neto pela Brasiliense (1979)
>>> Os Magos de Caprona de Diana Wynne Jones pela Geração Editorial (2001)
>>> Mais Platão Menos Prozac - a Filosofia Aplicada ao Cotidiano de Lou Marinoff pela Record (2006)
>>> Platão - Coleção os Pensadores de Platão pela Abril Cultural (1972)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2018
Assum Preto, Me Responde?
Duanne Ribeiro

+ de 1400 Acessos

“Você não sente nem vê, mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.” Com maior frequência não nos posicionamos do lado de quem fala nessa letra de Belchior? O frescor que podemos sentir no verso vem de que, por um apelo à profecia, à imaginação, nos subtraímos ao realismo, ao pragmatismo, ao a vida como ela é inscritos nesse interlocutor, no “amigo” a quem nos dirigimos. Ele não sente, mas nós sentimos; ele não vê, mas nós vemos; temos consciência da lei: o novo sempre vem, e é certos disso que nos lançamos sem certezas ao futuro.

Me surpreendi ontem, porém, quando ouvi esse verso e não pude seguir seu entusiasmo — não pude sentir, ver, saber que uma nova mudança nos aguarda, apesar de tudo. Pois as pesquisas eleitorais descrevem um Brasil sufocado pela ideia de voltar, à esquerda e à direita circulam ideais de passado que devemos reativar. Pois os debates à presidência oferecem intensidades diferentes do mesmo. Pois seja qual for o resultado do pleito, no futuro do país podemos prever só o rearranjo das forças atuais, sob a permanência dos que têm a influência perene do controle da infraestrutura e do dinheiro.

Mudanças, ainda assim mudanças, alguém poderia me dizer — repare no adjetivo nova. Não se trata aqui de trocar as cores das peças no tabuleiro ou de puxar cartas do bolso, o fundamental é mais a irrupção de outra regra, a formulação de outro jogo. É mudança se a única questão é em qual governo Henrique Meirelles será ministro? Se os avanços sociais que houverem serão só o que a acomodação de interesses permitir que sejam? Se à pergunta “qual o Brasil que queremos?” só conseguimos responder, de uma ponta a outra do país, que não queremos ser roubados, só isso.

Me tornei aquele amigo a quem a música fala? Talvez sempre o tenha sido. Não sei quanto a quem conheceu essa música, “Velha Roupa Colorida”, quando ela foi lançada, mas é só filtrada pela retrospectiva que posso ouvi-la — é sabendo que, sim, a nova mudança aconteceu. Alucinação, seu álbum, é de 1976 — viriam a redemocratização, a constituição de 1988, a chegada ao poder de um partido que, independente da sua posteridade, é mais fruto da mobilização popular e menos dos debates internos às camarilhas. O profeta estava correto. Estaria o viço do verso em que eu sei que o novo veio?

Saber que o novo veio não é o mesmo que saber que o novo sempre vem. De um lado é a série de comprovações históricas, a qual exige no mais das vezes tremendos esforços para ordená-la de forma a que seja conveniente aos nossos desejos e que conduz a uma espécie de ressentimento satisfeito, um “eu não te disse?” aplicado a questões sobre as quais jamais temos o sereno juízo que advém quando tudo chegou a um termo. Do outro lado, trata-se de prever que haverá algo que não podemos prever. Que as possibilidades não são reproduções ou recombinações. São o impossível atual.

Você, eu, não sentimos, não vemos o impossível? A música adverte: é preciso curar-se para tal: “O que antes era novo, jovem, hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer”. Como se rejuvenesce? Será como no poema de Manoel de Barros — “desaprender oito horas por dia ensina os princípios”? Talvez: por que, lembre-se, no lado oposto está o a vida como ela é, essa presunção e cinismo travestidos de sabedoria que amam o passado e que não veem... nós sabemos pelo contrário que “no presente, a mente, o corpo — é diferente, e o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Uma roupa que não serve, como um sapato 36 para o nosso pé que é 37, o desconforto diagnostica que o estável pode ser insustentável. Experimentemos, então, inventar para além do nosso desagrado. Cabemos numa política reduzida a negociatas em Brasília? O mais amplo poderia estar no entrelaçamento político de toda a sociedade – sinto que é assim, veja: agora, nós, entrelaçados — politicamente, sim; minha ideia política abrindo caminho até as suas ideias políticas, esse contato transformando um campo político.

