Assum Preto, Me Responde? | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
29950 visitas/dia
957 mil/mês
Mais Recentes
>>> Terça Aberta no Kasulo reúne trabalhos com temática LGBTQ
>>> 'O Que De Verdade Importa' chega aos cinemas com audiodescrição, legendas descritivas e LIBRAS
>>> Tejon e banda Rock For All apresentam hoje (23), em São Paulo,
>>> 'D. Quixote de La Mancha pelas mãos de Canato'
>>> Projeto nacional de educação musical estará em santos no próximo dia 24.10, em Guarujá 25.09 e Santo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O tigre de papel que ruge
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Cidades do Algarve
>>> Gosta de escrever? Como não leu este livro ainda?
>>> Assum Preto, Me Responde?
>>> Os olhos de Ingrid Bergman
>>> Não quero ser Capitu
>>> Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin
>>> Pra que mentir? Vadico, Noel e o samba
>>> De quantos modos um menino queima?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro I
>>> Millôr no IMS Paulista
>>> A dignidade da culpa, em Graciliano Ramos
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Ingmar Bergman, cada um tem o seu
>>> Em defesa do preconceito, de Theodore Dalrymple
>>> BRASIL, UM CORPO SEM ALMA E ACÉFALO
>>> Meus encontros com Luiz Melodia
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> O testemunho nos caminhos de Israel
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cultura do remix
>>> Silenciofobia
>>> Uma vida para James Joyce
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Santa Xuxa contra a hipocrisia atual
>>> Aborto
>>> Pirates of the Amazon
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Apresentação
>>> UM OLHAR SOBRE A FILOSOFIA (PARTE FINAL)
Mais Recentes
>>> O Segredo das Crianças Felizes de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2003)
>>> Criando Meninos de Steve Biddulph pela Fundamento Educacional (2002)
>>> Isto Não É Amor de Patrick J. Carnes pela Best Seller/ Círculo do Livro (1991)
>>> Vidas em Arco-Íris de Edith Modesto pela Record (2006)
>>> Guia de Orientação Sexual de Marta Suplicy et alii pela Casa do Psicólogo (1994)
>>> Sexualidade: A Difícil Arte do Encontro de Lidia Rosenberg Aratangy pela Ática (1996)
>>> Psicomotricidade: Da Educação Infantil à Gerontologia de Carlos Alberto Mattos Ferreira pela Lovise (2000)
>>> João do Rio - O dandi e a especulação de Raul Antelo pela Taurus (1989)
>>> O Português do Brasil - perspectivas da pesquisa atual de Wolf Dietrich e Volker Noll (orgs.) pela Vevuert /Iberoamericana (2004)
>>> Moderna Dramaturgia Brasileira de Sábato Magaldi pela Perspectiva (1998)
>>> Desafio aos Deuses de Peter L.Bernstein pela Campus/Elsevier (1997)
>>> Maus samaritanos- O mito do livre comércio e a história secreta do capitalismo de Chang,Ha-Joon pela Campus/Elsevier (2008)
>>> Os piores textos de washington olivetto de Editora planeta pela Planeta
>>> Tendencias contemporaneas de gestao de Jose meireles de sousa pela Pc editorial
>>> Transtornos bipolares,avances clinicos e terapeuticos. de E.vieta pela Novartis
>>> Estudos de politecnia e saude--4. de Mauricio monken pela Fio cruz
>>> Manual de gestao e programaçao financeira de pagamentos. de Carlos donato reis e jose vittorano neto. pela Edicta
>>> A cura e a saude pela natureza de Ernst schneider pela Casa
>>> Lexplication dans les sciences de la vie de Michel daune pela Centre national de la reicherche scientifique
>>> Motivaçao de equipes virtuais de Alfredo pires de castro pela Gente
>>> Passaporte para o mundo de Neloy caixeta pela Nova dinamica
>>> Origens do yoga antigo de De rose pela Nobel
>>> Gemeologia--o dilema. de Rodrigo carvalhedo. pela Barauna
>>> Contabilidade introdutoria--livro de exercicios. de Fea/usp pela Atlas
>>> Paradoxo global de John naisbitt pela Campus
>>> Doenças sexualmente transmissiveis de Humberto abrao pela Le
>>> O fator maia--um caminho alem da tecnologia de Jose argueles pela Cultrix
>>> Pesquisas sobre o sentido da vida de Paulo finotti pela Nao consta
>>> Milagres--uma exploraçao cientifica dos fenomenos paranormais. de Scott rogo pela Ibrasa
>>> Powershift--as mudanças do poder de Alvim toffler pela Record
>>> A cura quantica de Deepak chopra pela Best seller
>>> Sexo para leigos de Ruthk. westheimer pela Sexualide
>>> Ipad--o manual que faltava de J. d. biersdorfer pela Oreilly
>>> Sound blaster--o livro oficial de Peter m. rudge pela Mcgraw-hill
>>> Mac os x snow leopard de Steve johnson pela Prentice hell
>>> Engenharia de software de Helio engholm jr pela Novatec
>>> Vox Populi Vox... Wagen (Humorismo brasileiro) de Vários Autores pela Das Américas (1970)
>>> O melhor de S. Ponte Preta (Humorismo brasileiro) de Stanislaw Ponte Preta pela José Olympio (1997)
>>> Dois amigos e um chato (Humorismo brasileiro) de Stanislaw Ponte Preta pela Moderna (1986)
>>> Gol de Padre e outras crônicas (Literatura brasileira) de Stanislaw Ponte Preta pela Ática (2000)
>>> Máximas Inéditas de Tia Zulmira (Humorismo brasileiro) de Stanislaw Ponte Preta pela Codecri (1976)
>>> Tia Zulmira e Eu (Humorismo brasileiro) de Stanislaw Ponte Preta pela Circulo do Livro (1976)
>>> Febeapá 1 (Humorismo brasileiro) de Stanislaw Ponte Preta pela Circulo do Livro
>>> Sou Francisco Anysio: 15 obras (Humorismo/romance brasileiro) de Chico Anysio pela Circulo do Livro/Rocco/Sabiá (1990)
>>> Sou Francisco - Chico Anysio (Autobiografia) de Chico Anísio pela Rocco (1992)
>>> Chico Anysio em Salão de Sinuca (Humorismo brasileiro) de Chico Anísio pela Landscape (2004)
>>> Carapau (Romance brasileiro) de Chico Anísio pela Rocco (1978)
>>> Jesuíno, o Profeta (Fábula Brasileira) de Chico Anísio pela Rocco (1993)
>>> Negro Leo (Romance brasileiro) de Chico Anísio pela Rocco (1985)
>>> É mentira, Terta? (Humorismo brasileiro) de Chico Anísio pela Clube do Livro (1986)
COLUNAS

Terça-feira, 28/8/2018
Assum Preto, Me Responde?
Duanne Ribeiro

+ de 1000 Acessos

“Você não sente nem vê, mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.” Com maior frequência não nos posicionamos do lado de quem fala nessa letra de Belchior? O frescor que podemos sentir no verso vem de que, por um apelo à profecia, à imaginação, nos subtraímos ao realismo, ao pragmatismo, ao a vida como ela é inscritos nesse interlocutor, no “amigo” a quem nos dirigimos. Ele não sente, mas nós sentimos; ele não vê, mas nós vemos; temos consciência da lei: o novo sempre vem, e é certos disso que nos lançamos sem certezas ao futuro.

Me surpreendi ontem, porém, quando ouvi esse verso e não pude seguir seu entusiasmo — não pude sentir, ver, saber que uma nova mudança nos aguarda, apesar de tudo. Pois as pesquisas eleitorais descrevem um Brasil sufocado pela ideia de voltar, à esquerda e à direita circulam ideais de passado que devemos reativar. Pois os debates à presidência oferecem intensidades diferentes do mesmo. Pois seja qual for o resultado do pleito, no futuro do país podemos prever só o rearranjo das forças atuais, sob a permanência dos que têm a influência perene do controle da infraestrutura e do dinheiro.