Cabemos no figurino apertado do voto como manifestação única da cidadania? Frutifico mais ao ponderar o nosso poder conjunto de nos construir todos os dias. De podermos levar, todos nós, pelas mãos, os presidentes. Ao se abrir por um momento a esses ideais, não nos fruímos mais jovens? (Mais ingênuos, diria o amigo de mau agouro.) Por quanto tempo nos deixamos permanecer nesse espaço arejado de invenção? É certamente um potencial nosso a criação; deixando-o de lado, somos — qual a metáfora, Belchior?

Somos aves rendidas. A transição dos pássaros nos mostra esse sentido. Belchior funde Edgar Allan Poe, Paul McCartney e plausivelmente Luiz Gonzaga para produzir um outro interlocutor, não mais um que lhe trave caminhos, mas um que lhe inspire renovação. Do corvo do poeta londrino, raven que se troca em never para dizer que a vida se esgota, “Velha Roupa Colorida” vai ao Black Bird dos Beatles, a quem se conclama:

blackbird singing in the dead of night
take these broken wings
and learn to fly
all your life
you were only waiting
for this moment to arise

blackbird singing in the dead of night,
take these sunken eyes
and learn to see
all your life,
you were only waiting
for this moment to be free

Tem-se de reaprender a voar e a ver. O rejuvenescimento é um tipo de amadurecimento — para ser jovem outra vez é preciso atravessar uma velhice? Pelo signo do assum preto passaremos por outros oxímoros do tipo que podem nos convencer que sim. Ao pássaro inglês, soma-se a ave brasileira, cantada por Gonzaga:

tudo em volta é só beleza
Sol de abril e a mata em flor
mas assum preto, cego dos olhos
não vendo a luz, ai, canta de dor

talvez por ignorância
ou maldade da pior
furaram os olhos do assum preto
pra ele assim, ai, cantar melhor

Ambos os pássaros não podem voar (um, aleijado; outro, na gaiola) e não podem ver (o primeiro tem os olhos adoentados; o segundo foi privado deles por crueldade). É a este último, contudo, que Belchior se dirige. Seria porque a graúna, como também se chama, canta marcada pela dor, assim como o poeta sabe que “sons, palavras são navalhas” e que “não pode cantar como convém”? Seria porque o destino do assum preto se mostra mais fechado e decidido, morte em vida mesmo — à qual o cantor se refere tantas vezes só para anunciar que renascerá em seguida? E ambos são brasileiros.

Canta o corvo em nós: o futuro nunca mais. Mas me cegar e me restringir a ser o amigo a quem o verso repreende só me trouxe a consciência de que até mesmo para enunciar utopias é preciso um trabalho. Um despojar-se da suspensão de descrença que mantém todos nós sintonizados à narrativa do mundo. O futuro nunca mais? Eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.



Duanne Ribeiro
São Paulo, 28/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
02. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
03. De quantos modos um menino queima? de Duanne Ribeiro
04. Mais outro cais de Elisa Andrade Buzzo
05. A falta que Tom Wolfe fará de Rafael Lima


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MANUAL DA FALTA DE ESTILO - 830A
JOSUÉ MACHADO
BEST SELLER
(1994)
R$ 10,00



ZERO - EDIÇÃO COMEMORATIVA 35 ANOS
IGNÁCIO DE LOYOLA BRANDÃO
GLOBAL
(2010)
R$ 63,99



MISSÃO DE DEUS PARA O POLICIAL
CUSTÓDIO ALVES BARRETO NETO
INSPIRE
(2012)
R$ 6,90



LIVRO DE TEXTO DE ENDOCRINOLOGIA - TEXTBOOK OF ENDOCRINOLOGY - WILLIAMS
ROBERT H.WILLIAMS
W.B SAUNDERS COMPANY
(1981)
R$ 189,00



TRAÇOS DE NOVA YORK
TORRES GARCIA
CAIXA CULTURAL
(2010)
R$ 40,00



DIREITO TRIBUTÁRIO BRASILEIRO- 14°EDIÇÃO.
LUCIANO AMARO
SARAIVA
(2008)
R$ 27,90



LAZARILLO DE TORMES (LITERATURA ESPANHOLA) - EM ESPANHOL
AUTOR ANÔNIMO DO SÉCULO XVI
PML EDICIONES
(1994)
R$ 8,00



NORWOOD BUILDER AND OTHER STORIES - MACMILLAN READERS 5
ARTHUR CONAN DOYLE
MACMILLAN
(2016)
R$ 51,90



RITUAL DE MAGIA DIVINA: O PODER INFALÍVEL DA PRECE
PENSAMENTO
PENSAMENTO
(1968)
R$ 39,90



JUSTIÇA DO TRABALHO--DOUTRINA--JURISPRUDENCIA--LEGISLAÇAO.......
VARIOS
NOTADEZ
R$ 14,00





busca | avançada
41820 visitas/dia
922 mil/mês