Mudanças, ainda assim mudanças, alguém poderia me dizer — repare no adjetivo nova. Não se trata aqui de trocar as cores das peças no tabuleiro ou de puxar cartas do bolso, o fundamental é mais a irrupção de outra regra, a formulação de outro jogo. É mudança se a única questão é em qual governo Henrique Meirelles será ministro? Se os avanços sociais que houverem serão só o que a acomodação de interesses permitir que sejam? Se à pergunta “qual o Brasil que queremos?” só conseguimos responder, de uma ponta a outra do país, que não queremos ser roubados, só isso.

Me tornei aquele amigo a quem a música fala? Talvez sempre o tenha sido. Não sei quanto a quem conheceu essa música, “Velha Roupa Colorida”, quando ela foi lançada, mas é só filtrada pela retrospectiva que posso ouvi-la — é sabendo que, sim, a nova mudança aconteceu. Alucinação, seu álbum, é de 1976 — viriam a redemocratização, a constituição de 1988, a chegada ao poder de um partido que, independente da sua posteridade, é mais fruto da mobilização popular e menos dos debates internos às camarilhas. O profeta estava correto. Estaria o viço do verso em que eu sei que o novo veio?

Saber que o novo veio não é o mesmo que saber que o novo sempre vem. De um lado é a série de comprovações históricas, a qual exige no mais das vezes tremendos esforços para ordená-la de forma a que seja conveniente aos nossos desejos e que conduz a uma espécie de ressentimento satisfeito, um “eu não te disse?” aplicado a questões sobre as quais jamais temos o sereno juízo que advém quando tudo chegou a um termo. Do outro lado, trata-se de prever que haverá algo que não podemos prever. Que as possibilidades não são reproduções ou recombinações. São o impossível atual.

Você, eu, não sentimos, não vemos o impossível? A música adverte: é preciso curar-se para tal: “O que antes era novo, jovem, hoje é antigo, e precisamos todos rejuvenescer”. Como se rejuvenesce? Será como no poema de Manoel de Barros — “desaprender oito horas por dia ensina os princípios”? Talvez: por que, lembre-se, no lado oposto está o a vida como ela é, essa presunção e cinismo travestidos de sabedoria que amam o passado e que não veem... nós sabemos pelo contrário que “no presente, a mente, o corpo — é diferente, e o passado é uma roupa que não nos serve mais”.

Uma roupa que não serve, como um sapato 36 para o nosso pé que é 37, o desconforto diagnostica que o estável pode ser insustentável. Experimentemos, então, inventar para além do nosso desagrado. Cabemos numa política reduzida a negociatas em Brasília? O mais amplo poderia estar no entrelaçamento político de toda a sociedade – sinto que é assim, veja: agora, nós, entrelaçados — politicamente, sim; minha ideia política abrindo caminho até as suas ideias políticas, esse contato transformando um campo político.

Cabemos no figurino apertado do voto como manifestação única da cidadania? Frutifico mais ao ponderar o nosso poder conjunto de nos construir todos os dias. De podermos levar, todos nós, pelas mãos, os presidentes. Ao se abrir por um momento a esses ideais, não nos fruímos mais jovens? (Mais ingênuos, diria o amigo de mau agouro.) Por quanto tempo nos deixamos permanecer nesse espaço arejado de invenção? É certamente um potencial nosso a criação; deixando-o de lado, somos — qual a metáfora, Belchior?

Somos aves rendidas. A transição dos pássaros nos mostra esse sentido. Belchior funde Edgar Allan Poe, Paul McCartney e plausivelmente Luiz Gonzaga para produzir um outro interlocutor, não mais um que lhe trave caminhos, mas um que lhe inspire renovação. Do corvo do poeta londrino, raven que se troca em never para dizer que a vida se esgota, “Velha Roupa Colorida” vai ao Black Bird dos Beatles, a quem se conclama:

blackbird singing in the dead of night
take these broken wings
and learn to fly
all your life
you were only waiting
for this moment to arise

blackbird singing in the dead of night,
take these sunken eyes
and learn to see
all your life,
you were only waiting
for this moment to be free

Tem-se de reaprender a voar e a ver. O rejuvenescimento é um tipo de amadurecimento — para ser jovem outra vez é preciso atravessar uma velhice? Pelo signo do assum preto passaremos por outros oxímoros do tipo que podem nos convencer que sim. Ao pássaro inglês, soma-se a ave brasileira, cantada por Gonzaga:

tudo em volta é só beleza
Sol de abril e a mata em flor
mas assum preto, cego dos olhos
não vendo a luz, ai, canta de dor

talvez por ignorância
ou maldade da pior
furaram os olhos do assum preto
pra ele assim, ai, cantar melhor

Ambos os pássaros não podem voar (um, aleijado; outro, na gaiola) e não podem ver (o primeiro tem os olhos adoentados; o segundo foi privado deles por crueldade). É a este último, contudo, que Belchior se dirige. Seria porque a graúna, como também se chama, canta marcada pela dor, assim como o poeta sabe que “sons, palavras são navalhas” e que “não pode cantar como convém”? Seria porque o destino do assum preto se mostra mais fechado e decidido, morte em vida mesmo — à qual o cantor se refere tantas vezes só para anunciar que renascerá em seguida? E ambos são brasileiros.

Canta o corvo em nós: o futuro nunca mais. Mas me cegar e me restringir a ser o amigo a quem o verso repreende só me trouxe a consciência de que até mesmo para enunciar utopias é preciso um trabalho. Um despojar-se da suspensão de descrença que mantém todos nós sintonizados à narrativa do mundo. O futuro nunca mais? Eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer.



Duanne Ribeiro
São Paulo, 28/8/2018


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
02. Desdizer: a poética de Antonio Carlos Secchin de Jardel Dias Cavalcanti
03. Entrevista com a tradutora Denise Bottmann de Jardel Dias Cavalcanti
04. O dia em que não conheci Chico Buarque de Elisa Andrade Buzzo
05. Um Furto de Ricardo de Mattos


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro
01. Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro - 15/2/2011
02. Manual para o leitor de transporte público - 29/3/2011
03. Diário de Rato, Chocolate em Pó e Cal Virgem - 2/10/2012
04. O que mata o prazer de ler? - 21/12/2010
05. Pra que ler jornal de papel? - 18/5/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMO CRIAR UMA VIDA ENCANTADA
VICTORIA MORAN
ROCCO
(2002)
R$ 16,90



ODEIO REUNIÕES
STEPHEN BAKER
MELHORAMENTOS
(1995)
R$ 6,00



PAPER PLEASURES: FROM BASIC SKILLS TO CREATIVE IDEAS
FAITH SHANNON
MITCHELL BEAZLEY PUBLISHERS
(1990)
R$ 119,00



AQUELA MESMA PAISAGEM
LIDIANE NUNES
KALANGO
(2013)
R$ 10,00



FAÇA SEU TESTE - TOMO 4
LUIZ FAUSTO FERREIRA / PÉRSIO TOLEDO OLIVEIRA
MESTRE JOU
(1974)
R$ 8,00



O AVESSO DAS COISAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1997)
R$ 12,90



MANGÁ HITMAN - MATADOR POR ACASO 1
HIROSHI MUTOU
SAMPA ARTE / LAZER
R$ 8,99



ASPIRE UPPER-INTERMEDIATE STUDENTS BOOK - COM DVD
PAUL DUMMETT E OUTROS
CENGAGE
(2013)
R$ 106,90



VITRAIS DO MUNDO
WALDEMAR VALLE MARTINS
LOYOLA
(1999)
R$ 5,00



A CIOCIARA - GRANDES SUCESSOS
ALBERTO MORAVIA
ABRIL CULTURAL
(1983)
R$ 8,00





busca | avançada
29950 visitas/dia
957 mil/mês